Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

O pior casamento que já fotografei

24 comentários



Fotografar casamentos é meu trabalho há dez anos e achei que já tinha visto de tudo. Vulgar, bonito, trágico, hilário, ou só bizarro mesmo. Tenho muitas histórias. Tenho a clássica do noivo sendo pego em flagrante com a madrinha de honra, famílias brigando, noiva tendo uma overdose no banheiro, casal gay que ninguém foi ao casamento (ou pior, familiares homofóbicos não convidados invadindo a festa só para serem um bando de pau no cu). Esses tipos de histórias. Mas não estamos aqui para relatos comuns. Se estivéssemos, você ficaria lendo esse post o dia todo. Estamos aqui para a história do casamento do Outubro passado. 



Casamentos no outono provavelmente são meus preferidos, se um dia me casar, provavelmente marcarei a data em um dia de outono. Foram os pais da noiva que entraram em contato comigo, querendo me contratar para um casamento que seria dali duas semanas. O fotografo original tinha cancelado com eles em cima da hora e estavam desesperados para imortalizar o casamento de sua amada filha em formato de fotos. 



Para sua sorte, eu tinha vaga no dia. Cobrei uma taxa extra por ser em cima da hora, mas julgando pelo Rolex que o pai usava, isso não era problema. Uma coisa fácil para eu adivinhar é a condição financeira da família. E mais uma vez, acertei - os Seawrights rolavam em dinheiro. 



Não que eu gostasse muito deles, para falar a verdade. Não tenho obrigação de gostar dos meus clientes, embora isso torne as coisas mais calmas. Harold Seawright ficava me olhando presunçosamente toda vez que achava que eu não estava percebendo e Carol era claramente uma esposa troféu. Nunca vi um ser humano parecer tanto ser feita de plástico como ela. Nada contra cirurgia plástica ou botox, mas tudo tem limite.



Acho que eu devia ter desconfiado um pouco sobre o fato que os pais vieram me contratar e não a noiva, mas achei que a noiva só estava ocupada com os outros planejamentos da festa e não pensei muito sobre. 



O dia chegou e... só então percebi que tinha me metido em algo que não queria fazer parte de maneira alguma. 



Na primeira vez que vi a noiva, Tanya, tive um breve momento de 'não faço ideia quantos anos tem essa menina'. Podia ter dezesseis, como podia ter acabado de fazer dezoito. Definitivamente não mais que vinte. Já tinha visto casamentos de jovens por paixões repentinas, mas então conheci o noivo. Marcel Wingate. Que definitivamente não tinha menos de trinta. E Marcel era... tinha algo estranho nele. Primeiramente, era um gigante, chegava a fazer sombra em mim, quem dirá em Tanya. Com seu rosto longo, pálido, com os olhos afundados podia muito bem ser o mordomo Lurch da Família Addams.



Quando apertou minha mão e se apresentou, tive que segurar um arrepio. Mas anos de profissão me ajudaram a manter a compostura e sorrir como se nada estranho estivesse acontecendo ali. 



Tanya nunca falou uma palavra enquanto era arrumada para seu grande dia. Apenas Carol falava, chilreava e piava sobre 'que tal deixar o cabelo dela mais volumoso' ou 'faça os olhos dela se destacarem, ela tem cílios maravilhosos'. Por sorte, Carol tinha necessidade de fazer uma pausa para fumar a cada quinze minutos, assim a equipe de maquiagem e cabelo conseguia um tempo para trabalhar de verdade. Quando terminaram tudo, Tanya estava perfeita. Seu vestido era basicamente um vestido de baile de princesa branco, com uma tiara colocada em seus cabelos ruivos claro, as bochechas coradas em um rosa perfeito. Mas ao contrário das noivas convencionais, ainda não tinha proferido uma palavra e tenho certeza que não eram lágrimas de felicidade que estava contendo. 



