29/12/2014

Rosto de boneca

Eu estava ali

Apenas esperando

Observando

Eu sei que ele voltará, eu sei. Não posso comer ou dormir, fico apenas observando o maldito buraco na parede. No inicio ele era apenas um pequeno buraco, e com o tempo ele começou a aumentar. Tentei tampa-lo; mas acabei tornando-o maior. Eu acho que ele sabe que o estou esperando, é por isso que ele decidiu morar em minha parede.

Tentei atrai-lo com comida, camundongos, hamsters, até um porquinho; nada funcionou. Meu deus! Eu tenho que vê-lo outra vez! Apenas para superar meus medos. Eu quero encarar seus olhos negros e sem vida, talvez descobrir o que ele quer de mim. Acho que na primeira vez que eu o vi, bem rapidamente, foi o momento em que minha vida foi arruinada.

 -

Eram 3:29 a.m, eu estava sozinho em casa, e tinha acabado de descansar a cabeça no travesseiro quando ouvi um barulho terrível. Me levantei e olhei por todos os cantos do quarto, mas não consegui enxergar nada naquela escuridão. Peguei minha câmera e comecei a tirar fotos com o flash ativado, assim como naquele filme, Jogos Mortais, e comecei a procurar a origem do barulho. Eu deveria ter pensando em algo melhor, os flashes apenas me cegavam. Decidi largar a câmera.

Fui para a cozinha, tateando no escuro. Percebi que a porta da geladeira estava aberta, o que era realmente estranho, sendo que eu nem tinha aberto a geladeira naquela noite. Quando finalmente consegui ligar as luzes, eu vi a estranha criatura em um canto da cozinha, era quase da mesma altura da minha mesinha de café.

Me aproximei dele e por um momento pensei que meus olhos estavam me pregando um truque, mas eu podia jurar que ele tinha se movimentado tão rápido, que em menos de um segundo já não estava mais ali. Tentei correr de volta para o meu quarto, mas acabei batendo o pé na porcaria de uma cadeira. Eu caí, e fiquei petrificado ali no chão quando percebi que algo bafejava em meu pescoço.

“Era um sonho, tinha que ser um sonho, não poderia ser real...” Rolei lentamente para o lado, e me deparei com um terrível rosto branco, bastante semelhante ao rosto de uma boneca de porcelana. Foi nesse momento que reagi e me joguei para o canto mais distante, para observar aquela coisa... entrando em meu quarto.

-

A visão daquela coisa é algo impossível de esquecer, e foi assim que acabei ficando com essa terrível obsessão, sentado em frente ao buraco na parede, esperando... Agarrado à minha câmera, tentando não cair no sono, dividido entre o medo de ser atacado e a incontrolável vontade de revê-lo.

Talvez eu esteja louco? É, pode ser que sim, talvez esteja ficando louco pela falta de comida e descanso. Talvez eu devesse dor-

NÃO! Não posso cair nesse truque! Tentar me fazer dormir para vir e me matar sem que eu o veja! Isso não vai acontecer comigo. Sou muito esperto para cair nesse truque. Dias... Droga! Não durmo há dias!

Eu posso ouvi-lo me chamando…

Meu Deus…

Onde estou? Essa não é a minha casa! Eu devo ter dormido. Esse som... eu já o ouvi... não! Não posso morrer! Não agora! Eu o sinto em minha mente, ele QUER que eu o veja, que eu tire uma foto. A minha câmera... ele a jogou para mim...

O que faço? Devo vê-lo? A vontade é esmagadora...vou morrer mesmo... eu preciso vê-lo-


• Click*


OH MEU DEUS! MAS QUE DRO-


White doll face


24/12/2014

Pura maldade

Ahh, o Natal. Um dos momentos mais aguardados do ano, e o momento perfeito para concluir o meu plano. Tem que ser assim, pois afinal, todos querem alguma coisa.

Eu já o estava perseguindo desde o mês passado; era apenas um cara comum, vivendo uma vida simples com sua família, em uma rua pacata. Ele era o próximo. Ele não saberia os motivos por ser o próximo, mas no fim ele entenderia.

Tudo morre um dia. Eu apenas adiantaria o processo para ele.

Vestido como o bom velhinho, em um vermelho brilhante, assim como meu cabelo, agarrei a ferramenta perfeita para o serviço. Meus olhos verdes cheios de determinação, com sede de sangue. Meu rosto distorcido em uma máscara de malícia.

Atravessei alguns quintais, seguindo em direção aos fundos da casa do meu alvo. Os cães sentiam a minha presença, e uivavam para o céu estrelado. Era como musica para meus ouvidos. Se também houvesse alguns gritos de dor, séria uma sinfonia perfeita.

Abri lentamente as janelas do fundo. Um som agitado preenchia o ar. Parecia a trilha sonora de algum filme de ação. Isso apenas facilitou a minha silenciosa entrada.

Escondido nas sombras, observei, enquanto o meu alvo digitava algo em um notebook, acompanhado pela música alta que saia de duas caixas de som ligadas ao aparelho. Eu sabia que ele estava sozinho, vi a sua família sair para comprar algo que faltava para a ceia.

Assim que ele acabou de digitar (o que demorou um pouco, devo admitir), ele recostou-se para descansar na cadeira, fechando os olhos e jogando a cabeça para trás.

Me aproximei mais um pouco dele.

Não houve muito tempo para que ele pudesse reagir quando percebeu o meu movimento. Assim que ele abriu os olhos e virou-se para mim, foi imediatamente recebido com um taco de golfe bem no meio do rosto, caindo da cadeira com um grande barulho. Um nariz quebrado e um grande corte tomava o lado direito do seu rosto; seus lábios escorrendo sangue quando um dente se partiu e caiu no chão. A trilha sonora continuava a preencher o ar, com um toque agitado de ação bastante irônico para aquele momento.

“Esse é um momento de felicidade, SORRIA!”. Gritei, explodindo de excitação.

Abri um largo sorriso e até comecei a cantarolar seguindo o som, batendo o taco de metal frio na palma da minha mão. Levantei o taco mirando mais uma vez em seu nariz. Instintivamente, ele ergueu um braço para bloquear o taco, gritando pateticamente enquanto recebia o impacto.

“O que você quer?” ele gritava com a voz engasgada, cuspindo sangue e pedaços de dente. Essa era a pergunta que eu realmente esperava. Levantando o taco outra vez, percebi a fina linha de sangue que o cobria. Tentei controlar toda a felicidade e excitação em minha voz, para responder de forma bastante clara:

“Eu quero que poste Creepypastas com mais frequência, seu desgraçado!”

Com rápidos movimentos, o taco desceu mais duas vezes. Primeiro ele gritou, e depois pôde apenas soltar um leve gemido. Deitado em uma poça do próprio sangue, ele dava o último suspiro.

Sorri um pouco mais ao observa-lo daquele jeito. Olhei para a grande árvore de natal em sua sala, e me perguntei se a árvore ficaria melhor se eu pusesse alguns pedaços dele pendurados como enfeites. Talvez pendurasse seus intestinos ao redor da árvore, e pendurasse sua cabeça bem no topo. Seria algo perfeito!

Porém, havia algo que eu deveria fazer antes.

Acessei o blog no qual ele costumava postar, e utilizei a conta dele para digitar tudo isto para vocês que gostam de creepypastas. Sim, eu sei quem são vocês. Acham que não conheço todos que comentam por aqui? Ou aqueles fanáticos por creepys, assim como eu?

Eu destruo amizades e espalho a tristeza. Sou o amante do medo, devorador de almas. Eu tornarei o mundo das creepypastas uma realidade. EU sou a pura maldade.

EU so

Ele se mexeu!

Parece que ainda está vivo. A família dele já deve estar chegando. Devo acabar logo com isso.

Agora, se me derem licença, tenho uma creepy para terminar…

22/12/2014

O caso do Assassino da Teia


Tudo começou há 3 meses, vítimas foram encontradas sem sangue e enroladas em um tipo de seda. Pareciam insetos mortos por uma aranha. Logo começaram a chamar o caso de “Assassino da teia”. Até o momento, 12 se tornaram vitimas desse assassino desconhecido. Não havia vestígios ou provas de quem seria esse assassino, alguns acreditavam que as vítimas foram parte de algum ritual satanista. O caso já estava para ser arquivado, até que um dia, uma mulher que caminhava em um parque, ouviu algo, parecia o som de alguma coisa sendo arrastada, ela gritou, perguntando se alguém precisava de ajuda e não houve resposta, nem mesmo havia pássaros cantando. Ela ficou preocupada e decidiu verificar o que estava acontecendo, já que alguém poderia estar ferido e não pudesse falar.

