Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Estou sendo forçado a jogar um jogo de 24 horas (22:00 - 23:00)

4 comentários
"Celeste... leve Gloria e vá até um dos nossos pontos de encontro... Eu encontrarei vocês lá", Heather disse, enquanto encarávamos a atual situação.

Sua parceira tossiu e acenou com a cabeça, pegando sua filha adotiva e indo em direção à floresta.

"Daniel... o que está acontecendo?" Marcy me perguntou.

Antes que eu pudesse responder, ouvi o Senhor Lazalier acordar. O sacudi para que ele recobrasse consciência.

"O que... o que aconteceu..." Ele olhou para Heather.

"Senhorita Bradley... você conseguiu" ele disse.

"Não graças a você", ela respondeu, cuspindo no chão.

"Olha, podemos resolver isso mais tarde. Agora precisamos de ideias. Senhor Lazalier... Simon. Nós ainda estamos com o pendrive. Existe alguma maneira de enviarmos isso pra inteligência artificial do Jogo?" Perguntei.

Ele toma um momento para se orientar e olha para a mansão.

"Vocês... vocês estão com ele?" ele perguntou e, em seguida, gesticulou para que eu o entregasse. Estava prestes a fazê-lo quando Heather me empurrou para longe.

"Não faremos nada até que você responda a pergunta. Dá pra desligar o jogo ou não?" Ela perguntou.

Ele olhou em volta e acenou com a cabeça, enquanto enfiava a mão no bolso para tirar um celular.

"Tem um bunker aqui por perto. Ele tem todos os sistemas necessários para enviar esse vírus ao sistema OMNIVERITAS", ele disse.

Olhei para Heather, sentindo que assistia nosso naufrágio.

"Nós... nós destruímos esse bunker. Cerca de seis horas atrás", eu disse, exausto.

Senhor Lazalier começou a discar um número, mas Heather interveio, murmurando: "Espere um segundo. Como podemos sequer confiar em você? Pra quem você está ligando?"

"Minha equipe. Qualquer um além de você que esteja vivo. Eles também foram forçados a jogar, mas tomei providências para que, se alguém chegasse tão longe, fosse possível contatá-los. Conseguiremos um jeito de sair daqui", Lazalier explicou, enquanto fazia a ligação.

"Isso não parece certo", Heather disse quando se virou para mim.

"Não há mais ninguém vivo. Josh e os outros se foram, senhor", eu disse.

Como se fosse para provar que eu estava errado, um único helicóptero preto surgiu ao sul no horizonte.

Olhei para o céu sombrio, enquanto ele se aproximava, me perguntando como aquilo era possível.

Então ouvi o suave som do gatilho de uma arma, e vi Lazalier mirando em nós.

"Eles levarão sua família em segurança. Depois poderemos ir para outro local seguro." Simon disse.

O helicóptero aterrissou e vários homens armados saíram correndo, todos uniformizados. Abracei minha família e tentei manter em mente que isso era o certo a fazer.

"Simon... o que você está fazendo?" ela perguntou.

"O mesmo que fiz quando contratei aqueles idiotas para fazerem isso." Ele disse, apontando para o pendrive.

"O Jogo sempre está dez passos à frente de todos nós. Porque foi assim que o projetei, contratei homens desesperados para fazerem coisas desesperadas... tudo para conseguir isso." Ele riu.

"O Jogo precisa vencer. Ele sempre vence", ele gritou.

"Agora me entreguem o periférico", acrescentou friamente, apontando a arma diretamente para o coração dela.

"Entregue", digo a ela.

Heather jogou o pendrive para o homem louco, e ele riu.

"Vejo vocês em breve", disse à minha família. Michael soluçou, ele não queria ser levado novamente. Mas eu não tive escolha.

Eles levaram Marcy e Michael embora enquanto Heather olhava fixamente para o homem que havia orquestrado tudo isso.

Ele passou o periférico para o piloto do helicóptero e nós assistimos indefesos enquanto nossa última chance de acabar com tudo isso voava para longe.

"Não acredito que eu já quis parar O Jogo. Claro, encontramos alguns obstáculos ao longo do caminho... mas meu deus... isso acabou melhor do que eu esperava" ele disse, assistindo a aeronave sumir no horizonte.

"Você é louco", eu disse.

"Não, senhor Stratton. Sou um homem de negócios inteligente. Algo tão grande vale muito dinheiro. Mais do que qualquer prêmio supérfluo que minha empresa poderia ter oferecido aos concorrentes", disse ele, enquanto começava a falar descontroladamente.

"Pense nas diversas maneiras que isso pode ser explorado! Companhias pagariam absurdos para ter esse nível de Inteligência Artificial! As aplicações são ilimitadas! Poderíamos monitorar o mercado de ações, criar sistemas de segurança de ponta, armamento militar."

Ele começou a se mover ao redor do gramado, gesticulando freneticamente enquanto continuava.

"Percebi tudo isso quando vi até onde O Jogo estava disposto a ir para ganhar. Ele manipulou todos nós, apenas para garantir a própria sobrevivência! E agora que eu entendo, que eu manipulei você e sua equipe para providenciarem esse 'freio de emergência', posso usá-lo como a moeda de barganha definitiva. Ele me obedecerá agora."

Ele me olhava nos olhos, como se me possuísse.

"Posso controlar Deus".

Nós dois ficamos lá ouvindo seu discurso insano. Eram palavras incompreensíveis.

"Você não é maluco, é um idiota!" Heather gritou, com raiva.

"Você não pode controlá-lo, porra! Você ainda não entendeu? O Jogo está fazendo exatamente a mesma coisa que fez o tempo todo. Está fazendo você de besta!" ela resmungou.

"Não Senhorita Bradley... vocês foram os tolos. Você, Jack, Lionel... Wayne... todos que tentaram impedir a evolução dele." Lazalier argumentou.

"Nada pode impedir que isso aconteça."

Olhei para cima em choque, quando o céu de repente pareceu mais escuro. Corri em direção a Lazalier e ele me atingiu no peito quando o derrubei. Comecei a socá-lo de novo e de novo, até que ele ficasse inconsciente, ignorando a dor que estava sentindo.

"Daniel!!" Heather disse atrás de mim, enquanto eu ainda o agredia.

Ela me afastou de seu corpo ferido e murmurou "É tarde demais. Acabou. O Jogo venceu."

"Não... caralho, não!" Gritei, olhando para baixo e vendo o telefone danificado.

Ela se aproximou de Lazalier, checando sua pulsação enquanto pegava a arma de sua mão.

O homem despertou alguns momentos depois, rindo. Até que Heather descarregou a arma em seu crânio.

O silêncio cortante se torna notável, e nós estamos sozinhos ali.

Olho para o celular e vejo a mensagem final aparecer na tela.

FONTE

PRÓXIMA PARTE: 15/05/19

Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!

4 comentários :

  1. Cara traduz logo o final, pfvvvv

    ResponderExcluir
  2. Teve pontos bem altos e pontos bem altos. Estou com muitas expectativas nesse final. Tomara que seja bom

    ResponderExcluir
  3. PRGDL02022

    Que venha o grand finale!

    ResponderExcluir