09/06/15

Chakra


Olá, começarei dizendo que não sou muito supersticioso. Sempre fui do tipo que ignora histórias e qualquer assunto sobre paranormalidades. Mesmo agora, ainda não tenho certeza se acredito nessas coisas, mas o que sei, é que algo aconteceu com o meu irmão. Algo que não posso explicar.

Meu irmão Bill não era exatamente o cara mais normal do mundo, ele possuía transtorno de personalidade limítrofe, então as vezes ele ficava “estranho”, dizendo que vê coisas, falando sozinho, então minha mãe o controlava com medicamentos.

Não me entenda mal, eu gostava do meu irmão e acho que ele sempre foi um bom garoto, só que algumas coisas me incomodavam, como a obsessão dele por sonhos e meditação. Nos últimos onze anos ele andou escrevendo regularmente num diário. O que você está prestes a ler são as páginas finais de seu diário. Nada foi acrescentado os excluído, ocultei apenas as datas por motivos pessoais.

//

Pelos últimos cinco anos estive praticando, e me tornei relativamente bom com Sonhos lúcidos. Se você não sabe o que é um Sonho lúcido, é a habilidade de perceber quando se está sonhando enquanto dorme, permitindo-o ter o controle do seu próprio sonho. Não é algo tão importante, mas o ponto onde quero chegar é que agora posso distinguir claramente quando estou em um sonho ou não.

Ultimamente estive praticando a arte do Chakra. O Chakra é composto por sete centros de energia psicoativa, e você pode aprender a controla-los para atingir um estado onde é possível causar a Projeção Astral, ou em outras palavras, ter experiências fora do corpo.

O único problema é que a projeção astral é completamente diferente do sonho lúcido, e você pode acabar em sérios apuros caso algo dê errado. Tenho certeza que muita gente já assistiu ao filme “Sobrenatural (Insidious)” para ter alguma noção dos riscos. Enquanto alguns acham aterrorizante e outros acham estupidez, o filme oferece uma concepção muito assustadora. O garotinho no filme projeta a sua alma para tão longe, que não consegue retornar para o próprio corpo, então entra em um estado de coma. Mas a parte assustadora, é que isso pode realmente acontecer quando você projeta a sua alma para longe da fronteira. Essa parte do filme é assustadoramente verdadeira.

Quando você se projeta, todos os seus sentidos tornam-se extremamente significantes, você pode ouvir coisas ou sentir cheiros a vários quilômetros de distância, e suas emoções tornam-se muito fortes. Quando me acostumei a projetar, costumava fazer durante o dia enquanto estava em um estado de felicidade, geralmente em um quarto bem iluminado onde eu poderia me concentrar e não me sentir confinado. O mais longe que já atingi, foi a uns 4 metros do meu corpo, embora pareça besteira, projetar, mesmo não indo tão longe, é bastante revigorante e excitante. É quase como se você se sentisse voando para fora do corpo, apenas para se tornar uma melhor versão de si mesmo. Fiquei obsessivo por isso e continuei praticando.

Então, em uma noite, acabei me afastando da minha fronteira, e presenciei algo que jamais esquecerei. Tentei projetar durante a noite, antes de dormir, enquanto eu me sentia extremamente triste por um problema que não pretendo mencionar. Sentei em uma cadeira no meu quarto e me preparei. As vezes pode-se levar muito tempo até que você consiga projetar completamente. Entrei em um estado de completo relaxamento, comecei a sentir a leveza me dominando, começando da testa e descendo para os dedos dos pés. Depois de uns quarenta e cinco minutos, comecei a flutuar. Me tornei mais leve, meus problemas se foram, senti uma grande satisfação. Eu estava em um estado mental completamente diferente.

Flutuei para frente do meu corpo, onde pude me ver sentado em frente aos meus livros escolares e a minha complicada atividade sobre estatísticas. Então comecei a seguir em direção à parede, atingindo quase os quatro metros do meu corpo. Então decidi ir além e ultrapassar a parede do meu quarto para o lado de fora, onde chovia bastante. Nunca projetei para o lado de fora, mas sei que quanto mais longe você vai, menos controle você sente sobre si mesmo.

É como se a sua força para se mover fosse se esgotando constantemente. Dependendo da pessoa que está projetando e quão experiente ela é, o tempo pode passar mais rápido ou mais devagar. No meu caso, como não sou um “expert”, o tempo passa significativamente mais rápido para mim. Se puder comparar a um relógio, os minutos para mim se movem como o ponteiro para os segundos.

Meu corpo permanecia dormindo serenamente, recostado na cadeira. Nessa hora da noite, todas as luzes da minha casa já estavam apagadas, e todos estavam dormindo. Então algo incrivelmente horrível aconteceu. Eu vi um homem alto entrar lentamente no meu quarto. Eu não o reconhecia, era um homem de aparência envelhecida e doentia, com cabelos brancos e estava vestido com um robe negro.