Ela começou a procurar por toda a área ao redor, sem sucesso. Ela continuou procurando por mais alguns minutos e logo decidiu descansar embaixo de uma grande árvore. Por alguma estranha razão, algo lhe disse para olhar para cima, e o que ela viu parecia algo de um filme de terror. Havia um corpo pendurado no que parecia seda, e para sua surpresa, a pessoa ainda estava viva. As autoridades foram chamadas, e levaram a vítima para o hospital, ela poderia ser muito útil para ajudar a encontrar o assassino, assim ela acordasse.

No dia seguinte encontraram outra vítima, pendurada em um passarela em uma rua isolada. Era a vítima número 13, e assim decidiram me chamar. Meu nome é Alex, sou especialista em casos ligados a rituais satanistas e ao paranormal. Eu li os relatórios do caso e decidi revisitar cada área onde as vítimas foram encontradas, caso os investigadores da polícia tivessem deixado passar algo. Cheguei á primeira área. Não havia sangue ou fios de cabelo... tudo o que vi foi um cão fugindo assustado e de orelha baixa. Mas isso não importava, não poderia perder tempo com besteiras.

Segui para a próxima área, e como antes, não encontrei nada de importante. Eu já estava prestes a seguir para o próximo local quando vi algo movendo-se em um canto, era um cão, parecia exatamente o mesmo que eu tinha visto antes, porém, apenas a sua cabeça estava visível, enquanto o resto do corpo estava oculto pela escuridão da área. Ele tinha lindos olhos azuis, pensei que ele estivesse me seguindo, achando que eu talvez pudesse lhe dar algo para comer, o que eu não tinha no momento. Encontrei um hambúrguer meio comido em uma lixeira, e o joguei para o cão, em seguida parti para o próximo local.

Eu estava nas docas, e o cheiro de peixe já estava quase me fazendo vomitar. Caminhei pelo apertado beco onde o corpo foi encontrado, olhando por todos os cantos, até que captei algo. Era um pequeno tufo de cabelo negro, e já que cabelo da vítima era tingido de rosa, naquele momento pensei que o tufo de cabelo só poderia ser do assassino. Eu o coletei e continuei a minha procura, não encontrando nada mais importante. Por um momento, naquele beco apertado, me senti observado. Olhei ao redor, procurando por meu perseguidor e o encontrei; escondido nas sombras, estava um cão.

Era o mesmo de antes, ele estava apenas me observando, sem se mover ou mesmo piscar. Ele já estava me assustando.

Meu celular tocou e eu quase enfartei, era o Jeff, eu havia deixado a amostra de cabelo com ele, ele reportou que não era cabelo humano, eram pelos de aranha, e foi nesse momento que a minha ficha caiu; as vítimas estavam sem sangue, amarradas com fios de seda, e todas estavam penduradas em algum lugar. Realmente parecia obra de uma aranha, mas as suspeitas eram de um serial killer fanático por aranhas, e não uma grande aranha assassina. Uma aranha não poderia fazer um estrago desses. Talvez um experimento do governo? Não seria a primeira vez que algo assim acontece. Captei algo em minha visão periférica, era o cão de alhos azuis, ainda me encarando. Sai do beco e entrei em meu carro, pensei que talvez pudesse encontrar algo no próximo local.

Entrei no abatedouro abandonado, o local do quarto assassinato, o abatedouro já possuia um histórico ruim, um louco que costumava matar suas vítimas e come-las naquele local. Ele nunca foi capturado nem identificado, anos depois até fizeram um filme sobre isso. Às vezes algumas crianças se desafiam a entrar no abatedouro, ou alguns fanáticos invadem tentando encontrar fantasmas. O cheiro de mofo batia em meu rosto, me sufocando enquanto andava pela área onde o corpo foi encontrado. Segundo o relatório, a vítima estava pendurada no cano de metal, que naquele momento estava bem acima de mim, se o cano no tivesse quebrado, o corpo jamais seria encontrado. Não havia como alguém ter pendurado um corpo tão pesado naquela altura. Uma pessoa não poderia fazer algo assim sozinha. Isso parecia justificar a teoria da aranha gigante.

Ouvi algo se movendo. Sem uma arma no momento, resolvi usar um dos canos que estavam caídos no chão. Seria o assassino? O local era grande e perfeito como um esconderijo. Comecei a caminhar lentamente, e bastante atento a todos os movimentos ao meu redor. Encontrei algumas portas, estavam enferrujadas e travadas. Enquanto me virava para tentar encontra outras portas, algo me assustou, me fazendo pular para trás. Era apenas um cão, o mesmo que esteve me seguindo o dia todo, aquele pestinha assustador, como sempre, eu só conseguia ver a sua cabeça, o resto estava escondido no escuro. O cão parecia estar em um local mais alto, pensei que estivesse em algum andar acima de onde eu estava e que não consegui enxergar no escuro, talvez tivesse alguma escada por trás das portas enferrujadas que não consegui abrir. E se fosse isso mesmo, como o cão chegou lá?

O meu celular tocou, era o Jeff outra vez, ele me avisou que a garota tinha acordado e descrito o atacante, a policia não acreditou quando ela disse que o atacante não era humano, era uma criatura muito grande e que parecia uma aranha. Ela completou, dizendo que a criatura possuía um tipo de segunda cabeça no abdômen, uma cabeça que se assemelhava à de um cão, de orelhas baixas e olhos azuis...

Ouvi algo caindo atrás de mim, eu não conseguia me mover, não conseguia falar ou gritar, estava sem saída...

Naquele momento, percebi que o assassino já estava me observando o tempo todo...




 ................................................................................




desculpem a demora galera, ficamos um pouco atolados com trabalho\estudos, mas agora as coisas já estão se normalizando!   :)

Creeper da Semana: Paulo Henrique do Nascimento


Idade: 17 Anos

Estado: Minas Gerais

Como Conheceu o Blog/Por que gosta de Creepypastas: Eu sempre gostei de creepypastas que envolvem estorias e hack roms de terror sobre jogos como pokemon, tambem gosto muito de creepypastas de episodios perdidos principalmente quando envolvem dragon ball z. Quando eu estava procurando uma hack rom de terror do pokemon eu encontrei uma historia sobre pokemon black version justamente aqui no Creepypasta Brasil, e foi assim entao que eu conheci o CPBr.

(Creeper de Semana - 22/12/2014 à 28/12/2014)

Quer se tornar o próximo Creeper da Semana? Clique aqui e saiba como!


16/12/2014

Creeper da Semana: Amanda Santos


Idade: 18 Anos

Estado: São Paulo

Como Conheceu o Blog/Por que gosta de Creepypastas: A primeira creepypasta que conheci foi a do Slenderman, com aquele "falso documentário", desde então comecei a pesquisar mais sobre o assunto e a assistir Marble Hornets e outras webséries sobre creepypasta. Fuçando em muitos sites e fóruns por aí encontrei este blog, do qual provavelmente já li a maioria dos artigos.

(Creeper de Semana - 15/12/2014 à 21/12/2014)

Quer se tornar o próximo Creeper da Semana? Clique aqui e saiba como!


10/12/2014

SCP-2002




AVISO: ACESSO RESTRITO




Item #: SCP-2002

Classe do Objeto: Neutralizado (classificação Keter revogada em ██/██/20██)

Procedimentos Especiais de Contenção: A contenção do SCP-2002 é concentrada na disseminação coordenada de desinformações para todas as organizações ou indivíduos envolvidos com a descoberta, detecção, estudo e/ou discursão envolvendo objetos astronômicos (em movimento). Uma atenção especial deve ser posta na manipulação de algumas organizações, visando ofuscar a natureza do SCP-2002.

Imagens do SCP-2002 vazadas para o público devem se desmentidas, assim como digitalmente alteradas e rotuladas como obras de teorias conspiratórias. Para esse propósito, funcionários da fundação devem ser preparados para aparições na mídia e como consultores em qualquer projeto de pesquisa externa.

Para mais informações relacionadas às medidas de desinformações, por favor, verifiquem o documento SecInf/2002-D/DepDI:rev2.41. O uso de força bruta foi autorizado para impedir que qualquer informação relacionada ao SCP-2002 vaze ao público.

Todas as peças e restos dos tripulantes coletados do SCP-2002 devem ser armazenados no Local
        para futuras pesquisas sobre a origem do SCP-2002. Entrem em contato com o atual líder do projeto Dr. Aeslinger para mais informações sobre as pesquisas.

Rem/AESL1/20060217: Notem que apesar de neutralizado, os procedimentos de contenção do SCP-2002 devem permanecer efetivos por tempo indeterminado. 

