Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Meu Sugar Daddy me faz pedidos estranhos

23 comentários


O perfil dele no Tinder dizia que tinha 45, mas parecia estar no começo dos seus 30, no máximo. 

Procurando uma sugar baby. $700 por semana. Sem sexo. 

Parecia bom demais para ser verdade, mas, como uma universitária sem grana, estava disposta a arriscar. Deslizei para a esquerda, e o Tinder indicou que tínhamos combinado. A mensagem dele veio segundos depois.

Oi, docinho :)

Me encolhi com asco daquela palavra, eu odiava, mas setecentos dólares são setecentos dólares, então engoli o orgulho e respondo. 

Oie ;)

O nome dele era Jack, disse que tinha seu próprio negócio, mas nunca especificou que tipo de negócio era. Conversamos por um tempo até que pediu meu Venmo para mandar o primeiro pagamento.

Depois de alguns minutos recebi a notificação. Fiquei encarando aquele escrito de $700 na tela por vinte minutos, esperando acordar de um belo sonho a qualquer momento. Mas não era um sonho.

Você está aí ainda?

Cliquei na mensagem. 

Sim. Desculpa. Se você não se importa em responder, o que você procura em troca?

Fiquei encarando o chat até que me respondesse.

Só quero que você faça alguns favores para mim :)

Isso parecia que começaria a ficar sexual a qualquer momento. 

Tipo o que?


Por exemplo, a primeira coisa que preciso que você faça é pegar uma tele-entrega para mim.

Isso parecia inocente, mas eu ainda esperava uma reviravolta. Setecentos dólares para pegar uma encomenda? Não sou tão ingenua assim.

Do Correios ou algo assim?


Não. Eu mandarei o endereço, mas prefiro não fazer isso pelo Tinder. Você tem Kik? Ou pode me passar seu número do celular. 

Kik? Ele achava que a gente estava aonde, 2011? Decidi dar meu número, e ele me mandou uma mensagem com o endereço imediatamente, seguido pelo endereço de sua casa, onde eu teria que levar a encomenda. 

Não estou em casa agora, mas tem uma chave em baixo do vaso de flor azul perto da porta. Entre e ponha o pacote em cima da mesa de café da sala de estar. Tranque a porta quando entrar e traque a porta quando sair. 

Peguei minhas chaves, carteira e fui para o meu carro, colocando o endereço no Google Maps. 

Certo! Tô a caminho. 

Meu celular vibrou enquanto dava partida no carro. 

Tô falando sério. Tranque a porta nas DUAS vezes. Por favor. 

Achei isso um pouco excessivo, mas prometi que faria.

A casa parecia abandonada. Tinha uma cerca de arame com uma porta quebrada meio caída, se segurando por um fio. Se destacava como um dedo podre, cercada de outras casas que eram muito melhores em comparação com aquela.

"Você está aqui pra pegar o bagulho do Jack?" 

Olhei para frente e vi um homem parado na porta aberta da casa. Ele fazia a entrada quase desaparecer, sua cabeça roçando no batente superior da porta. Era enorme; em altura, em músculos, e seu torso inteiro era coberto de tatuagens.

"Uh, sim, eu acho." Respondi, sem sair do meu lugar na calçada. 

"Fique bem aí," me disse. 

Fiquei. Acho que nem se ele pedisse porfavorzinho eu sairia dali. Olhei em volta e percebi que não tinha mais ninguém na rua. Eu era uma garota de vinte e um anos sozinha em uma rua deserta. Coloquei minhas chaves do carro entre os dedos. 

Alguns minutos depois, o homem voltou segurando uma caixa de papelão. Era mais ou menos do tamanho de uma caixa de sapatos, mas manchada e molhada em alguns cantos. 

"Pode abrir seu carro?" Perguntou. 

Abri o porta malas, não querendo aquilo nos bancos e ele colocou lá. 

"Pronto, tudo certo," falou. 

"Valeu," respondi. 

Andei em direção do banco do motorista e abri a porta do carro. 

