Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Uma estranha conversa com o filho da nova vizinha

15 comentários



De principio, não ouvi Michael. 



O barulho do cortador de gramas preenchia meus ouvidos como um enxame de vespas raivosas, sobrepondo qualquer outra coisa. Eu estava finalizando a última faixa de grama, pertinho da parede do meu vizinho. Fazendo aquilo o mais rápido possível. Os últimos resquícios de luz sangravam no céu, e queria voltar para dentro de casa o mais cedo que pudesse. Uma cerveja na frente da TV me chamava.



Mas quando cheguei na ponta do jardim para desligar o cabo de energia, ouvi uma voz atrás de mim. 



"Paul?"



Levei um susto. Sabe quando você está tão focado nos seus próprios pensamentos que esquece seu arredores? Minha esposa só volta de férias amanhã - está com alguns amigos na Espanha faz algumas semanas - e eu estava pensando no meu planejamento de ir encontrá-la no aeroporto. Calculando o tempo, quando precisaria sair, todas essas coisas. Estava na minha própria bolha. A voz que vinha do jardim vizinho estourou-la.



Me virei e encarei o muro baixo do jardim ao lado do meu. Não pude ver nada a princípio - o céu já estava em sua maior parte escuro, e a única luz que banhava os jardins era de um solitário poste de luz na estrada que ficava atrás da minha casa. Não fazia muito além de projetar sombras. 



"Aqui."



Mudei a direção do meu olhar e o avistei. Michael. Meu novo vizinho. Sou muito ruim em adivinhar a idade de crianças, mas creio que tinha por volta dos dez anos. Ele tem um cabelo enorme preto bagunçado e grandes olhos castanhos. E ele é do tipo que encara, também. Eu só o vi algumas poucas vezes desde que ele e sua mão se mudaram para a casa ao lado semana passada, mas toda vez ele fica me encarando como se eu fosse um animal em um zoológico. É um pouco irritante. Mas essa era a primeira vez que falava comigo. 



"Ah, oi... Michael, né?" Na verdade já sabia muito bem seu nome - tinha esbarrado com o agende imobiliário que vendera a casa deles e o mesmo havia me informado - mas não queria soar familiar demais. 



"Sim, meu nome é Michael. E você é o Paul, minha mãe disse."



"Eu mesmo. Está tudo certo com a mudança?"



"Acho que sim." Michael me encarou com aqueles enormes olhos castanhos. Eu não sou muito de conversar com crianças, então posso estar completamente errado sobre isso - mas parecia que Michael fazia muito mais contato visual do que uma criança de sua idade geralmente fazia. Mal piscava. Crianças novinhas - pelo menos no conhecimento da minha pouca experiencia - não conseguem focar em uma coisa só. São bolas de energia. Mas Michael era o total oposto. 



Provavelmente está perto da hora dele dormir, pensei comigo mesmo. E então, depois: Você devia estar feliz que ele não é todo hiperativo. Se fosse uma dessas crianças, você nunca mais teria paz. 



Maravilhosamente, considerando que ainda estavam na fase de mudança, eu mal tinha ouvido um pio se quer de Michael e sua mãe. Esperava ouvir o barulho de móveis arrastando e caixas sendo carregadas a semana inteira, mas não ouvi. Mal faziam qualquer barulho. Mal se quer tinha os visto, pra ser sincero. Tinham chegado tarde de uma noite da semana passada, e os vi de relance pela janela do meu estúdio - e foi isso, basicamente. Lembro da mãe de Michael como uma mulher alta e atraente que parecia um pouco mais velha que eu, mas não tive oportunidade de ver seu rosto com clareza. E essa conversa com Michael era a primeira interação direta que tive com qualquer um deles.



Vou der um pulo na casa deles quando Beth voltar, pensei, dobrando as alças do cortador de grama. Assim poderíamos no apresentar oficialmente. 



"Então, Michael," falei, pegando o cortador e o carregando pelo meu jardim, "O que você e sua mãe vão fazer hoje a noite? Já deve estar perto da hora de você dormir, né?"



"Não, nem perto," respondeu.



Dei uma risada. "Ah tá, mas minha hora de dormir é bem cedo, então vou entrar e ver um pouco de TV. Te vejo por aí, beleza?" 



Cheguei na pequena casinha de madeira no fim do meu jardim onde guardava esses tipos de tralha e deixei o cortador lá. Estava indo em direção da porta, quando a voz de Michael me parou novamente. "Paul?"



"Fala, cara."



"Você sempre corta a grama assim tão tarde?" 



Sorri. "Não, geralmente tendo fazer isso quando ainda está dia. Mas é que minha esposa volta amanhã, e queria deixar tudo mais bonito para ela. Deve ter sido estranho me ver fazendo isso essa hora, né?"



