Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Me apaixonei perdidamente pelo cadáver do meu marido abusivo

24 comentários
ATENÇÃO: ESSE CONTO ESTÁ CLASSIFICADO COMO +18. PODE CONTER CONTEÚDO ADULTO E/OU CHOCANTE/SENSÍVEL. CONTÉM CONTEÚDO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, VIOLÊNCIA FÍSICA, VIOLÊNCIA SEXUAL, NECROFILIANÃO É RECOMENDADO PARA MENORES DE IDADE E PESSOAS SENSÍVEIS. PODE TER ACIONADORES DE GATILHOS E/OU TRAUMAS.  LEIA COM RESPONSABILIDADE.  




Foi um errinho bobo. Eu estava tentando pregar a foto favorita do meu marido na parede quando o martelo escorregou da minha mão para trás e perfurei a testa dele com a parte de trás da ferramenta. Ele estava bem atrás de mim, observando bem de perto, como de costume.

Ele desabou no chão do apartamento, a garra enterrada profundamente em seu crânio. Colocando um pé na cara dele, eu desci.
 
Essa minha ação, por sua vez, produziu um sangramento abundante, como um fonte de água vermelha gorgolejando acima de seu olho esquerdo. Encharcou o tapete persa, o qual ele havia insistido que comprássemos com meu cartão de crédito já sobrecarregado.

Determinada a limitar os danos ao apartamento (e meu fundo de garantia), o arrastei até a banheira, onde finalmente terminou de sangrar.

Sentindo pena dele uma única vez, dei um banho de esponja em seu corpo pálido, limpando-o completamente, algo que ele raramente fazia.

Fraca pelo choque, enchi a banheira com água quente até cobrir nos dois até o queixo. Eu, claro, o segurei, tomado pela curiosa ideia de que, se soltasse, ele deslizaria para baixo d'água e se afogaria.

Minha começou a correr. Permaneci enraizada naquele mesmo lugar. Olhei para o meu marido por horas, que se transformaram em dias. Suas feições desmoronaram e seu corpo endureceu. Perdi o medo de que me agarraria pelo pescoço como costumava fazer quando eu fazia algo "ruim".


Então as coisas começaram a ficar estranhas: 

Novamente me apaixonei perdidamente por aquele idiota. Parado e gelado, se transformara no homem que eu sempre sonhara mas nunca tivera. Estava sempre em casa, não pedia meu dinheiro e nunca reclamava.

A  banheira, com a água imunda e cheiro terrivelmente rançoso, se transformou no nosso maravilhoso ninho de amor. Francamente, foi o melhor momento que tivemos juntos desde o dia em que ele perdeu as chaves do nosso quarto durante a lua de mel e não pode me estuprar de novo naquela noite.

Ninguém, nem familiares, vieram até o apartamento. O orgulho e discursos de meu marido havia alienado a todos, incluindo os entregadores de tele-entrega e supermercado. Subsisti em manteiga de amendoim, pão e minha mais nova amiga: paz de espírito. Meu marido, é claro, não precisava de nada além de uma dose diária de óleo pelo seu corpo, para ajudar a preservar a pele seca. 

Inspirada, comecei a escrever um diário, escrevendo os motivos da vida ser bem melhor agora que meu marido está morto. Alguns destaques: 


  1. A última vez em que fedeu a cerveja rançosa foi quando eu o matei.
  2. Não haviam mais pedidos por l'amour as quatro da manhã no dia que minha menstruação começava.
  3. Seu cadáver me mantem fresquinha nas noites quentes, agora que a companhia elétrica desligou nossa energia.
  4. Não havia mais monopolização do controle remoto (agora que eu o tirei de suas mãos frias e mortas).
  5. Finalmente, agora ele é do tipo quietão.
  6. Eu falo, ele ouve. Ou pelo menos parece ouvir quando eu coloco sua cabeça em uma certa posição.
  7. Quando fazemos amor, agora fico por cima. 
Sim, o romance floresceu em nosso esconderijo. Era como colocar uma plaquinha de "Não Perturbe" em todo nosso relacionamento. 

Mas, como os filósofos dizem, tudo que é bom, dura pouco. Não paguei o aluguel, a luz foi cortada e a água também.

Acho que nossa segunda lua de mel acabou. A polícia virá em breve. Já sinto o cheiro. E meu vizinhos já devem ter sentido o cheiro do meu marido também. 