Tenho certeza que você já deve ter ouvido falar nas fotos de 'primeiro olhar' tão comuns em casamentos. Eu acho sensacional conseguir aquela expressão perfeita do noivo quando vê a noiva arrumada para o casamento pela primeira vez. Geralmente é um momento fofo. Mas essa foi a primeira vez que tirei uma foto onde parecia que na verdade era a primeira vez que o noivo e a noiva se viam na vida. 



Marcel realmente pareceu perder o fôlego ao ver sua amável futura esposa, mas a expressão dela era o contrário de animada enquanto ele segurava-a pela mão e tava um aperto forte. Meu estomago se revirou quando ele se inclinou para beijá-la no rosto e ela claramente esquivou.



É hora de colocar um ponto final no mito que casamentos arranjados só acontecem em países estrangeiros, e apenas pessoas de certas culturas fazer isso. Acontece nos EUA o tempo todo, e é bem como ser daquele tipo 'homem velho procurando esposa virgem' e por virgem quero dizer 'ainda no ensino médio'. Não é a primeira vez que fecho contrato para fotografar casamentos assim. 



Consegui encontrar Tanya sozinha no quarto onde havia se arrumado, sentada perto da janela aberta e girando um cigarro não acesso entre os dedos."Precisa de isqueiro?" Ofereci ao entrar. 



"Não, obrigada. Não fumo, mas dizem que faz a gente se sentir melhor, né?" Disse, olhando para mim com aqueles olhos azuis de boneca. 



"Na verdade, te dá câncer de garganta e pulmão." Peguei o cigarro da mão dela e acendi. "Mas eu sou um mal exemplo, então faça o que eu digo, não faça o que eu faço."



Consegui arrancar um sorriso dela, mesmo que por poucos segundos. "Você fuma com que frequência?" Me perguntou. 



"Depende do dia. Geralmente fumo dois ou três. Num dia ruim, pode dobrar a conta." Abaixei o cigarro e dei uma olhada nela. "Quantos anos você tem, Tanya?" 



"Dezenove. Vinte em algumas semanas. Tenho cara de bebê." Cutucou as próprias bochechas. "Porque se importa?"



Olhei para a porta para ter certeza que Carol não entraria ali. "Tanya, você está de acordo com isso? Com o casamento?" Perguntei baixinho. 



Os olhos de Tanya se arregalaram. "Caraca, você sabe da coisa," disse olhando para a porta, "... Harold, meu padrasto, arranjou tudo isso. Se fosse do jeito que ele queria, já teria acontecido quando eu tinha quinze anos, mas Marcel ficava atrasando tudo. Negócios, creio eu. Na verdade tentou adiantar mais um ano, mas meu padrasto deu a entender que tinha outras ofertas." Estremeceu e abraçou a si mesma. "Se eu dissesse não, Harold me chutaria e me cortaria da família, congelando minha conta bancária. Não teria nada, nem ninguém e... Eu não sei o que fazer se isso acontecesse."



Peguei um cartão de negócios na minha bolsa. "No verso desse cartão tem o telefone de um abrigo de mulheres - são especializadas em ajudar mulheres a fugir de situações familiares de perigo. Eles as escondem, ajudam a começar a vida em uma nova cidade, se preciso. Em baixo, tem meu número pessoal, caso você precise conversar com alguém, ok?" 



Tanya pegou o cartão e dobrou bem antes de colocar dentro do sutiã. "Provavelmente você é a pessoa mais legal que já conheci," murmurou. 



Apertei seu ombro. "Eu tento," disse antes de apagar o cigarro no peitoral da janela.  "Se precisar fugir hoje, só me peça ajuda para ir até o banheiro. Podemos fazer todo um lance de noiva em fuga," brinquei. 



Isso tirou mais uma risada dela, bem a tempo de sua mãe aparecer no quarto. "Pra que tanta demora? Rápido, o casamento começa em quinze minutos, e eu não quero que você chore e fique com a cara toda inchada e borrada!" Resmungou.