"Ah, mais uma coisinha!" O cara exclamou. 

Olhei para ele. 

"Tome cuidado," me advertiu. 

Não respondi. 

Coloquei minha música bem alto enquanto dirigia até a casa de Jack, esperando que isso diminuísse minha ansiedade. Não diminuiu.

Estacionei meu carro na entrada de pedra e fiquei sentada lá dentro, admirando a casa. 

Era uma casa enorme; com pilares de pedra na varanda da frente, com a grama mais verde que eu já vi na vida. Desliguei o carro e sai. Peguei o pacote e andei até a porta da frente, pegando a chave onde disse que estaria. 

Abri a porta e entrei, fechando-a nas minhas costas.

Pensei no que ele havia dito, sobre trancar a porta assim que entrar. Achei que era um pouco demais, mas enquanto observei a porta fechada, algo me fez esticar a mão e trancá-la.

Andei lá por dentro, meu pé amortecido pelo grosso carpete marrom, admirando cada detalhe. Todos os móveis eram de madeira e pareciam absurdamente caros. Eu podia me formar pelo menos umas trezentas vezes só com a grana gasta para mobiliar aquela casa.

Coloquei o pacote na mesa de café, e enquanto voltava para porta, ouvi um telefone tocando em algum lugar dentro da casa. Congelei. 

No meu bolso, meu telefone vibrou. Peguei e li. 

Não atenda nenhuma ligação que não seja de Marvin. 

Coloquei meu celular de volta no bolso e segui o som do telefone, enfiando minha cabeça dentro de diferentes cômodos antes de finalmente encontrar em um escritório. 

Andei até a escrivaninha e li o identificador de chamadas.

Chamada de Jack. 

Estranho. 

Peguei meu celular e li a mensagem de novo. Estava começando a ficar um pouco assustada e decidi não atender, só pra ter certeza, e sai da casa lembrando de trancar a porta assim que o fiz.

Fiz mais alguns favores para Jack desde então. Dirigi um BMW para um parque aleatório em outra cidade, só para sair e pegar outro carro e dirigir de volta para a casa de Jack. Ele me fez almoçar com um de seus 'empregados', que me deu uma maleta que tive que entregar na casa que peguei aquela primeira encomenda, me deixando bem avisada que saberia se eu olhasse o que tinha dentro.  Várias vezes, pediu para eu ir até essa casa e ficar um pouco com aquele cara, que a propósito se chama Julio. No total, fiz $3500. 

Recentemente, Jack me pediu para passar a noite em sua casa. Acordei um uma mensagem dele. 

Preciso que você passe a noite na minha casa. 

Eu nem sequer tinha o conhecido pessoalmente, mas havia conversado com ele no telefone algumas vezes. Prosseguiu dizendo que me pagaria $1000 se eu passasse a noite em sua casa, se eu seguisse as regras. 

Dirigi até a casa dele naquela noite. A entrada de carros estava vazia, como normalmente sempre estava, mas a luz da varanda estava acesa. Andei até a entrada, destranquei a porta, entrei e tranquei de novo. 

A casa parecia igual. Jack havia me informado antes pelo telefone que deixaria as regras em cima da mesa na sala de jantar.  Deixei minhas coisas na sala de estar. Minhas bolsas pareciam sacos de lixo comparadas aos móveis chiques daquela residência.

Passeei até a cozinha, e então adentrei a sala de jantar. E, claro, lá estava uma folha na mesa de madeira, segura em seu lugar por um copo de vidro vazio. 

Tranque a porta quando entrar. 
Apenas atenda ligações de Marvin. 
Não abra nenhuma torneira entre 21h e 23h. 
Não abra a porta para ninguém - não importa quem diga que seja - depois das 22h. 
Se a porta do armário no final do corredor estiver aberta, durma na biblioteca. Se fechada, durma em qualquer um dos quartos. 
O jardineiro chega meia-noite. Se ele começar a bater nas janelas, se esconda.
Ligue a TV e deixe-a na estática durante a noite. NÃO ESQUEÇA DISSO. 
Fique a vontade de pegar qualquer coisa da geladeira :)
Te pagarei de manhã. Boa noite! 

