Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

A Quarta Criança

23 comentários
Bom dia/Boa tarde/Boa noite! A lista de creepys pra traduzir agora está bem cheinha, obrigado pelas sugestões! Aproveitem a creepy :3
•••
Minha mãe, meus irmãos e eu nos mudamos para esta incrível casa nova há alguns meses. É uma casa muito legal em estilo colonial, no que uma vez fora a área rural fora de Nova Orleans. Agora a área está um pouco mais construída, então está mais para um subúrbio espaçoso.

De qualquer forma, já se passaram nove meses desde que nosso pai morreu. Minha mãe realmente queria que nos afastássemos de nossa velha casa; estava cheia demais de memórias. Ela queria que tivéssemos uma casa legal e espaçosa para brincarmos e que nos desse um novo começo. Aparentemente nós adquirimos esse lugar num acordo decente porque o dono anterior era esta mulher velha que faleceu e a família queria se livrar da casa extra. Ela morreu em paz enquanto dormia, mas isso ainda nos deixava um pouco desconfortáveis, então ninguém se mudou para o quarto dela. Nós fizemos dele o quarto de hóspedes, para o caso de termos visitantes.

Temos uma vizinha maravilhosa chamada Senhorita Leah, que vive na porta ao lado (pouco mais de um quilômetro e meio de distância). Ela é uma mulher pequena, mas corpulenta, que nos acolheu na região de braços abertos. A antiga dona era uma velha amiga dela, que ela visitava o tempo todo, e minha mãe logo assumiu o papel de sua nova amiga. Elas imediatamente se tornaram melhores amigas, sempre rindo na nossa cozinha nos fins de semana.

Senhorita Leah ama contar histórias sobre vodu e até o pratica (assim como muitos em Nova Orleans). Ela pratica principalmente o vodu "leve", amuletos para boa sorte e proteção, coisas assim. Ela me disse que você pode falar com espíritos se escrever cartas para eles e colocar em algum lugar onde sabe que vão encontrar.

Comecei a vê-la de vez em quando, tarde da noite, quando não consigo dormir, colocando envelopes em nossa caixa de correio (consigo ver da minha janela). Quando saía pela manhã, no entanto, não havia nenhum envelope lá. Certa noite a vi fazendo sua rotina habitual da caixa de correio, e tão logo ela se afastou o suficiente, corri para ver o que ela estava colocando lá. Vi uma pequena, prateada e não endereçada carta para Maggie, que mais tarde se revelaria o nome da velha senhora que morava em nossa casa antes de nós. Sempre achei que a Senhorita Leah estava brincando sobre falar com os mortos, mas estava claro que ela mesma fazia aquilo. Apenas para testar, fiquei na caixa de correio, encarando-a por horas. Eventualmente, o sol começou a romper o horizonte, então imaginei ter esperado o bastante. Abri a caixa de correio.

A carta se fora.

No começo, estava completamente incrédula, mas depois fui tomada pela excitação. Se a Senhorita Leah podia falar com Maggie, talvez eu pudesse falar com meu pai!
Guardo uma pequena caixa de sapatos debaixo da minha própria cama. Está cheia de pequenas bugigangas e fotos que me lembram do meu pai. Olho ela de vez em quando, quando sinto mais falta dele, como uma espécie de terapia.
Algumas noites depois de tentar racionalizar o que havia acontecido com a carta para Maggie, decidi que a melhor maneira de testá-lo era tentar eu mesma. Escrevi uma carta para o meu pai, que parecia boba a princípio, afinal não sei do que pessoas mortas gostam de falar. Escrevi:

Querido Papai,
Saudades! Como estão as coisas do outro lado? Mamãe comprou essa casa legal para nós e temos uma vizinha divertida chamada Senhorita Leah. Todos nós estamos bem por aqui, mas eu particularmente sinto falta de acordar todas as manhãs com os sons do seu alto canto no chuveiro. Eu odiava isso naquela época, mas agora percebo o quão engraçado e charmoso era.
Atenciosamente,
Julia

Coloquei a carta na minha caixa de sapatos especial e a devolvi para debaixo da cama. Quando acordei de manhã, não estava lá. Eu não sabia com certeza como lidar com isso. Ele realmente recebeu a mensagem? Ele vai escrever de volta? O que eu faço agora?

