Ótima Noticia

7 comentários

Quem descobriu a existência dos mortos? Talvez alguns de vocês devem conhecer o nome de Antônia Simone, porém as circunstâncias exatas sobre suas descobertas são amplamente variadas.

Em 1992, seu irmão mais novo, Ricardo, ficou ferido em um acidente de artes marciais que o deixou completamente paralisado. Ele precisava de um respirador para viver e só podia se comunicar através do piscar dos olhos. Como ela era uma cientista da computação do Centro de Pesquisas da cidade de Palo Alto, ela decidiu então criar um terminal de computador sensível à qualquer fonte de energia existente. Antônia era uma estudante de fotografia Kirlian e acreditava firmemente que campos eletromagnéticos do corpo poderiam afetar equipamentos eletrônicos supersensíveis.

Ela criou um terminal que não podia ser afetado pelos meios tradicionais – não havia teclado, mouse ou outros dispositivos de entrada/saída. Somente a caixa preta do terminal. Infelizmente, independente de todo esse esforço, Ricardo tinha pouco tempo de vida. Sra. Simone estava tão devotada a seu irmão que tentou durante anos criar um terminal de computador ainda mais avançado, o que supostamente permitiria que seu irmão se comunicasse naturalmente direto do mundo dos mortos. Atormentado com o fracasso de seu terminal, que ela pensou que acabaria com o sofrimento de outros milhares de pessoas com o mesmo problema, ela se matou por enforcamento.

Quando os paramédicos encontraram o corpo dela dias depois, lá na tela de um computador, havia uma mensagem: "Por que demoraram tanto? Eu tenho uma ótima noticia para contar a vocês.".

7 comentários :

Postar um comentário

O Chamado da Mãe

28 comentários

Uma garotinha está brincando em seu quarto quando ela ouve a mãe chamá-la da cozinha, e então ela desce as escadas para encontra-la. Quando ela está correndo pelo corredor, a porta do armário debaixo das escadas se abre, e uma mão se estende e a puxa para dentro. É a sua mãe. Ela sussurra para a criança:

"Não vá para a cozinha. Eu também ouvi.”.

28 comentários :

Postar um comentário

A Mulher do Forno

28 comentários

Durante o verão de 1983, numa cidade tranquila perto de Minneapolis, Minnesota, o corpo carbonizado de uma mulher foi encontrado dentro do fogão da cozinha de uma pequena fazenda. Uma câmera de vídeo também foi encontrada na cozinha, presa sobre um tripé e apontando para o forno. Nenhuma fita foi encontrada dentro da câmara no momento.

Embora a cena tenha sido originalmente marcada como homicídio pela polícia local, uma fita VHS fora descoberta algumas semanas depois no fundo do poço da fazenda (que aparentemente havia secado no início daquele ano).

Apesar de sua condição desgastada, e o fato da fita não conter áudio, a polícia ainda foi capaz de assistir seu conteúdo. Ele mostrava uma mulher se gravando em frente de uma câmera de vídeo (aparentemente usando a mesma câmera que a polícia encontrou na cozinha). Depois de posicionar a câmera para enquadrar tanto ela quanto seu fogão na imagem, a fita, então, mostra ela ligando seu forno, abrindo a porta, rastejando para dentro, e depois se trancando lá dentro. Após aproximadamente oito minutos, o forno pode ser visto se agitando violentamente, e em seguida, uma fumaça muito escura saia de dentro dele. Para os restantes 45 minutos de vídeo, até as baterias da câmera se esgotarem, o forno então ficou parado na mesma posição estática até a gravação terminar.

Para não assustar a comunidade local, a polícia nunca divulgou nenhuma informação sobre a fita, ou até mesmo o fato dela ter sido encontrada. Os policiais também não foram capazes de descobrir quem havia colocado a fita no fundo do poço...

... ou porque a altura e estatura da mulher do vídeo não chegavam nem perto das medidas do corpo encontrado dentro no forno.

28 comentários :

Postar um comentário

Vire-se

35 comentários

Vire-se.

Não há nada, certo?

Apenas um espaço vazio. Ar, talvez uma brisa, móveis, escadas, talvez uma janela, que seja, isso não importa.

O que importa é que não mais há ninguém lá, certo?

Sim.

Você sentiu isso?

Essa pequena cócega em suas costas?