Segui todas as regras. Para ser honesta, estava arrependida da minha decisão. Mas sendo que já estava ali, e seria bem paga, decidi ficar. Acreditei que, se seguisse todas as  regras, ficaria perfeitamente bem. 

Ainda assim, me sentia estranha. O que era isso? Uma casa mal assombrada? 

Mesmo assim, vagueei pela casa por algumas horas, planejava ir dormir por volta das 21h, sendo que todas as bizarrices pareciam acontecer depois dessa hora e preferia evitar a fadiga. As 20h50, escovei os dentes, usando a torneira pela última vez antes das 21h.

Olhei o armário no final do corredor e, sendo que estava de porta aberta, peguei minhas coisas e fui para a biblioteca, pronta para dormir no sofá. Tranquei a porta só para ter certeza, e deitei no sofá, dando uma olhada nas minhas redes sociais. Não tinha recebido nenhuma nova mensagem de Jack, e comecei a imaginar cenários e razões por trás daquelas regras tão rígidas e peculiares para sua casa. 

Eu devo ter adormecido em algum momento porque, exatamente as 22h16, acordei com o tocar da campainha. Estava prestes a me levantar para checar quem era, quando lembrei a regra. 

Não abra a porta para ninguém - não importa quem diga que seja - depois das 22h.

Continuei no sofá, tentando não me mexer, paranoica que ouviriam qualquer movimento que eu fizesse. 

"É a polícia! Abra a porta!"

Não me mexi.

"Olá? É a polícia! Abra ou vamos entrar a força." 

Ainda assim não me mexi, mas conseguia ouvir as batidas do meu coração como tambores em meus ouvidos. 

O silêncio se estabeleceu por algum tempo depois disso.

Então a campainha soou de novo. 

"Sou eu, Jack! Me deixe entrar!" 

Parecia a voz do Jack, mas ainda assim, não levantei. Ele devia ter as chaves da própria casa, certo? Porque precisaria que eu abrisse para ele?

Isso continuou por mais uma hora; pessoas diferentes batiam na porta, anunciando quem eram, e depois desapareciam quando eu não respondia. 

Finalmente consegui dormir, e o jardineiro nunca apareceu. 

Quando acordei na manhã seguinte, ouvi alguém na cozinha. Levantei lentamente, destranquei a porta tentando fazer o mínimo de barulho possível, levando meu celular comigo e atravessando a sala até a cozinha. 

Parei na entrada e espiei. 

Era Jack. Estava de pé na frente do fogão, mexendo algo enquanto a cafeteira fazia seu trabalho na bancada atrás dele. 

"Ei! Bom dia!" Disse quando me vviu. 

"Oi," respondi, nervosa. 

Eu nunca havia o encontrado pessoalmente antes, mas era igual suas fotos do perfil. 

"Quer ovos mexidos?" Perguntou, gesticulando para a panela. 

"Sim, por favor!" Respondi, andando em sua direção para pegar um prato. 

Comi meu café da manhã e tomei café em silêncio. 

"Então, como foi?" Perguntou. 

"Tudo certo. Nada muito anormal aconteceu," respondi. 

"Beleza!" Respondeu.

Havia uma névoa de constrangimento no cômodo. 

"Acho que vou embora agora, tenho aula..." Inventei. 

Não tinha, mas queria sair dali o mais rápido possível. 

"Ah, não. Sim, claro! Te chamarei outra hora," respondeu. 

Peguei minhas coisas e ele andou comigo até meu carro. Eu podia vê-lo na varanda, parado, me encarando enquanto eu ia embora. 

Quando cheguei em casa, arrumei minhas coisas e notei que ainda estava com a lista no bolso. Sentei na minha cama e li de novo. Senti meu corpo ficar todo duro de tensão quando percebi que havia esquecido uma regra. 

