25/10/16

O chão é de lava

ATENÇÃO +18 ANOS! NÃO RECOMENDADO PARA MENORES E/OU PESSOAS SENSÍVEIS POIS POSSUI CONTEÚDO DE CUNHO ADULTO E/OU CHOCANTE! 

Quando eu era criança, eu costumava brincar de “O chão é de lava” com meu irmão Greg. Eu não gostava muito, Greg era muito mais atlético que eu. Mais velho também. Ele dava graciosos passos e saltos maravilhosos, muito além do que meu corpo rechonchudo conseguia fazer. Quando eu caía e perdia o jogo ele se regozijava e então nós íamos jogar outra coisa.
Meu vizinho, Sr. Calyton, sempre nos observava do outro lado da cerca que separava nossos quintais. Mamãe dizia para a gente ficar longe dele, mas ela não podia impedi-lo de nos observar enquanto brincávamos. Ele parecia inofensivo, apenas um pouco estranho. Nós não dávamos muita atenção a ele. A tarde inteira, ele observava a gente apostar corridas ou jogar bola por aí, somente deixando seu posto atrás da cerca se ele queria buscar mais bebida. De vez em quando Greg dizia “Olá Sr. Clayton” e dava um exagerado aceno. Sr. Clayton apenas sorria estranhamente e olhava para o chão. Para ser honesto, eu me sentia meio mal pelo homem.
Numa tarde do fim de junho, logo depois que nós voltamos da escola e um dia depois do aniversário de 15 anos de Greg, ele e eu estávamos brincando de luta na lá fora. Nós fazíamos aquilo frequentemente. Mesmo ele sendo mais velho e mais alto, por causa do meu peso extra, nós tínhamos mais ou menos o mesmo peso. Ele ainda era muito mais forte e ágil, então ele sempre vencia. Depois de outra vitória do Greg, eu estava no chão enquanto ele se vangloriava. Enquanto eu esperava ele me deixar em paz, eu olhei de relance para o lado. Eu podia ver o Sr. Clayton observando a gente, com muita atenção. Seu ombro direito estava se movendo pra trás e pra frente. Mesmo tendo só 11 anos eu tinha uma boa ideia do que ele estava fazendo.
 “Vamos para dentro”, eu disse para o Greg. O tom da minha voz estava bem diferente do que Greg estava acostumado, então ele percebeu que tinha algo errado e deixou que eu me levantasse. Eu não contei para ele o que eu tinha visto.
Sr. Clayton não estava em seu quintal alguns dias depois daquele episódio. Enquanto eu estava relutante em sair para brincar lá fora, eu continuava dizendo a mim mesmo que o cara era inofensivo. Não somente isso, mas Greg com certeza poderia dar uma surra nele caso ele tentasse qualquer coisa. Então as coisas voltaram a normalidade, com o Sr. Clayton reassumindo sua posição atrás da cerca, mais tarde naquela semana.
Depois do final de semana do 4 de julho, Greg estava com alguns dos seus amigos em casa. Dion e seu irmão Rob. Dion era legal, mas Rob era um idiota completo. Um valentão. Eu odiava quando ele nos visitava porque Greg sentia que precisava impressionar ele. E era isso que estava acontecendo. Nós quatro subimos na casa da arvore em ruinas que já estava na propriedade antes de a gente se mudar pra cá. A coisa estava destruída. Estavam faltando algumas tabuas no chão e incontáveis aranhas tinham feito do lugar sua casa. Ainda assim, por alguma razão, lá estávamos nós.
Rob estava se gabando sobre ter feito algo com alguma garota no final de semana. Greg e Dion estavam rindo enquanto eu estava lá sentado, entediado pensando em outras coisas. Algum deles teve a brilhante ideia de fazer uma competição de levantamento de peso usando um dos galhos que estavam acima da nossa cabeça. Rob tirou sua camisa para mostrar seu corpo musculoso, incitando os outros dois para fazerem o mesmo. Todos eles fizeram seus levantamentos, previsivelmente Rob venceu. Depois de zoar eles por serem tão fracos, ele voltou sua atenção a mim.
