Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Um homem bateu na minha porta à meia-noite, me deu duas escolhas.

16 comentários

Hoje alcanço o marco de quadragésimo aniversário nesta Terra e, em vez de pensar em como lidar com a típica crise da meia-idade, estou decidindo se meu tempo aqui chegou ao fim ou não.

É uma espécie de maldição que corre na família; Desde que minha árvore genealógica se iniciou, os homens da família nunca passam dos quarenta. Até chega-se a comentar que morrem bem na data de seu aniversário.

Pelo menos esse foi o caso do meu pai. Eu estava na faculdade quando recebi a ligação; Eles encontraram o homem de porte atlético morto na varanda da frente, aparentemente de um ataque cardíaco.

No seu quadragésimo aniversário.

Meu tio sofreu do mesmo destino alguns anos depois, assim como meu irmão, que morreu cerca de cinco anos atrás.

Com base nas evidências, eu diria que há algum mérito na suposta maldição, mas, como em todas as regras, há uma exceção; Nesse caso, é meu avô.

Mesmo quando criança, sempre me espelhei nele, como um modelo. De fato, nossos aniversários eram apenas poucos dias de distância, então geralmente nos víamos naquela época do ano.

Ele tinha essa aura ao seu redor, como um escudo invisível que impedia que algo ruim chegasse muito perto. Tudo que fazia, fazia com propósito e com um sorriso eterno no rosto. Apenas uma vez o vi quebrar aquela fachada perfeita: no funeral de meu pai, mas mesmo assim parecia mais decepcionado do que triste.

"Ano zero", era como chamava o quadragésimo aniversário. Para ele, marcou o verdadeiro começo de sua vida, criando piadas sobre sua idade, alegando que completou cinco anos em seu quadragésimo quinto aniversário e assim por diante.

Quando cheguei à idade adulta, seu comportamento mudou levemente, em um dia em que se aproximou de mim para o que chamou de "conselhos de homem".

Me fez sentar, me entregou minha primeira cerveja 'oficial' e começamos a conversar.

“Depois do que aconteceu com seu pai no ano passado, tenho certeza de que você está pensando muito sobre a chamada 'maldição da família'. Não é mentira que todos os homens pareçam simplesmente morrer aos quarenta anos, mas é errado chamar de maldição. Na verdade, é mais como uma benção disfarçada. "

Ele respirou fundo antes de continuar.

"Vai parecer um pouco louco, mas vou falar de qualquer maneira. No seu aniversário, quando você completar quarenta anos, um homem virá bater à sua porta exatamente na meia-noite. Apesar da hora estranha, você se sentirá compelido a deixá-lo entrar. Não se preocupe, ele não irá machucá-lo, ele só quer conversar e, depois que ele disser o que tem para dizer, te dará uma escolha. ”

"Que escolha? O que ele vai me dizer?” Perguntei confuso sobre como simples palavras poderiam ter causado todas aquelas mortes.

"Isso eu não posso te dizer, é algo que você precisa descobrir por si mesmo. Tudo o que posso fazer é avisá-lo e dizer-lhe para viver sua vida ao máximo, pelo tempo que puder."

Ele nunca o trouxe esse assunto à tona novamente e, embora sempre estivesse no fundo da minha mente, eu não conseguia acreditar, mas fiz o que ele disse e tentei aproveitar cada segundo da vida, acreditando que quando completasse quarenta anos, certamente morreria como o resto da minha família.

O que nos leva a hoje, meu quadragésimo aniversário.

Exatamente no início certo da madrugada; Meia-noite, acordei com o que pareciam três batidas suaves na porta da frente. Minha esposa, a pessoa com o sono mais leve do planeta, nem pareceu registrar o som, enquanto eu mesmo, que normalmente durmo pesadamente, acordei assustado.

Eu não havia dormido bem nos dias antecedentes ao meu aniversário, antecipando o fim da minha vida, mas incapaz de acreditar.

Vestindo nada além do meu pijama, fui até a porta da frente. Com uma ligeira hesitação, olhei pelo olho mágico; Do outro lado, estava um homem de meia idade usando terno, com um sorriso amigável no rosto.

"Sr. Shepherd," me cumprimentou enquanto apertava minha mão. "Se importa se eu entrar?"