Ligue a TV e deixe-a na estática durante a noite. NÃO ESQUEÇA DISSO. 

Ligue a TV e deixe-a na estática durante a noite. NÃO ESQUEÇA DISSO.

NÃO ESQUEÇA DISSO. 

Encarei as palavras no papel até que perdessem o sentido. 

Ao meu lado, meu celular vibrou, me trazendo de volta para a realidade. 

Eram os $1000 de pagamento. 

Olhei para o meu celular e depois de volta para a lista. 

Talvez não fosse uma regra tão importante assim? 

Enquanto esse pensamento passava pela minha cabeça, uma mensagem de Jack chegou. 

Não estou na cidade agora, devo voltar semana que vem, então você está livre das minhas incumbências até lá! Acabei de te enviar o pagamento, vá se divertir ;)

Li a mensagem. Depois li mais uma vez. 

E de novo. 

E de novo.

E mais uma vezinha só para ter certeza.

Não estou na cidade agora.

Pensei na manhã, e em Jack na casa. Me fazendo café da manhã.

Não estou na cidade agora. 

Alguns minutos depois uma nova mensagem chegou de um número que eu não conhecia.

Esqueceu de fazer alguma coisa? ;)

A mensagem foi seguida por uma foto de Jack - ou aquela outra versão de Jack - parado na frente da TV. 

Não respondi. 

Depois, mais uma foto, era minha casa vista de fora. 

Seguida de mais uma mensagem.

Tome cuidado.

23 comentários :

  1. Hun, não gostei. É só isso que eu tenho a dizer.

    ResponderExcluir
  2. Wow, achei bem interessante pra falar a verdade, e o final ficou bem em aberto sobre o que diabos tá acontecendo
    Gostei bastante!

    ResponderExcluir
  3. mto boa, o fundo branco ficou bem melhor p ler tbm, massa

    ResponderExcluir
  4. Ela esqueceu de trancar a porta na ultima vez q saiu pq tava acompanhada do outro Jack, talvez isso serviu pra q ele pudesse ir atras dela

    ResponderExcluir
  5. Não gostei muito do final. Esperava alguma reviravolta, mas foi um final bem clichê.

    ResponderExcluir
  6. Muito boa!
    Bem escrita, instigante, das melhores já publicadas. Excelente!!!

    ResponderExcluir
  7. Confesso que gostei mesmo tendo vários clichês, na minha opinião é uma creepy q merecia uma continuação, o final deixa com aquele gostinho de "ainda tem mais", sabe?

    Enfim, se alguém estiver disposto a fazer uma continuação ou fanfic, whatever, me avisa kdbfkfb

    ResponderExcluir
  8. Muito show divina, sempre trazendo essas Creepy maravilhosa.
    Obrigado! 🥰

    ResponderExcluir
  9. Curti demais, deixou um final aberto, propício a uma parte 2! Prendeu minha atenção, vc não quer parar de ler até o final...!

    ResponderExcluir
  10. queria um final mais perturbador, ou uma segunda história com a continuação...

    ResponderExcluir
  11. dá pra ter uma boa continuação, principalmente por causa de todas aquelas regras, deve ter um motivo pra cada uma delas.

    ResponderExcluir
  12. Final sem explicação, igual do avião. Gosto muito.

    ResponderExcluir
  13. não gostei, acho que foi um final previsível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. porem é um gatilho para uma ótima série com uns 10 a 20 capítulos.

      Excluir
    2. seu cu. 5 partes no máximo dos máximos

      Excluir
  14. Nossa, esse fundo em branco ficou bem ruinzinho, prefiro mil vezes o anterior. Obrigada pela creepy Divina, muito interessante!

    ResponderExcluir
  15. O final ficou muito sem graça, e daí que o Jack maníaco ia entrar na casa dela e assassina-lá?

    QUERO SANGUE

    ResponderExcluir
  16. uma das minhas favoritas. o final em aberto, apesar da curiosidade pra saber o que acontece, abre espaço pra várias teorias

    ResponderExcluir