Talvez, mas só talvez, antes de me prenderem, os policiais deixem que renovemos os votos de casamento em uma funerária ou cemitério. Já até imagino sua urna de cinzas em cima do bolo de casamento. 

Tomara que na próxima vez as coisas sejam melhores entre a gente. 

Mas essa é a beleza de amar um cadáver. Se você se cansar de um, poderá sempre desenterrar outro. 

TOC! TOC!

"Abra a porta!"

Policiais na porta, ameaçando arrombá-la! 

"Só um minuto, não estou vestida," arrastei meu marido para o nosso quarto. Não foi difícil. Ele devia ter perdido uns oitenta quilos. 

"Você tem três minutos, senhorita. Ou vamos derrubar essa porta. O síndico pediu para fazermos uma vistoria. O corredor está fedendo. Você está bem?"

"Melhor do que nunca," gritei, colocando meu antigo vestido de noiva. Graças a Deus, ainda servia. Acho que esse é o lado bom de ter comido só torradinhas com requeijão e água morna sob insistência de meu marido. 

TOC! TOC! TOC!

"Só um segundinho!" 

BOOM!

Me movimentando na velocidade de um raio, vesti meu marido em com seu terno, coloquei-o de pé e fiz com que sua boca ficasse em um belo sorriso. 

Os policiais entraram em nosso quarto matrimonial, pararam e ficaram olhando. Não falaram uma palavra se quer. 

Minha mente girando, as semanas de isolação dando seus sinais, pareceu apropriado perguntar "A limo já está lá fora?"

"A o que?" O policial mais próximo de nós perguntou, com a voz fraca. Pelo crachá, pude ver que era o sargento. 

"A limousine. Para nos levar até o casamento. Vamos renovar os votos."

"Ãh..." 

Uma mulher, fardada, madura e inteligente, passou por todos até nós dois. "Claro, querida. Está lá em baixo esperando. Somos a escolta policial. Estaremos abrindo caminho na estrada." 

Ela se virou para o sargento, gentilmente girando o indicador ao lado de sua têmpora. Ele assentiu. 

Isso me irritou. "Ah, você acha que sou louca?"

"Querida, que mulher não fica louca no dia do seu casamento?" Me ofereceu seu braço. "Venha, vamos lá para baixo. O sargento ajudará seu marido. Ele parece um pouco duro. Bem, deve ser a ansiedade." 

Devagar, com uma enorme majestosidade, desci as escadas. A rua estava vazia a não ser por diversas viaturas e suas luzes piscantes. 

"É a escolta policial?"

"Pode chamar assim," a policial respondeu. Era tão gentil!

Um Cadillac comprido e preto estacionou. Dois homens severos saíram e tiraram meu marido dos braços do sargento. 

"Vocês são os motoristas da limousine?" Perguntei. 

Um deles, um homem mais velho usando luvas azuis, me olhou confuso. "Moça, nos somos do necrotério." 

A policial interviu antes que eu pudesse reagir. "Seu marido irá com eles. Você vai aqui," disse, me guiando em direção de um sedan cinza de quatro portas. 

Comecei a me remexer. Pela primeira vez desde que eu matara meu marido, algo parecia errado. "Quer dizer que vamos separados? Nunca ouvi falar disso." 

"É a última moda, pelo menos é o que todas as revistas de casamentos estão publicando," a policial me respondeu. Me segurou um pouco mais forte. 

Dei um tapa em seu rosto. 

Os dois policiais e o motorista do carro cinza lutaram para me colocar no banco de trás. Me prenderam com o cinto de segurança e cintos largos de couro. Um capuz foi colocado por cima da minha cabeça. Mordi com meus dentes. Uma etiqueta virou e pude ler algo. Dizia Propriedade do Hospital Estatal. 

"Não estão me levando para a capela! Vocês vão me internar!" 

"Você terá um quarto privativo," a mulher disse. Seu lábio sangrava e a bochecha estava vermelha.

"É chamada de suíte lua de mel. Por sua causa," o motorista riu. Ligou o carro. 

"Como assim?"

É o mesmo quarto que você ficou quando matou seu primeiro marido a dez anos atrás," a policial falou. Arrumou o capuz para que eu pudesse respirar com mais facilidade. "Com uma caneta, aquela vez." 

Tudo voltou a mim, o segredo que eu havia escondido, quando tinham me soltado em liberdade condicional. Meu pai pervertido. Minha raiva vulcânica. Meu péssimo gosto em homens. 

