Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Eu e Meu Irmão Vimos Algo Assustador – Parte 8

7 comentários
Minha investigação não está levando a nada. Preciso ir mais a fundo.

Meu plano é: entrar na casa de Tommy e descobrir o seu mistério. Sei que é arriscado, mas a minha obsessão é muito grande.

Mais uma vez, encontra-se meu pai dormindo pesadamente e minha mãe no seu momento de yoga, uma música tocava em seu celular, relaxante e confortante ao som da flauta sendo tocada. Matt está desenhando em seu quarto, não irei interrompê-lo. Estou eu preparada para enfrentar Tommy e seu “reino sombrio”.

Ao lado de sua casa tem uma árvore com folhas verdes tão vívidos, e nela uma escada feita de madeira cravada em seu grosso corpo marrom. A casa dele tem dois andares e resolvi entrar em uma das janelas da parte de cima. Subi o mais rápido possível na árvore e parei em uma janela. Ela estava aberta e dava para ver o que tinha lá dentro. É um quarto totalmente escuro, não que eu quero dizer que estava sem iluminação ou algo do tipo mas as paredes estavam em cinza esbranquiçado, como se um dia ela era branca e o mofo a tomou conta. Engatinhei pelo tronco mais grosso e resistente e entrei. Pisei em algo frio e macio e olhei para baixo, era uma cama com cobertor preto e parecia está molhada. Olhei em volta, tinha um armário de madeira com enfeites dourados, um criado-mudo com o mesmo estilo do armário e nele estava um livro aberto que continha um texto com uma língua pra lá de estranha. Tinha um pôster de uma criatura com cabeça de bode, corpo de homem fazendo sinais nas mãos e um símbolo atrás dele, abaixo estava escrito Baphomet... reconheci que era um demônio. Andei até a porta, abri e dei de cara com o corredor iluminado por tochas de todos os cantos. Tinha um tapete vermelho que ia até o final da escada, andei na ponta do pé entre o tapete liso e macio. Vozes surgiram a cada passo que dava para frente. Cheguei na ponta da escada e pude ver Tommy na sala escura e iluminada pelas tochas , e parece que estava fazendo ritual. Senti um frio passar pelo corredor atrás de mim enquanto ele pegou uma faca e cortou a palma de sua mão direita. Estendeu a mão para cima e falou algo que não consegui distinguir. Já ia me virar para voltar para o corredor quando vi um vulto de olhos vermelhos aparecer atrás de Tommy. Fiquei tão paralisada neste momento ao ponto de eu correr desse lugar.

Recuei para trás em silêncio e tropecei no tapete, fez um barulho quando cai. Falei “ops” mentalmente e Tommy parou de falar, provavelmente ele deve ter ouvido o barulho. Levantei-me e corri de volta para o quarto fechando a porta no mesmo instante e se enfiando dentro do armário. Ouvi passos pesados pelo corredor e parou de frente para a porta. Segurei a respiração enquanto ouvia o rangido da mesma sendo aberta. Pude ver pelos buraquinhos do armário Tommy furioso, olhou ao redor e caminhou pelo centro do quarto. Ele parou em frente ao armário e ficou encarando até esperar sair algo de dentro. Senti uma vontade repentina de pular para fora e chutar ele, mas estou tentando me segurar. Ele colocou a mão na maçaneta e esperou até que ele se virou para a porta, andou até ela e saiu, fechando em seguida. Sai do armário com alívio e esperei mais um pouco. Por estupidez minha abri a porta e fechei com força fazendo um barulho tão alto, dei de cara com Tommy me olhando no final do corredor.

“Ops...”, falei em voz alta.

“Te peguei!”, disse ele em tom baixo.

Seus braços se tornaram tentáculos e me agarraram antes que eu pudesse abrir a porta novamente. Me levaram até ele, seu sorriso estava a mostra.

“Pensou que fugiria de mim assim tão fácil?”

“Eu... v-vou lu... tar com... você”, seus braços me apertando fazendo com que eu tenha dificuldades para falar e respirar.

“É mesmo? Você é tão fraca”, me jogou no chão e me soltou.

“Eu,” disse me levantando, “Sei a sua fraqueza, você não passa de um demônio fraco que vaga no nosso mundo para ganhar almas...”

Seu rosto se tornou em puro ódio, não me arrependi do que disse.


Continua...

Autora: Ely Costa

7 comentários :

  1. É muito boa a Creepy mas essa criança parece que tem mais de 20 anos, fica tão calma em certos momentos ._.

    ResponderExcluir
  2. Essa história tá meio nada haver ejn , sem ritmo e sem plot e sem empolgação

    ResponderExcluir
  3. Tá bem melhor que as partes anteriores. Continuem escrevendo desse jeito.

    ResponderExcluir
  4. Agora ficou bom hein? SQN. Mistura de Tommy + Babadook + Slenderman, e ainda por cima o cara é um demônio... Top. 👌

    ResponderExcluir