14/12/15

Ecolocalização humana


Sou cego desde que nasci. A história em si não é sobre isso, mas esta é uma parte crucial. Ao longo da minha vida eu tenho usado diferentes tipos de tecnologia assistencial; teclados em braille, aplicativos por comando de voz, smartphones adaptados... Recentemente, eu tentei ecolocalização humana pela primeira vez na minha vida. Para aqueles de vocês que não sabem o que é isso, é uma técnica que emula o modo como morcegos encontram suas presas no escuro. Ao fazer estalos com a boca, você é capaz de ouvir o som refletido dos objetos atingidos, e dessa forma "ver" onde os objetos estão. Uma amiga minha, vamos chamá-la de "J", tinha visto alguns vídeos sobre o assunto no Youtube, e me perguntou se eu já tinha tentado isso. Eu lhe disse que não tinha, embora eu tenha ouvido falar sobre isso.

Para encurtar a história, eu decidi testá-lo. É necessário muita concentração no início, mas depois de alguns dias eu senti que começava a pegar o jeito.

No meu seguinte encontro com J, ela parecia animada e me parabenizou quando eu disse a ela que eu estava indo muito bem. A prática leva à perfeição, e eu era capaz de evitar os principais obstáculos sem muita dificuldade. Nós fomos a um parque, e J me pediu para demonstrar o que eu podia "ver" ao nosso redor com minhas habilidades atuais. Eu ri, e disse a ela que eu não era exatamente o Demolidor, mas que eu iria lhe dar uma amostra. Depois de alguns estalos, eu lhe disse que achava que havia um pequeno muro ou construção a nossa esquerda, e uma coisa alta a nossa frente. Era um borrão, então eu imaginei que era algum tipo de arbusto. J então ficou quieta, e tinha uma pitada de preocupação em sua voz quando ela falou de novo. "Bem, você está certo sobre a parede... mas não há nada na nossa frente. Apenas... grama."

Eu congelei. Eu sabia que era novato nisso, mas o som refletiu claramente em alguma coisa. Ele era muito mais alto do que uma pessoa, e estava apenas a poucos passos a nossa frente. Eu poderia ter confundido tanto assim o que eu ouvi?

Eu decidi brincar com a J, e disse que aparentemente eu ainda não estava pronto para sair e combater o crime. Me sentindo muito desconfortável, nos tirei de lá apressadamente, e nós continuamos nossa caminhada. Quando ela me deixou em casa, parecia que ela havia esquecido sobre isso. Duvido que um dia esquecerei.

- - - - - - - - - - - - -

Traduzido daqui.


16 comentários:

  1. Então meu amigo.... vc viu o cão. Algo bem comum nessa área

    ResponderExcluir
  2. Até um cego "vê" um demon e eu n :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é o demônio menina :v

      Excluir
    2. Fique agradecida por nunca ter encontrado um, jovem.

      Excluir
  3. Q loko... Não sou cego, mas sempre tive vontade de tentar ecolocalização.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também kkkkkkk deve ser mt legal saber onde as coisas estão sem ver, só de escutar.

      Excluir
  4. A ecolocalização pode ser uma boa ferramenta pra "ver" aquilo que não enxergamos com nossos próprios olhos...

    ResponderExcluir
  5. Ideia legal, execução péssima e previsível. É impressionante como nego pega uma lógica pra aplicar no mesmo contexto...

    ResponderExcluir
  6. Eita muito boa, parabéns pela tradução!

    ResponderExcluir
  7. Eita muito boa, parabéns pela tradução!

    ResponderExcluir
  8. Tenho interesse em usar ecolocalização, mas nunca consegui perceber nada específico. O assunto da creepy podia ter sido bem mais explorado, na minha opinião.
    PS: Sou cego.

    ResponderExcluir