Não se preocupe, provavelmente é porque você está lendo histórias assustadoras! Paranoia é algo completamente normal.

Você quer se virar mais uma vez?

Vá em frente.

Agora que você voltou pra cá, vou lhe pedir um favor.

Não se vire novamente.

Você já olhou na direção dele duas vezes, ele já sabe qual será sua próxima ação.

Se você se virar, você vai vê-lo. E se você vê-lo, ele verá você. Você está a salvo, por enquanto, com seus olhos voltados para mim.

Mas você tem que compreender, ele não é burro.

Você acaba de olhar na direção dele pela terceira vez.

Eu não olharia para cima, se eu fosse você.

35 comentários :

Postar um comentário

Velho Hospital

17 comentários

Um homem, sangrando de um ferimento à bala, entra desesperadamente em um prédio alto de tijolos. Ele grita por socorro, e duas enfermeiras saem correndo de dentro de duas enormes portas.

"Relaxe, senhor", uma delas lhe diz. "Nós cuidaremos de você agora mesmo."

Eles colocam-no em uma maca e levam-no por um longo corredor, cheio de pequenas salas de espera. No entanto, de dentro dos quartos, ele ouve sons de gritos abafados e o som de ossos sendo esmagados.

"O que está acontecendo aqui?", perguntou ele, em pânico.

"Estamos levando-o para um lugar onde possamos cuidar de você", uma enfermeira disse com um sorriso.

"O caralho que você está", ele gritou ao ser jogado pra fora de uma maca, caindo no chão em cima de sua ferida. "Mas que tipo de hospital é este?! Vocês deveriam curar as pessoas, e não matá-las!”.

Ele apoiou-se contra uma sala e conseguiu dar uma olhada no que estava acontecendo. Lá, sentado e amarrado em uma cadeira, um homem estava sendo dilacerado por mãos que se projetavam das paredes, e depois, puxavam seus pedaços de volta pra dentro da parede.

"O que é isso?!", ele gritou enquanto as enfermeiras o cercavam e tiravam de seu avental uma seringa cheia de um líquido claro. Ele lutava parar escapar, enquanto elas injetavam as seringas nele.

Enquanto sua visão começava a sumir, ele sussurrou: "Este é um hospital horrível.".

"Quem disse alguma coisa sobre este ser um hospital?", a enfermeira perguntou. "Nós só gostamos de nos alimentarmos dos fracos."


17 comentários :

Postar um comentário

White Hand

11 comentários

Conhecido como “White Hand”, ele é supostamente um Pokemon deletado do jogo,  roteirizado para aparecer como um dos Pokémon do personagem Buried Alive no ultimo andar da Torre Pokémon de Lavender Town.

É dividido em quatro animações distintas: uma introdução (o "grito" Pokemon), uma inatividade, e dois ataques. Estes ataques são desconhecidos, pois eles são listados como "FIST (PUNHO)" e "BRUTAL".

A animação não chega a ser perigosa, já que a exibição dos quadros do modelo não causam efeitos colaterais. O White Hand é uma mão gigante, suja e decaída, com atenção ao seguinte detalhe: a carne está puxada pra fora do osso, e os tendões do pulso ficam realisticamente visíveis. Quando se usa o primeiro ataque, a mão se transforme em um punho fechado e balança em direção ao oponente.

A animação do ataque "BRUTAL" tem vários quadros de animação ausentes, mas pode se ver que a mão se abre, e em seguida, a animação corta. Depois de alguns segundos, ela reaparece, e se fecha novamente. Nenhum registro foi encontrado sobre esses quadros desaparecidos.

Porém, um dialogo em particular pode sugerir a veracidade da existência do White Hand. Há uma garotinha em frente a torre de Lavender Town que irá lhe perguntar se você acredita em fantasmas. Caso você responda negativamente, ela lhe dirá isso:


Tradução:
- Hahaha, eu acho que não. Essa mão branca em seu ombro, ela não é real.

11 comentários :

Postar um comentário

Pesadelo

5 comentários

Meu maior pesadelo ocorreu quando ainda era um adolescente. Eu estava dentro de um hotel, e nele, era um detetive forense.

Cercado por um grupo de policiais, eu fui levado a um quarto de hotel em um andar muito alto. Ao chegar à porta, de número 167, fui colocado lá dentro. Um dos policiais fechou a porta atrás de mim e começou a desesperadamente bloquea-la fora, gritando pela porta e explicando que esta foi uma "simples precaução tomada a fim de evitar que o assassino tentasse voltar à cena do crime para acabar com as provas".

