Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Me voluntariei para sentar ao lado do homem morto, estou arrependido.

18 comentários
O homem que estava no lugar marcado como 43-A morreu na metade da nossa passagem pelo Atlântico. Eu estava sentado próximo a frente do avião, e não conseguia enxergar o lugar. Mas eu podia ouvir alguém arfando e fazendo ânsia - bem alto no começo, depois mais baixinho e mais baixinho. Uma comissária de bordo foi até o auto-falante e perguntou se 'havia algum médico entre os passageiros' para ajudar. Acho que não tinha nenhum.

Depois de alguns minutos, os sons que o homem fazia se resumiram a um gorgolejo, depois silêncio, depois o fim. 

O nome dele era Molyneaux, e ele era velho mas não tão velho, e provavelmente tenha sido um ataque cardíaco, aneurisma, overdose ou vontade Deus, isso de acordo com os relatórios boca a boca que foram passando pelo avião vindo da fileira 43, onde a comissária de bordo simplesmente afivelou novamente o cinto do homem em seu assento ao lado da janela e cobriu seu rosto com um cobertor da companhia aérea.

O piloto avisou pelo auto-falante que o avião retornaria para Nova York 'devido uma trágica situação médica envolvendo um dos nossos passageiros'. 

"Pessoal, estamos procurando um voluntário para sentar-se ao lado do falecido enquanto voltamos para o aeroporto de partida," o piloto continuou. "Esse voo está cheio e a pessoa sentada ao lado dele não está se sentindo confortável. É um assento de corredor e não demorará mais do que algumas poucas horas para aterrizarmos." 

Não sei porque me voluntariei - provavelmente uma combinação de exaustação, altruísmo e curiosidade mórbida. Meu planejamento de férias tinha ido pras estrelas  mesmo, então por que não ficar no lugar mais interessante daquele voo? A comissária de bordo me agradeceu copiosamente, assim como a adolescente com cara de enjoo que ficou com meu lugar original.  Peguei minha mala de mão e fui passando pelo corredor até a última fileira do avião. 

Minha única experiencia anterior com cadáveres foi o velório de caixão aberto da minha avó quando eu era criança, mas a ideia da morte em si nunca me incomodou. É natural, afinal de contas. Dito isso, admito que dei uma leve arrependida quando vi meu novo companheiro de voo. 

O Sr. Molyneaux, que descanse em paz, estava sentado reto entre a janela e eu, com o cinto na cintura e um cobertor de lã azul cobrindo seu rosto e torso. O cobertor não cobria suas mãos, que estavam apoiadas em seu colo acima do cinto de segurança - colocadas daquele jeito pela comissária como um jeito de prestar respeito, presumi.

Os dedos pálidos de Molyneaux estavam retorcidos como garras que traíam a agonia que foi sua morte. Eu não conseguia ficar olhando para aquelas mãos e não imaginar como seu rosto devia estar debaixo daquele cobertor. 

Pensei em pedir mais um cobertor, mas os comissários estavam ocupados tentando acalmar os outros passageiros e preparando para nosso retorno pelo Oceano Atlântico. Então tentei esquecer minha inquietação fechando os olhos, e dormi.

Acordei - horas ou minutos depois, não sei - com o sacudir de uma turbulência. As luzes estavam desligadas e a maior parte dos passageiros a minha volta pareciam estar dormindo. Olhei pela janela, tentando não olhar para Molineaux enquanto fazia isso - e apenas enxerguei a escuridão uniforme da noite. Imaginei o oceano a quilômetros abaixo de nós, frio e negro. O pensamento me deixou nervoso, então me estiquei por cima de Molyneaux para fechar a persiana. 

E então parei. A persina já não estava fechada antes?

Percebi que tinha mais uma coisa estranha ali. A postura de Molyneaux havia mudado enquanto eu dormia. Demorei alguns segundo para reparar. Suas mãos em garra ainda estavam em seu colo, sua cintura continuava afivelada e o cobertor ainda cobria a parte superior de seu torso. Mas o tecido agora parecia de certa forma retorcido, como se tivesse se remexido. 

