Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Estou sendo forçado a jogar um jogo de 24 horas (06:00 - 07:00)

3 comentários

Era por volta das 06:10 quando chegamos à margem, as amplas extensões dos Apalaches se estendem diante de nós com a beleza crua que, em circunstâncias normais, eu provavelmente teria gostado de ver.

Mas estas não são circunstâncias normais. Estou com frio, cansado e com fome enquanto ajudo Melissa a sair do barco e seguir nossa nova líder em direção às praias arenosas e escarpadas.

"Ainda não recebemos nenhuma nova instrução", Wayne refletiu enquanto se esticava e olhava para a floresta sinuosa.

"Não vai demorar muito," observou Heather, olhando em volta procurando por algo escondido na areia.

Um momento depois, acha e cava da areia um baú de metal. De certa forma, isso me lembrou dos itens que recebi mais cedo nesse mesmo dia.


Ela abriu e, para meu alívio, vi comida lá dentro. Junto com uma nota.

VII. COMAM.

"Eu acho que esta é a nossa recompensa pelo bom comportamento?" Celeste disse enquanto jogava a mochila no chão e pegava um dos sanduíches.

Heather parecia nervosa, olhando ao redor da baía isolada como se alguém estivesse nos observando.

"O que foi?" Eu pergunto.

"Não parece certo. O jogo nunca é fácil para ninguém. Nunca. É quase uma regra não escrita", disse.

"Talvez tenha sido porque seguimos bem certinhas as últimas instruções? E estamos lidando mito bem com os desafios até agora, na minha opinião", disse Wayne quando começou a mastigar o sanduíche.

"Isso não é só.. isso. É um desafio. Significa que há algo além de apenas comer um maldito sanduíche de atum", disse Heather.

Wayne pareceu refletir sobre isso por um breve momento e, de repente, seus olhos se arregalam quando deixou cair a comida na areia.

"Caralho, caralho, cara..." dizia rapidamente enquanto colocava as duas mãos na garganta.


"Daniel! Largue a porra do telefone e me ajude! Ele está tendo uma reação alérgica!" Heather ordenou.


***

O que aconteceu nos dezenove minutos seguintes pareceu se alongar muito mais do que podia na realidade. 

Corri para o lado de Wayne e chequei seu sanduíche, tentando descobrir o que poderia ter ali que desencadeasse uma reação alérgica quando Celeste gritou, "Tem uma injeção de adrenalina no barco!" 

Melissa largou sua própria comida e correu em direção do barco enquanto deitávamos Wayne no chão e ele respirava com muita dificuldade. 

Olhei para o meu sanduíche e larguei no chão, sem coragem nenhuma de dar uma mordida. "Acho que estão todos envenenados. É uma armadilha," falei.

Celeste pareceu concordar mas sua parceira parecia não concordar com isso. 

Heather rangiu os dentes, depois sussurrou, " Não... é muito mais que isso. É mais um malditodesafio. Nós temos que completar o desafio. Precisamos comer." 

Mordeu sua comida e observei hesitantemente enquanto ela engolia sem nada demais acontecer.

"Alguns estão cheios de alergênicos, outros não. Temos que escolher os certos," percebeu. 

Wayne estava ofegante, quase inconsciente quando Melissa voltou correndo com o kit médico. Celeste abriu e administrou a dosagem correta enquanto eu observava minha própria comida.

"Não temos como saber qual é qual?" Perguntei. 

"Creio que não," Heather admitiu enquanto andava pela costa. 

"Eu não vou comer nada!" Melissa balbuciou. 

Wyane começava a restabelecer sua compostura enquanto a medicação fazia efeito e Heather apontou sua arma novamente para Melissa. 

"Sabe de uma coisa? Você está começando a me irritar. Primeiro, você quase comprometeu todo nosso jogo por ser uma idiota e depois tentou se matar. Bem, se está tão preparada para morrer, por que não come logo a porra do sanduíche?" Heather gritou. 

Melissa ergueu as mãos na defensiva e eu estiquei o braço para o chão, pegando o meu e dando uma mordidinha. 

"Eu acho... acho que esse está bom. Podemos dividir," falei enquanto ainda observava Heather, seus olhos arregalados de ódio. 

Aqueles olhos são do tipo que escondem algo a mais. 

Melissa deu uma mordida no meu sanduíche e entregou para Celeste. 

"Bem... agora sabemos que dois deles não estão cheios de tóxicos," falei. 

Nos dez minutos seguintes fomos fazendo turnos de mordidas no mesmo sanduíche para recuperar um pouco de nossas forças. Ofereci um pedaço grande do final para Wayne quando sua respiração voltou ao normal. 

"Estou com medo que ter outra reação," ele disse. 

"Todos temos que comer, você sabe, são as regras," falei. 

Não queríamos de Heather tivesse mais um surto, então Wayne assentiu solenemente e comeu. 

O silêncio que se estendeu pelo resto da hora era ensurdecedor.

Mas cheguei a uma conclusão enquanto estava lá sentando, olhando para aqueles quatro estranhos ao meu lado; nenhum de nós sabia realmente o que aconteceria a seguir.

"Acho que não tem reviravolta dessa vez," Celeste disse frstrada. 

Heather nem sequer respondeu. 

Então, cerca de quarenta e cinco minutos depois, ouvi um barulho estranho vindo do Norte e olhei em direção das montanhas. Era um helicóptero preto que provavelmente pertencia a equipe do SWAT que havia nos atacado perto do lixão. 

"É mais um ataque!" Melissa guinchou.

Ela estava prestes a se levantar e sair correndo quando Heather a segurou e ficamos só observando quando algo era jogado de dentro do helicóptero. 

"Mas que porra..." Wayne começou a falar quando um caixote caía a não mais que dez metros de nós. "Falei que eles sempre dão coisas," Heather disse triunfante.

Então, três segundos depois, o helicóptero começou a apontar seu nariz em direção da água e me vi prendendo a respiração. 

"Eles vão bater!!" Gritei freneticamente enquanto o barulho das hélices aumentava. Ficamos ali em choque absoluto enquanto o helicóptero se aproximava, passando por cima de nossas cabeças direto para um rochedo próximo. 

Se despedaçou em milhares de partes e direções e, por trás de todo o fogo e carnificina da cena, ouvi um suave som familiar de uma nova mensagem chegando. 

FONTE



PRÓXIMA PARTE: 20/03/19

Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!

3 comentários :