20/09/12

Pichações


Eu não vivi na parte mais amigável do Reino Unido. Aquela cidade continha um dos maiores índices de crimes no país; não só crimes pequenos, como também assassinatos e assaltos. Nenhuma lugar era realmente seguro, e eu odiava viver lá. Mas eu aceitei porque era um bom garoto, realmente.

Com as gangues do crime, vem as pichações, pulverizadas e manchadas em todas as paredes de determinadas áreas - um dos quais é o meu parque local.

Decidi ir para lá, ontem, sozinho, conversando com alguns amigos por mensagens de texto e fazendo coisas de costume, como ficar sentado nas estruturas das escadas e escorregadores. Debaixo de uma estrutura de escada, porém, notei algumas pichações estranhas que eram fora do comum. As pichações mais comuns eram de assinaturas de pessoas, às vezes até mesmo um insulto à outra, mas essa era diferente.

Era uma pichação contendo varias linhas, como se fosse uma simples contagem, escritas em Tippex - uma espécie de branquinho, ferramenta muito comum e barata para vândalos. Eu contei todos as linhas, uma por uma, e a ultima chegava ao 49º. Passei meu dedo sobre a última contagem - que ainda estava molhada, o que era estranho, já que eu estava por lá por cerca de meia hora,  e não havia visto ninguém ao redor. Tendo visto o suficiente daquele parque, me virei para ir para casa, mas eu não conseguia me mover.

Alguém estava parado atrás de mim, respirando em  meu pescoço. Sua respiração era quente e cheirava a álcool. Virei-me, suando de medo, e me deparei com um homem de capuz cinza; ele era alto e muito musculoso, mas quando olhei um pouco mais pra baixo, percebi que ele colocara uma faca ao lado de meu pescoço. Tentei abrir a boca para falar - ou gritar - mas tudo que saiu foi um gemido patético.

"Parece que temos mais um. Isso faz com que você seja o 50º", ele sussurrou em meu ouvido, empurrando a borda serrilhada da faca lentamente em meu pescoço, me cortando.

Ele me obrigou a se virar de cara para ele, e então, ele levantou a faca e mergulhou-a em meu peito. Olhando para o buraco em meu corpo, o sangue fluindo escorrendo para fora e derramando no chão, eu imediatamente caí, e com meu ultimo suspiro, vi meu assassino desparafusar uma garrafa de Tippex e desenhar uma nova linha na pichação de contagem.


21 comentários:

  1. Como ele ta narrando a história se ele morreu?

    ResponderExcluir
  2. pensei na mesma coisa, fraca essa creepy

    ResponderExcluir
  3. Também pensei nisso, fraquinha e ilógica.

    ResponderExcluir
  4. Poem Imagens na tela Amilton! Jovem assassinado em Parque da cidade!

    ResponderExcluir
  5. Oras, está narrando do mundo dos espíritos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não sabia que os espiritos tinhan internet '-'

      Excluir
    2. Todas as senhas de net são:TOMANOCUDEUS666

      Excluir
    3. É a inclusão digital. Problemas? '-'

      Excluir
  6. Essa creep é uma variação de uma piada:

    "Todo o dia um homem passava em frente a um hospício e ouvia la de dentro o pessoal gritando:
    - vinte e dois! vinte e dois! vinte e dois!
    Um dia ele foi ao hospício para tentar entender o porque, chegando lá um louco dá uma torna na cara dele e logo começam a gritar "Vinte e três,Vinte e três"

    (tá, sou péssimo em contar piadas, mas vocês endenteram o que quis dizer)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei que apenas eu tinha me lembrado disto...e ia contar essa mesma piada também, quando vi que vc já fez isto..hahahaha =P

      Excluir
  7. Vish, foi o fantasma do cara que escreveu isso?

    ResponderExcluir
  8. Eu hein, isso me lembra o clipe do Skrillex

    ResponderExcluir
  9. Quando acaba o espaço do dos risco ele vai faze uque???

    ResponderExcluir
  10. Quando acaba o espaço do dos risco ele vai faze uque???

    ResponderExcluir
  11. Quarenta e nove pah pah pah.....
    Cinquenta pah pah pah ......

    ResponderExcluir