A felicidade de Tanya sumiu repentinamente e me deu mais um olhar triste antes de sair com sua mãe. 



A cerimonia seria muito mais bonita se eu não soubesse do segredinho sujo por debaixo dos panos. Tanya não sorriu nenhuma vez. Acho que nem uma madrinha sequer era amiga dela de verdade, ou pelo menos não uma amiga de verdade. Quando o padre disse 'pode beijar a noiva', Tanya deixou escapar uma lágrima quando Marcel se inclinou para beijá-la. 



Considerei seriamente em chamar a polícia, mas o que fariam? Tanya provavelmente ficaria com medo e diria que não tinha nada de errado, e por nao ser menor de idade, não poderiam classificar Marcel como um pedófilo ou o padrasto como um traficante de crianças. Mas isso não tornava a situação menos bosta. Tudo que estava ao meu alcance era tirar fotos do pior dia da vida de Tanya.



Na recepção meu calvário foi Carol constantemente enchendo meu saco sobre que tipo de foto tirar, ou de que angulo pegar as imagens e tudo que eu queria era pegá-la pelos cabelos, mas notei algo diferente na primeira dança dos noivos. 



Tanya no começo estava dura como uma tábua, relutante até de tocar Marcel, mas ele se inclinou e sussurrou algo em seu ouvido. Todo seu comportamento mudou em um passe de mágica e pude até ler seus lábios - 'sério?' - e Marcel assentindo. Foi ali que consegui tirar a primeira foto de Tanya sorrindo desde que disse 'Sim'. No final da dança, ela já estava gostando da coisa, recostando a cabeça no peito dele ao som de 'A Thousand Years.' 



Foi da água para o vinho, Tanya agora era uma das noivas mais felizes, e arrisco a dizer que mais afetuosa que eu já vira. Até se inclinou para beijá-lo no rosto quando se sentaram, algo que pegou até Marcel de surpresa pelo jeito que corou. 



Comecei até questionar se Marcel tinha colocado algo na bebida dela para agir de uma forma tão feliz quando Carol começou a me incomodar de novo perguntando se eu sabia onde estava seu marido. Era do tipo de mãe que esquecia que aquele era o casamento da filha e não o próprio, e queria fotos dele com o 'Haaaarold'. Para que me deixasse em paz, falei que iria procurá-lo. Ele tinha ido com tudo no open bar naquela noite, então supus que devia estar no banheiro ou vomitando, ou traindo a esposa. Só podia ser ou um ou outro.



Quando cheguei perto do banheiro masculino, ouvi algo que soava como gargarejos e sons úmidos nojentos. Ew, eu sei, mas fiquei feliz na esperança de arruinar o dia daquela vadia se o marido dela realmente estivesse a traindo, então abri a porta do banheiro com a câmera pronta para fotografar. 



Fiz contato visual com Harold. 



Ou melhor, fiz contato visual com a cabeça de Harold. 



Estava em cima da pia, a expressão contorcida em absoluto terror. O cômodo estava coberto de sangue, partes do corpo desmembradas pelo chão. Enquanto isso, Marcel tinha tirado seu terno e estava no momento engolindo o braço de Harold. Inteiro. 



Agora eu estava achando que quem tinha tomado champanhe batizada era eu. Humanos não conseguem abrir suas mandíbulas daquele jeito, cada segundo o braço de Harold descendo mais fundo na garganta de Marcel. Vi as pontas dos dedos do velho desaparecerem como um gesto de adeus final... e então deixei minha câmera cair. 



Sim, ouvi algo quebrando, não, eu não liguei. Eu tinha acabado de ver o noivo comendo o pai da noiva. Literalmente. A cabeça de Marcel se levantou e seus olhos, antes eram cinzas pálidos, mas agora estavam manchados de marrom e vermelho com pupilas cortadas. Fiquei sem conseguir me mover com aqueles olhos presos em mim. 



"Ah, eu sinto muitíssimo, um momento, por favor." 