Eu (desconfiado com toda aquela situação, mas focado em meu trabalho), acabei não questionando esta "simples precaução", e fui direto para uma sala de estar. Sentado no sofá, havia um corpo. Um homem que parecia ter uns 30 anos estava morto, sentado com sua cabeça pendurada para trás sobre a almofada do sofá. Perturbadoramente o suficiente, um buraco muito grande atravessava todo seu estômago, assim como o sofá também. Fui até a parte de trás do sofá; entranhas, órgãos desmembrados e espumas ensanguentadas jogadas no carpete. Era muito fácil conseguir enxergar completamente através do buraco no sofá e do estômago do homem. Diante daquilo, eu mantive minha compostura, fiz algumas anotações e decidi seguir em frente.

Caminhei lentamente por uma pequena cozinha até chegar ao banheiro, e sua porta estava aberta. Deitado dentro da banheira, estava o cadáver de outro homem, muito mais velho e massacrado do que o primeiro. Seu corpo estava rasgado da área genital até sua garganta, e a água da banheira estava com coloração vermelho-escuro (graças a quantidade de sangue que escorreu de dentro dele). Fiz mais algumas anotações, e já estava prestes a me virar e sair, quando de repente, ouvi um barulho estranho, como se fosse um pé pisando em uma poça molhada. Desesperado, olhei em volta mais uma vez, quando notei uma mão segurando a base do vaso sanitário. Andei em direção a ela até que vi, lá no canto do banheiro, agachado no espaço entre o vaso sanitário e a parede, um homem, com suas mãos sangrando.

Ele correu pra fora do banheiro e bateu a porta ao sim, prendendo-a com uma cadeira. Fiquei parado, sem reação, ouvindo suas ações do outro lado da porta; objetos sendo arrastados freneticamente, respiração pesada e de repente.... silêncio. Aproveitando a oportunidade, dei um chute na porta e olhei em volta. Nada havia mudado, nenhum sinal de que aquele homem havia passado por aquele lugar. Havia, no entanto, um novo corpo deitado no chão da cozinha. Uma mulher, estranhamente famíliar, estava sem roupas e jogada de bruços no chão. Havia marcas de corte profundo passando por todo seu corpo; pernas, braços, barriga, seios, garganta e no rosto também. Seus olhos foram removidos, mas todo o corpo estava estranhamente limpo. Sem sangue, sem sinais de mutilação, além dos cortes profundos e de seus olhos perdidos.

Antes que eu começasse a estudar o corpo, de repente, duas pálpebras se abriram, afundadas profundamente nos recessos dos buracos dos olhos da moça. Dentro de sua boca aberta e escancarada, outra boca se abriu e sorriu. Seus dedos tremiam ligeiramente. Agora, tudo fazia sentido; aquele homem havia assassinado a mulher, dissecado seu corpo e estava usando sua pele como uma espécie de terno. E aquele rosto familiar... Quando me dei conta, cai pra trás na mesma hora. “MÃE?!”. O homem se levantou lentamente, olhou pra mim com aquele sorriso horrível estampado em seu rosto, e gritou: "Não estou bonita, filho?!".


E então, acordei.

5 comentários :

Postar um comentário

Pokemon: Buried Alive

16 comentários

O modelo do personagem Buried Alive (muitas vezes referido como seu nome codificado, “Buryman Script”) era para ser enfrentado na história final da Torre Pokémon, até que fora substituído pelo fantasma Marowak. De acordo com os scripts que lhe são atribuídas, o Buried Alive supostamente era o “chefe final” da torre. Assim que você chega ao andar mais alto, a seguinte conversa teria ocorrido com o modelo.

Você está... Aqui...

Eu estou preso...

E eu estou sozinho...

Tão solitário...

Você não quer se juntar a mim?

Depois disto, a batalha se iniciaria. Quando o jogador entrava no "campo de batalha", o modelo de Buried Alive parecia ser um cadáver humano em decomposição, tentando rastejar pra fora da terra. Ele havia sido programado para ter os seguintes Pokemons: Dois White Hans, um Gengar e um Muk.