Bem, eu ainda precisava ir para a escola naquele dia, então a excitação sobre minha carta sobrenatural diminuiu e eu fui para o banheiro para me arrumar. Meu irmão mais velho estava cantando com todo o fôlego de seus pulmões no chuveiro, algo incomum para ele, mas eu imaginei que ele estava tentando ficar mais parecido com o nosso pai.

Eu bati na porta, "Apresse-se aí! Preciso fazer xixi!"
O canto continuou.
"Jay, quanto tempo você vai levar?"
O canto continuou. Então alguém bateu no meu ombro. Eu me virei. Era Jay. Ele disse: "Acalme-se Julia. Não estou no banheiro. A porta está trancada? Deixe-me ver se consigo abrir para você"
Ele abriu a porta com facilidade. O banheiro estava vazio. Sem cantarolar. O chuveiro não estava aberto, mas a banheira estava molhada. Entrei e comecei a escovar os dentes, divertindo-me com o que acabara de acontecer. Percebi que o espelho estava um pouco embaçado, como se fosse por causa do vapor do chuveiro. Havia uma mensagem escrita nele. Dizia:
 
O quanto você sente minha falta?

Caminhei pela tênue linha entre estar totalmente assustada e super feliz que meu pai estivesse se comunicando comigo. Escrevi outra carta na mesma noite.

Haha eu sinto sua falta mais do que você poderia imaginar, Papai! Nem duvide disso. Mas me diga, como estão as coisas do outro lado?

Acordei naquela manhã com uma surpresa. A carta na caixa de sapatos tinha sumido, mas notei uma nova carta perto da minha porta. Parecia que alguém havia passado ela pela fresta da porta. Eu abri. Ela dizia:
 
o que você mais quer de mim?
 
Eu estranhei que meu pai não estivesse realmente querendo estender a conversa, mas decidi escrever uma resposta rápida e ir para a escola. Escrevi:

Bem, eu acho que o que mais quero é que você volte e brinque comigo como nos velhos tempos. Mas sei que é bobagem.

Quando voltei da escola, fui direto para o meu quarto para verificar a carta. Abri a porta e minha casinha de bonecas, que guardamos no sótão, estava no meio do chão. Minha mãe esteve no trabalho o dia todo, meu irmão ainda estava no treino de natação e minha irmã foi ao shopping com uma amiga depois de me deixar em casa. Eu não sei quem poderia ter mexido ela... exceto talvez meu pai. Eu vi uma nota ao lado da casa de bonecas. Dizia: 
 
BR̜̲͙̦̲̻̠I̫̯̙̯̳̰̤N̠Q̦͚̻U͕͇̲̩̩̱̩E̲̱ ̠CO̹M͖̙͎I̦̰̮̝͖̟G̭̮O̱̠͔

Meu corpo congelou. Algo sobre toda essa situação me deixava desconfortável. Eu não senti que estava em perigo ou algo do tipo, eu só não estava confortável. Caminhei até a casa da Senhorita Leah, ela estava sentada em sua cadeira de balanço na varanda da frente com seu gato, Rufus, no colo. Eu disse a ela que sabia sobre as cartas para Maggie.

"Ah sim, querida". disse ela. "Mesmo que ela tenha falecido, não parei de falar com a Senhorita Maggie nem um pouco. Ela é minha melhor amiga, e quero que ela saiba o quanto eu a amo e quanto Rufus sente falta dos pequenos atuns que ela lhe dava. Eu escrevo para ela quase diariamente, apenas contando as novidades, para que quando eu morra também, seja como se ela não tivesse perdido nada." Ela me perguntou se eu estava pensando em escrever para os mortos também.

Por alguma razão, não me senti à vontade para contar à Senhorita Leah que já estava escrevendo para o meu pai. Eu disse a ela que estava "pensando" em escrever uma carta para o meu pai e que experimentaria naquela noite. Ela riu, "OK querida. Amanhã você vai precisar me contar como foi." Brinquei com Rufus por um tempo enquanto a Senhorita Leah falava ao telefone com o sobrinho. O sol começou a descer e eu percebi que já era hora de jantar, então me despedi da Senhorita Leah e de Rufus e voltei para minha casa.

Minha mãe e todos os outros já estavam de volta.

"Meu Deus, onde você esteve!" Minha mãe gritou. Eu disse a ela que estava passando um tempo com a senhorita Leah, o que aliviou um pouco seus nervosismo, já que ela havia imaginado que eu havia ficado em casa sozinha, o que a assustou. Minha irmã ficou de castigo por ter me abandonado pela tarde, mas ela disse que era inteligente eu ir para a casa da senhorita Leah. Ela então disse: "Você sabe que a casinha de bonecas foi cara, certo?", o que pareceu uma pergunta estranha, mas eu respondi: "Sim. Eu suponho. Por quê?" e ela explicou: "Bem, acho que eu queria que você cuidasse melhor dela, só isso. Eu vi ela no seu quarto quando estava procurando por você e pude ver que você tirou toda a tinta dela e havia alguns arranhados e amassados nela e eu pensei que era uma pena. Além disso, da próxima vez que você pegar algo do sótão, espere até eu chegar em casa e eu posso ajudar você, querida."

Perplexa com o comentário da minha mãe, eu jantei em silêncio. Depois, ajudei com a louça e fiz meu caminho de volta para o meu quarto com apreensão. A casa de bonecas pareceu estar em ótimo estado na última vez que a vi, então eu sabia que algo deveria ter acontecido depois que eu saí. Eu rezei para que minha mãe estivesse vendo coisas, que a casa de bonecas estivesse, na verdade, exatamente como eu a deixei. Abri minha porta.

Minha mãe estava errada. A casinha de bonecas não estava um pouco arranhada. Ela estava em pedaços. Seus restos esfarrapados estavam espalhados pelo chão. Até as minhas bonequinhas estavam mutiladas com os braços esticados para trás e as cabeças faltando. Eu não conseguia entender o que acabara de acontecer. Então eu vi a carta...

PO̞͙̲̩̗̫̯R̳̟̖̳̳̼ ̘͖̝̩̜QU̱̝̟̳̟̙E̪͚̫̦͙͓̬ ̩̣͉V̦͚͙̫O̖̪̪͙̳̪C̲̖Ê̜͎͙ ̤N͉̞̬Ã̱͕͇O͓̦̝̦̪ ̤̺̭Ḇ͚͇̤͚̮̤R͇̱̹̮̗IN̪͓̞͍̭C̰̩̙͇̖̼̰A͈ ̪C̜̮͉O̞͙̞̯̥͇͓M̗IGO̞̲͈̤?̗̩̮͚

Meu cabelo ficou em pé. Pude sentir a raiva emanando por toda a sala. Tentei racionalizar. Tentei dizer a mim mesma que o contexto me fez sentir aquela raiva, mas não havia nada com que me preocupar. Mas como eu conseguiria racionalizar as coisas sendo que estive aqui escrevendo cartas para mortos que quebram meus móveis? Eu me senti péssima por ter perturbado meu pai dessa maneira. Ele me comprou aquela casa de boneca, então deve ter doído destruí-la. Imediatamente escrevi uma nova carta para o meu pai, dizendo:
 
Papai,
Sinto muito por não brincar com você. Eu te amo, mas acho que precisamos deixar as coisas como deveriam ser. Você pertence ao outro lado e eu pertenço aqui. Eu só quero dizer mais uma coisa para você. Algo que eu nunca tive a chance de dizer antes:

Adeus Papai.

-Julia

Dormi com meu irmão naquela noite. Ele foi gentil sobre isso - nem perguntou do que eu estava assustada. Ele conseguiu perceber que eu estava perturbada e não quis me forçar a falar nada. Antes de irmos dormir, ele disse uma coisa. "Você sabe que não existem monstros, né?"
"Sim", eu sussurrei. Naquele momento eu não tinha certeza se estava mentindo ou não. Ainda era reconfortante dizer aquilo. Eu não acho que estava lidando com um monstro, ou pelo menos não tinha certeza disso. Eu nem sabia de verdade o que um monstro deveria ser. Um dragão? Um bicho-papão no seu armário? Um pai zangado?

O dia seguinte era sábado, e eu ainda não me sentia confortável de ficar no meu quarto por muito tempo. Eu me vesti e caminhei até a casa da Senhorita Leah. Queria sair de casa sem verificar a caixa de sapatos. Pareceu que eu estava me afastando de um pai irritado, dando tempo para ele se acalmar antes de conversarmos novamente. A senhorita Leah estava sentada com Rufus, como de costume, e os dois observavam os Gaios-Azuis pularem no quintal - Rufus um pouco mais atento do que a Senhorita Leah.