Descrição: O SCP-2002 é um corpo celeste em rota de colisão com a terra. Após detecção, o setor astronômico da Fundação disponibilizou várias imagens indicando várias similaridades entre o design do SCP-2002 e o design do, ainda em desenvolvimento, [INFORMAÇÃO EXCLUIDA] naquele momento. Levando em consideração essas informações, e adicionando resultados de pesquisas dos destroços, o SCP-2002 foi classificado como uma possível anomalia do continuum espaço-tempo, mas foi considerado nativo para esta realidade. Sua neutralização impediu que os funcionários pudessem encontrar detalhes adicionais, porém, os exames dos destroços realçou as evidencias que sustentavam a teoria do SCP-2002 ser uma anomalia do continuum espaço-tempo.

O SCP – 2002 possuía um casco esférico com um diâmetro estimado de 450m. Acoplado ao casco principal haviam ~3000 pequenas esferas com aproximadamente 1,7 m de diâmetro. O SCP – 2002 não possuía qualquer dispositivo de propulsão visível ou sistemas externos de geração de energia, também não possuía compartimentos individuais como uma cabine de controle, área de armazenamento, ou qualquer outra cômodo.

Todas as tentativas de comunicação foram respondidos por transmissões automáticas do SCP-2002, em uma rádio frequência reservada exclusivamente para o trafego de informações da Fundação. Sinais enviados por instalações amadoras não receberam respostas do SCP-2002, sugerindo que o SCP talvez soubesse da origem do sinal. Vejam o Apêndice 2002-A-04 para a transcrição da resposta automática gerada pelo SCP-2002.

Em revisão, a mensagem transmitida pelo SCP-2002 parece implicar que o SCP possuía sistemas que facilitavam o retorno para a terra automaticamente. Independentemente disso, o SCP-2002 foi classificado como Keter devido aos efeitos potenciais que o SCP poderia causar ao cair na terra, sendo esta hipótese dada como falsa mais tarde. O SCP-2002 mantinha uma velocidade fixa de 12,5 km/s e era esperado reentrar na atmosfera em ██/██/20██. Foram projetados protocolos para lidar com um possível cenário Classe-K como resultado da queda do SCP-2002.

O SCP-2002 foi detectado pela primeira vez a uma distância de aproximadamente 15.8 au da terra em ██/██/19██, por sensores remotos nos satélites da fundação. Extrapolando e não assumindo alterações no curso do SCP-2002, ele deveria ter sido descoberto a pelo menos ██ antes. Isso sugere uma troca temporal acidental, assim como uma intervenção consciente por parte do SCP-2002 ou sua tripulação. O conteúdo da transmissão automática do SCP-2002 trás mais credibilidade para essa teoria.

Apêndice 2002-A-01: Trecho do relatório de neutralização 2002/D/NeutRpt-01:rev1.01 

No dia ██/██/19██, enquanto o SCP 2002 passava pela lua terrestre, um satélite não identificado equipado com um canhão laser altamente poderoso de diáxido de carbono, abriu fogo contra o SCP-2002, danificando seu casco principal e espalhando as pequenas esferas por uma grande área. Várias dessas esferas acabaram sendo destruídas pelo laser, enquanto outras ficaram à deriva no espaço. Uma certa quantidade dessas pequenas esferas continuaram seguindo em direção à terra. No dia ██/██/20██, essas esperas, junto com um grande pedaço do casco principal, entraram na atmosfera terrestre.

As investigações sobre o satélite não identificado e a destruição injustificada do SCP-2002 levaram á uma série de mensagem de e-mail codificadas e transmitidas por uma estação localizada no terminal de comunicação na Área 102. A decodificação dessas mensagens revelaram um vazamento de informações para o GOC, contendo fatos sobre o SCP-2002, embora em detalhes básicos. Nesse caso, o vazamento interno de falsas informações acabou misturado com algumas informações verdadeiras sobre o SCP-2002.

Uma investigação realizada pelo Mobile Task Force Beta-1 identificou o █████ ████████, um membro de Level 4 como sendo o responsável pelo vazamento das informações. O responsável em questão foi detido enquanto tentava deixar o local onde trabalhava, foi interrogado e consequentemente [INFORMAÇÃO EXCLUÍDA] geralmente utilizado em operações contrainteligência. Esforços para descobrir a verdadeira identidade do destinatário não obtiveram sucesso, porém, descobrimos que essa organização já possuía conhecimento sobre o SCP-2002 desde 19██, porém, tais conhecimentos consistiam apenas de detalhes básicos (veja abaixo). Presume-se que o vazamento de informações corretas, em adição à politica interna e externa de desinformação da Fundação à respeito do SCP-2002, levaram o GOC a tomar a decisão de neutralizar o SCP-2002.

Como resultado desse incidente, protocolos para a comunicação interna e externa sobre anormalidades foram revisados e atualizados, e a Operação Carbon foi iniciada, permanecendo efetiva por tempo indeterminado, enquanto um teste padrão de lealdade é desenvolvido para os atuais e futuros funcionários.

O satélite utilizado pela GOC foi sabotado e caiu em uma floresta Brasileira no dia ██/██/20██. Foi recuperado pela Fundação e permanece sob sua custódia, apesar dos inúmeros pedidos da GOC, para que o satélite fosse devolvido. Por favor, acesse o documento adicional 2002/C/DipInc-8:rev.1.12 para mais detalhes acerca das comunicações inter-organizacionais sobre o objeto.

Apêndice 2002-A-02: Documento capturado pela GOC sobre o SCP-2002 

KTE-0481

ID da Ameaça: KTE-0481-Typhon "Grande objeto desconhecido em rota de colisão com a terra”

Descrição: Um objeto astronômico não identificado em rota de colisão com a terra. Informações fornecidas pelo ██████ sugerem que a Fundação está monitorando o KTE (sobre designação SCP-2002) por razões desconhecidas, ainda não formulando qualquer plano de ação ou medidas para impedir o seu progresso.

O objeto é esférico, com um diâmetro estimado de 450 m 450 m (~1,476 ft), com múltiplas pequenas esferas acopladas à sua superfície. Não é possível saber se essas pequenas esferas são algum tipo de arma ou sistema de defesa. Nenhum sistema de propulsão é visível no objeto. Sistemas de geração de energia também parecem não existir.

O objeto não responde às tentativas de comunicação, apesar das mensagens de saudações serem enviadas em intervalos regulares pelas instalações da GOC e a USS███████████.

Os últimos cálculos informam o momento do impacto às ██:██ GMT, ██/██/20██. A previsão é de um cenário apocalíptico caso o KTE-0481 continue seu caminho sem interrupções.

Medidas: Caso o objeto atinja 0.00269 au da terra, a sua destruição é permitida para prevenir a extinção de toda a vida terrestre. O satélite Thor-AXII foi posto em estado de alerta permanente para essa medida. Protocolos foram postos em prática para garantir 100% de sucesso.

Apêndice 2002-A-03: Sumário do relatório de recuperação 2002/D/RecRpt-14:rev1.15 

No dia ██/██/20██, 37 minutos após a queda de uma grande parte do SCP-2002, membros do MTF Zeta-40 (equipe de limpeza) e vários guias locais se aproximaram dos destroços á aproximadamente 240 km de Riade (Capital da Arábia Saudita). Por vários dias, destroços e vários restos humanos (estimam-se compostos por 5 adultos masculinos, 21 adultos femininos, 142 recém nascidos masculinos, e 377 recém nascidos femininos) foram carregados em transportes da Fundação e levados para a Área-102. Testes de DNA revelaram certas semelhanças aos atuais membros da Fundação, incluindo vários membros do conselho O-5.

Apêndice 2002-A-04: Transcrição parcial da transmissão automática emitida pelo SCP-2002

Mensagem do sistema; 

Esta é a arca da Fundação, SCPS Mendel. Recebemos a sua transmissão. Devido aos protocolos de estase em efeito, nenhum membro encontra-se disponível para responder à sua mensagem no momento. Por favor, aguarde pela transmissão automática pré-gravada. 

Voz feminina; 

Aqui é a Dr. Agnes Younts, Líder do projeto SCP-█████. Se está recebendo esta mensagem, fico feliz em informar que essa missão foi desnecessária. Quando ocorreu a destruição causada pelo SCP-█████ em 21██, passamos um longo tempo tentando descobrir uma maneira de reverter seus efeitos. Tentamos descobrir se a realocação era a solução. Construímos uma estação espacial e, quando não deu certo, construímos um complexo lunar, mas a praga sempre nos seguia de alguma forma. Enfrentando uma taxa de 100% de esterilidade, descobrimos uma maneira de fertilizar embriões, assim eles não estariam sujeitos aos efeitos da praga. Bom, pelo menos enquanto os embriões permanecessem em estase. Nossos cálculos indicaram a dissipação dos efeitos da praga aproximadamente ███ anos desde o dia zero, então por fim, não nos sobraram muitas opções além de enviar para o espaço uma seleção desses embriões, junto com alguns funcionários. Os membros e a carga desta arca serão revividos e preparados para o retorno à terra. Eles já percorreram um longo caminho. 