"Nã... Não acho. Acho que qualquer coisa fica mais divertida de noite."



"Ah, é?"



"É! Vou em aventuras o tempo todo." Pude ouvir a animação na voz de Michael, mesmo sem conseguir ver seu rosto com clareza. Era apenas uma sombra delineada na escuridão de seu jardim. "Uma vez eu até fiz pescaria noturna - você já fez isso?" 



Sacudi a cabeça. "Já pesquei uma ou duas vezes, mas só de dia." 



"É muito mais divertido de noite, na minha opinião. Tudo é mais sorrateiro durante a noite."



Me encontrei sorrido de novo. Mesmo morrendo de vontade de voltar para dentro, aquela criança era divertida. "Bem, talvez você e sua mãe podem levar eu e minha esposa junto. Acho que vocês fazem coisas mais legais que nós." 



Me virei novamente para a porta. Dessa vez eu já estava de fato com a mão na maçaneta quando a voz de Michael me parou novamente. 



"Paul?"



"Fala, cara."



"Paul, você tem alguma coisa para beber? Tipo suco ou qualquer coisa?"



Hesitei.  "Uh... Não sei. Acho que não, eu -"



"Você se importa se eu tomar um copo? Minha mãe ainda está dormindo e não quero acordá-la, está muito cansada essa semana." 



Pausei com a minha mão na maçaneta. Se Beth estivesse ali, teria dito sim de prontidão. Tipo, sem nem pensar. Mas lá, parado no jardim escuro, percebi que poderia ser bem estranho se eu convidasse um menino de dez anos de idade para minha casa, no meio da noite. Mesmo se ele fosse meu vizinho. E tenho certeza que a mãe dele não curtiria a ideia.



"Não tem nada para beber na sua casa, cara?" Minha mão ainda estava na maçaneta, mas ainda não tinha virado o trinco. Fiquei na mesma posição, minha mente procurando desculpas. E quando ouvi a voz diretamente atrás de mim, quase sai de dentro do meu próprio corpo. 



"Não, não tem nada."



Me virei e encontrei Michael trinta centímetros de distância de mim. Me olhando com aqueles olhos enormes e castanhos. O garoto devia ter pulado o muro enquanto eu virei de costas. E fez isso sem fazer barulho nenhum. 



"Por favor, Paul. Só um copo de qualquer coisa, super rapidinho, depois eu volto pra casa. Não vou nem me sentar, prometo!"



Fiz um calculo mental rápido. A porta do jardim abria diretamente na cozinha, e eu tinha suco de laranja na geladeira. Michael entraria e sairia em menos de dois minutos. A mãe dele talvez acharia estranho se ele contasse que tinha entrado na minha casa - mas será que não acharia tão estranho quanto se o vizinho recusasse um copo de suco para o seu filho?



Hesitei por mais alguns segundos, então suspirei. "Tá, pode ser, então. Mas tem que ser rápido, tá? Eu quero ir dormir logo." 



Michael sorriu e assentiu. Virei a maçaneta e entramos. 



***



"Então quer dizer que você é um notívago, hein?"



"Como assim?"



Abri a geladeira e peguei o suco de laranja. "É como chamam as pessoas que preferem a noite. Sabe, tipo quando você disse que faz aventuras - pescaria noturna e tal?" Me mexi até o secador de louça e peguei um copo de vidro. 



"Ah, sim. Com certeza sou um notívago." 



Comecei a colocar suco no copo. "Cara, eu não. Ou pelo menos não quando tinha sua idade. Eu morria de medo do escuro."



"Você se acostuma."



"Que?"



"Disse que você se acostuma. Quando começa a fazer bastante coisa no escuro."



"Certo."



Me virei e entreguei o copo de suco para Michael. Pegou da minha mão e sorriu. Moveu o copo em direção da boca, e então parou, me observando por cima da borda. "Sabe, minha mãe não gosta quando eu faço isso."



"Isso o que?"



"Entrar na casa de estranho. Pelo menos não depois do que aconteceu na última vez."



Fiquei olhando aquela criança. Me encarou de volta, não havia mais um sorriso em seu rosto. Em algum lugar do meu estomago, senti algo se contorcendo estranhamente. "Como assim, cara? O que aconteceu da última vez?"



Michael olhou por cima de seu ombro para a porta fechada. Como se quisesse ter certeza que sua mãe não estava ali. Tirou o copo de suco da boca e colocou em cima do balcão da cozinha. E então deu de ombros. 



"Nada, na verdade. É só que onde a gente morava antes, eu fiquei amigo desse senhor que morava algumas casas perto da nossa. Ele me convidou pra tomar um suco, também. Mas daí ficou estranho." 