"Bem, olá, querida," Miss Leah me chamou. "Como foi noite passada?"

Eu sabia que ela estava falando sobre a carta e sabia que ela saberia exatamente como consertar as coisas. Mas antes que eu pudesse começar a falar, ela interrompeu: "Deixe-me adivinhar, não funcionou".

"Por que você diz isso?", perguntei.

"Porque eu sei melhor do que ninguém que os espíritos não conseguem mover objetos físicos. Eu tenho que usar meu papel especial para escrever para Maggie, e duvido que você tenha algo do tipo."

Eu me senti um pouco envergonhada depois disso. Não sei porquê. Senti como se estivesse enganando a Senhorita Leah. Eu não contei a ela toda a história. Eu apenas disse a ela que achava que havia funcionado porque a carta tinha sumido.

"Bem, Julia. Meu melhor palpite é que você tem um brincalhão em casa. Provavelmente seu irmão; ele é bem engraçadinho para a idade dele."

Ela falou sobre todas as coisas que disse a Maggie. Ela disse que isso não acontecia com frequência, pois era difícil para o pequeno espírito frágil de Maggie fazer muita coisa, exceto ler, mas Maggie às vezes respondia. Maggie disse que ainda não tinha ido embora, mas quando fosse, não conseguiria mais receber cartas. Maggie disse que amava a Senhorita Leah e suas cartas, mas um dia precisaria ir. Ela disse que eventualmente a Senhorita Leah não teria mais forças para escrever cartas e elas se tornariam cada vez menos frequentes. Quando Maggie percebesse que já estava muito difícil para a Senhorita Leah escrever mais, ela partiria e esperaria pacientemente com Petúnia, outro dos gatos de Miss Leah que haviam falecido. Maggie disse que a Senhorita Leah saberia quando ela tivesse partido porque suas cartas ficariam na caixa de correio, e ninguém as pegaria.

Eu voltei para casa mais tarde naquele dia me perguntando se meu pai iria mesmo partir. Eu não sabia como me sentir. Eu sei o que vi e o que fiz. Eu escrevi cartas para o meu pai. Eu as deixei onde ele checaria (nossa caixa). Elas desapareceram. Eu o ouvi no chuveiro. Eu vi a mensagem dele no espelho. Eu vi a casa de bonecas e suas anotações. Eu sei que ninguém na casa poderia ter movido a casa de bonecas. Eu tinha certeza de que era o Papai.

Cheguei ao meu quarto, fragmentos da casa de bonecas ainda espalhados pelo chão. Lembrei-me da última carta que escrevi. Aquela em que peço ao meu pai para seguir em frente. Eu estava com medo que ele estivesse com raiva de mim. Eu estava com medo que ele me acusasse de não amá-lo o suficiente, de mentir para ele. Eu não queria checar a caixa, mas precisava ver se ele recebera a mensagem.

Abri. A carta não estava mais lá.

No lugar dela havia uma nova carta. Dizia "Julia" na capa, então eu sabia que era para mim. Eu imaginei que ele tivesse escrito de volta. Abri. E fiquei horrorizada com o que vi.

P̲͕͙̫̤̙a̟͉̝ͬͥ̆ͤͥp̼͕͈ͤ͋̒̅a͉̼̻͓͒̂́ͨͅi̜͇͍͇̱̗͗̒̆̅ͦ ̊n̹̺͓͉ã̫̹͇̽ͯ̉͌͛͂̈́o̖̝̺ͨͦ̔ͭ ̖̫̥̪̍̃̋͗ͣͮ̽e̮̪͖̳͖͎̱̾̄s͓͉̗̹̭̰ͥ̈̐͛̒tá̻͔̩ͥ͋ͬ̒̋ ̈́a͔̠̺̯͙̮̹ͩ̇ͥ̄q̪͎̫̘ͪͤ̓ͬ̎u̝̦͇̠ͫ͂ͭ̌ͯi͇ͨ͌͑͗