Mensagem do sistema;

Nossa atual situação indica PERIGO; erro de deslocamento temporal detectado. Pedimos que limpem o Setor-521A para a nossa chegada¹.

Mensagem do sistema; 

Esta mensagem se repetirá em Mandarim. 

Depois da repetição em mandarim, a mensagem também foi repetida em espanhol, hindi e árabe antes do fim da transmissão.

Notas finais 

Nenhum Setor-521A existe como propriedade da Fundação. Porém, cálculos mostram que a sua suposta localização seria na [EDITADO]




______________________________________________________________-



09/12/2014

Creeper da Semana: Denis Rossati Ramos


Idade: 13 anos

Estado: Espirito Santo

Como Conheceu o Blog/Por que gosta de Creepypastas: Gosto de creepypastas desde quando eu estava procurando sobre aliens depois do que aconteceu comigo no sitio que eu tive um suposto avistamento de um alce bípede sem cabeça em 2011 e achei uma creepy pasta sobre um et bilu, que aliás, achei mentira... Enfim, achei varias outras coisas sobre creepypastas e achei bem legal procurar sobre outras coisas. As que mais me "encantaram" foi a do Jeff the Killer e a do Slender Man. Enfim, esses anos eu estava procurando sobre creepypasta do jogo LSD e achei este blog genial.cGosto de creepypastas pois gosto de saber as experiencias das pessoas, sendo reais ou não.

(Creeper de Semana - 08/12/2014 à 14/12/2014)

Quer se tornar o próximo Creeper da Semana? Clique aqui e saiba como!


01/12/2014

In fetu

Eu sou um cirurgião. Com minha idade e experiência, já possuo uma vasta coleção de estranhos eventos médicos que já presenciei, porém... há apenas um evento que me perturba até hoje...

No outono de 1987, uma extremamente rara anomalia medica afetou um pobre garoto de sete anos que se chamava William. Eu trabalhava como cirurgião chefe na pequena cidade de Montrose, Colorado. William estava consultando o pediatra com queixas de fortes dores na barriga. Ele contou para os doutores que havia um “homem” vivendo dentro dele, e que o homem se recusava a deixa-lo em paz, dia ou noite. William contou que o homem o machucava em várias partes, como se o puxasse com cordas, feito uma marionete. O garotinho podia ser ouvido gritando e chorando na sala do doutor, implorando por um alívio para a terrível dor. Sua mãe estava muito preocupada e solicitou assistência. O doutor fez um exame completo e não percebeu nada de anormal. Ele aconselhou que a mãe o levasse para casa, e receitou analgésicos mais fortes.

Algumas semanas se passaram, com as dores do garoto piorando. O doutor ficou perplexo. Ele continuava sem encontrar anormalidades, receitando analgésicos cada vez mais fortes. Um dia, a mãe retornou para o doutor, dessa fez estava bastante frenética. Ela entrou gritando que o filho estava morrendo, e com hemorragia. William estava com sangue escorrendo pela boca, e se arrastando de joelhos, implorando que o doutor o matasse. Bastante assustado, o doutor o encaminhou para a emergência.

Foi quando ele chegou à minha área. Os doutores descobriram que ele possuía um grande tumor no abdômen, os raios x revelaram uma estranha formação em suas vísceras. Preparamos-nos imediatamente para a cirurgia. Eu e meu time nos organizamos imediatamente, e guiamos o garotinho na maca pelo corredor do hospital. Passamos apresados em direção à sala de cirurgia enquanto o garoto gritava para que cortássemos sua garganta.

Nos o anestesiamos enquanto ele gemia e implorava pela morte. Sua cabeça balançava de um lado para o outro como se ele estivesse negando algo constantemente. Ele se sacudia tanto que foi preciso dois doutores para segura-lo. Ele se acalmou e fechou os olhos apenas quando a anestesia fez efeito.

Chegamos à sala de cirurgia, e arrancamos sua camisa do Homem-Aranha. Peguei meu bisturi e fiz o corte em seu abdômen. A pele fina abriu-se facilmente e o sangue escorreu rapidamente, revelando veias e muco. Pude ouvi um som de esguicho vindo de suas entranhas. Nos preparávamos para abrir a incisão, quando o vimos...

Bem abaixo dos avermelhados músculos abdominais, um braço surgiu. A carne foi esticada e rasgada. Pedaços de carne e sangue espirraram em nossos rostos e aventais. Ficamos completamente mudos, petrificados e em choque. O braço era pequeno e frágil, vermelho, e viscoso. Ele repousou sobre as entranhas destruídas. Eu fiquei ali parado, de boca aberta. Minha respiração presa em algum lugar entre meus pulmões e a minha garganta. Finalmente consegui reagir, mesmo tremendo, agarrei o bisturi e aumentei o corte no abdômen.

Olhei para dentro, em meio á todo aquele sangue e carne, e vi um pequeno corpo enrolado, logo percebi que a coisa ainda era apenas um bebê. Pus minhas mãos em seu corpo mole e avermelhado, e tentei remove-lo. Ele se enrolou em minhas mãos e me encarou. Eu o puxei e o retirei do pobre garoto. O corpo daquela coisa estava completamente coberto de sangue. Ele tinha olhos pequenos e sem pupilas, e sua boca estava bem fechada. Ele permanecia encolhido. Ele não parecia uma criança, e sim um alien. O mais surpreendente era o fato daquela coisa não possuir um cordão umbilical.

Os outros doutores se afastaram com horror. Eu travei e não consegui falar. Eu juro que não estou mentido sobre o que aconteceu em seguida. O bebê olhou para mim e começou a abrir a boca. Ele se engasgou e começou a cuspir sangue. Ele começou a falar. Sua voz era... o que posso descrever como sinistra, a pura maldade. A coisa gritou claramente: “Matar! Matar! Matar! Matar!”

Arregalei os olhos e permaneci petrificado. Os doutores correram da sala em grande agitação. Um dos doutores gritou que havia um “bebê demônio” na sala de cirurgia.

O bebê ficou em minha mão, gritando mais e mais alto, repetindo a mesma palavra, tremendo ao utilizar suas forças para continuar gritando. Eu finalmente o larguei no chão. Ele caiu produzindo um som nojento e espalhando sangue. E então, de repente, ele se levantou. Aquela criaturinha ficou em pé me encarando, as luzes da sala de cirurgia faziam sua sombra esticar-se assustadoramente. Eu não conseguia falar, mas sabia que aquela coisa queria me matar. Com uma velocidade assustadora, ele pareceu mudar de ideia e escalou a janela, fugindo para algum canto desconhecido.

Vários policiais entraram na sala e me encontraram sozinho. Eu estava paralisado, minhas mãos banhadas em sangue. Rastros vermelhos se espalhavam pelo chão, seguindo para a janela e desaparecendo. Quanto à William, seu monitor cardíaco sem sinal, ele havia morrido por perda de sangue.

Uma investigação levou à conclusão que o garoto tinha sofrido uma rara condição chamada Fetus in fetu. Que é quando, durante a gravidez, gêmeos se desenvolvem e um é absorvido pelo outro, tornando-se um parasita. Porém, mesmo os melhores pesquisadores, nunca poderão explicar como o feto conseguia falar, ou se locomover. Seja o que fosse aquela coisa, não era humana.

Quanto ao paradeiro do “bebê demônio”, nunca foi descoberto.

Creeper da Semana: Rafaela de Paula Paiva


Idade: 24 anos

Estado: São Paulo.

Como Conheceu o Blog/Por que gosta de Creepypastas: PQP, devo ser a Creeper da Semana mais velha até agora. >.<'

Sempre gostei de assuntos que girassem em torno do sobrenatural ou curioso. Na época que ainda não tinha muitos meios para acessar a internet em busca de contos de terror ou mesmo histórias sobrenaturais verídicas eu me apegava nas histórias que meus familiares mais velhos contavam ou mesmo em minhas próprias experiências com o sobrenatural, e são muitas. Também adorava jogos de terror como Revil (meu preferido até hoje) e Silent Hill. HAHA Acho que foi em 2011 ou no final 2010 que conheci o blog. Eu costumava entrar no Assustador.com, mas como já tinha visto aquele site de cabo a rabo eu resolvi procurar outro lugar em que as postagens fossem mais frequentes e com assuntos variados em se tratando de terror. Foi aí que conheci vocês e desde então não larguei mais o blog. Hoje em dia já não entro mais todos os dias como costumava entrar antigamente, mas sempre que posso, nem que seja umas duas vezes por semana estou aqui para me atualizar. Adoro os episódios perdidos e OMG, nunca mais verei Chaves, Rugrats e afins com os mesmos olhos.