Ele entrou no meu quarto e parou bem em frente à cadeira onde eu estava sentado. Meu cachorro acordou imediatamente. Meu primeiro pensamento foi que o cara poderia ser um bandido que havia arrombado a minha casa e o meu cachorro o colocaria para correr. Mas o que aconteceu foi completamente o oposto, me levando a acreditar que se algo já não estava seriamente errado, no momento havia acabado de ficar.

Meu cachorro ficou de pé imediatamente, pôs o rabo entre as patas, e urinou por todo o chão do meu quarto. Ele nunca tinha feito algo assim. Suas patas tremiam enquanto ele corria para fora do quarto. Ele sabia que havia algo de errado com aquele homem. Fiquei completamente atônito enquanto o observava, ainda flutuando do lado de fora da janela do meu quarto.

Pensei: aquele cara conseguia me ver? Como ele entrou em minha casa? Como os meus pais não o viram entrar? Ele não possuía o físico de alguém capaz de entrar à força em uma casa. Mas ele demonstrava um comportamento que me assustava. Enquanto eu o observava, ele não se movia. Ele continuava em frente à minha cadeira, olhando para o meu corpo como se estivesse assistido TV. Quando olhei para o meu relógio, pude ver o tempo voando, porém, aquele homem estranho continuava parado. As horas passavam, e ele continuava parado.

Eu não podia me mover, não podia voltar para o meu corpo, eu me sentia imobilizado, paralisado, forçado a assistir enquanto aquele ser desconhecido observava o meu corpo. Quando o relógio marcou 5 am, o meu irmão entrou no quarto, mas o homem não se moveu.

O meu irmão passou pelo homem e seguiu para o meu armário onde eu escondia as minhas playboys. O meu irmão estava a menos de meio metro de distância do homem, mas ele continuava parado. Então o meu irmão olhou para o meu corpo, se aproximou e me deu um tapa no rosto, tentando me acordar. Ele provavelmente pensou que eu tinha caído no sono, sentado ali mesmo na cadeira.

Não pude sentir nada de onde estava projetado, não sentia nenhuma conexão com o meu corpo. O meu irmão me bateu outra vez, mais forte. Nesse momento, ele já estava ao lado do estranho homem. Então o meu irmão saiu do quarto. Sem ao menos perceber o estranho que não deveria estar ali. Ele nem mesmo demonstrou perceber QUALQUER coisa possivelmente errada no quarto. Quem ou o que era aquela coisa, o meu irmão não conseguia vê-lo, mas o meu cachorro conseguia? Como?

Eu já estava completamente petrificado naquele momento, e já estava a ponto de chorar, indefeso, eu queria apenas gritar, mas não podia. Então, percebi os minutos desacelerar e parar em 6:12 am. Então pude sentir a chuva parar. Eu ainda não conseguia entrar no meu quarto. Então, tudo ficou silencioso. Eu não podia ouvir ou sentir nada, como se o mundo fosse uma televisão no mudo.

O homem virou-se para mim, lentamente, e começou a me encarar pela janela, como se ele soubesse que eu estava ali o tempo todo. Ele parecia bem mais medonho, agora que eu conseguia enxerga-lo melhor. Seus cabelos desgrenhados, seus olhos fundos, e seu rosto marcado com várias cicatrizes.

Seus olhos encontram os meus, e ele sorriu, não um sorriso de felicidade, mas um tipo de sorriso doentio, indo de orelha a orelha. Então ele encostou o dedo indicador nos lábios e “SSHHHHH” para mim, então virou-se para a porta e saiu do meu quarto, fechando a porta ao passar, sem mesmo toca-la. Assim que pisquei, já estava sendo arrastado de volta para o meu corpo, acordando com um pulo de adrenalina.

Corri para fora do quarto para tentar encontrar o homem. Nada. Procurei pela casa inteira. Nada. Pensei imediatamente que tudo não passou de um sonho, um sonho incrivelmente vívido. Até que voltei para o meu quarto e pisei em algo molhado. Era a urina do meu cachorro. Congelei imediatamente, sem saber no que pensar. Corri para verificar se as minhas revistas estava no lugar. Abri o meu armário, e elas não estavam lá; foi quando percebi um pedaço de papel preso entre os meus livros escolares. Eu o pequei, observando a mensagem em uma escrita tremida: “Você estará comigo em breve. Aquele que já viu o inferno, para ele retornará.”

Eu não posso contar isso para ninguém. Acho que finalmente estou enlouquecendo.

//

Esse é o fim do diário. Não sei o que pensar sobre isso.

Não sei nada sobre sonhos lúcidos ou projeção astral.

O meu irmão morreu quatro dias depois de escrever pela última vez no diário. Ele morreu enquanto dormia, e era apenas um jovem de 18 anos que nunca fumou ou bebeu, era um cara saudável.

Mas...

Talvez eu volte a vê-lo em meus sonhos...

7 comentários: