13/06/15

Casper


-911 emergência. Você precisa de ajuda ?

-Sim, por favor , há alguém em minha casa

-Sim, senhor, eu estou comunicando à polícia , Você está em ( editado) apartamento dois ?

-Só por favor , por favor. Peça a alguém para vir pra cá ,

-Eu vou , senhor, mas eu preciso que você confirme o seu endereço primeiro.

-É ( editado) apartamento dois .

-Okey , a polícia está a caminho, mas vou precisar que voce se acalme , Você sabe se é um homem ou uma mulher ?

-Eu não sei, Eu só vi a parte de trás de sua cabeça, o couro cabeludo foi arrancado,

-Desculpe senhor?!

-A pele estava pendurada do lado fora de sua cabeça, ele começou a se virar para mim, mas ,,,

(vidro quebrando)

-Tudo, tudo....tudo apenas começou (?)

- Você é capaz de chegar a uma saída?

- Não eu estou no armário... OH meu Deus.

-Tudo bem, eu preciso que você fique calmo, Voce tem algo que possa usar para se proteger?

- Han... tem alguns cabides!

-Ok pegue um cabide e endireite-o.

- São todos de plástico!

- Ok senhor, tem mais alguma coisa?

(estrondo indeterminado)

-Vá embora!

-O que esta havendo?

-Vá embora

-Senhor?

(som metálico indeterminado)

-Eles estão do lado de fora da porta

-A policia está há alguns minutos daí. eu só preciso que você aguente um pouco mais de tempo

-Por favor, por favor.... eu estou tao assustado. Eu estou tão...

(porta abrindo)

- OI! EU SOU O CASPER!

-OH meu Deus

(estrondo indeterminado/rugido)

-Senhor, senhor, você está aí?

-OH meu Deus

(estrondo indeterminado/luta)

-Senhor?

A voz dele foi ficando mais distante, como se tivesse sendo levado pra longe, apesar de ainda estar gritando, a voz dele foi sumindo. Risadas de crianças ecoaram do outro lado da linha. A operadora deu um pulo de susto com o coração na mão. Os gritos pararam. Silencio.

- Alô? quem está ai? - perguntou ela.

Ouviu mais uma vez uma risadinha abafada ao longe.

- Quem está ai!? - quase gritando.

- Olá! - uma voz fina e feliz respondeu do outro lado. Uma voz que lhe causou frio na coluna e que vai tirar o sono dela por muitos dias.

- A policia está chegando, não tem pra onde correr.

- Eu sou Casper!

A linha fica muda antes que ela pudesse dizer qualquer coisa.

***

Alguns minutos depois, a policia chegou ao local. A porta do apartamento estava aberta, mas nenhum vizinho acordado. A casa estava revirada, mas ao que parecia o intruso não buscava por algo, mas sim, destruir coisas.

No quarto, encontraram a porta derrubada e mais uma vez, tudo revirado. Houve luta ali. A porta do armário estava aberta e um rastro se sangue seguia direto para o espelho de parede, terminando nele. O lençol da cama tinha sido arrancado como se alguém tivesse se agarrado a ele. O lençol estava esticado no chão, a alguns centímetros do espelho.

Ele aponta sua lanterna para o espelho. Uma marca de mão pôde ser vista nele. Uma marca de mão do tamanho da mão de um adulto. Analisou a marca com cuidado... quase não reparou no sorriso largo e cheio de dentes que apareceu no reflexo do espelho.

"Oi!"



(História baseada em fatos reais)


8 comentários:

  1. finalmente uma creepy como as antigas,agora sim eu gostei,deu um medo que eu não sentia a muito tempo.parabéns.continuem assim

    ResponderExcluir
  2. Verdade, as antigas realmente costumavam ser melhores...

    ResponderExcluir
  3. Aí eu volto no título e leio "Baseado em Fatos Reais" '-'
    (Me cagando em 3...2...1..)

    ResponderExcluir
  4. Baseado em fatos reais?
    Borrando a fralda em 4 3 2 1 💩💩

    ResponderExcluir
  5. "baseado em fatos reais"
    preste a dizer uma coisa
    "Heisenberg"

    ResponderExcluir