Marcel se virou para a pia que estava livre da cabeça do homem e vomitou, o som de coisas batendo contra a porcelana soou, e então ele pegou seja lá o que fosse e começou a lavá-los. Com um pigarro constrangido, andou até mim e me puxou para dentro do banheiro. 



Achei que era meu momento de partir, mas ao invés disso, Marcel colocou vários diamantes na palma da minha mão. "Pela câmera, não quis te assustar." 



"Ahan..." consegui murmurar enquanto observava minha mão cheia de diamantes. Aquilo pagaria por muito mais que minha camera. "Porque você-"



"Devorei Harold? Ah, faz anos que eu queria fazer isso," Marcel riu enquanto pegava alguns papéis toalha para limpar o queixo, como se isso eliminasse o fato que todo seu corpo nu estivesse coberto de sangue na minha frente. "Pessoas horríveis tem um gosto maravilhoso. Você deve ter um péssimo gosto. Seria como engolir pregos. Entretanto, um homem que oferece sua filha como um cordeiro de sacrifício para algo que ele sabe que devora humanos, ah, sim, ele tem o gosto melhor do que o mais caro dos cortes de açougue do mundo, assado e temperado no ponto perfeito." 



Jesus Cristo, aquela situação horrível tinha acabado de subir mil níveis na escada de fodido. "Pera aí, ele realmente-"



"Ah, sim." Marcel riu, "E faria de novo, só pelo fato de saber o que meu estômago faz quando processa ossos humanos."



Olhei para os diamantes de novo. "... Então você não vai machucar Tanya?" Perguntei. 



Marcel sacudiu sua cabeça vigorosamente em negação. "Meu Deus, não! Eu ficava atrasando o casamento na esperança que ela conseguisse sair dessa situação, mas acho que Harold estava começando a ficar entediado com meu pé frio. Existem muitas outras pessoas que pagariam uma boa quantia para ficar com ela, mesmo que meu pagamento fosse o triplo de qualquer oferta." 



Deus, eu estava começando a sentir tonturas. Ali estava eu, falando com um devorador de humanos. Olhei para a porta e uma ideia horrível passou pela minha cabeça. Um que ajudaria Marcel e Tanya. "... E se eu falasse para Carol ir encontrar seu marido no banheiro masculino?" Perguntei. 



Marcel pareceu intrigado por um segundo mas pegou rápido. Assentindo, pegou a cabeça e jogou em um dos box do banheiro. Ouvi o barulho de água da privada respingando e quase comecei a rir, eu devia estar em um processo de histeria. "Pode ir, ficarei no aguardo," disse enquanto chutava outros membros longe da vista. 



Eu tinha quase saindo quando não me contive e perguntei.



"O que diabos você é?"

Marcel inclinou a cabeça para o lado antes de mudar, apenas por um segundo. Em um momento era um homem ensopado de sangue, absolutamente horrível, mas normal, no outro era uma cobra... mais ou menos. Seu corpo tinha sumido, substituído pelo corpo de uma anaconda, mas sua cabeça ainda era a mesma, menos o movimento de uma língua fina e bifurcada da boca. Então voltou ao 'normal'. Ele respondeu com um encolher de ombros.



"Por mais engraçado que seja, eu esperava que você me dissesse. Eu não faço ideia." 



Sai do banheiro e esbarrei em Carol quase que imediatamente no corredor. "Bem, onde ele está?" Exigiu saber. 



Apenas apontei com o dedão em direção do banheiro. "Acho que ele não está se sentindo bem," disse antes de quase ser derrubada por aquela vadia mal humorada. 



Fiquei assistindo o suficiente para vê-la abrindo a porta, uma cauda escamosa se envolver em seu braço e puxá-la para dentro do cômodo. Voltei para o casamento. 