Sem palavras, não consegui fazer nada além de gesticular para ele entrar na minha casa. Já tinha decidido negar sua entrada a muitos anos atrás, mas me senti compelido por sua presença.

Ele passou por mim e foi direto para a cozinha, parecendo já conhecer minha casa, uma casa que eu herdei do meu pai.

Eu o segui obedientemente até a cozinha e nos sentamos à mesa. Ele apenas ficou olhando para mim sem dizer uma palavra, seu sorriso nunca deixando seu rosto.

Eu tinha muitas perguntas, mas não consegui fazer uma sequer, simplesmente nos sentamos em silêncio, olhando um para o outro, como um encontro às cegas extremamente bizarro.

"Você parece surpreso em me ver", o homem finalmente disse depois de minutos de silêncio. "Creio que já esperava minha visita?"

Assenti com a cabeça, ainda incapaz de falar.

"Vamos lá, Mark, você tem uma língua perfeitamente funcional, pelo menos sua esposa parece pensar assim, não tenha vergonha de usá-la."

"Por que você está aqui?"  Finalmente perguntei.

Seu sorriso desapareceu, substituído por uma expressão de total confusão.

"Porque estou aqui? Essa é a pergunta que deseja fazer primeiro? Não, quem sou ou o que fiz com seu pai?"

Não respondi, e ele olhou nos meus olhos, sem mover um músculo.

"Como quiser", suspirou. "Estou aqui para conversar, para lhe dar as respostas para todas as perguntas que você já se fez. Tudo o que você quiser saber, vou lhe dizer, não importa o quão estúpida ou bizarra seja a pergunta, prometo a você nada além da verdade."

"Você matou meu pai?"

"Claro que não, isso é totalmente contra as regras. Simplesmente dei a ele uma escolha e, como todos os homens da sua família, exceto pelo seu brilhante avô, ele escolheu sair."

"Que escolha?"

"Ah, Sr. Shepherd, quer dizer, Mark, aliás, você se importa se eu te chamar de Mark?"

Antes que eu pudesse responder, continuou falando.

"Essa é a beleza do nosso pequeno encontro. Eu lhe darei a resposta, mas não até que eu ache que você está pronto."

Se recostou na cadeira e esperou que eu continuasse fazendo perguntas, embora pelo olhar presunçoso em seu rosto eu pudesse dizer que sabia exatamente o que eu perguntaria.

"Quem é Você?"

"Vamos, Mark, você realmente não precisa perguntar isso, você já sabe, não é?"

Eu tinha minhas teorias e, por mais idiota que fossem, não poderia superar o ridículo da maldição da família.

"Você é o Capeta?", perguntei nervosamente.

"Tecnicamente, isso é verdade, mas não vamos recorrer a xingamentos; prefiro Lúcifer" disse rindo.

Mais uma vez ficou em silêncio, aguardando a minha próxima pergunta, mas eu não conseguia organizar os milhares de pensamentos que fluíam pela minha cabeça.

"Você é bem ruim nisso, sabe? Não que isso faça diferença, sei exatamente o que você quer saber, você nem precisa falar. Então, que tal começarmos com algo inocente, hein?"

Ele olhou bem nos meus olhos, vasculhando meu cérebro, procurando perguntas que eu nem sabia que tinha.

“Ah, você quer saber se sua ex-namorada ainda pensa em você? Julia, esse é o nome dela, não é?"

Assenti automaticamente.

"Ela não pensa, e você não era tão especial assim para ela, apesar do pedestal em que a colocou. Você realmente deveria apreciar mais sua esposa, ela é muito mais adequada para você."

Minha esposa. Eu havia esquecido completamente que ela ainda estava no andar de cima dormindo, mesmo com sua facilidade de acordar, ela certamente acharia suspeito do que diabos eu estava fazendo acordado com um homem estranho sentado na cozinha no meio da madrugada. 

"Podemos ir para outro lugar? Minha esposa está dormindo e-" falei antes de ser interrompido.

"Mark, não seja ridículo, sua esposa não pode nos ouvir."

" É que ela tem um sono muito leve".

Ele se levantou da cadeira e gritou “Ei, Hannah! Estou conversando com Mark na cozinha, estou prestes a contar a ele todos os segredos do universo, e se você descer, também te conto!”