Curiosamente, um roteiro para as ações de Buried Alive depois que fosse derrotado nunca foi escrito. Caso o jogador o derrotasse, o jogo congelaria.

No entanto, ao perder a batalha, um final específico fora escrito por um programador desconhecido. Nele, o Buried Alive diria: "Finalmente, carne fresca!", seguido por várias linhas de rabiscos.

Ele então arrastava o personagem do jogador para o chão ao redor dele. A cena terminaria com uma típica tela "Game Over", porém, no fundo, uma imagem do Buried Alive devorando o personagem principal seria mostrada.


Especialmente peculiares foram os roteiros escritos para os acontecimentos depois desta cena. O cartucho supostamente baixaria esta imagem na pequena memória interna contida no Game Boy, substituindo a tela do título que, normalmente, aparecia ao ligar o Game Boy. Ao invés disso, sempre que ele era ligado, o jogador se depararia esta imagem, juntamente com o arquivo de som “staticmesh.wav” tocando ao fundo. O objetivo pretendido para este efeito, ao contrário de muitos outros fatores que se conectam a Síndrome de Lavender Town, é desconhecido.

16 comentários :

Postar um comentário

Eu Sou o Usuário 666 (私はユーザー名を666です。)

28 comentários

What the fuck?!?!

28 comentários :

Postar um comentário

Luigi's Mansion

24 comentários
Há alguns dias atrás, eu estava lendo em um artigo da internet sobre lendas urbanas de jogos de videogames. Porém, um desses jogos chamou minha atenção: "Luigi’s Mansion". Isso me chamou a atenção porque este era meu jogo favorito de infância. Passava noites incontáveis em claro ​​apenas tentando termina-lo.

Enfim, eu li sobre uma lenda que diz que, quando você chega ao 3º Piso, atende o telefone e espera até o trovão aparecer (fazendo com que o quarto clareie por menos de um segundo), você pode ver uma misteriosa sombra do Luigi aparentemente enforcado. Curioso, fui tentar fazer isso para ver se era verdade (sendo fanático pelo jogo como sou), porém, o arquivo de meu cartão de memória estava corrompido, então tive que refazer tudo de novo.

Deixando isso de lado, depois de algumas horas, finalmente cheguei até 3º andar. Este era o lugar onde, aparentemente, o “segredo” aconteceria. Então eu fui, capturei alguns fantasmas da sala, caminhei direto para o telefone tocando e esperei até o trovão atingir a sala.

O que eu vi assombra meus pesadelos até este dia.


24 comentários :

Postar um comentário

Cubo Companheiro

17 comentários

Já se sabe que os desenvolvedores do game “Portal” colocaram o “Cubo Companheiro (um cubo normal, só que com vários corações desenhados em volta dele)” no jogo para que os jogadores carregassem-no durante toda a fase, ao invés de deixa-lo para trás, certo? Bem, o que a maioria das pessoas não sabe é que ele não é a única coisa que eles acrescentaram durante seu desenvolvimento.

Estou falando, é claro, dos chamados "Ninhos do Rattmann", salas secretas fora do caminho do jogador em que se observa segredos e anotações de uma pessoa que supostamente teria passado por aqueles mesmos testes sádicos de GLaDOS (antagonista do jogo) muito antes da protagonista, Chell. Os “ninhos” consistem principalmente em imagens e mensagens insanas (rabiscadas repetidamente), dizendo coisas como "O bolo é uma mentira!". Em uma dessas salas, você pode encontrar uma misteriosa mensagem de áudio: um dos ataques esquizofrênicos de Doug Rattmann, claramente levado a loucura por GLaDOS. Estes foram adicionados mais tarde no desenvolvimento do game.




AVISO: A MENSAGEM A SEGUIR PODE SER PERTURBADORA PARA ALGUMAS PESSOAS.


Inicialmente, as áreas eram nada mais do que salas minúsculas e mal texturizadas que os playtesters (pessoas que testam o jogo durante seu desenvolvimento) encontrariam quase que por acidente. Uma vez que os playtesters alcançavam essas salas escondidas, eles começavam a agir de maneira estranha.

A primeira pessoa foi encontrada sentada no chão, sentada em posição fetal sobre seu controle de vídeo-game. Quando perguntado qual era o problema, ele começou a gritar bobagens sem sentido e tentou matar o guarda que o acompanhou para fora do prédio.