O problema pareceu se resolver sozinho naquela noite. Marcel voltou, havia trancado o banheiro masculino depois de alguém passar muito mal lá dentro. Tanya não precisava mais se comportar de certa forma para agradar sua mãe e acho que aproveitou bem sua noite. Usei minha câmera reserva para tirar várias fotos dela sorrindo. Carol e Harold desapareceram do nada, nunca mais ouviram falar ou viram o casal. E aqueles diamantes pagaram por uma câmera muito boa. 



Como eu disse, com toda certeza não esqueci aquele casamento, mas o que me fez compartilhar essa história foi quando recebi um convite de amizade de Tanya no Facebook. Geralmente não aceito ex-clientes no meu perfil pessoas, mas nesse caso resolvi fazer uma exceção. Ela parece muito melhor agora, está fazendo faculdade, faz esculturas e pinta quadros, regularmente participa como voluntária no abrigo de mulheres que tinha a direcionado quando nos conhecemos, e toda sexta-feita participa de encontro de amigos em um bar Arcade local com alguns dos amigos de Marcel que também viraram seus amigos. Aparentemente Marcel é ótimo em jogos de dança, mas péssimo em jogos de tiro. 



A foto mais recente em seu perfil era dela e Marcel abraçados. Ela segurava uma ecografia obstétrica. 

24 comentários :

  1. Gostei da creepy, mas alguém pode me explicar melhor? Não entendi muito bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu entendi literalmente o q ta aí,o padrasto querendo se livrar da jovem ia oferecer ela como sacrificio p/ o "monstro" (talvez algum pacto?) e o feitiço virou contra o feiticeiro.. kkkkkk e de quebra o casal se entendeu bem dps. Se tem algum sentido figurado eu tb nao entendi kkkkkkk 😘

      Excluir
    2. Se for sobre a ecografia, é como um ultrassom. Tanya está grávida.

      Excluir
    3. O estômago do "Marcel" transforma ossos humanos em diamantes. O padrasto da menina sabia disso e queria ganhar alguns dos diamantes resultantes da menina.

      Excluir
  2. Amei! Papi e mami abusivos nunca mais, e não é q o casal se deu bem! Divertida, criativa e linda historia 😁 10/10

    ResponderExcluir
  3. O pai dela sabia que o noivo era um tipo de metamorfo, algum ser que consegue se transformar em outros seres, (não sei como ele sabia) mas por ser rico o pai estava disposto a deixar q filha dele com o Noivo que poderia até mesmo devora- la, mas oq ele não sabia eh q pessoas boas tem gosto ruim e vice e versa, então ele resolveu matar o velho para que ela não caísse em mãos de gente ruim, já que ele não era mal só comia quem era mal. KKK

    ResponderExcluir
  4. Lixo de creepy. Parei de ler quando o cara começou a comer o pai da noiva. Nada ver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu achei bacana, pensa antes de reclamar que você recebeu um conteúdo de graça. Cavalo dado não se olhas os dentes cara.
      Da próxima vez vou reclamar com a sua mãe e falar que não gostei do filho dela pra ver se ela não vai falar algo.

      Excluir
    2. Você por acaso leu o aviso no início do site? Não? Deixe-me transcrever pra você:

      "NÃO SEJA UM CÉTICO
      Ninguém vai no cinema e no meio do filme de terror se levanta para gritar que a história que está passando não é realística.

      Então, comentários de descrença ou para comentar que aspectos dos contos não são realísticos podem vir a ser apagados.

      Tudo postado no Creepypasta Brasil é real, mesmo que não seja."

      Excluir
    3. Eu tenho a minha opinião de que essa creepy é horrível e isso NÃO mudará, então vá pro inferno vocês.

      Excluir
    4. Calma,cara. Você tá muito exaltado. Faltou todynho foi?

      Excluir
    5. você deve ser uma pessoa muito boa pra desejar o inferno pros outros por causa da sua opinião de bosta né ;)

      Excluir
    6. Que merda...Lixo é o seu comentário. Tinha que ser alguém sem nome, pra comentar algo tão depreciativo assim.

      Excluir
    7. Ainda bem que não criamos o blog para agradar exclusivamente o seu gosto pessoal. Ufa!