Ele então se sentou em silêncio para ouvir qualquer comoção, mas não ouvimos nada além de silêncio.

"Acho que estamos seguros."

Nesse momento, a maior parte da adrenalina havia se estabelecido em meu corpo, e comecei a entender o aspecto mais vantajoso de nossa conversa. Eu poderia perguntar literalmente qualquer coisa, e ele me responderia, mas ainda precisava de mais provas de que ele era real.

"Pouco antes de meu pai morrer, ele me disse algo que eu nunca contei a mais ninguém. Não entendi na época, mas quando morreu no dia seguinte eu não conseguia parar de pensar naquilo. "

Ele parou por um momento, me dando tempo para duvidar-lo. 

"Seja um homem melhor do que eu, Mark", disse , mas a voz que ouvi foi a do meu pai. Meu coração disparou com a familiaridade, e Lúcifer apenas sorriu em troca.

Todas as dúvidas foram tiradas da minha mente naquele exato momento, então eu decidi perguntar algo mais sobrenatural.

"Se você é real, certamente Deus também existe, o céu e tudo mais?"

Ele parecia verdadeiramente decepcionado com a minha pergunta.

"Ah, Mark, sinto muito."

"Sente pelo quê?"

“Por responder sua pergunta. É claro que ele é real, ele, o céu e as outras criações verdadeiramente magníficas que emergem de seus poderes sagrados, mas você não acha que ele realmente te criou, não é?"

"E-ele não criou?" Gaguejei.

"Não, de maneira alguma, vocês, a humanidade, não passa de um infeliz efeito colateral das criações reais de Deus. Você realmente acha que algo tão horrível poderia ser criado por um ser todo-poderoso? Pense nisso, Mark. Vocês, criaturas, querem destruir seu semelhante que seja vagamente diferente de vocês, acumulam todos os seus bens inúteis, deixando outros apodrecendo na pobreza, enquanto outros prosperam além do que é remotamente necessário. Vocês matam por diversão e, no final, destroem o planeta, sua própria casa, apenas porque são egoístas demais para cuidar um dos outros. Isso não parece algo que Deus criaria, não é mesmo? "

Suas palavras afundaram em mim, como uma âncora ligada à minha alma e lançada na parte mais profunda do oceano.

"Existem pessoas boas aqui também, não é tão ruim assim." Argumentei.

"Você está certo, há muitas pessoas boas por aqui, mas nenhuma delas é realmente ótima. Nenhum de vocês é capaz de ver mais além."

Ele se levantou da cadeira e começou a andar de um lado para o outro, enquanto me ensinava sobre a natureza fútil dos seres humanos.

“No grande esquema das coisas, nada que você faça aqui importa. No final, todos vocês se transformarão em pó flutuando pelo vazio que chamam carinhosamente de 'espaço'" concluiu.

Me senti esmagado. Pensei na minha esposa, o fato de que um dia morreríamos e quaisquer sentimentos que tivéssemos seriam apagados quando a carne em nossos ossos apodrecesse no chão. Nossos trabalhos, trabalhando para fornecer uma função para a sociedade, tudo isso era uma tarefa sem sentido, servindo apenas para estender o fim inevitável do nosso mundo.

"Então-"

"O que acontece quando você morre?" Terminou minha pergunta por mim.

"Sim, vamos para o inferno?"

“Não, você simplesmente deixa de existir, o pequeno fragmento de poder divino dentro de você, aquele que você acha que vale a pena ser chamado de 'alma', é colhido por meus empregados. Precisamos dos fragmentos para criar mais... seres desejáveis.”

Ele fez uma pausa, direcionando sua atenção para a minha geladeira.

"Você provavelmente precisará de alguns minutos para processar isso, tem alguma coisa para comer?"

Ele se serviu de uma cumbuca de frango frio que minha esposa havia preparado como um jantar de pré-aniversário.

"Então, o que você faz, desde que Deus foi embora, aparentemente deixando você para trás com o resto de nós?"

Ele riu com a boca cheia de frango, alguns pedaços de carne voando pelo cômodo.

"Eu não fiquei para trás, escolhi ficar aqui. Alguém tem que garantir que vocês não se revoltem, que não peguem coisas que não os pertencem, é apenas uma questão de tempo antes de descobrir como acessar o outro lado. Na verdade, é muito mais fácil do que você imagina e, embora eu ame uma revolução, não posso deixar qualquer um liderá-la."