A próxima pessoa, uma mulher, deu um passo a mais. Seguranças correram para a sala quando ouviram gritos. A mulher havia feito cortes profundos em seus braços e estava jogada no chão, sangrando e contorcendo-se violentamente. Eles a levaram para o hospital, onde ela fez uma recuperação completa, sem memória do incidente.

A terceira pessoa simplesmente parou. Ele parou de jogar, parou de se mover, até mesmo parou de falar. Ele entrou em um estado catatônico. Sua família tentou processar a empresa, mas eles não tinham um caso sério o suficiente para isso. Os desenvolvedores, nessa altura, estavam obviamente muito preocupados, mas o que eles poderiam fazer? Jogos de videogame não enlouquecem pessoas.

Levou um assassinato para que eles mudassem de ideia.

Embora o ultimo testador parecesse bem, os desenvolvedores só descobriram o que aconteceu quando receberam um telefonema da polícia. O homem colocou sua única filha a força dentro de um forno, e a queimou até a morte; a palavra "bolo" fora escrita em todo seu cadáver carbonizado com um marcador permanente.

É interessante notar, no entanto, que o “Cubo Companheiro” só foi acrescentado mais tarde, após o teste da versão beta do jog. Porém, todos os testadores exibiram o mesmo comportamento estranho; primeiro ficavam catatônicos, depois ficavam calmos, e por ultimo, extremamente violentos.

Outro sintoma se desenvolveu mais tarde: um extremo senso de piromania. Não importa se era fogueira, forno, ou um simples fósforo acesso, as pessoas sempre eram levadas a chegarem perto do fogo a ponto de se queimarem. Porém, no final, a Valve (empresa desenvolvedora do jogo) descobriu uma maneira de evitar essas coisas.

Originalmente, na versão beta, você deixava o cubo dentro de uma espécie de duto de ar e passava para a próxima fase. Agora, você deve queimar o cubo dentro de uma fornalha. Você queima seu único amigo. No entanto, o duto ainda está lá. Escondido, no meio de uma bagunça de pixels, só esperando para ser redescoberto.

Adivinhe o que acontece se você encontrar o duto e NÃO queimar a Cubo Companheiro?

Fonte: www.creepypasta.wikia.com/

17 comentários :

Postar um comentário

Portal Purgatório

12 comentários

Então, já passou pela sua cabeça sobre o fato do jogo “Portal” ser uma alusão gigante ao Purgatório?

Não existe (aparentemente) nenhuma razão para colocar Chell no meio dessas experiências horríveis, exceto pelo prazer sádico de GLaDOS.

Mas e se aquilo for REALMENTE um teste?

Não um teste científico, mas um teste de caráter e determinação para se redimir? Talvez as provocações de GLaDOS não sejam somente provocações, mas sim, lembretes da vida passada de Chell. "Todos os seus outros amigos não puderam vir também, já que você não tem outros amigos por ser desagradável. É o que diz aqui no seu arquivo pessoal: Desagradável. Antipatizado por todos. Uma pessoa solitária, amarga, desagradável cuja morte não será lamentada... Aqui também diz que você foi adotado. Então, isso também é muito engraçado."

É também fortemente implícito que GLaDOS tem muito mais conhecimento sobre tudo aquilo, sendo como uma espécie de “testador” do Purgatório, com citações como: "Falando de curiosidade, você está curiosa sobre o que acontece depois que você morre, certo? Adivinha só? Eu sei."

Citações como estas tem um significado muito mais profundo quando pensadas nesse contexto:

"Eu sinto muito por você, de verdade, porque você não está no lugar certo."

"Isso é tudo culpa sua. Não precisava ser assim."

"Você não é uma pessoa boa, você sabe disso, não é? Pessoas boas não chegam aqui."


Curiosidade: Nos comentários do game, Jeremy Bennett (diretor de arte do jogo) diz: "Eventualmente, para a criação de GLaDOS, criamos um dispositivo mecânico com uma enorme figura delicada robótica pendurada, que transmite com sucesso tanto o poder de GLaDOS como sua feminilidade." Quando vista de um certo ângulo, GLaDOS parece uma mulher - com cabeça, abdômen e dois braços - amarrada e pendurada de cabeça para baixo por seus pés, com seus braços presos em volta de suas pernas.


Fonte: http://inuscreepystuff.blogspot.gr/

12 comentários :

Postar um comentário