Eu desci as escadas e me preparei para correr de volta para a casa da Senhorita Leah e explicar tudo. Mas eu não precisei. Lá estava ela, rindo com a minha mãe na cozinha. Comecei a andar na direção delas, mas havia algo do outro lado da divisão entre a cozinha e a sala de estar, onde eu ainda podia ver, mas mamãe e a Senhorita Leah não conseguiam. Colocamos uma foto emoldurada do Papai para lembrar dele. Havia uma nota na foto. Dizia:
 
D̙̞̖̤̟͕̈́ͥ͛ͅḮ̹̪̠̦͉ͯͩ̅G̎͌̑̈́A̖̳̟͓̩̮̒ͫ̒͛̈ͪ ̪͓̜̖̠̟͑̈́ͦỤ̼M̤̱̗͙A͎̲̞ͥ̒̉̉ͤ ̥̯͖̩̗̣̥̓P͂ͫ̑ͫ̌̌Â͕͕̬̖̦̘̟ͧL̃͆ͪ̂͗ͪ͒Ä́ͬͮ̒V͓̻̫̱̝̲̾̉̅R͙ͨ̓̓̎̀Aͩ̈̏̏ ̜͐E̘̞͎̘̍̿ͣͭ̌ ͛ͯE̩̻͉̤̱̞͔͂̐̊͋̇͂̿L̗̫̜͔̪̬̃̈ͩͦͩͅA̙̫͎̟̘̺S̤̪͔̅ͬ͑ͮ͒ ͔̞ͣͫ̾̊ͫ͑E̱͚̘̲͚͚̪͒ͣ͊ͤ̑̓S̍TÃ̼̯O͚̤ͮ͂ͧ̋̈́ ̰̀M̠͈̮̖̘̎ͣ͑ͣ̂O͓͖̤ͧR̿͐T̠͖̥̘̓͆̅A̠͍͈͎̖͛ͬ̿̈́̓̚ͅS̱͛ͫ̽

Eu não sabia o que fazer. Eu sabia que precisava ficar quieta, mas também sabia que algo muito, MUITO sinistro estava acontecendo. E não havia nada que eu pudesse fazer para impedir.

Minha irmã e meu irmão estavam indo para uma grande festa, e minha mãe queria sair com suas amigas naquela noite, então a Senhorita Leah veio na verdade para me levar para a casa dela passar a noite. Minha mãe tentou pedir desculpas por só avisar na última hora, mas eu estava tão animada por sair de casa e ficar longe de... o que quer que fosse, que ela nem sequer conseguiu terminar seu pedido de desculpas.

Naquela noite, a senhorita Leah me deixou ficar acordada até tarde com ela e Rufus. Por volta de meia noite, ela começou a escrever uma carta em seu papel especial. Era muito fino e brilhava em um tom prateado. Perguntei a ela como fazer e ela disse que era algo que vinha da alma. Nós caminhamos para a minha casa juntas e colocamos a carta na caixa de correio. No dia seguinte, minha mãe me pegou e paramos na caixa de correio porque alguém havia puxado a alavanca para cima. Havia uma carta para a Senhorita Leah ali e eu sabia exatamente de quem era. O papel tinha a mesma magreza e brilho prateado. Mamãe explicou que provavelmente alguém havia colocado na caixa errada e pediu para que eu corresse até lá e devolvesse para a Senhorita Leah.

Eu corri pela rua até a casa da senhorita Leah. Ela abriu a carta e começou a ler enquanto eu me sentava e esperava com Rufus. Quando terminou, o rosto da senhorita Leah ficou pálido. Eu nunca pensei que veria um tom tão pálido de branco, e tamanha semelhança com porcelana em um ser humano vivo. Toda a cor sumiu de seu rosto e ela tremeu. Ela estava claramente perturbada. MUITO perturbada. Ela me disse para não ir para casa, que ligaria para minha mãe e todos viriam para o almoço. Ela imediatamente largou a carta e pegou o telefone. Uma vez que ela estava de costas, peguei a carta para lê-la. 
 
Querida Leah,
Sinto muito por ter levado tanto tempo para respondê-la. Parece que me falta o poder espiritual necessário para escrever. Droga! Eu mal conseguia escrever enquanto estava viva e tinha mãos.

A senhorita que se mudou para minha antiga casa com sua família é sempre adorável, e eu gostaria que você soubesse que tenho visto todas as suas amizades e estou muito feliz por você. Sinto falta de gargalhar com você na cozinha, mas assisti-las conversas é igualmente bom.