(Creeper de Semana - 01/12/2014 à 07/12/2014)

Quer se tornar o próximo Creeper da Semana? Clique aqui e saiba como!


25/11/2014

O pintor de telhados

Há alguns anos, recebi uma série de estranhos e-mails do endereço “alooga2@gmail.com” Não sei os motivos pelos quais foram enviados para mim, mas vou passa-los para vocês. É bem assustador. Bloqueei a minha conta por razões que não precisam ser explicadas.

.....

Eu estava acordada até tarde checando meus e-mails (tenho insônia) quando a página atualizou mostrando uma nova mensagem.

“3:48 AM (22/09/10) “alooga2”

Não sou apenas ruim. Eu sou o pior. Você nunca me verá chegando. Eu sou aquele que você acha que não sou. Sou um pintor. De telhados.” 

Achei que fosse algo normal. Eu nem conhecia aquele endereço de e-mail. Então outra mensagem chegou:

“3:48 AM (22/09/10) “alooga2”

Eu sou livre? Não. Eu tenho bocas para alimentar. Estou falando por meio de charadas. Sou o grande mal, eu tenho que ser o tal. Isso me torna mais assustador. Como tinta preta. 

Nesse ponto, eu ainda não estava muito assustada. Pensei que estivesse recebendo as mensagens por engano. Já tinha acontecido antes.

Levou apenas alguns minutos para ele mandar outra mensagem.

“3:57 AM (22/9/10) “alooga2”

...pintar.” 

“4:33 AM (22/09/10) “alooga2”

Eu zombo de você quando você não está” 

Eu já estava ficando irritada, mesmo assim decidi ignorar. Pensei que ele já tivesse se cansado quando algumas horas se passaram sem que ele me enviasse outra mensagem. Mas...

“8:11 AM (22/9/10) “alooga2”

Café. Preto. Preto. Café” 

“8:11 AM (22/9/10) “alooga2”

Acumule moedas. Quebre o porquinho. Pegue o que ganhou. Estou sempre à caminho. Chame o pintor. Faça ao mundo um favor” 

Eu nem tive tempo de mandar o cara se ferrar, já que eu tinha que ir para o trabalho. Levei bastante tempo sem verificar o email, e quando o fiz, encontrei quatro novas mensagens, enviadas por... adivinha quem....

“12:51 PM (22/9/10) “alooga2”

Dizem que sou surreal. Mas sou diferente, com minha cartola e meu bigode. Pareço ter saído de um desenho animado. E vou pintar o seu telhado.” 

“3:21 PM (22/9/10) “alooga2”

Quero pintar o seu telhado.” 

“3:52 PM (22/9/10) “alooga2”

Acho que vou pintar hoje. Vou pintar de preto, assim como o seu cabelo, Mirian. Seu cabelo é preto. Preto. Cabelo. É um trocadilho.” 

Agora, nesse ponto vocês já podem imaginar que eu estava furiosa com esse cara me mandando essas porcarias. Então respondi com essa clara e concisa mensagem:

“Para com essa palhaçada seu merdinha.” 

Então ele me respondeu, em apenas alguns segundos.

“4:20 PM (22/9/10) “alooga2”

Teve um dia cansativo no trabalho? Pensei que você gostasse de mim. Vou até pintar o telhado para você” 

A coisa já estava ficando muito estranha. Então resolvi bloquear o imbecil. E isso resolveu meus problemas. Levei alguns anos sem receber outra mensagem, até que em uma madrugada, enquanto estava outra vez checando meus e-mails, recebi uma nova mensagem com um anexo.

“3:48 AM (23/9/13) “aloooga2”

Enfim, pintei o seu telhado.” 

O anexo era uma foto da minha casa. Estava com o telhado todo preto. Corri para a janela e vi a tinta preta pingando do telhado. Manchando toda a varanda.

 Então chegou uma última mensagem.

3:48 AM (23/9/13) “aloooga2”

“Deveria ter visto a sua cara. Aqui, tirei uma foto do momento” 

Nessa mensagem também tinha um anexo. Era uma foto minha, enquanto olhava assustada pela janela. A mesma janela que olhei uns 3 minutos atrás. Eu não percebi nenhum flash ou algo assim. A minha única reação, foi sair correndo. Entrei em meu carro e segui para o motel mais próximo. Chamei a policia e expliquei tudo. Que havia um maníaco pintor, e que ele tinha pintado o meu telhado e que estava me espionando.

 Mas a policia não o encontrou, ele simplesmente sumiu e eu estava em segurança. Fiquei no motel por uns três dias, até que numa noite, enquanto eu tentava dormir, ouvi um sussurro em meu ouvido:

“Hey. O telhado desse motel precisa de uma nova pintura.”

Quando abri os olhos, consegui enxergar apenas a silhueta de uma pessoa muito magra, saindo rapidamente pela janela.

19/11/2014

Humannequin

Não era desse jeito que eu pretendia passar a minha noite de sexta-feira, pensei comigo mesmo enquanto revirava uma grande pilha de papéis em minha escrivaninha. Eram umas 18:45, e eu já estava em casa há meia hora. A hora do jantar chegou e passou, mesmo assim, ainda não pude desviar a minha atenção da grande carga de trabalho que estava diante de mim. As 20:30, larguei tudo e decidi encontrar a minha esposa e a minha filha na sala de estar; se eu continuasse mais um pouco naquela escrivaninha, acabaria arrancando meu próprio cabelo.

Segui para a sala de estar para encontrar a minha filha, Mary, remexendo em nossas fotos da família. Minha esposa a estava ajudando, com as duas rindo e revivendo as várias viagens e experiências que tivemos, decidi me juntar a elas, carregando uma xícara de café e observando o que estavam fazendo.

“Certo, agora esta vai aqui –“

“Não! Fomos para a Venezuela DEPOIS do belíssimo casamento. Não foi querido?”

Desviei minha atenção das fotos para olhar a minha esposa nos olhos. Ela já estava desenvolvendo os primeiros traços de algumas rugas, mas suas características juvenis continuavam tão fortes quanto quando nos conhecemos. Um leve sorriso combinado com olhos verdes brilhantes e bochechas e queixo bem definidos.

“Isso mesmo!” afirmei. “Ficamos lá por duas semanas até que fiquei doente quando peguei a terrível La Venganza de Montezuma.” Rimos muito com isso e continuamos com a construção do projeto. Mary estava reunindo algumas fotos para um projeto da escola, um tipo de atividade para “encontrar suas raízes.” Um pouco desnecessário, talvez, mas não fazia mal. Já tinha terminado meu café e estava prestes a voltar ao trabalho quando uma transmissão de emergência irrompeu em todos os televisores da casa. A mensagem tradicional de emergência tremulava como se algo quisesse interrompe-la; como se houvesse outra mensagem querendo tomar espaço para desviar a nossa atenção do perigo real. A mensagem surgiu na tela, em grossas letras negras:

NÃO SAIAM, AERONAVE NÃO IDENTIFICADA EXECUTANDO CIVIS EXPOSTOS 

NÃO SAIAM, AERONAVE NÃO IDENTIFICADA EXECUTANDO CIVIS EXPOSTOS 

“Oh meu Deus,” Mary suspirou. “Vamos ficar seguros, papai?”

Eu não poderia ser honesto com ela. Se ela soubesse das possibilidades, ela sairia correndo em pânico. Então, decidi lidar com a situação pensando racionalmente.

“É claro, Mary. Vá para o meu quarto e prepare os cobertores. Quero todos em um só lugar hoje à noite, assim, um de nós pode alertar o outro caso aconteça algo. Querida, você vai pegar as lanternas e o revólver. Vou trancar as portas e me certificar que ninguém esteja lá fora.”

Enquanto nos dividíamos para nos preparar, percebi algo enquanto checava a porta da frente. Na rua, pequenas luzes vermelhas foram colocadas ao longo do solo, além dos grandes e vermelhos “X’s” que foram desenhados em cada cruzamento. Foi então que suspeitei que a tal aeronave não era tão desconhecida quanto o governo queria que acreditássemos. Eu não conhecia muito bem o protocolo deles, mas sabia reconhecer uma quarentena. Largando minhas suspeitas de lado, segui para meu quarto. As lanternas e o revólver já estavam na mesa de cabeceira. Carreguei o revólver, me enrolei no cobertor ao lado da minha esposa e tentei dormir.

O som de buzinas me acordou. Agarrei o revólver, atento para o que quer que tenha soado a buzina tão alto. Olhei para o lado, onde minha esposa e minha filha continuavam dormindo embaixo dos cobertores. Suspirando de alívio, sai da cama para verificar a condição das coisas. A TV continuava a transmitir a mesma mensagem.

