Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Estou sendo forçado a jogar um jogo de 24 horas (12:00 - 13:00)

4 comentários


Celeste direcionou-se para Wayne, que ainda amaldiçoava os céus e fez sinal para que eu ajudasse.

Por mais que eu não quisesse, dada sua súbita traição, fui em frente e a ajudei levantá-lo.

Melissa ainda estava olhando para o fogo, provavelmente pensando em como queria deixar essa desgraça para trás, quando Heather gritou para ela. "Ei, ruivinha. Vamos!"

Conforme nos movíamos mais para o alto da montanha, uma chuva fina começou a nos atingir. Wayne ficou gemendo e reclamando o caminho todo enquanto nos esforçávamos para encontrar um lugar para nos escondermos.

"Tem que haver a porra de uma caverna por aqui em algum lugar", murmurou Wayne.

"Seja homem," falei amargamente.

Mais dez minutos e encontramos uma coisa.

Ma não era uma caverna.

Heather foi quem fez a descoberta quando chegamos a outra face assustadora da montanha rochosa.

Eu já estava meio que esperando que seriamos forçados a subir infinitamente, mas ela conseguiu encontrar o que parecia ser a porta de um bunker.

Na porta havia algo esculpido que me deixou com uma pulga atrás da orelha. Eu já tinha visto aquilo em algum lugar. 


"Vamos entrar", ela disse enquanto abria a porta metálica.

"Você é bem forte para uma mulher de um braço só", eu a elogiei quando a porta  velha e enferrujada se abriu.

"Cuidado. Ela pode começar a achar que vocês dois são amigos", brincou Celeste quando todos entramos.

O bunker descia para dentro da montanha, uma longa escadaria de aço que fazia ressoar cada passo que dávamos. Finalmente chegamos no que provavelmente era um tipo de vestiário e eu coloquei Wayne no chão ao lado da parede.

Celeste recuperava o fôlego enquanto Heather se ajoelhava para conversar com o traidor entre nós.

"Diga quem você é", perguntou suavemente.

Wayne apenas cuspiu em seu rosto.

Heather calmamente limpou a cara enquanto o soldado sussurrava: "Pra que continuar esse fingimento? Acho que já passamos dessa fase. Você sabe em que desafio estamos agora, não sabe?"

Senti meu coração acelerar um pouco mais rápido.

"Do que ele está falando?" Perguntei.

"Conta pra ele, Heather. Pode ir contando sobre esse maldito desafio. O motivo de eu estar vestindo essa maldita camisa de futebol", comentou Wayne.

Olhei para os dois. Então Melissa proferiu a frase que eu não conseguia formar.

"Espera aí... Vocês dois já se conhecem?" perguntou.

"Não .. Não nos conhecemos. Nunca nos vimos antes de hoje", disse Heather, tentando não parecer assustada.


Wayne apenas jogou a cabeça para trás e riu.

"Cara, se Lionel estivesse aqui... sua cara seria impagável", o homem falou.

"Heather... o que está acontecendo...?" Murmurei. Então, quando o relógio mudou para 13:00, novamente nosso contato misterioso deu vida ao telefone.

"O décimo terceiro desafio... É sempre o mesmo. Já joguei o Jogo das 24 Horas três vezes e foi nesse que eu quase perdi da última vez", ela disse enquanto se levantava solenemente, gesticulando em direção ao braço perdido de e então virou-se e me deu o celular.

"Vá em frente e leia. Posso explicar tudo depois de terminarmos o desafio", disse suavemente.

Senti minhas mãos tremendo quando peguei o telefone e vi o que a mensagem dizia.

XIII. PERCA.

"Mas ... Mas isso não faz sentido", Celeste comentou.

"Achei que o jogo tinha sido projetado para forçar as pessoas a continuarem", acrescentei.

"Eu também achava isso. Nós seis que ainda estavam vivos da última vez, debatemos por quase trinta e sete minutos, o que diabos essa mensagem significava," Heather parou e olhou para Wayne.

"Quatro de nós passamos para o desafio seguinte. Não que eu tenha durado muito mais tempo depois disso ..." falou baixinho.

"Seu braço ... você pensou que a mensagem estava dizendo para você interpretar de forma diferente. Perder algo vital", falei enquanto olhava para Wayne.


"Lionel cortou o braço dela..." entendi.

"Ele não teve muita escolha, não é mesmo? Ele me contou tudo. Como você já pode imaginar, o jogo só considera uma tarefa de equipe como cumprida se todos os membros cooperarem plenamente. Então vocês decidiram nos palitinhos. Decidiram que quem pegasse o menor graveto seria o perdedor," Wayne respondeu com um sorriso debochado.