Gritei. E continuei gritando por dias e dias e depois anos e anos. 

Para garantir que minha voz, e a voz de todas mulheres que já foram maltratadas, fosse finalmente escutada.

24 comentários :

  1. Como alguém consegue se vestir e vestir outra pessoa em três minutos? E mais importante: tava tentando imaginar COMO ela conseguiu ter relações com ele

    ResponderExcluir
  2. JA LI ANTES EM OUTRO SITE BR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AGORA QUE ME LEMBREI, MEU AMIGO ME ENVIOU NO WPP. ESQUECE OQ EU FALEI

      Excluir
  3. creepy bem fraquinha

    ResponderExcluir
  4. Legalzinha, não é mto no estilo q eu gosto mas foi criativa.. 8/10
    Amei a policial kakakakaka 😸👌🏻

    ResponderExcluir
  5. Marido abusivo bom é marido abusivo morto! (Ou tratado, qd há tratamento)

    ResponderExcluir
  6. a histórica/creepypasta foi boa, porem so haveria necrofilia se a senhorita tivesse relações sexuais com o cadáver, eu esperava uma coisa mais pesado, fiquei abruptamente dececionado, mas a creepypasta foi legal, se eu for avaliar com uma nota dou 7,5.

    ResponderExcluir
  7. Mas ela teve, amigo. Tá no texto "Quando fazemos amor, agora fico por cima".

    ResponderExcluir
  8. so creepy lixo mano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma pena você ser tão covarde, a ponto de se esconder atrás das máscara de anônimo. E uma pena não ter como banir pessoas como você. Se as creppys são lixo, não as leia, simples assim. Bom pra você, e mora quem se deu ao trabalho de tirar um pouco de tempo do seu dia corrido, pra traduzir sem ganhar nada, algo pra nós entreter. Pessoas como você, não fazem falta nenhuma sabia?

      Excluir
    2. Nem esquenta, Virgínia. Estamos aqui para traduzir para leitoras como você.

      Excluir
    3. E sou muito grata Divina. Achei ruim quando o blog ficou parado, mas não critico as creppys, pois as amo, mesmos as mais simples, são minha maior fonte prazer, pois amo ler, e amo a forma como vocês se importam conosco. Bjs de luz. ❤️

      Excluir
    4. Virginia nao seja o tipo de leitora intolerante. Então, porque VOCE achou a creepy boa, todas as outras pessoas que acharam ruim são covardes ou nao merece seu respeito? Se comporte como adulta louca, sua opinião nao é a única certa nao. Pluralidade de idéias são sempre bem-vindas, se o leitor nao gostou, cabe ao escritor tentar melhorar...

      Excluir
  9. DIVINA VC VOLTOU! ♡

    ResponderExcluir
  10. Divinaa!que saudades! Amo suas traduções! Espero que esteja tudo bem com seu baby🎉

    ResponderExcluir
  11. Divina sua linda, eu te love menina. Fico feliz que voltou. Bjs doces no seu bebê. ❤️

    ResponderExcluir
  12. História boa, gostei. Bem que podiam postar mais creepypastas com temáticas de transtornos mentais, só uma sugestão.

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Isso é mesmo uma creepypasta será? Fiquei um tempo afastada do site, voltei agora e só encontro histórias inferiores... O que aconteceu?
    4/10

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. você ta certa, porem acho que é normal, o conteúdo de terror ta ficando escasso então é se contentar e apoiar ate melhorar ou começar a produzir.

      Excluir
  15. Isso é mesmo uma creepypasta será? Fiquei um tempo afastada do site, voltei agora e só encontro histórias inferiores... O que aconteceu?
    4/10

    ResponderExcluir
  16. Adoro o blog, mas achei essa creepy pouco satisfatória no que diz respeito à narrativa e o desfecho, que foi dado às pressas por meio das abstrações da personagem/narradora onde ela simplesmente tira do cu uma lembrança de ser uma assassina de maridos, o que supostamente explicaria a relação afetuosa entre ela e o cadáver do último marido. Com as circunstâncias certas, me pareceu muito o tipo de história que algum aluno da turma de South Park escreveria (menos a Wendy, é claro). No mais, o blog é maravilhoso e obrigada por o manter há tanto tempo, ler essas creepys faz parte do meu lazer há anos :)

    ResponderExcluir