      Excluir
    8. Verdade Divina. Olha, eu amei. 1° creeppy que leio duas vezes. E olha que já teve muita creeppy boa aqui no blog. Parabéns pelo ótimo trabalho. 👏👏👏

      Excluir
    9. ☐ Not rekt

      ☑ Rekt

      ☑ Really Rekt

      ☑ Tyrannosaurus Rekt

      ☑ Cash4Rekt.com

      ☑ Grapes of Rekt

      ☑ Ship Rekt

      ☑ Rekt markes the spot

      ☑ Caught rekt handed

      ☑ The Rekt Side Story

      ☑ Singin' In The Rekt

      ☑ Painting The Roses Rekt

      ☑ Rekt Van Winkle

      ☑ Parks and Rekt

      ☑ Lord of the Rekts: The Reking of the King

      ☑ Star Trekt

      ☑ The Rekt Prince of Bel-Air

      ☑ A Game of Rekt

      ☑ Rektflix

      ☑ Rekt it like it's hot

      ☑ RektBox 360

      ☑ The Rekt-men

      ☑ School Of Rekt

      ☑ I am Fire, I am Rekt

      ☑ Rekt and Roll

      ☑ Professor Rekt

      ☑ Catcher in the Rekt

      ☑ Rekt-22

      ☑ Harry Potter: The Half-Rekt Prince

      ☑ Great Rektspectations

      ☑ Paper Scissors Rekt

      ☑ RektCraft

      ☑ Grand Rekt Auto V

      ☑ Call of Rekt: Modern Reking 2

      ☑ Legend Of Zelda: Ocarina of Rekt

      ☑ Rekt It Ralph

      ☑ Left 4 Rekt

      ☑ www.rekkit.com

      ☑ Pokemon: Fire Rekt

      ☑ The Shawshank Rektemption

      ☑ The Rektfather

      ☑ The Rekt Knight

      ☑ Fiddler on the Rekt

      ☑ The Rekt Files

      ☑ The Good, the Bad, and The Rekt

      ☑ Forrekt Gump

      ☑ The Silence of the Rekts

      ☑ The Green Rekt

      ☑ Gladirekt

      ☑ Spirekted Away

      ☑ Terminator 2: Rektment Day

      ☑ The Rekt Knight Rises

      ☑ The Rekt King

      ☑ REKT-E

      ☑ Citizen Rekt

      ☑ Requiem for a Rekt

      ☑ REKT TO REKT ass to ass

      ☑ Star Wars: Episode VI - Return of the Rekt

      ☑ Braverekt

      ☑ Batrekt Begins

      ☑ 2001: A Rekt Odyssey

      ☑ The Wolf of Rekt Street

      ☑ Rekt's Labyrinth

      ☑ 12 Years a Rekt

      ☑ Gravirekt

      ☑ Finding Rekt

      ☑ The Arekters

      ☑ There Will Be Rekt

      ☑ Christopher Rektellston

      ☑ Hachi: A Rekt Tale

      ☑ The Rekt Ultimatum

      ☑ Shrekt

      ☑ Rektal Exam

      ☑ Rektium for a Dream

      ☑ www.Trekt.tv

      ☑ Erektile Dysfunction

      Excluir
  5. Vc nao é obrigado a gostar migo, eu tb prefiro tematicas mais realistas mas curti essa pela criatividade
    É só manter o respeito na hora de comentar/criticar, no proprio nosleep vc nao vê barraco e falta de educação 😘

    ResponderExcluir
  6. Bastante boa, diferente das creepy que estamos acostumados

    ResponderExcluir
  7. Eu gostei muitíssimo. Achei fantástica na verdade. Final feliz e sinistro ao mesmo tempo.

    ResponderExcluir
  8. o cara literalmente devora humanos e mesmo assim consegue ser fofo. creepy ótima! fiquei com o estômago revirado na parte do banheiro.

    ResponderExcluir