Vagarosamente - sabendo que era uma loucura, mas não conseguia evitar - levantei um canto do cobertor. 

Descobri sua camisa, o qual os comissários haviam desabotoado na tentativa de salvá-lo. Uma parte de sua pele cinza-azulada cheia de pelos do seu peito apareceu. 

Levantei mais um pouco o cobertor. Seu colarinho estava salpicado de sangue seco. Me lembrei dos sons terríveis que havia feito mais cedo.

Finalmente, puxei o cobertor todo e tive que conter meu grito. 

O rosto de Molyneaux estava virado para o outro lado, como se tivesse se virado para olhar pela janela. 

Eu podia ver seu reflexo no vidro. Sem dúvidas, era o rosto de um homem morto: pálido, retorcido, lábios abertos, maxilar caído. Não havia vida ali. 

Exceto por seus olhos. Estavam se mexendo.

Fiquei encarando o reflexo por meio minuto e tenho certeza disso. No meio daquela máscara de homem morto, duas pupilas iam para lá e para cá, como se procurasse algo no céu. 

"O que você está fazendo?" uma voz atrás de mim interrompeu minha observação. Me virei e vi a mulher sentada do outro lado do corredor me encarando - não tanto de medo quanto de nojo. "Cubra-o de volta. Deixe-o em paz." 

"Ele... a-acho que ele estava se mexendo," gaguejei. "Os olhos. Acho que talvez ele não esteja..."

Mas não consegui terminar a frase; era loucura demais. E nem precisei, porque naquele momento meu estomago caiu junto com tudo mais dentro do avião. 

Copos de café e bolsas bateram contra o teto. Um homem perto da primeira classe quase caiu de seu assento. Vi algumas luzes se apagando por todo avião enquanto diversos passageiros acordavam assustados e confusos. 

"Passageiros, por favor continuem em suas poltronas, apertem os cintos e segurem seus itens soltos," disse o piloto pelos autos-falantes, parecendo um tanto abalado. "O tempo em nosso caminho está limpo e nenhum outro avião por esse caminho reportou turbulências, então não sei o motivo dessa. Mas logo tudo voltará ao normal."

Enquanto falava, o chacoalhar que antes era leve começou a ficar mais violento. A mulher do outro lado do corredor começou a procurar o cinto loucamente e parou de prestar atenção em mim ou em Molyneaux. 

Me forcei a olhar de novo. A turbulência devia ter o lançado para frente, fazendo com que sua cabeça batesse na poltrona da frente. 

Mas o rosto de Molyneaux ainda estava virado para a janela - seu pescoço retorcido em um angulo tão estranho que tive impressão de estar quebrado. 

Olhei novamente suas mãos, e a palidez de sua pele. Três comissários de bordo e uma dúzia de passageiros haviam testemunhado a morte daquele home, e eu não conseguia raciocinar um erro coletivo desse tamanho. 

Mas ainda assim, no reflexo, seus olhos. Direta para a esquerda, esquerda para a direita. 

Já tinha ouvido falar que depois da morte o corpo pode ter alguns reflexos loucos - membros se mexendo, galinhas sem cabeça que correm, nervos mandando os últimos impulsos do cérebro. Mas olho? Nunca tinha ouvido falar naquilo. 

Me fiz olhar além daquele reflexo bizarro, para o céu em si. Ainda estava escuro, sem lua e sem nuvens, mas a atmosfera parecia estar com uma estranha nuance - um verde bem escuro, como uma neblina cor sopa de ervilha. Achei estar vendo estranhas formas dançando na escuridão, mas achei ser uma ilusão de ótica. Me recolhi.

Desesperadamente queria apenas estar em qualquer outro lugar que não aquele, mas o resto das pessoas estavam entrando em um estado de pandemônio. Comissários estavam correndo para cima e para baixo nos corredores, atendendo derrames de bebidas e contusões, mesmo aos tropeços. O avião inteiro parecia um barril que descia por uma corredeira.

Uma série de solavancos fez com que o corpo de Molyneaux balançasse para frente e para trás com um pendulo ao contrário. Foi jogado novamente em sua poltrona, caído de lado em mim (uma sensação horrível que jamais esquecerei), depois para o outro lado, sua cabeça batendo diretamente na janela, onde descansou. 

