Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

O Mendigo da Vila Boa Fé

28 comentários
O meu preconceito com mendigos não surgiu do nada. Se bem que, preconceito não seria a palavra certa. Eu diria... que é um medo que deu origem ao meu ódio por estes monstros que não possuem um lugar onde possam ser enterrados. As pessoas me julgam e dizem que sou um lixo humano por causa desta minha forma de pensar. O problema é que poucos tem conhecimento de mim...

Quando criança, eu era dotado de um caráter dócil e exageradamente humilde. Quem moldara a parte doce de minha personalidade foi minha mãe, uma jovem dona de casa que sentia prazer em servir o meu pai. Bem, pelo menos era impossível ela não sentir em não ser punida pelo temperamento de meu pai, atiçado pelo álcool. Meu pai possuía uma lavoura de fumo a um quilômetro da casa onde morávamos, em um local esquecido no sul de Santa Catarina. Todas as noites, o meu pai chegava do trabalho e toda a sua angustia alcoólica era descontada em minha mãe. Ele a empurrava para o quarto, fechava a porta e era possível ouvir os gritos de minha mãe. No dia seguinte, ela aparecia com hematomas bem visíveis, embora ela tentasse os esconder de algumas visitas.

O grande desafio de minha infância era uma lenda tradicional do local, que o meu pai fez questão de me dar conhecimento. A lenda popular dizia que uma encarnação do demônio Ubezeleb né forma de um homem sem teto, negro e mal vestido que se alimentava da carne de crianças que ousavam aventurar-se pelos campos depois das sete horas. A lenda era famosa na comunidade. Os sermões de todos os parentais da vila eram claros: depois das sete horas da noite, toda criança na faixa dos cinco e dez anos não deveria circular pela vila.

Certo dia, enquanto brincava com um carrinho de madeira de brinquedo que a minha mãe havia feito, acabei entrando em terreno desconhecido. Escutei uns gritos de agonia. Com medo, corri para casa, mas os meus pais não estavam em casa. Fui desesperadamente para a lavoura de fumo aonde o meu pai trabalhava, mas não o encontrei. Ouvi novamente os gritos. Pareciam ser os gritos de uma mulher, a voz era parecida com a de minha mãe. De uma hora para outra, os berros pararam. Corri o máximo que pude até o terreno desconhecido e me deparei com a cena que até hoje me assombra: a cabeça de minha mãe, com os olhos esbugalhados, cheia de sangue, jogada em uma valeta qualquer. Ao lado, havia o que parecia ser a cabeça do mesmo mendigo da lenda que meu me contara. Era a cabeça negra de um ser iluminado. Entrei em desespero e gritei alto. Corri para casa chorando de desespero. A uma certa distância, o meu pai estava voltando para casa. Eu estava tremendo e logo, acabei contando tudo à ele. Ele tentou me consolar. A notícia se espalhou pela vizinhança. O funeral foi realizado, mas o resto do corpo de meu pai nunca foi encontrado. Todos falavam que o demônio em forma de mendigo que assombrava a vila estava morto.

Uma semana depois, em um fim de tarde de segunda-feira, cheguei de mais umas aventuras pela vila e encontrei uma panela no fogão. Eu estava faminto. Rapidamente, peguei um prato e me servi. Era uma carne macia com um molho apetitoso. Enquanto comia, o meu pai chegou em casa. Curiosamente, ele não estava bêbado. Mas estava com um sorriso malicioso.

– Como está a comida que preparei? –Perguntou ele e eu apenas sorri infantilmente com os dentes sujos. –Sabe que carne é essa? Ela é especial. É uma mistura peculiar do demônio em forma de mendigo que tinha relações com a sua mãe e ela mesma. Eu guardei está carne por dias. Aproveite o rango. – Dito isto, ele se retirou da sala de jantar.

O pior é que, apesar de estar ciente de tudo, eu repeti, pois estava faminto. Naquela noite, eu tive uma congestão e regurgitei todo o peculiar jantar que o meu pai me preparara.

Autor: Gustavo Silper

28 comentários :

  1. Com certeza a creepy com mais ero de concordância que eu já li, primeiro a mãe dele morre, depois o menino conta tudo ao pai e depois nunca encontram o corpo do pai dele ??? Ai o pai dele faz uma carne e fim

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkk



    pera ai? isso nao e site de terror?

    ResponderExcluir
  3. amei, postem mais e nao liguem para as criticas

    ResponderExcluir
  4. to com saudades da saga do rodrigo bispo. eu entrava todo dai so pra ler os comentarios kkkkkk

    ResponderExcluir
  5. Boa vontade com os pequenos erros e gratidão pela publicação.

    ResponderExcluir
  6. Primeiro meu nick é zk ou zk_exe, eu realmente não me lembro não to logado agora.

    Segundo a creepyoasta ta horrível, ela é previsíve, tem uma escrita chula e erros que fazem a história nem fazer sentido.

    cada dia fico mais decepcionado com esse blog;

    Ta talvez eu só esteja ficando velho e chato, porem eu acho que o blog ja foi melhor.

    Eu realmente espero que melhore, esse é o lugar onde eu passo mais tempo na internet.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo com sua opinião, porem para de se passar por min eu odeio isso.

      primeiro, eu nunca esqueceria meu user.

      segundo, eu não to ficando velho.

      Excluir
    2. KKMKKKKKKK q desgraçado (a) tentando se passar por vc mano

      Excluir
  7. Vc poderia posta aquela creepy
    "Imagine isso"
    :)

    ResponderExcluir
  8. Ah não, mano.
    Gabriel posta uma creepy boa e 14 bosta

    ResponderExcluir
  9. A creepy não foi nem de longe boa, muito confusa, primeiro diz q o pai dele tá vivo depois diz q morreu e no final tá vivo de novo, poxa Gabriel vc deve escolher creepys melhores pra postar, estou com saudades da divina Francis, e o site também antes tinha muitas creepys boas mas agora não equase não lançam mais.

    ResponderExcluir
  10. Os moderadores deveriam se manifestar, para explicar o sumiço, ao invés de do nada voltarem de vez em nunca para postar uma creepy meia-boca

    ResponderExcluir
  11. Se precisar eu posso traduzir algumas creepys pra vcs so entrar em contato que eu busco alguma.

    ResponderExcluir
  12. Até eu quero me candidatar a traduzir as coisas pra cá

    ResponderExcluir
  13. Apenas uma coisa a declarar: #VOLTADIVINA

    ResponderExcluir
  14. Ok, vamos lá. A ideia é interessante mas, além de mal desenvolvida, está cheia de errinhos bobos que você poderia ter acertado, Gabriel. Eu sei que todos vocês tem coisas pra fazer, mas o site tem um conteúdo único e muita gente tem se decepcionado com o que vem ocorrendo. Nem todo mundo segue as redes sociais de vocês, no mínimo vocês poderiam enviar um post explicativo. Gosto muito do cpbr e assim como vocês contam com a compreensão da gente, nós contamos com... sei lá, alguma explicação, justificativa, algo que nos incentive a ter paciência.

    ResponderExcluir
  15. Na minha sincera opinião o blog é bom, o problema é a história mesmo que meio chula mais não desanime

    ResponderExcluir
  16. Se encontraram o corpo do pai quem era a pessoa que cozinhou a mãe dele?

    ResponderExcluir
  17. É o que? Kkkkkkkkk 0/10... Francamente, horrível!!!!

    ResponderExcluir
  18. Gostei da historia, das palavras usadas, mas não da forma como foi escrita.

    ResponderExcluir