“Vá em frente, “ ele zombou. “É a sua vez, “
Eu disse a ele que não queria. Os outros começaram a me provocar até eu desistir e tentar fazer o levantamento. Obviamente eu não consegui. Todos eles riram.
 “Vamos lá, tire sua camisa! ” Disse Rob rindo. Eu fiz, com alguma relutância. Quando Dion e Rob viram meu corpo rechonchudo, eles começaram a dar risadinhas. “Tente de novo! “ Rob gritou. Enquanto eu tentava levantar o galho, eu senti uma dor explodindo nas minhas costas. Rob tinha me dado um tapa o mais forte que conseguia. Eu gritei em protesto, mas ele continuou batendo nas minhas costas e no meu peito enquanto Dion e Greg olhavam sem protestar. Assim que Rob parou, ele disse, “agora olha essas marcas de mão aparecerem. “
Eles assistiram. As marcas surgiram, minha pele estava ficando vermelha enquanto eles riam maniacamente.
 “Hey Steve, “ disse Greg. “O chão é de lava. “
Eu disse a ele que eu não queria brincar e comecei a descer da árvore. Rob bloqueou a saída. “Você vai brincar, ” ele me informou.
Eu fui ordenado a pular sobre o buraco no meio das tabuas. Não tinha jeito que eu ia conseguir fazer aquilo. Eu sabia das minhas capacidades, e aquilo não estava dentro delas. Os três garotos gritavam para que eu fizesse aquilo. Eu fiquei parado no lugar. Foi então que meu irmão começou a me bater. Não foram tapas. Foram socos. Ele bateu nas minhas costas e chegou perto do meu ouvido e disse, “apenas faça, seu bebe maldito. ”
Enquanto eu tentei me manter em pé, eu comecei a chorar. Depois de alguns minutos, Greg ficou entediado de bater em mim. Eu me enrolei num canto enquanto Rob voltou ao assunto da garota que ele esteve no final de semana. Enquanto eles riam e perguntavam típicas perguntas obscenas, eu soluçava pateticamente. Rob olhou para seu relógio e disse que era muito mais tarde que ele achava. Ele e seu irmão desceram pela escada que rangia e foram embora.
Greg seguiu eles, me deixando sozinho na casa da arvore. Eu fiquei lá por uma hora, fervendo de raiva. Ainda faltavam umas 3 horas antes de mamãe voltar do trabalho. Se eu tivesse que esperar lá até ela voltar, que fosse. Eu não queria ver meu irmão.
Sr. Clayton ficou encarando a entrada da casa da arvore enquanto eu sentei com as minhas pernas balançando. Greg voltou uma hora depois. Ele subiu as escadas e me empurrou de costas no chão, eu o encarei enquanto a madeira lascada entrava nas minhas costas ainda machucadas.
 “Você me fez passar vergonha na frente dos meus amigos, seu pedaço de merda, “ ele disse em um chiado. “Seu maldito viadinho, seu fracote de merda. “
Ele me cercou como se fosse me bater de novo. Então eu notei onde ele estava. Eu chutei ele nos joelhos o mais forte que podia. Ele tropeçou para trás. Ele caiu pelo buraco nas madeiras faltando no chão, batendo seu queixo na madeira enquanto caia, estilhaçando seus dentes. Eu ouvi uma batida alta quando ele chegou no chão abaixo de nós.
Eu desci a escada com cuidado. Assim que eu cheguei ao chão, eu fui até meu irmão. Seu rosto era uma mistura de sangue e cacos de dente, que caiam de sua boca na grama.
 “Eu não consigo me mexer, “ ele arquejou. “Minhas pernas. Meus braços. “
Eu chutei ele no peito. “Eu achei que o chão fosse lava, seu desgraçado. “ Eu sussurrei. “Por que você não pulou? “ Eu chutei ele de novo.
Meu vizinho nos observando do outro lado da cerca, seu ombro direito se movendo furiosamente enquanto ele encarava nossos corpos sem camisa. Eu sorri.
 “Ele é todo seu. “ Eu informei Sr. Clayton. 

