01/01/15

Minha namorada morta me manda mensagens no Facebook

Minha namorada Emily morreu no dia 7 de agosto de 2012.

Acabei de receber outra mensagem, e ela é pior do que as outras. Ela sofreu um acidente envolvendo 3 carros. Alguém atravessou um sinal vermelho enquanto ela dirigia pra casa do trabalho. Ela morreu em questão de minutos na cena do crime.

Nós estávamos namorando há cinco anos quando isso aconteceu. Ela não curtia muito toda aquela ideia de casamento (ela dizia que sentia como se fosse algo arcaico, que lhe dava uma sensação estranha), mas se curtisse, eu teria me casado com ela com cerca de 3 meses de namoro. Ela era corajosa; o tipo de garota que sempre fazia as escolhas mais ousadas. Sempre ficava feliz quando acampava, mas também era uma verdadeira viciada em tecnologia. E ela sempre cheirava a canela.
Dito isto, ela não era perfeita. Sempre dizia coisas do tipo "Se eu morrer primeiro, não adianta ficar dizendo coisas boas sobre mim. Nunca gostei disso.” ou “Se você não me pagar, está me fazendo um desserviço” e “Eu tenho muitas falhas, e isso é apenas outra parte de mim". Então, isto é pra Emily: a música que ela dizia que gostava e a musica que realmente gostava de verdade eram totalmente diferentes. Sua ideia de afeto era somente um abraço comum. Ela tinha dedos muito longos, como um chimpanzé.

Sei que isso é superficial, mas não me sinto bem se você não tiver uma ideia de como ela era. Emily havia morrido a certa de 13 meses quando me mandou a primeira mensagem.

04 de Setembro de 2013


Isto foi quando tudo começou. Eu havia deixado a conta do Facebook de Emily ativada pra que eu pudesse enviar-lhe mensagens ocasionalmente, postar em seu mural, rever suas fotos... Parecia muito conclusivo (e muito diferente do que Emily iria querer) fechar sua conta e deixar somente as lembranças. Eu compartilhava o acesso com sua mãe (Susan) - ou seja, ela tinha o login e senha, e passou somente 3 minutos naquela conta (ou num computador, afinal). Após uma pequena confusão, pensei que fosse ela.

06 de Novembro de 2013


Susan me confirmou que ela não tinha entrado no perfil de Emily desde a semana de sua morte. Emily conhecia muita gente, então imaginei que fosse somente algum amigo ou amiga dela mexendo comigo da pior maneira possível.


Por volta de Fevereiro de 2014, Emily começou a se marcar nas minhas fotos. Eu recebia notificações sobre as marcações, mas elas normalmente eram removidas assim que chegava a abrir a imagem. A primeira vez que eu realmente cheguei a ver uma, senti como se alguém tivesse me dado um soco no estômago. “Ela” me marcava em partes onde plausivelmente era poderia estar, ou gostava de ficar. 

Consegui tirar dois prints (um de Abril e um de Junho, que foram os únicos que eu consegui ver, por isso estão um pouco fora da linha do tempo desse texto).

Nesse período, comecei a perder meu sono. Estava puto demais pra dormir.

Ela se marcava em fotos aleatórias ao longo das semanas. Os amigos que notaram diziam que era somente um bug estranho do Facebook; Descobri recentemente que teve amigos que notaram, mas que não me disseram nada sobre isso. Alguns deles até mesmo me removeram de sua lista de amigos.

Neste ponto, você deve estar se perguntando: “Por que você não simplesmente desativou aquela conta do Facebook?”. Olha, bem que eu queria ter feito isso. Eu realmente queria. Só que nos dias em que eu não podia sair de casa, era bom ter alguém com quem pudesse conversar. Era bom visitar a página de Emily quando aquele pequeno ponto verde não estava ao lado de seu nome. Eu já era socialmente recluso quando ela estava viva; sua morte me transformou em algo muito próximo de um ermitão, e o Facebook e Jogos Online sempre foram (são) minhas únicas saídas do mundo real.

15 de Março de 2014


Enviei uma mensagem ao que eu achava ser o hacker de Emily.

Em 25 de Março, recebi uma “resposta”.


Não demorou muito mais do que alguns meses repassando por todo o bate-papo que eu descobri que ela estava reutilizando minhas próprias palavras também.

