Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Estou sendo forçado a jogar um jogo de 24 horas (20:00 - 21:00)

8 comentários
Heather esteve encarando o periférico por um bom tempo, a troca foi feita e o relógio se move para a próxima hora.

Nosso próximo conjunto de instruções se encaixa.

XXI. QUEIMEM.

"Nada surpreendente", disse enquanto me sentava. Olhei para onde minha esposa e filho estavam sendo mantido como reféns.

"Precisamos fazer isso, Daniel. Temos que fazer isso se quisermos tirá-los de lá com vida", Celeste disse.

"Não estou mais no clima de discutir. Não tenho forças pra isso. Façam o que vocês tiverem que fazer pra salvar minha família", eu disse.

Heather está prestes a dar o próximo passo, entregar nosso ás na manga para a força invisível que puxa todas as nossas cordas.

"Espere", Melissa disse.

"Nem comece. Você não tem mais voz nisso", a mulher debilitada retrucou.

"Só escute pela porra de um segundo. O que vai acontecer se fizermos isso, se dermos ao Jogo o que ele quer?" ela perguntou.

Celeste franziu os lábios.

"Obviamente os protocolos do freio de emergência serão excluídos. O Jogo continuará infinitamente", ela comentou.

"Exatamente. Isso significa que ele vai explorar mais pessoas. Pessoas como você, sua filha... meu pai... e ele não poderá mais ser detido", ela disse.

"Foda-se, eu não me importo." Heather soltou.

"É só mais um truque! Você não percebe? De qualquer forma, que horas são? Quase 9! O que quer dizer que ele ainda pode nos jogar mais três desafios depois que entregarmos o que ele quer", ela explicou.

"E? Você está desperdiçando meu tempo", Heather falou, enquanto preparava o computador.

Balancei minha cabeça e fui em direção a ela novamente, apontando minha arma para ela.

"Melissa está certa. O Jogo não nos deixará sair daqui vivos depois que fizermos isso. É uma armadilha" eu disse.

Heather está tentando manter a calma, mas consigo vê-la tremer.

"Precisamos. Precisamos jogar pelas regras dele!!" ela gritou.

"Você está certa. Precisamos. Mas pense em como ele tem brincado com nossas mentes o dia todo", Melissa disse pausadamente, enquanto se aproximava de Heather pelo outro lado.

"Talvez seja a hora de virarmos a mesa?" ela perguntou.

"O que você quer dizer?" Celeste murmurou.

"As instruções disseram para queimar. Não disseram o que queimar. Então vamos deixar essa merda de mansão em cinzas", ela sugeriu.

Heather balançou a cabeça em desgosto e me empurrou para longe.

"Você acha mesmo que isso vai funcionar? Minha filha está aqui!!" ela disse, cuspindo no rosto de Melissa.

"Sei que você está com raiva. Sei. Eu também estaria, mas... Mas acho que talvez tenha outra forma de entrarmos naquela sala", Melissa disse, gentilmente.

"O que?" perguntei.

"Do que você está falando?" Celeste perguntou.

Melissa gesticulou para cima, em direção ao teto, e eu pude ver o que pareceu ser um duto de ventilação.

"Sua esposa e o Senhor Lazalier provavelmente tiveram que se amarrar depois de manipular os explosivos, certo? O que significa que eles devem saber como desativá-los. Posso rastejar pela ventilação e tirá-los de lá", Melissa disse.

Senti meu coração saltar uma batida.

"Isso... isso pode funcionar", Celeste pareceu otimista.

"Não... não você também Celeste. Não faça uma merda dessa, não agora!" Heather praticamente grunhiu.

Melissa segurou a mão dela enquanto ela apertava o pendrive com toda sua força.

"Você precisa me deixar fazer isso... por favor..." a jovem ruiva implorou.

A mulher de um só braço tremia visivelmente, enquanto olhávamos para ela esperando um acordo.

Então ela desabou no chão, entregando o periférico para a parceira.

Melissa não perdeu tempo, indo diretamente para o duto no observatório.

Alcancei a mochila e dei a ela uma chave de fenda.

"Uma ajudinha?" ela pediu.

Sorri e estalei os dedos. "Como nos velhos tempos, hein?" disse, ajoelhando enquanto ela subia em meus ombros.

Ela grunhiu enquanto subia até a ventilação, dando um jeito de desparafusá-la e se erguer até lá.

Ela fez mais alguns barulhos de coisas batendo até conseguir se espremer pra dentro.

"Você está bem?" Celeste perguntou.

"Parece até um abraço quentinho", Melissa brincou e acrescentou "Por sinal, não esperem por mim pra começar esse incêndio."

Olhei para ela e murmurei, "É melhor você voltar viva."

"Juro de mindinho", ela disse com uma piscadela e depois engatinhou para longe.

Fui até Heather, para levantá-la. Ela ainda estava tremendo bastante, até que percebeu o que estava acontecendo.

"Isso é um erro, vamos perder", ela disse.

"Não dessa vez", eu disse, enquanto também pegava a mochila.

Nós três olhamos pela janela do observatório para o duto que Melissa havia descoberto mais cedo. Ela tinha apenas vinte e três minutos antes que nós fôssemos obrigados a começar um inferno.

Eu cerrei meus dentes e contei para mim mesmo em silêncio. Algum tipo de estática explodiu do sistema de intercomunicação informando que qualquer medida de segurança que o jogo havia implementada foram ativadas.

"ALERTA DE INTRUSO. ALERTA DE INTRUSO." 

A voz computadorizada gritou e, em seguida, outro timer apareceu na tela do computador. Uma contagem regressiva.

"Merda", Celeste disse. "Me entregue o pendrive, não podemos mais esperar!!" Heather disse. Eu o mantive junto ao peito, sem mexer um músculo e, em seguida, apontei a arma para um dos computadores, disparando várias vezes contra o console.

"Cansei de receber ordens de uma máquina." Disse, enquanto fogo começava a se espalhar pelo observatório. Na sala de jantar vi Melissa sair da ventilação e cair no chão abaixo.

Ela tomou um segundo para se recuperar, então outro aviso soou pelos interfones, enquanto o fogo dominava a central de controle.

"PASSO. VINTE E DOIS. SOBREVIVER. SOBREVIVER. SOBREVIVER."

Faço um gesto para que as duas me sigam para fora do observatório.

Heather soltou alguns palavrões e correu pela porta ao meu lado.


FONTE

PRÓXIMA PARTE: 08/05/19

Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!

8 comentários :

  1. cade a Divina? amo o heitor, mas so quero saber mesmo

    ResponderExcluir
  2. Huuuuuuuummmm
    tá pegando fogo, bicho

    ResponderExcluir
  3. Maaaano, termina logo essa creepy ta foda dms

    ResponderExcluir
  4. Nas primeiras partes queria q acabasse logo pq era chata , mas agr quero q acabe logo pra descobrir o final pq esse serie e foda

    ResponderExcluir
  5. Li até o fim e posso dizer que é foda. Me surpreendi quando lembrei que toda essa loucura aconteceu em um dia, pois a forma de escrita e o suspense acabaram esticando o tempo pra, tipo, uma semana/mês

    ResponderExcluir