Isso já era o suficiente para mim. Soltei meu cinto, sai e me tranquei no banheiro que ficava logo atrás de onde eu estava sentado. Eu me recolheria no banheiro pelo resto daquele voo infernal. Preferia ficar ali do que passar mais um minuto ao lado do Sr. Molyneaux. 

Meu plano funcionou por mais ou menos meia hora. Fiquei me segurando em cada parede do banheiro ouvindo a correria dos comissários, o lamento das turbinas e rugido do céu. Tentei me acalmar imaginado a paisagem de Nova York. 

Mas então lembrei da janela de Molyneaux, seu rosto espremido contra o vidro, parecendo um garotinho viajando pela primeira vez de avião, seus olhos mortos varrendo o céu.

A voz do piloto me trouxe de volta para a realidade. Agora parecia realmente assustado, e o som do auto-falante ficava cortando.

"... tempo extremamente anormal... preciso que todos sentem e afivelem o cinto... imediatamente... se despressurizarmos..."

A turbulência parou por 4 ou 5 segundos, e de repente parecia que eu estava dentro de uma máquina de lavar. Bati contra todas as paredes do pequeno banheiro, cai no chão, e mal consegui abrir a porta e me rastejar de quatro pelo chão de volta para minha poltrona.

Todos os três comissários de bordo estavam caídos, esparramados de costas ou de barrigas entre os assentos. Algumas dos porta bagagem superiores se abriram e jorraram bagagens. Muitos dos passageiros estavam chorando. Alguns rezavam. E, mesmo assim, o avião não parava de tremer.

Ouvi uma série de pequenos estouros acima da minha cabeça e senti algo molhado na minha bochecha. Todas latas de refrigerante haviam explodiu. Subi na minha poltrona e prendi o cinto, esquecendo brevemente Molyneaux pelo medo.

BAAM BAAM

Mas ele ainda estava em seu assento, é claro, sendo jogado para frente e para trás como um mastro de bandeira em um furacão, batendo com a cabeça na janela com muita força.

BAAM

Fiquei preocupado que talvez ele pudesse quebrar a janela, embora isso fosse impossível, então superei meu pavor e segurei-o pelos ombros. Mas não consegui contê-lo.

De novo e de novo, sua cabeça bateu na janela. Comecei a temer que não fosse simplesmente o movimento do avião que estivesse o obrigando.

BAAAM BAAM BAAM

Ninguém mais no avião estava assistindo aquilo. Alguns dos passageiros se reuniram e estavam tentando puxar os comissários de bordo feridos para fora do corredor. Outros estavam sussurrando adeus em seus telefones.

BAAAM BAAM KRRREEKK

Ouvi algo estalar ao meu lado e esperava desesperadamente que fosse o crânio de Molyneaux rachando, e não a janela. Do lado de fora, pude ver que a névoa verde estava viva com formas amorfas em turbilhão.

BAAAM KRRREEKK KRROM KROOM

Outra explosão. Desta vez, não latas de refrigerante, mas oxigênio pressurizado escapando para o céu. Molyneaux conseguira quebrar as duas vidraças em um golpe final. Agora, sua cabeça mutilada estava pendurada do lado de fora do avião, e o resto do corpo se esforçava para segui-lo, contido apenas pelo cinto de segurança e pela largura dos ombros.

Um alarme disparou na cabine, e uma selva de máscaras de oxigênio caiu do teto. Coloquei a minha de uma só vez, mas ouvi algumas outras pessoas gritando. Alguns passageiros tentavam desesperadamente ajudar a tripulação inconsciente, mas o avião tremia mais violentamente do que nunca e detritos soltos voavam pelos corredores em direção à minha fileira - em direção ao buraco que um homem morto havia feito no avião.

"... violação de cabine ...", disse o piloto. "... oxigênio de reserva limitado, então estou tentando descer para uma altitude segura ... mas difícil de fazer isso nesta tempestade, ou seja lá o que for... Deus esteja conosco."