Apostaria que você já conheceu todas suas crianças. A maioria delas é tão doce quanto poderiam. Jay tem um coração de ouro e parece realmente se importar com a família. Catherine tem um senso de humor espetacular. Sempre fazendo todos rirem. Julia é a pequena curiosa. Ela me lembra um pouco de você.

E temos a quarta criança. Aquele pestinha. Você sabe de quem estou falando, certo? Daquela com olhos sombrios e longas garras negras, que vive no meu velho quarto? Sempre causando confusão.

Fico grata por estar morta, porque esse pequeno miserável realmente me apavora. Ele fica assistindo Julia dormir, e deixa bilhetes estranhos pela casa.

Vi outro dia ele pegando facas das gavetas durante a noite, e escondendo-as sob a cama consigo. Essa mãe deveria mesmo fazer algo para mantê-lo sob controle.

Talvez você possa ajudar com isso?

Mal posso esperar por sua próxima carta!

De coração,
Maggie

Não conseguia respirar. Apenas me sentei... congelada... enquanto Senhorita Leah gritava ao telefone. "Ah Senhor, por favor me digam que vocês estão bem! Atendam o telefone! Por favor POR FAVOR atendam o telefone!" Ela decidiu chamar a emergência. Quando a polícia chegou na casa, Senhorita Leah e eu esperávamos do lado de fora. Eles encontraram a Mamãe, meu irmão e minha irmã. Encontraram todos eles pela casa, dilacerados em tiras de carne. Não conseguiram determinar como aconteceu, afirmando que havia sido algum animal selvagem ou algo do tipo.

Mas Senhorita Leah e eu sabemos como aconteceu. Enquanto esperávamos fora de casa, ambas olhamos para cima, para a janela do meu quarto. Parado lá, no quarto onde dormia à noite, estava a criança de olhos negros, com um sorriso diabólico que se estendia de orelha à orelha. Aquilo levantou um longo e afiado dedo... tão comprido quanto uma régua, até a boca, como se dissesse "shhhhhhh..."
•••
•••
Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!

23 comentários :

  1. 10/10.
    Essa creepy prendeu do início ao fim.

    Parabéns pela tradução, Heitor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado <3
      É uma creepy que prende mesmo, quando fui ler, mal percebi o tempo passando kkkkkkk

      Excluir
  2. Realmente excelente. 👏👏👏

    ResponderExcluir
  3. amei, esse novo tipo de botar as cartas tornou a creepy ainda melhor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou do jeito de botar as cartas! Fiquei com medo de não ficar legal, mas o resultado final até que prestou kkkkkk

      Excluir
  4. PUTA MERDA,QUE FODA,VAI TOMAR NO CU,NOSSA,FODA DEMAIS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou pouco mas não poderia ter dito melhor! kkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  5. Fantástica!!
    Parabéns Heitor pelas ótimas Creepys

    ResponderExcluir
  6. Ótimo!!! Obrigada por postar

    ResponderExcluir
  7. Amo essa creepy 😻 já tinha lido uns tempos atrás.. parabens Heitor ta fazendo um ótimo trabalho 😊
    Duas sugestões de creepy q eu gosto, The Pancake Family e Teeny Tiny (essa ultima é mais "desconcertante" do q terror mas acho q dá p colocar aqui)

    https://creepypasta.fandom.com/wiki/The_Pancake_Family

    https://www.google.com/amp/s/unsettlingstories.tumblr.com/post/133071921406/teeny-tiny/amp

    Ótimo fds e sucesso 😘 🎃

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! <3
      As sugestões já foram pro meu caderninho, aos poucos elas vão aparecer aqui, prometo!

      Excluir
  8. Genial, minha indicação é fazer uma continuação com a menina crescendo e aprendendo rituais com essa senhora, pra se tornar a caçadora das bestas que mataram a familia dela

    ResponderExcluir
  9. A creepy é realmente ótima, parabéns pela tradução!

    ResponderExcluir
  10. PRGDL02022

    Muito boa, gostei DEMAIS! Parabéns pelo excelente trabalho que realiza no site, continue...

    ResponderExcluir
  11. https://www.reddit.com/r/nosleep/comments/bl9pk8/the_extinction_of_the_human_race_happened/

    ResponderExcluir