Notei que algo piscava rapidamente enquanto a mensagem continuava bastante clara na tela. Para minha surpresa, a tela congelou por poucos segundo, porém, o bastante para que eu pudesse ver o que piscava junto com a mensagem.

Skull-0Parecia ser uma imagem de baixa qualidade, que mostrava uma caveira com um símbolo radioativo na testa. Logo abaixo da caveira, havia a palavra “OBEY”. Um súbito sentido de alerta passou por minha mente, mas naquele momento pensei que era apenas coincidência, algo passageiro. Ainda assuntado com o que tinha acabado de ver, saí para verificar o que mais havia sido afetado.

Assim que as buzinas pararam, o ar foi preenchido com a Moonlight Serenade de Glenn Miller, que tocava por algum alto falante que eu não conseguia ver. Carros estavam nas ruas, mas não estavam estacionados; de fato, a maioria dos carros continuavam rodando, e alguns deles estavam batidos. Me aproximando de um dos carros, fiz uma estranha e terrível descoberta.

Não havia um humano dirigindo o carro. Era um... um manequim. Inicialmente pensei que alguém tivesse posto o manequim dentro do carro como um tipo de piada. Porém, depois de verificar melhor, percebi que ele usava roupas e um relógio. Cheio de curiosidade, verifiquei seus bolsos – estavam cheios. Um manequim do que parecia ser um trabalhador de classe média com os bolsos cheios de dinheiro e um relógio que parecia bem caro. Seu rosto mostrava uma expressão de riso, e suas mãos estavam em frente ao rosto, como se estivesse se protegendo de algo. Percebendo a gravidade de situação, corri para minha casa, desesperado para verificar a minha mulher e a minha filha.

À primeira vista, tudo no quarto parecia normal. May e a mãe não tinham se mexido desde a última vez que as vi antes de sair, e isso me deixou bastante preocupado depois de ter visto como estavam as coisas lá fora. Puxei o cobertor da minha filha e vi o seu rosto brilhante, de expressão sonolenta, porém, artificial e estática. Seu manequim também possuía a mesma altura, assim como a mesma curva no nariz e o formato dos dedos. Tentando levanta-lo, descobri que aquela copia doentia não pesava quase nada. Quem quer que tenha feito aquela coisa, não tinha colocado apenas a mesma pele da minha filha, como também seus cabelos amarelados em detalhes desde a raiz. Sentimentos de raiva e desespero tomaram conta de mim assim que percebi que a minha mulher tinha encontrado o mesmo trágico e misterioso destino.

O que quer que estivesse acontecendo, cheirava a uma conspiração muito bem planejada. Isso foi comprovado assim que segui para a cozinha à procura de mantimentos e percebi que todos os tipos de alimentos foram substituídos por cópias idênticas feitas de plástico.

Lembrando das fotos da família espalhadas pela mesa da sala desde a noite anterior, peguei algumas para procurar por alguma mudança. Em cada uma das fotos, eu, a minha esposa e minha filha, éramos manequins. Fiquei horrorizado. Os rostos e expressões eram exatamente os mesmos, porém, eu mal reconhecia meu próprio rosto com um sorriso tão vazio.

Tão... desumano.

Ninguém em sã consciência poderia aguentar esse tipo de realidade...

Pegando meu revolver e as chaves do carro, saí para verificar se ainda havia sobrado algum vestígio de vida naquele lugar.

Destroços e mais destroços obstruíam o meu caminho e retardavam a minha viagem dentro daquele silencioso e perturbador subúrbio. Manequins estavam atrás do volante de cada carro que eu encontrava. Homens, mulheres, e crianças petrificados com expressões de vários tipos, que foram pegas em vários momentos; um pai furioso gritando com o filho no assento de trás, um guarda sonolento ajudando várias crianças agitadas a atravessarem a rua, e duas irritadas mulheres paradas no meio de uma discursão silenciosa em um cruzamento. Assim como eu tinha visto antes, todos os cruzamentos possuíam um grande X vermelho pintado no asfalto. Continuei dirigindo até alcançar uma barricada onde deveria estar a saída do bairro. Sai do carro e não encontrei nada além de uma densa névoa que cobria todo o terreno atrás da barricada. Estendendo minha mão para senti-la, descobri que ela queimava ao encostar-se à pele.

Então é isso, confirmei comigo mesmo. Estou preso aqui.

Naquele momento, um carro já não parecia tão necessário, então passei a andar sem um rumo. Em um beco um pouco próximo à barricada e ao desconhecido além, havia um garoto com uma tinta spray vandalizando o lado de uma casa. Havia um sorriso em seu rosto, mas estava de um modo forçado. Seus dedos continuavam pressionando o spray, mesmo com a lata quase vazia, mostrando que ele já estava naquela posição a bastante tempo.

Um pouco de tinta negra escorria por entre os dedos do manequim, caindo no asfalto. A mensagem que ele pichava na parede dizia:

NÃO TENHO BOCA MAS DEVO SORRIR 

A música parou de repente e uma voz soou. Era nítida e anormalmente clara.

“Obrigado por observarem o trabalho perfeitamente detalhado e preparado pela Futureline Industries. Esse ambiente sofrerá uma explosão nuclear em vinte minutos.”

O mesmo som que estava tocando antes, passou para um volume mais baixo enquanto uma contagem iniciava. Entrei em uma casa próxima e peguei um pequeno caderno onde pude escrever tudo o que vocês leram ate aqui. Eu ficaria surpreso se alguém pudesse encontra-lo nos escombros, mas eu realmente espero que alguém encontre.

Que Deus cuide da minha alma e derrame a justiça sobre aqueles que me condenaram.


- 5 de Janeiro de 1960 


-- 


Usando um par de luvas de couro preto, o elegante e pomposo milionário entrou na galeria com sua comitiva. Seu recente projeto lhe custou um total de 70 milhões de dólares, mas ele sabia que o projeto geraria um grande lucro se conseguisse vende-lo. Isso já era garantido – as artes de Sinclair Gustav sempre eram vendidas com os mais altos preços em qualquer exposição. Sua consciência estava perfeitamente limpa para alguém que fez um bairro inteiro desaparecer; todos que o cumprimentavam, desconheciam que em seu coração, ele era um assassino de sangue frio, que pensava apenas em vender seu trabalho pelo maior lance.

Depois de vários elogios e champagne, seu quadro mais admirado e realista foi vendido por um total de 100 milhões de dólares. O artigo mais caro daquela noite mostrava um manequim em chamas ao lado de um homem com expressões de sofrimento enquanto escrevia algo e também estava em chamas. Ele sorriu presunçoso, quando o título foi anunciado, selando seu lugar na fama e na infâmia:

Humannequin

...

Naquele bairro – nas ruínas vaporizadas e em cinzas – A Moonlight Serenade continuava a tocar pelos alto-falantes... que mal conseguiram permanecer intactos...


Humannequin
Uma das fotos tiradas após a explosão.


Escrita por: Dubiousdugong

Creeper da Semana: David Alves Mendes


Idade: 16 anos

Estado: Ceará

Como Conheceu o Blog/Por que gosta de Creepypastas: Eu já acompanho o blog faz mais de dois anos, e tenho apenas que parabenizá-lo, pois o mesmo além de ter ótimos autores, traz ótimas postagens todos os dias para nós leitores.

Já estive por aqui em julho do ano passado, mas bastante tempo se passou desde então. De qualquer modo, continuo o mesmo garoto fascinado pelo terror como sempre fui, e continuo acessando o blog todos os dias (ou melhor, todas as madrugadas).

Em relação a como conheci o blog e o porquê de gostar de creepypastas, já falei várias vezes. Desde que era criança que sinto uma leve atração por coisas mórbidas e relacionadas ao terror (na época principalmente esqueletos), e isso é uma coisa que me acompanha até hoje. Não posso dizer ao certo quando comecei a ler creepypastas, pois as mesmas existem a muito tempo, só não havia um termo correto para defini-las. Porém acompanho-as desde muito tempo atrás, isso de quando as famosas lendas urbanas ainda estavam no auge.

Conheci o blog cerca de três anos atrás, só não lembro ao certo quando, sei que era uma madrugada em que o tédio predominava, foi aí que decidi procurar no google algum site de terror para passar o tempo. Me deparei com diversos links desconhecidos e cliquei aleatoriamente em um deles, e ao carregar a página, ironicamente me deparei com outro link, só que me refiro ao Link de Zelda, o mesmo sangrava na imagem, e logo abaixo havia o nome: "Creepypasta Brasil". Desde então foram madrugadas e madrugadas em claro lendo as postagens do blog. Eu nunca havia visto um blog tão organizado e com tantas boas creepypastas, além de ser atualizado todos os dias, não é atoa que esse blog é minha principal companhia das madrugadas.

