Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Tem um homem narrando minha vida.

16 comentários
Ele sempre esteve aqui. Embora, na verdade, eu não saiba se ele é um "ele", e embora eu não queira assumir seu gênero nem nada, a voz é definitivamente masculina. Nunca vi seu rosto; sempre suas costas. Usa um casaco preto longo com gola estampada, de modo que tudo que eu posso realmente ver é o topo de sua cabeça e parte de suas botas pretas.

Não posso me comunicar com ele, descobri isso há alguns anos atrás. Fica sempre a poucos metros de mim em todos os momentos, de costas para mim, narrando toda a minha vida. Ninguém mais pode vê-lo, eu percebi isso há alguns anos, nem podem ouvi-lo.

Meu dia geralmente começa sempre do mesmo jeito, eu sempre acordo com a mesma frase.

"Natália acorda e rola em sua cama."

Todo dia ele diz isso porque é o que eu faço. Tudo é muito mundano; minha vida não é tão interessante assim.

Meio que aprendi a viver com isso, e quase consigo ignorar sua voz as vezes. Nunca contei para ninguém sobre ele porque sei que ninguém acreditaria em mim. Então, realmente não tenho muita escolha, além de aprender a lidar com isso e desconectar meu cérebro disso quando preciso.

Cerca de uma semana atrás, eu estava cozinhando meu jantar; purê de batatas e tacos de feijão preto e ignorando-o como normal. No entanto, enquanto picava um pouco de coentro para meus tacos, ele disse algo que me chamou a atenção.

"Natália está inocentemente picando coentro, sem qualquer conhecimento de que está em grave perigo".

Congelei, a faca parada no ar em cima do meu coentro, e olhei para ele. Ele estava do outro lado da ilha da cozinha, de frente para a minha mesa de jantar.

"O quê?" Perguntei, sabendo que ele não iria responder.

A este ponto, acho que ficaria mais assustada se me respondesse do que qualquer outra coisa.

Ele não disse nada por alguns minutos, então eu terminei de picar as ervas, limpando os pedaços de coentro que ficaram presos na lâmina com o dedo e me cortando no processo.

"Porra!" Caminhei e liguei a torneira, enxaguando a faca e meu dedo.

"Natália se corta e o sangue escorre, agradando quem assiste."

Desliguei a torneira e me virei.

Ele não se mexeu, mas tenho certeza de que o ouvi corretamente.

Fui até a janela na parede à minha esquerda e puxei a cordinha, fechando as persianas enquanto me sentia paranoica.

Consegui comer meu jantar e lavar a louça sem nenhum outro comentário estranho e me preparei para dormir.

Quando fiquei mais sonolenta, estendi a mão e desliguei a lâmpada ao lado da minha cama, rolando para o lado esquerdo e fechando os olhos.

"Natália rola, fechando os olhos e deitada em paz na sua cama. No entanto, o que não sabe, é que em breve enfrentará um destino horrível que terminará em sua morte ”.

Abri os olhos, me sentando e olhando para a silhueta dele, ligeiramente iluminada pelo luar. Esperei alguns minutos, mas ele não disse mais nada então finalmente adormeci.

Acordei na manhã seguinte quando o alarme disparou.

"Natália acorda e rola na cama, um dia mais perto de sua inevitável morte."

Me levantei, entrei no banheiro e bati a porta, aborrecida e um pouco assustada.

Ele estava narrando toda a minha vida, e nunca disse nada assustador ou fora do comum antes, então o que estava acontecendo?

Abri a torneira e comecei a jogar água no meu rosto.

"Natália lava o rosto, mas ela não parece perceber que é muito mais fácil para alguém atacar quando seus olhos estão fechados."

Tirei o sabonete da área dos olhos e olhei para o meu reflexo no espelho e para o dele, de pé atrás de mim.

Terminei de enxaguar o rosto com os olhos abertos e consegui secá-lo sem cobrir completamente os olhos. O resto da minha semana foi bem parecido; narrações normais na maior parte, com algumas coisas assustadoras polvilhadas.

“Ele está vindo para ela muito em breve. Isso é inevitável. Natália precisa morrer."

Toda vez que dizia alguma coisa, eu olhava ao meu redor, paranoica. Passei a semana toda ansiosa e paranoica. Mal dormi, temendo que eu acordaria no meio da noite com alguém roubando meu órgãos. Coloquei uma faca na minha gaveta de cabeceira e spray de pimenta debaixo do meu travesseiro.

Ontem, falou frases mais assustadoras do que o normal.

"Os dias de Natália estão contados."

"Natália está se sentindo ansiosa; como deveria."

"Aquele que assiste está chegando em breve."

"Aquele que assiste está muito animado para matar Natália ."

“Não haverá escapatória; apenas morte."

Não sai de casa por medo de que, de alguma forma, o que quer que acontecesse, acontecesse mais cedo.

Ontem à noite, eu estava me preparando para dormir, escovando os dentes e olhando para o reflexo dele atrás de mim no espelho. Enquanto passava enxaguante bucal, ele falou de novo.

“Natália escova os dentes pela última vez. Amanhã ela morre."

Cuspi o enxaguante bucal, me engasgando um pouco no processo. Tossi e grunhi.

"Natália engasga com o enxaguante bucal, sentindo como se estivesse morrendo. Mas ainda não é sua hora. Sua hora será amanhã."

Consegui recuperar o fôlego e caminhei até a minha cama, deitando e deixando as lâmpadas acesas. A última coisa que eu precisava era ser acordado à meia-noite e ter que lutar contra um assassino no escuro.