Ele detonou com a cumbuca em questão de segundos, mastigando volumosamente a carne, quase gemendo de prazer enquanto fazia.

"Sua esposa é realmente uma cozinheira maravilhosa, Mark. Lembre-se de agradecê-la por mim."

"O que você quer de mim, afinal?", Perguntei.

"Eu quero lhe oferecer uma escolha."

Antes que tudo fosse esclarecido, as paredes ao nosso redor começaram a se dissolver, o chão rachou sob nossos pés e cada peça de mobília não grudada na parede caiu no chão. Fiquei em pânico e olhei para Lúcifer com olhos suplicantes, mas não caímos com o resto, simplesmente flutuamos.

Não demorou muito para que o mundo ao nosso redor fosse apagado da existência e ficamos em um vazio cinzento.

"On-onde estamos?" Gaguejei.

"Espere um segundo", disse ele calmamente.

Edifícios apareceram ao nosso redor, obras-primas arquitetônicas modernas e altas, coloridas em misturas bizarras de prata e azul. Tudo se estendendo para o céu, tão uniforme, nada se diferenciando de seu design vizinho.

"Isso é a utopia!" Lúcifer exclamou quando de repente nos encontramos no topo de um dos edifícios.

Não havia nuvens ou nevoeiro para obscurecer a vista, o que significava que eu podia olhar para longe no horizonte, vendo que a cidade realmente se estendia sem um fim.

"Utopia, sério?"

“Obviamente não, esta é minha cidade. Eu a criei há centenas de milhares de anos atrás, é o que vocês chamam de 'purgatório', embora eu prefira chamar apenas de 'O lugar intermediário'", disse.

"Você criou o purgatório?"

"Sim, é o mais perto do que os humanos jamais chegarão do paraíso. É o único lugar que existe no mesmo reino, pelo menos. "

Olhei em volta, a rua a milhares de metros abaixo parecia tão vazia, sem pessoas.

"Onde está todo mundo?"

“Em uma seção diferente, eu continuo expandindo esse lugar à medida que as pessoas entram. Veja bem, Mark, é isso que eu lhe ofereço. A vida eterna nesta cidade, ou ser apagado pelo próprio tempo, em algumas décadas, e ser rapidamente esquecido pelo mundo em que você viveu."

"Por quê?"

"Como assim por quê? Deus pode ter desistido da humanidade antes mesmo de você ser criado, mas ainda vejo potencial em vocês. Infelizmente, sua crença nele ainda impede a maioria de vocês de aceitar minha oferta, mas você está no estado certo da mente religiosa para ser razoável. Veja bem, preciso que todos acreditem na gloriosa vida após a morte descrita em seus livros religiosos, mas não tanto."

Eu podia sentir a intenção maliciosa por trás de sua oferta. Se ele realmente oferecia a vida eterna, certamente queria algo em troca.

"E qual seria esse potencial?"

"Vamos recuperar o que é nosso, Mark. Deus com certeza não vai te dar nada, mas eu vou," sorriu.

No segundo seguinte, eu caí de volta na minha cadeira, de volta para minha cozinha. Sem aviso, estava novamente em casa. 

"Essa é a escolha que te ofereço, a chance de viver na cidade rateada, de ter um propósito, toda a eternidade na ponta dos seus dedos, mas isso significa que você terá que morrer hoje e vir comigo".

"E a minha família?"

"Sinto muito, Mark, mas eles não estão prontos. A maioria deles foi envenenado pela educação religiosa que receberam em seus lares.  Apenas alguns de vocês são adequados para o trabalho."

Olhou para um relógio na parede, o tempo parecia ter passado mais rápido do que o previsto e a manhã chegara.

“Bem, nosso tempo acabou. Você tem que decidir hoje. À meia-noite, o contrato expira e você volta à sua curta existência."

Ele começou a sair pela porta, mas se virou para me dar um último adeus.

"Ah, e feliz aniversário, Mark, certifique-se de aproveitá-lo."

Me senti exausto depois que Lúcifer foi embora. Recebi o ultimato da minha vida. Peguei uma caixa térmica cheia de cerveja, às sete da manhã, e me sentei na varanda da frente.