"E você tirou o menor graveto", falei olhando de novo para Heather.

"Não há como avançar se não perdermos alguma coisa", explicou ela e depois olhou para o relógio. "Temos apenas cerca de meia hora para decidir. Como vamos fazer isso?" perguntou.

Eu olhei para Melissa e Celeste pedindo respostas. Mas elas estavam tão confusas quanto eu.

"Por que todo o seu braço? Por que não somente um dedo mindinho ou um dedo do pé?" Melissa perguntou.

Era uma pergunta idiota.

Wayne riu novamente. "Na verdade... nós tentamos isso na minha primeira vez. Cara, eu lembro dos gritos de Charlie. Nós tentamos, mas sem sucesso... O jogo queria mais. Nós fomos até o limite", Wayne disse enquanto cuspia no chão.


"Eu tinha uma família... assim como você, Daniel. Eu não me importava com o que fosse necessário para chegar do outro lado. Aposto que você nem se lembra de mim daquela época, não é mesmo?" Ele acrescentou enquanto cuspia nela.

"Espera aí... foi você. Você foi o único que tentou me parar..." Heather disse enquanto olhava para o homem e murmurava, "Matthew... achei que você estivesse morto..."

"Poderia muito bem estar depois do que você fez com o Charlie. Fiz algumas cirurgias plásticas, enganei a todos, hã? Tudo graças ao que você fez da última vez!" Ele rugiu e se voltou para mim. 

"Eu tentei dissuadi-la disso Daniel... Mas ... Bem, você já está aqui com a gente a meio dia e pode ver como é teimosa!" Wayne disse maniacamente.

"Então você tomou a decisão... Charlie pagou por isso. E então todos vocês pagaram o preço quando falharam mais tarde?" Imaginei.

"Em mais de uma forma", disse Heather.

Eu engoli em seco e olhei para os outros, tentando ver um jeito de como podíamos fazer aquilo.

"O que acontece depois? Talvez nos incentive já saber o futuro," falei.


"Os desafios seguintes não foram os mesmos nas duas outras vezes que participei. Eu falhei no décimo quarto em 2016 porque ninguém mais queria continuar. Por causa do Charlie... E em 2017 eu perdi sangue demais," ela declarou.

"Precisamos passar para a próxima fase. Essas perguntas todas podem esperar!" ela disse exasperada.

Olhei para o relógio e depois para o resto do pessoal.

Melissa é a primeira a dar uma sugestão.

"E se ... e se não fizermos nada?" perguntou.

Heather sacudiu a cabeça.

"Isso não é uma opção", ela respondei.

"Você já tentou alguma vez?" Argumentei.

"O jogo não funciona dessa maneira!" Heather gritou.

E então sua parceira falou.

"Ou talvez funcione", disse Celeste. "É mais do que apenas desafios físicos. Todos nós já vivenciamos isso. Não deixa de ser um jogo mental também. Talvez... Talvez deveríamos perder essa rodada."

Heather balançou a cabeça furiosamente, olhando para o relógio. Apenas treze minutos tinham passado.

"Vocês estão errados. Vocês estão errados e se perdermos... perderemos tudo!" Ela gritou. Celeste se aproximou dela e a agarrou por um minuto.


"Olhe para mim!" Insistiu.

Não falei uma palavra enquanto observo nossa líder explodindo em lágrimas.

"Nós vamos regatá-la! Você está me ouvindo?" Celeste disse em um sussurro.

"E se você estiver errada... e se isso estiver a matando?" Heather chorou.

"Não está. Você tem que confiar em mim," sua parceira respondeu. O relógio girava. Dez minutos. Nove. Heather pegou uma arma e estava prestes a atirar no seu único braço que tinha quando Matthew a parou.

"Não faça isso. Não vale a pena. Você sabe disso." Disse ele.

As palavras suaves foram suficientes para acalmar os nervos dela pelo resto da hora.

Então finalmente chegamos ao um minuto restante.

Nós olhamos para o celular esperando por algum anúncio de nossa falha em completar a tarefa.

Então, quando o relógio se moveu para a hora seguinte, tudo o que ouvimos foi o familiar apito de congratulações.


A única coisa que Heather conseguiu fazer foi chorar. 

PRÓXIMA PARTE: 10/04/19

Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!

4 comentários :

  1. Muito bom. Eu estou acompanhando desde o primeiro dia do primeiro episódio e cada vez mais estão aparecendo novos segredos ocultos. Muito obrigado por continuar assim e até a próxima

    ResponderExcluir
  2. Perdeu um braço a toa

    ResponderExcluir
  3. PRGDL02022

    Qualquer um iria chorar depois dessa, coitada. Isso que da não interpretar um texto direito!

    ResponderExcluir