Também vou aproveitar esse pequeno espaço para divulgar meu blog, que assim como o CPBR, tem como temática principal o terror em geral. Criei o mesmo quando senti que necessitava de um espaço para divulgar minha paixão pelo terror, e foi aí que surgiu o blog Mortalha. Possuo um público pequeno, mas fico grato por cada visita, deixarei o link logo abaixo caso queiram dar uma passada por lá.

Só não deixo meu número de celular para não receber cantadas aleatórias, haha (só que não). Eu também não poderia me esquecer de parabenizar todos os administradores do blog, em todos esses anos que estive acompanhando vocês, nunca me decepcionei ou vi algo que não gostei por aqui, pelo contrário, só tenho a agradecê-los por fazer minhas madrugadas um pouco mais macabras. Muito obrigado CPBR.

Informação Adicional:
Gostaria de fazer novas amizades, porém amizades com pessoas que também sintam atração pelo terror, pessoas que gostam de sentir medo. Se puderem me adicionar em minha redes sociais, ficarei grato.


Contato Pessoal:
Blog: http://blogmortalha.blogspot.com.br/
Email: davidalvesmendescontato@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/DavidAlvesMendesOficial
Twitter: https://twitter.com/davidamendes

(Creeper de Semana - 17/11/2014 à 23/11/2014)

Quer se tornar o próximo Creeper da Semana? Clique aqui e saiba como!


18/11/2014

O portador do conhecimento

Em qualquer cidade, em qualquer país, vá a qualquer hospício ou casa de recuperação a que você possa ter acesso. Uma vez na recepção, peça para visitar aquele que se entitula "O guardião do conhecimento". O atendente vai rir e levará você até um quarto vazio. Ele lhe dará uma chave e dirá para que espere por algum tempo até ouvir um sino. Quando o sino tocar, você deverá trancar a porta pela qual entrou, esperar até que toque novamente, e destrancá-la.

Uma vez que você tenha seguido essas instruções, a porta se abrirá sozinha e revelará um longo corredor, com todas as cores possíveis de se imaginar pintadas nas paredes, teto e chão. Ande pelo corredor até ouvir uma garotinha cantando. Pare, feche os olhos e permaneça imóvel até que ela termine. Se você falhar e acabar se mexendo, corra. Corra até a porta por onde você entrou, tão rápido quanto possível. Pule pela janela do quarto onde você esperou antes, e talvez você viva. Se você não conseguir alcançar a janela a tempo, você será arrastado de volta pelo corredor por algo que definitivamente não é uma garotinha. Você será arrastado por essa criatura até o fim dos tempos, eternamente sentindo a dor de todas as almas arrastadas prematuramente para a morte.

Se, por outro lado, você conseguir se manter completamente calmo e imóvel até o fim da música, você poderá escolher se quer virar de costas e ir embora ou continuar a se aventurar nesse ambiente. Se escolher a segunda opção, continue andando pelo corredor até encontrar uma porta em formato de pessoa. Abra-a com a mesma chave que lhe foi dada mais cedo, entre e feche-a novamente. No meio do quarto, você verá uma mesa com uma vela brilhante. Atrás da mesa há um homem, cujo rosto não pode ser visto por trás do brilho da vela. Aproxime-se, mas mantenha a chama entre você e o rosto dele, pois se você chegar a ver a aparência dele, seu olhar ficará fixo no dele até que suas próprias mãos removam cada centímetro de pele do seu corpo.

Pare quando estiver a cinco passos de distância da mesa. O homem levantará a mão e gesticulará para que você chegue mais perto, mas não dê mais nenhum passo à frente. Feche os olhos e pergunte: "Quem irá trazê-los de volta juntos?"

Você irá ouvir o homem se erguer e começar a rezar em uma língua que você não entende. Depois de dois minutos, você ouvirá um nome. Se você ouvir "Anubis", então é melhor que você faça suas preces no pequeno espaço de tempo que você terá para fazê-las... mas se ouvir "Thor", então você pode abrir seus olhos. Você verá a cabeça do homem, cortada, sobre a mesa, e ainda falando. Após três minutos, ele terminará sua oração, e irá dizer como você vai morrer. Ele vai descrever cada pequeno detalhe de sua morte, e você não conseguirá se mover ou reagir enquanto ele explica. Por fim, ele irá descrever aquele que irá tirar sua vida, e entrará em detalhes, como por que é necessário que você se questione o que seria pior: ser assassinado ou continuar sua vida.

Eventualmente, a cabeça irá parar de falar. Essa história assustadora é o objeto 9 de 538. Cabe a você decidir o que fazer com a informação sobre sua morte, pois agora é inevitável.


13/11/2014

O portador da riqueza

Em qualquer cidade, em qualquer país, vá a qualquer hospício ou casa de recuperação a que você possa ter acesso. Uma vez na recepção, peça para visitar aquele que se entitula "O guardião da riqueza". O atendente vai levantar uma sobrancelha, como se estivesse confuso. Pergunte uma segunda vez, e ele dará de ombros, levando você ao outro lado da rua, onde uma enorme mansão o espera. Se você é uma pessoa observadora, vai notar que ela não estava ali quando você iniciou sua jornada... O dono dela prefere que você não pense a respeito disso.

Atravessando a porta você encontrará um lance de escadas em espiral, do outro lado do hall. As paredes estarão cobertas com belas pinturas, e uma enorme estátua de mármore estará em um pedestal aos pés da escada. A aparência sobrenatural da estátua invoca uma imagem de um monstro horrível, um misto de alien e demônio. Admire-a o quanto quiser, mas não toque-a, a menos que queira acordar esse monstro faminto.

Suba as escadas. Não toque nada, e você não terá problemas. Não entre em pânico. No topo, você via encontrar uma pequena porta de madeira: sua aparência modesta é um enorme contraste ao luxo decadente da mansão. Ela se abrirá sozinha para você, desde que você não esteja com medo.

Atravessando-a, você encontrará um homem com um cavanhaque pontudo e um cabelo curto, penteado e engomado. Sentado atrás de uma enorme mesa de mogno, seu terno é feito de carne humana e seda italiana. Ele irá falar, e por um bom tempo. Ele falará sobre sua bela casa e a linda estátua de sua concubina no andar inferior. Não o interrompa, não responda qualquer pergunta que ele faça. Quando ele parar de falar, prepare-se e pergunte de maneira confiante: "Posso receber meu salário?"

Ele irá lhe explicar, em detalhes vívidos, o valor da vida. Ele falará de destinos piores que a morte, e ele irá falar de coisas que ele espera que você faça exatamente como ele diz. O fabuloso interior do aposento começará a apodrecer, e o piso de taco francês se transformará em fezes. A aparência do homem vai se tornar ciclópica e incrivelmente horrenda. Ele tirará uma nota promissória do bolso de seu terno, e entregará a você.

Essa nota é o objeto 8 de 538. Seu guardião espera que você faça bom uso dela.


10/11/2014

Creeper da Semana: Carol Barcelos


Idade: 13 anos

Estado: Minas Gerais

Como Conheceu o Blog/Por que gosta de Creepypastas:  Eu estava navegando na internet procurando um blog que contasse lendas e histórias de terror, ai eu vi no google essa página e cliquei na hora, eu nunca tinha lido e visto coisas e histórias tão legais assim, eu sou apaixonada por filmes de terror, suspense e histórias do mesmo gênero, mas hoje em dia tudo só tem a ver com sangue e pessoas morrendo. O que eu realmente queria era uma história que me desse medo, e não nojo. E foi isso que eu achei aqui no CPBr, muitas histórias bem elaboradas e que dão aquele friozinho na sua barriga após a leitura. Tem vezes que você até olha para trás para saber se nada vai te matar naquele momento. Eu me apaixonei pelo site e todo dia eu visito e me impressiono mais ainda com as histórias.

Contato Pessoal:
Twitter: https://twitter.com/cr4zymof0s_
Email: carolina_barcelos17@yahoo.com

(Creeper de Semana - 10/11/2014 à 16/11/2014)

Quer se tornar o próximo Creeper da Semana? Clique aqui e saiba como!


08/11/2014

AnthonyExperiment.jpg

AnthonyExperiment.jpgEssa é a última fotografia tirada do Anthony.

Anthony era um grande garoto, sempre brincalhão e sorridente. Ate que...

Dois meses antes dessa foto ser tirada, Anthony informou aos pais sobre algumas figuras negras que se escondiam em seu quarto e apareciam apenas à noite. Os pais não acreditaram e lhe disseram que essas coisas não eram reais.