Ai meu Deus. Tentei não mudar minha expressão, mas agora tudo que eu mais queria era ter dito não para aquela criança. Isso não soava nada bem. Um velho pervertido tinha convidado-o para tomar suco na sua antiga cidade, e então as coisas ficaram estranhas. Como a mãe dele iria se sentir sobre ele estar dentro da minha casa, sendo que algo ruim claramente aconteceu no último lugar que morou?



"Ele... ficou estranho?" As palavras sairam da minha boca sem que eu quisesse. Deia ter mandado o garoto embora naquele exato momento, mas acho que minha curiosidade tomou o melhor de mim. Michael mudou o peso para a outra perna, me olhando. 



"É, queria que eu fosse para o porão com ele. Disse que tinha uma coleção de lego maneira, e perguntou se eu queria ver. Insistiu para eu ir ver, mesmo quando falei que tinha que ir embora."



Minha boca estava seca. "E... você foi com ele?"



Michael sacudiu a cabeça veementemente. "Claro que não. Corri de volta para casa. Minha mãe disse que eu não posso passar da cozinha quando estou na casa de estranhos."



Senti um alívio percorrer meu corpo. Então repensei no que Michael acabara de dizer, e o alívio se tornou confusão. "Pera aí, como assim?" Perguntei. "Você entra muito na casa de estranhos, então? Tipo amigos da sua mãe, e tal?"



Michael abriu a boca, depois fechou de novo. Se virou e moveu a mão em direção do copo de suco de laranja no balcão. Mas ao invés de pegá-lo, só tocou-o com o dedo, deslizando pela superfície. Quando olhou de novo para mim, continuou falando, ignorando minha pergunta.



"Minha mãe ficou muito brava quando ficou sabendo sobre o homem. Me fez prometer que eu nunca, nunquinha mais iria lá."



"Ela contou para alguém? Quero dizer, sobre o que o homem falou para você?"



"Claro que não." Michael olhou para o outro lado de novo. Havia um leve sorriso em seu rosto, como se estivesse pensando em uma piada interna que eu não entenderia. "Ela fez algo muito melhor que isso." 



"Ah é? E o que ela fez?"



"Ela fez ele desaparecer."



Eu estava com a boca aberta pronto para fazer outra pergunta quando entendi o que Michael acabara de me dizer. Meu próximo pensamento foi que eu só podia ter ouvido errado. "O que você disse?" 



"Disse que ela fez ele desaparecer. Como falei, a noite é o melhor momento para caçar."



Michael me encarou com seus olhos castanhos. Mas naquele momento pareciam muito mais escuros. Quase negros. 



"Eu.. E-eu não..." Tentei encontrar palavras, mas estava perdido. Michael sorriu para mim. 



"Eu acho engraçado," falou depois de um tempo. "As pessoas acham que mamãe não entrará a não ser que seja convidada, mas entenderam as regras todas erradas. Se um de nós é convidado para entrar, então fica tudo certo. Ela pode voltar comigo quando quiser." 



A criança sorriu para mim de novo. "Não se preocupe, Paul. Vou dizer que você foi bem legal comigo. Faço questão que ela pegue leve quando vocês se conhecerem. Obrigada pelo suco." 



Se virou e abriu a porta dos fundos. Me encontrei observando o copo de suco de laranja, minha mente vagamente ciente que ele não tinha tomado uma gota sequer. Mas quando Michael falou mais uma vez, me voltei novamente para o garoto. Estava parado no meio da porta aberta, meio encoberto pelas sombras.



"Demora um pouco para se acostumar," disse, "mas você não terá mais medo do escuro em breve." 



Antes que eu pudesse responder, ele despareceu na escuridão. 

15 comentários :

  1. isso de só fazer coisas a noite e ter que ser convidado a entrar... ótima creepy aliás divina
    ela n tem continuação ne :c

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Deu medo! Nunca cortei a grama do jardim à noite e nunca mais voltarei a cortar...

    ResponderExcluir
  3. Muito boa, uma das melhores de vampiro que já li

    ResponderExcluir
  4. Muuuuiito boaaa!!
    Alguns erros de escrita atrapalham um pouco a imersão mas a história em si é fantástica.
    10/10

    ResponderExcluir
  5. Caramba, muito boa. Apesar de previsível kkk Mas muito boa. Te prende até o fim e faz você ficar imerso. Senti que estava no lugar do Paul.

    ResponderExcluir
  6. começou bem, porem na metade ja tava muito óbvio dai acabou estragando um pouco o final, acho que se fosse um pouco mais sutil teria um final menos óbvio.

    ResponderExcluir
  7. Gostei, é de vampiro né, adoro kkkkkk
    Tá com jeito q vai ter continuação 😘

    ResponderExcluir
  8. não entendi! como assim de vampiro? a mãe dele não fez ele desaparecer? gente, minha interpretação de texto tá muito ruim!

    ResponderExcluir