Enquanto eu caminhava até a casa, eu olhei sobre meu ombro a tempo de ver meu vizinho pulando a cerca. 
E ai gente? Vou tentar trazer mais posts essa semana (afinal, estamos quase no Halloween!). Como sempre, comentem o que acharam! E se tiverem sugestões, podem deixar nos comentários. Até a próxima.

Edit: Coloquei uma mensagem de aviso no inicio do post. Compreendo que nem todo mundo irá achar a creepy interessante. Não tenho como agradar a todos.


38 comentários:

  1. s e n s a c i o n a l

    muito boa 10/10

    ResponderExcluir
  2. Que creepy ridícula. Pensei que aqui fosse um local para histórias sobre outras perspectivas, outras visões, com histórias muito bem escritas e assustadoras cada qual com seu nível de inteligencia, não como esse nojo de creepy. Simplesmente não teve nada de anormal (considerando que esse tipo de pessoas grotescas estão em mais locais do que imaginamos), só contou uma típica história de pedofilia nojenta, com umas descrições meio bostas de como alguém perde o dente caindo da árvore.
    Nunca critiquei nenhuma postagem aqui, na verdade sempre curti, por mais simples que fosse. Mas essa simplesmente fugiu do contexto do blog, ridícula =(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente eu não tenho a capacidade de agradar a todos, eu somente traduzo as histórias que eu acho apavorantes! Mas o blog ainda está cheio de posts com outras temáticas para você aproveitar!

      Excluir
    2. Vamos lá, cara... Não curti muito o assunto da creppy também, mas foi bem escrita. Claro, é sobre um assunto polêmico, mas ainda assim foi bem redigida.

      Excluir
    3. Vamos lá, cara... Não curti muito o assunto da creppy também, mas foi bem escrita. Claro, é sobre um assunto polêmico, mas ainda assim foi bem redigida.

      Excluir
    4. Quem é o criador do site,e eu poderia saber o Skype dele(a) fiz uma creepy e queria saber oque vocês acham dela...

      Excluir
    5. Eles tem um e-mail pra isso, eu acho

      Excluir
    6. Se você soubesse que creepypastas não se resumem somente à coisas anormais mas também lendas urbanas e coisas do cotidiano...
      Por favor, continuem postando mais coisas assim, eu achei essa arrepiante e o final me assustou!

      Excluir
  3. Vingança, doce vingança. Pena que não pegou o Rob também >:)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pensei o mesmo, faltou o Rob ali. rarajwdjqm

      Excluir
  4. Essa creppy foi muito ruim. Não passou medo, só nojo. Gostei não.

    ResponderExcluir
  5. Essa creppy foi muito ruim. Não passou medo, só nojo. Gostei não.

    ResponderExcluir
  6. Cruzess kkk
    Eu acho que esse tipo de creepypasta são as melhores, aquele tipo de história que choca porque sabe que acontece realmente. Não é como fantasmas, monstros, etc que é subjetivo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, as pessoas se doem com a verdade..

      Excluir
  7. Compartilho da mesma opinião. Apesar da creepy ser um pouco fraca, o real me passa mais medo do que o imaginário.

    ResponderExcluir
  8. Krlh vei... q sinistro essa creepy, simplesmente foda! Tentem trazer mais historias como essas. Terror não envolve só o sobrenatural, isso tbm é bem macabro..

    ResponderExcluir
  9. Vergonha não é ter um irmão gordo e sim ter o rabo violado e acabar de cadeira de rodas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vergonha é ser um tremendo babaca que humilha o irmão na frente dos amigos pra se sentir superior

      Excluir
  10. Nao aspecto geral eu nao curti muito nao, gosto mais quando tem aspectos sobrenaturais misturados ao mundo real... daria uma nota 5/10... nao criticando o blog nem nada, pois nao da pra agradar a todos... É impossovel nao comparar com Tommy Taffy, mas as pessoas nao curtiram aquela creepy por abuso sexual de menores e sim pela estória no contexto geral (pelo menos acho)... Mas enfim mesmo nao curtindo muito,nao foi "a pior creepy que vi na vida" sem contar que ate curti o tom de "doce vingança" no final...

    ResponderExcluir
  11. Amo histórias como essa que são só reais e que podem muito bem acontecer. O real é mais assustador do que o fictício. 10/10

    ResponderExcluir
  12. Boa, eu já conhecia e acho que podem continuar trazendo contos do unsettlingstories.com pro CPBR!

    ResponderExcluir
  13. O q o vizinho fez à ele espero q tenho devorado ele

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ele devorou...mas não no sentido gastronômico da coisa.

      Excluir
  14. Essas creepys realistas são mais perturbadoras que muita coisa. Gostei bastante :)
    Boa tradução

    ResponderExcluir
  15. embora essa creepy tenha sido chata não é preciso ter fantasma ou monstros na historia é só uma questão saber como escrever, porque até a historia mais simples quando escrita de um jeito pode se torna a mais assustadora.

    ResponderExcluir
  16. Esse assunto me choca muito, gosto de creepys assim, gostei bastante.

    ResponderExcluir