Cinco semanas antes dessa fotografia ser tirada, os pais de Anthony o encontraram pela manhã, deitado na cama completamente pelado e paralisado, assim como aparece na fotografia. Os pais o levaram para o hospital, e os médicos decidiram transferi-lo para um laboratório, onde poderiam estudar a sua confusa e complexa condição.

No laboratório, Anthony foi submetido a vários experimentos, sem que seus pais soubessem. Pouco tempo depois, Anthony passou a falar continuamente “As sombras virão.” Isso deixou vários cientistas nervosos, mas decidiram continuar com os experimentos. Eles tiraram essa fotografia para que os pais pudessem vê-lo. Os pais não questionaram sobre o motivo pelo qual Anthony continuava pelado, pois eles já sabiam que Anthony gritava muito sempre que tentavam vesti-lo. No dia seguinte ao dia da fotografia, Anthony morreu.

Alguns cientistas começaram a informar que ouviam a frase “As sombras virão” enquanto dormiam, e as vezes conseguiam ver algumas sombras com movimentos anormais durante a noite. Um mês depois, todos os cientistas que ouviam as frases e viam as sombras se suicidaram. O laboratório foi rapidamente fechado e todos os arquivos deletados, incluindo os arquivos sobre os experimentos praticados em Anthony.

Um cientista que manteve alguns dos arquivos sobre Anthony tentou divulga-los pela internet, mas todos foram excluídos rapidamente. A única coisa que sobrou sobre o experimento, são essas informações que você acabou de ler, e essa fotografia acima. Encontrei todas essas informações em um cartão de memória comprado no eBay.

Senti que deveria dividir essas informações com qualquer um que saiba algo mais sobre o pobre Anthony.

04/11/2014

Minha parte favorita!

Dave abriu a porta de sua casa com um leve cambalear. Ele tinha acabado de retornar após uma longa festa. Tudo o que ele queria no momento era relaxar e dormir.

Sem energia o suficiente para subir as escadas e ir para a cama, ele decidiu cair no sofá e passar a noite por ali mesmo. Ele ligou a TV, e conseguiu cair rapidamente no sono.

Depois do que pareceram apenas alguns segundo de um sono tranquilo, Dave saltou repentinamente quando o som da TV aumentou de repente mais que o normal. Ele agarrou o controle remoto e tentou descobrir o que havia de errado com a TV.

Antes que pudesse resolver o mistério, ele percebeu algo em sua visão periférica: havia alguma coisa em sua porta deslizante de vidro que dava para os fundos.

Sem saber se era apenas sua mente lhe pregando um truque, ele decidiu investigar melhor.

“Droga,” ele falou. Dave pressionou o rosto contra o vidro enquanto guardava o controle remoto no bolso. “Não consigo enxergar nada.”

Ele tentou por as mãos em torno dos olhos em uma última tentativa de melhorar a visão no escuro quando um homem barbudo apareceu de repente do outro lado do vidro. O homem bateu no vidro com as mãos completamente sujas de sangue. Dave gritou e caiu para trás, se batendo em tudo que havia no caminho para se esconder atrás do sofá.

O homem barbudo soltou um gemido e logo ficou em silêncio. Após alguns minutos, Dave reuniu coragem para pegar um bastão de baseball e verificar o que estava acontecendo lá fora.

As mãos sangrentas do homem barbudo tinham deixado manchas na porta de vidro. Enquanto abria a porta e seguia lentamente para fora, a luz da sala iluminou o gramado dos fundos. Bem diante dele havia uma grande bagunça. Com tanto sangue espalhado na área dos fundos, parecia que alguém tinha sido esquartejado ali mesmo.

Dave andou mais um pouco até que ficou paralisado de repente. “Saudações,” uma voz surgiu, uma voz que parecia ecoar por todos os lados.

“O que está acontecendo?” ele falou com os dentes cerrados.

Um homem saiu da escuridão à sua frente. Ele estava bem vestido com um terno e uma cartola. Um relógio de ouro estava em sua mão, preso em uma corrente. O homem olhou carinhosamente para o relógio e o guardou antes de voltar-se para Dave e sorrir.

“Você acabou de encontrar-se com um infeliz destino,” o homem falou, rindo mais e mais enquanto falava. “Eu sou um demônio e vou mata-lo e devora-lo. Porém, nós demônios gostamos de jogos, e eu soube que humanos gostam de desafios. Então escute bem! Vou tortura-lo por... digamos… uns 84 anos. Depois… vou manda-lo de volta para alguns minutos antes deste exato momento, para que você tenha uma chance de impedir a si mesmo de sair de casa para xeretar onde não deve... Se você conseguir se salvar, nada disso terá acontecido. Mas se você falhar... vou devora-lo. O que acha disso?

Temeroso, Dave aceitou a proposta do homem. Ele não queria morrer e - como estava completamente paralisado – ele começou a acreditar que o homem era realmente um demônio.

O demônio riu e bateu palmas. Nos 84 anos seguintes, Dave foi torturado no inferno, envelhecendo e perdendo as forças. Finalmente, quando a tortura chegou ao fim, o demônio veio até ele. “Hora de voltar, Dave,” o demônio falou enquanto estalava os dedos.

Dave tentou protestar, mas ele estava sem forças para falar. Agora, Dave já estava velho, completamente sujo e ensanguentado, e sua memória estava confusa após tantos anos de constante tortura. O demônio, no entanto, cumpriu com a palavra. Dave foi levado para o momento exato em que ele dormia no sofá há 84 anos.

Ele estava nos fundos de sua própria casa, e observava uma versão mais jovem de si mesmo que dormia tranquilamente no sofá. O velho Dave tirou do bolso o controle remoto que havia guardado por todos esses anos de tortura em seu velho jeans, pressionou o botão para aumentar o volume da TV que estava ligada lá dentro, achando que isso faria o seu eu do passado acordar e fugir enquanto ainda havia tempo.

Assim que o volume atingiu o limite, o Dave do passado acordou com um pulo. Enquanto o seu eu passado tentava descobrir o que havia acontecido com a TV, o velho Dave tentou gritar para que ele não saísse. Porém, depois de todos esses anos gritando no inferno escaldante, as cordas vocais do velho Dave já tinham se acabado. Entrando em pânico enquanto o seu eu passado seguia para verificar a porta dos fundos, o velho Dave começou a tentar afugentá-lo dali, batendo desesperadamente no vidro.

O Dave do passado saiu correndo, e o velho Dave suspirou de alívio, achando que tinha conseguido assusta-lo. Ele virou-se para ir embora quando o demônio apareceu em sua frente. “Você falhou,” o demônio disse com um grande sorriso.

E foi nesse momento que o velho Dave lembrou-se de tudo que havia acontecido em seu passado.

“Ah, agora você percebeu,” o demônio falou enquanto sua boca se escancarava e seu rosto se retorcia em uma careta terrível para em seguida atacar o velho Dave. Dave gemeu, chorando em uma mistura de medo e tristeza.

Deixando sangue espalhado por todo o gramado, o demônio se recompôs e sorriu.

“Agora vem a minha parte favorita!”



03/11/2014

Creeper da Semana: Fabrício Beinlich


Idade: 14 anos

Estado: Rio Grande do Sul

Como Conheceu o Blog/Por que gosta de Creepypastas: Olá, CPBR. Eu mandei essa mensagem porque eu gosto muito do site, desde 2012 sei lá vivia procurando essas coisas e tals. Eu amo o site demais, sempre vejo as creepypastas, tramas e tudo mais. Eu gosto muito do site, portanto, não me lembro se eu li aí uma das creepypastas que mais me marcou. Foi uma que tem uma foto de um menino em cima de um porco e em um açougue de carne humana, também, surpreendentemente, foi do Dollynho KKKK! Bom, eu conheci creepypastas em torno de 2010/2011 mas eu não sabia que se chamava creepypasta. A primeira que eu li foi do Barney, muito ridícula KKK! Depois fui me adentrando mais, aprofundando no assunto e agora estou aqui, feliz e lendo as creepypastas. Bom, esse é meu recado, muito obrigado :D

(Creeper de Semana - 03/11/2014 à 09/11/2014)

Quer se tornar o próximo Creeper da Semana? Clique aqui e saiba como!


28/10/2014

[ARQUIVO CP] Sneak Peek: A Garota da Fotografia (SE01EP01)

Confiram agora (de verdade) o sneak peek (prévia) do primeiro episódio da nova série do canal, que estreiará no dia 31 de Outubro: Arquivo CP! Vocês estão prestes a ter uma noção do que está pra vir... O primeiro episódio será baseado na famosa Creepypasta "A Garota da Fotografia".

Confiram! Se gostarem, não se esqueça daquele like maroto e comentem ai embaixo o que acharam \o/