Minha resposta parece meio sem graça aqui. Eu estava intencionalmente fornecendo a ela/ele uma “isca” emocional (“Isso é horrível”) pra mantê-lo interessado no seu joguinho de merda; Eu havia imaginado que o tipo de pessoa que faria isso seria o mesmo tipo de pessoa que sente prazer com o sofrimento dos outros. Estava navegando em fóruns de tecnologia, tentando encontrar uma maneira de achar essa pessoa, contactando o Facebook. Precisava mantê-los por perto se eu quisesse recolher “evidencias”.

Eu cheguei até a mudar minha senha e detalhes de segurança diversas vezes.

16 de Abril de 2014

Eu recebi isso:


29 de Abril de 2014


Não descobri nenhuma pista. O Facebook havia me dito os locais de onde a pagina de Emily foram acessadas, mas desde sua morte, todos são lugares onde pude ter acesso (minha casa, meu trabalho, a casa de sua mãe, etc).

Minha resposta não era isca. "Pergunte ao Nathan" era uma piada interna muito ruim para que eu explique pra vocês, mas vê-la dizendo novamente foi absolutamente incapacitante. Minha reação foi de choque total.

Suas ultimas mensagens começaram a me assustar, mas não quis admitir isso, até agora.

8 de Maio de 2014

Eu não tenho nem palavras pra descrever isso...


“CONGE LAN DO” foi a primeira palavra original que ela (?) havia dito. Isso me deu pesadelos que não vão acabar tão cedo. Eu ainda continuo sonhando que ela está presa dentro de um carro, congelado e acinzentado. Estou do lado de fora da porta do carro no calor, gritando para que ela saísse dali. Ela nem percebe que eu estou lá. Às vezes, as pernas dela estão do lado de fora comigo.

24 de Maio de 2014


Eu não estava bêbado de verdade. Emily não era uma garota carinhosa, e sempre se envergonhava quando trocávamos dengos do tipo “eu te amo”, quando falávamos o quanto nós significávamos um para o outro. Ela ficava mais confortável com isso quando eu estava bêbado. Já fingi estar bêbado MUITAS vezes.

Sua resposta foi o que finalmente me convenceu a desativar sua pagina, pensando que poderia colocar um fim nisso. Pode parecer algo inofensivo, sua mensagem anterior – foi tirada de uma conversa antiga, onde eu estava tentando convencê-la a me deixar levá-la para casa, quando ela estava vindo embora da casa de uma amiga dela.

Na colisão, o painel a esmagou. Ela fora cortada em uma linha diagonal de seu quadril direito até logo abaixo de sua coxa esquerda. Uma de suas pernas foi encontrada debaixo do banco traseiro.

07 de Agosto de 2012


Voltando no tempo...

Estas são as mensagens que eu enviei pra ela no dia em que ela morreu. Normalmente, ela chegava em casa lá pelas 16:30. Essa, juntamente com algumas mensagens de voz, foi a ultima vez que falei com ela sabendo que estava viva. Você entenderá logo menos porque estou lhe mostrando isso.

01 de Julho de 2014

Recebi essas mensagens ontem:


Desativei sua pagina alguns dias após a mensagem sobre "andar". Até hoje, ela ficou quieta; parou até mesmo de se marcar nas minha fotos.

Eu não sei mais o que fazer. Será que devo excluir seu perfil? E se for ela? Sinto como se fosse vomitar. Não sei o que está acontecendo.

Acabei de receber uma notificação, ouvi o som de mensagem. Estou com muito medo de trocar de aba e verificar.

Eu verifiquei o alerta. Essa foi a mensagem...


Essa é a minha porta...

Esse é o meu computador...

Esse sou eu...

Recebi essa mensagem três horas atrás, mas não quis verificá-la até agora...

Agora estou legitimamente assustado. Não faço ideia de quem tirou essa foto.


6 comentários:

  1. Cês gostam dessa creepy né, terceira vez que vejo ela aqui fskcxjfk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mano acho que já é a sexta vez q eu vejo (Voltando aqui em 2016 :v) e essa creepy me dá um calafrio ;-----;

      Excluir
  2. Lembro de ter lido no medob, mas achava que tinha lido duas vezes ja, e esses são os 2 únicos blogs do tipo que entro. Mas realmente Kimberly, acho mais fácil o medob ter postado 2 vezes, ja que mudaram o site recentemente e repostaram um monte de coisa.

    ResponderExcluir
  3. alguem sabe o facebook de queria muito saber oque aconteceu com ele ...

    ResponderExcluir