Uma hora depois, e duas cervejas depois, vi meu avô passeando pela rua, acenando para mim. Ele podia ver o olhar de derrota no meu rosto e sentou-se ao meu lado.

"Então, como foi o bate-papo, você falou com ele, não é?"

Eu apenas assenti em derrota.

"Por que você escolheu ficar?", perguntei.

Ele olhou para o cooler atrás de mim antes de responder.

"Você tem uma para mim, garoto?" 

Eu entreguei a ele uma gelada, esperando por uma explicação.

“Conheci sua avó quando tínhamos dezoito anos, quando meu pai e o pai dele já tinham nos deixado, então é seguro dizer que eu estava ciente da 'maldição' da família, mas embora não tenha entendido exatamente o que aconteceu até muito mais tarde, prometi a mim mesmo que viveria a vida ao máximo até chegar minha hora. Imaginei que morreria como todos os outros, então imagine como fiquei aliviado quando tive a opção de ficar. ”

Ele tomou um gole longo de cerveja, quase terminando-a em de uma vez só.

"Mas por que quis ficar, se uma vez que morremos, não resta mais nada do outro lado? Se nada aqui importa, então qual é o objetivo?"

"Quem disse que não? Só porque o tempo aqui é limitado, isso realmente significa que não é importante? Além disso, se eu tiver que existir em um lugar sem sua avó, eu simplesmente deixaria de existir. Quando nos casamos, prometi ficar ao lado dela para sempre, e é exatamente isso que pretendo fazer."

Olhei para o meu avô com admiração, aos 83 anos de idade, no final de sua vida útil; No entanto, completamente despreocupado, encarregado de seu próprio destino.

“E o que ele disse? Sobre Deus, humanidade, o lugar intermediário?"

Ele olhou para mim por um momento, ponderando suas próximas palavras.

"Você define seu próprio destino, Mark, nunca se esqueça disso."

Conversamos até minha esposa acordar. Ela fez meu café da manhã favorito, convidou eu e meu avô para entrar. Demonstrou uma genuína expressão de alegria, e eu a invejei, vivendo a vida em ignorância da verdade terrível.

Sorri enquanto comíamos juntos, pela primeira vez desde o meu encontro com Lúcifer.

Ele me deu até meia-noite para escolher entre ficar para trás e ser exterminado da história, ou ir com ele, e viver para sempre no lugar intermediário, para servir em uma guerra contra o próprio Deus.

Vou aproveitar esse dia o melhor que puder, afinal, pode ser o meu último.

16 comentários :

  1. Nossa, gostei muito dessa historia, bem reflexiva.

    ResponderExcluir
  2. Como sempre, Divina trazendo as melhores. Só posso dizer obrigado e continue sendo a alma desse blog. Vou aproveitar essa creepy o melhor que puder, afinal, pode ser a minha última.

    ResponderExcluir
  3. Perfeita
    O final dá uma pequena esperança que ele iria ficar, a quebra de expectativa é quase cômica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim, parece até que ele se sentiu tentando em ter vida eterna, uma experiência quase de ganância

      Excluir
  4. PRGDL02022

    Muito boa e interessante, gostei.

    ResponderExcluir
  5. Nem parece uma creepypasta, tá mais pra uma história motivacional.

    ResponderExcluir
  6. O Fato da historia ter um final aberto a torna mais interessante. É uma reflexão escolher passar mais tempo com quem ama ou 'viver' eternamente feliz.

    ResponderExcluir
  7. Olá Que trabalho milagroso de grande Amiso, eu sou Jose Nuno, minha esposa me deixou porque tenho câncer no corpo, então enviei um email para o Dr.Amiso e explico tudo para ele, ele cura a doença e devolve minha esposa de volta para mim , eu também disse ao meu amigo Ferrao, que sua esposa está se divorciando em três dias, ele também entrou em contato com o Dr.Amiso, espera e vê sua esposa ligar para o advogado 2 dias antes do terceiro dia de assinar o documento de divórcio e disse que ela é Para não se divorciar do marido novamente, ele deve parar e pesquisar todos os documentos sobre a questão do divórcio, acredite: agora eles estão vivendo felizes como nunca antes. caso você esteja passando por um problema conjugal, entre em contato com Dr.Amiso pelo herbalisthome01@gmail.com

    ResponderExcluir