Depois de ter certeza de que podia respirar e não corria o risco de ser sugado, dei uma última olhada em Molyneaux. A cabeça dele talvez tivesse sido arrancada, pelo que eu via através do resto do corpo.

Imaginei aqueles olhos novamente, que talvez tivesse visto algo no céu que não tínhamos visto - não podíamos ver, mesmo que agora ameaçasse partir o avião. Havia alguma conexão entre esses eventos que eu talvez nunca entendesse. Mas mesmo sem entender, eu poderia disponibilizar a última jogada para mim.

Estendi a mão sobre o colo de Molyneaux, levantei uma daquelas garras geladas e soltei o cinto de segurança.

Houve um barulho inexplicável de trituração quando, presumo, seus ombros foram apertados e esmagados para encaixar na moldura da janela. E então, em uma fração de segundo, ele se foi - pela janela, dentro da noite, um velho pálido caindo de ponta em direção ao oceano negro.

"Seja lá o que você viu lá fora", sussurrei, "Seja lá o que você estava procurando, vá e nos deixe em paz."

A névoa verde sumiu alguns minutos depois, e o avião desceu até ser era seguro respirar sem as máscaras. Menos de uma hora depois, eu vi a pista de pouso do JFK. Um esquadrão inteiro de policiais e ambulâncias nos encontrou no caminho. Os comissários de bordo e vários passageiros tiveram que ser hospitalizados, mas até onde eu sei, ninguém sofreu ferimentos graves.

Investigadores federais finalmente concluíram que havíamos voado por uma anomalia climática localizada - testemunhada por nenhum outro avião no céu naquela noite. Algum tipo de detrito deve ter a janela na 43-A. Escreveram em seu relatório: “Esse evento levou a uma súbita perda de pressão na cabine, na qual o corpo de um passageiro que tinha falecido mais cedo em uma emergência médica não relacionada foi expelido do avião ".

Eu esperava ouvir muito mais sobre isso no noticiário, mas acho que, no final, foi apenas uma dessas coisas. A companhia aérea não tinha interesse em divulgar o incidente, é claro, e os passageiros não desejavam revivê-lo.

Para a maioria das pessoas no voo, foi simplesmente uma tragédia esquisita, seguida de uma trégua e tudo acabou bem. Eu sou o único que sonhará pelo resto da minha vida com os olhos de Molyneaux e o que eles viram no caminho para o oceano.

18 comentários :

  1. essa fico genial eu nunca teria essa ideia, meus barbenas.


    para essa creepypasta dou uma nota 9,5

    ResponderExcluir
  2. Criei uma teoria muito louco e sem sentido pra isso enquanto eu banhava kksksksksks

    ResponderExcluir
  3. Muito boa incrível queria uma continuação tipo o velho que morreu tinha uma divida ou tinha q ser castigado por algum ser ou algo do tipo ou ele era um extraterrestre fugitivo de sua nave e a nave mãe ordenou mata lo ou recolher seu corpo para seguarança humana tlgd aff brisei

    ResponderExcluir
  4. Muito boa creepy, arrisco a dizer que na minha opinião é uma das melhores do site. Bem elaborada, sem erros, com detalhes, muito bom mesmo. Faltou só falar um pouco da relação dos eventos paranormais com a morte do homem, creio que isso não tenha ficado muito esclarecido, porém, nota 10..

    ResponderExcluir
  5. Isso é muito "Além da imaginação".

    ResponderExcluir
  6. PRGDL02022

    Cara que aflição!!!!! Muito boa gostei.

    ResponderExcluir
  7. porra essa foi foda!

    ResponderExcluir
  8. Fico admirado com a capacidade que algumas pessoas possuem de fazer algo incrível de situações inusitadas.

    ResponderExcluir
  9. Quem opina aí, sem ler os depoimentos. Se não fosse, capaz de ter sua própria opinião ou pior concordando, pra conqy a garota. É um cara sem opinião. Ah vá, se concorda, justifica. Agora ser vazio, achando q tá vai ficar. É bem pouco camarada. Pare de ser otária, simples e completo otario. Da opinião em q? Nem sabe ... Vai ser homem, seu comédia.

    ResponderExcluir