Acordei hoje algumas horas antes do meu alarme e me levantei. Ainda estava viva e nada estava fora do lugar. Talvez eu não morresse hoje. Talvez tenha sido tudo uma espécie de casualidade.

Entrei no banheiro e peguei minha escova de dentes. Espremi um pouco de pasta de dentes para escovar os dentes e coloquei a escova de dentes na minha boca. Olhei para o espelho, para o meu reflexo, e então eu congelei.

Cuspi na pia e olhei ao redor no banheiro. Enfiei a cabeça pela porta no meu quarto e olhei ao redor também. Andei por todos os cômodos da minha casa, mas ele não estava em lugar algum para ser visto. Ele tinha ido embora.

Vinte e cinco anos me seguindo e narrando minha vida, e agora, de repente, na hora da minha morte, simplesmente some.

De alguma forma, isso me fez sentir pior, quando percebi que, mesmo que as coisas que dizia eram assustadoras, elas também estavam me ajudando, me avisando quanto tempo eu tinha ainda. Agora eu não tinha nenhum aviso e nenhuma escolha além de esperar e ver o que aconteceria.

Não consigo afastar a sensação de que definitivamente vou morrer. Mas como? E por quem? Quem era "aquele que assiste"? O que isso significa?

Passei o dia inteiro na cozinha; Acho que há mais saídas aqui, assim como coisas para me defender, e eu provavelmente estaria mais segura aqui do que em outro cômodo menor da casa.

Até agora nada aconteceu. Estou sentada em silêncio, o que é estranho porque eu nunca estive em completo silêncio antes.

Cerca de uma hora atrás, todas as luzes começaram a piscar na casa, mas isso durou apenas alguns segundos e voltou ao normal agora.

Ainda não sei o que esperar, mas acho que provavelmente estou mais segura na minha casa. Bem, pensei que estaria, até a campainha tocar.

Me levantei e entrei na sala de estar, caminhando até a porta e espiando pelo olho mágico. Era ele. Ele estava do lado de fora na minha varanda, de costas para mim, como de costume. Não me mexi; Nem sequer respirei enquanto apenas o observava parado ali.

Ele ainda está lá fora, mas não disse uma palavra. Ainda estou na minha cozinha, sem saber o que fazer. Pude ouvi-lo resmungando do lado de fora da porta alguns minutos atrás, e finalmente decidi me levantar e ouvir.

“Dois mil, um mil novecentos e noventa e nove, um mil novecentos e noventa e oito, um mil novecentos e noventa e sete...”

Ele ainda está em contagem regressiva e agora tenho cerca de vinte minutos. Posso ver que está ficando mais escuro e mais escuro lá fora enquanto ele faz a contagem regressiva, mesmo ainda sendo apenas três da tarde.

Toda vez que olho pela janela, algo desaparece; uma casa na minha rua, um carro, uma árvore. Sempre que algo desaparece, é substituído pela escuridão. E ele continua contando.

Esta pode ser minha última chance de comunicação. Eu vou morrer hoje.

16 comentários :

  1. INCRÍVEL, ACORDAR TODO DIA CEDO E LER UMA HISTÓRIA BOA DESSA AJUDA E MUITO A PASSAR O DIA MAIS ALEGRE, PARABÉNS!! :D

    ResponderExcluir
  2. Socorro, eu amei! Fazia mt tempo que eu nn lia uma creepy boa como essa.
    Só o final q poderia ser melhor, talvez se tivesse acabado antes, como ela se dando conta de que ele não estava mais ali, teria ficado perfeita.

    7/10

    ResponderExcluir
  3. Mau Deus QUE CREEPYPASTA BOA!
    Faz tempo que essas suas originais vem aterrorizando muita gente divina!

    ResponderExcluir
  4. Ela deve ouvir o subconsciente dela falando e dando dicas sobre o que acontece com ela.
    Acho que ela está tendo um aneurisma e por isso tudo vai lentamente ficando escuro e começa a desaparecer.

    ResponderExcluir
  5. Essa também é boa:

    https://www.reddit.com/r/nosleep/comments/cg0pif/i_found_some_unseen_footage_from_the_tv_show_cops/

    ResponderExcluir
  6. https://www.reddit.com/r/nosleep/comments/cgd2o9/what_my_friend_and_i_found_on_his_deceased/

    Essa é bem previsível, porém bem escrita.

    ResponderExcluir
  7. Outra sugestão:

    https://www.reddit.com/r/nosleep/comments/cflayf/im_a_corrections_officer_but_i_guard_things_that/

    ResponderExcluir
  8. KKKKKKKK MEU NOME É NATHÁLIA PUTA MERDA LFKALJDKSJDKSJDKSKJD Mas a crespo é foda e eu ia pedir um spoiler da minha vida

    ResponderExcluir
  9. Essa creepy me lembrou uma em q uma moça tinha esse mesmo problema, ai o narrador da vida dela dizia sobre um avião (sim, se referindo ao atentado de 11 de setembro), ai ela morria e tals, era boa pra kct tbm.

    ResponderExcluir
  10. PRGDL02022

    Que doideira, gostei!!

    ResponderExcluir
  11. Finalmente uma creepy boa , queria que tivesse continuação, parabens ao criador

    ResponderExcluir
  12. Meu nome é Nathália e agora quem está paranóica sou eu

    ResponderExcluir
  13. Acredito que ela estivesse em coma, e esse homem seria o subconsciente dela? Nao sei... Tudo isso pode ser uma recordação da vida cotidiana dela, isso explicaria o fato dela estar cozinhando, dormindo e coisas comuns assim...
    9/10, achei bem original ♡

    ResponderExcluir