Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Minha paciente usa um chapéu feito de papel alumínio

19 comentários

Sarah estava sentada na minha frente, usando um chapéu feito de papel alumínio. 

Dava para ver que havia se esforçado em sua fabricação. O alumínio estava esculpido meticulosamente em volta de sua cabeça, com um morrinho no topo. 

"Pode me dizer porque usa isso, Sarah?" Perguntei.

Seus olhos iam de um lado para o outro, como se o Governo - ou seja lá que entidade estivesse com medo - pudesse ouvi-la. "Eles irão ouvir meus pensamentos," finalmente sussurrou. "E depois..."

"Entendo. Mas eu te asseguro - é totalmente seguro tirar o papel alumínio, Sarah." 

"Mesmo?"

Pobre menina. Seus lábios tremiam, e seus olhos estavam arregalados de medo. O que tinha a deixado com tanto medo? De que o governo, ou alienígenas, ou seja lá o que fosse fosse ouvir seus pensamentos?  Já tínhamos investigado seus pais. Não havia nenhum indício de abuso. Então do que essa menininha de oito anos de idade tinha tanto medo?

"Eu sei que você acha que, quando tirar o chapéu, alguém ouvirá seus pensamentos. E isso seria um desastre, não é? Porque talvez o governo, ou alienígenas, ou outra coisa esteja ouvindo para ter vantagem sobre você. Que querem te perseguir, ou controlar sua mente. Mas isso não vai acontecer, Sarah." 

"Mas eles vão me matar. Quando ouvirem meus pensamentos vão vir no meio da noite e-" 

"Shhhh. Nada disso vai acontecer, Sarah. Está tudo bem."

"Não, não está tudo bem!" Disse, com lágrimas nos olhos.

"Te prometo, está sim. Não tem nada a se temer, tá bem? Nada." Me inclinei para frente e sorri. "Pode tentar tirar o chapéu?"

"Não, eu não quero." 

"Por favor? Tente. Por mim. Prometo - nada de ruim acontecerá." 

Ela olhou em volta, seu rosto ficando pálido. "Promete?"

"Prometo.Prometo até de dedinho." 

Ela finalmente seu um sorriso. 

Cruzamos os minguinhos. Lentamente levou uma das mãos até o papel alumínio. Fechou os olhos com força. 

Arrancou da cabeça rapidamente. 

Pulei para trás. Meu coração começou a disparar. 

"Dra. Taylor? Você está bem?"

Um zumbido tomou conta dos meus ouvidos. Depois, deu lugar a vários sussurros - um por cima do outro, se sobrepondo, raivosos. Alguns ficaram mais baixos, outros se intensificaram, até que algumas palavras começaram a ficar mais claras. 

Pegue a faca da gaveta. 

Enfie a faca no olho dela. 

Agora.

A voz não era dela. Era baixa, grave, ríspida. O tipo de voz que penetra sua mente, destroçando sua sanidade mental. 

"Sarah?" Perguntei. Mas minha voz parecia tão baixa. 

Então senti meu corpo se movendo. Contraí os músculos, tentei parar; mas nada aconteceu. Meus pés me levavam para frente, em direção da gaveta do armário. 

Em direção da faca. 

Os olhos dela se arregalaram. Esticou a mão para baixo e pegou o chapéu, colocando de novo por cima dos cabelos. Imediatamente - as vozes sumiram. Um zumbido surdo tomou conta dos meus ouvidos. 

"Eu sinto muito," disse, começando a chorar descontroladamente. "Eu não queria que você ouvisse, Dra. Taylor. É por isso que eu não queria tirar. É por isso que -" 

Está tudo bem, Sarah," falei. "Você vai ficar bem. Prometo."

Mas eu não tinha certeza se eu poderia cumprir com aquela promessa. Mas agora eu sabia.

Ela não tinha medo de ouvir algo de fora.

Ela tinha medo de ser ouvida. 

19 comentários :

  1. Que legal! Ao que parece, a garota que tinha vozes mandando-a matar a doutora, e não o contrário.

    ResponderExcluir
  2. mindinhos ta escrito minguinhos, tirando isso a creepypasta foi bem regular, minha nota é 5 o tamanho ta excelente para as informações da história, porem é bem possível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão, tu troca "mas" por "mais". Vai se foder. Segura essas merdas que tu posta pra ti!

      Excluir
    2. https://pt.wikipedia.org/wiki/Dedos_da_m%C3%A3o
      Mínimo — também vulgarmente conhecido como "dedinho" ou "mindinho" ou ainda "minguinho".

      E não enche mais meu saco.

      Excluir
  3. Vocês poderiam trazer creepys sobre rituais, As vezes sinto falta delas.

    ResponderExcluir
  4. PRGDL02022

    Excelente, gostei. O alumínio tem mesmo uma capacidade de bloqueio? Em muitos filmes e séries existe o tal chapéu de papel alumínio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alumínio reflete ondas eletromagnéticas, então a ideia seria de que pode impedir que as ondas de pensamento se espalhem.

      Excluir
    2. PRGDL02022

      Bacana, valeu pela explicação...

      Excluir
  5. Oi Divina vi no outro post q estão só vc e o Gabriel no site.. modestia a parte eu falo ingles até q bem, fiquei um tempo nos EUA num lugar sem imigrante nenhum.. dai aprendi na marra msm kkkkkk
    Se precisar eu traduzo algumas tb! Tb sou ocupada com criança, casa, clientes e tal mas arranjo um tempinho.. amo o site 😊
    Ainda nem li a creepy. kkkkk vou ler depois... Mas ja sei q deve ser ótima 😘

    ResponderExcluir
  6. Eu tbm to a disposição. Faço curso de inglês, traduzo bem e também sou escritora. Só nao faço contos de terror, mas gostaria muito de ajudar. Se quiser entrar em contato pra certificar minha qualidade (99% friboi) o email é tharsisgabie.araujo@gmail.com
    Bjos!
    Ps.: Amei essa creepy e tenho uma senhora sensação de que ja li ela por aqui!

    ResponderExcluir
  7. Eu adorei, só tenho uma dúvida, a voz que a doutora ouvia mandava ela matar a garotinha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pq ali ela diz que eles vão matá-la, então ela transmite pensamentos que mandam as pessoas matá-la?

      Excluir
  8. creepy boa, mas o fato da tal doutora ficar interrompendo a guriazinha me irritou um pouco

    ResponderExcluir