15/05/15

Júlio

Não sei se deveria perder meu tempo aqui contando minha história, sendo que ela jamais voltará, mas meu psicólogo me disse que compartilhar a dor com outras pessoas pode ajudar a superá-la. Mal sabe ele que nunca mais serei a mesma...

Em um dia chuvoso, decidi levar minha filha, Belle, para um passeio. Você pode estar achando estranho levar uma criança para passear em um dia como aquele, com altas pancadas de chuva e risco de alagamentos no centro de São Paulo. Até eu me sinto estranha, mas vou explicar: acontece que Belle, por algum motivo solitário, ama dias chuvosos e nublados. Em dias quentes de verão, minha querida filha me parece deprimida e sem ânimo nem para as melhores atividades que eu, como mãe coruja, poderia propor.

Desde bebê, eu via algo diferente nela. Ela recusava o meu leite materno e só tomava leite de cabra. Antes mesmo do seu primeiro ano de vida, Belle já andava relativamente bem e formava frases longas que nem crianças de três anos falavam. Com dois anos aprendeu sozinha a ler e a escrever. No começo me orgulhava e me sentia realizada por ter uma filha assim, porém, quando Isabelle tinha quatro anos de idade, comecei a me preocupar com as atitudes dela.

Posso contar a vocês de certa manhã em que acordei com barulhos vindos da cozinha. Como só morávamos eu e minha filha no apartamento, suspeitei de ser algum rato, ou pior, um ladrão. Peguei a primeira coisa que vi – que era uma vassoura encostada no vão entre meu quarto e o corredor - e caminhei sem fazer barulho até a cozinha. Sem perceber que eu estava ali, Isabelle estava com uma faca de serra na mão, cortando pequenas fatias de presunto e queijo. Na mesa havia café aparentemente recém passado, fatias de pão francês e um bolo de cenoura – o meu preferido. Eu realmente me assustei e só Deus sabe onde minha pressão arterial foi parar vendo minha filhinha cozinhando como se fosse uma adulta e com sérios riscos de se queimar ou se cortar. Depois de me acalmar e me lembrar de que Belle não era uma típica criança, consegui me abaixar para ficar na altura dela e perguntei como ela tinha feito tudo aquilo. Isabelle sorriu e disse em uma voz extremamente infantil:

“Mamãe, o Júlio e eu fizemos tudo isso para você, é uma surpresa nossa para mostrar o nosso amor”.

Me sentei à mesa com Belle e perguntei quem era Júlio, afinal Belle não conhecia mais ninguém a não ser nossa família. Nesse momento, tudo de ruim passou na minha cabeça e meu mundo estava prestes a desabar sob meus pés. Belle se recusava a contar mais sobre essa pessoa misteriosa. Em uma epifania, me lembrei da coisa que Belle mais gostava depois de dias chuvosos: sorvete de flocos. Prometi a ela que logo mais a levaria na sorveteria preferida dela se me contasse mais sobre esse tal de Júlio. Então, ela me olhou nos olhos e disse:

“Mamãe, eu conheço o Júlio desde o dia que eu nasci, como a senhora não sabe quem é? Ele sempre esteve aqui”.

Um vento correu pela casa inteira, chegando ao meu rosto em frações de segundos e me dando arrepios por todo o corpo. Milhões de pensamentos passaram pela minha cabeça naquele momento que não tive tempo de organizar, até que me lembrei das muitas vezes em que sentia uma presença diferente no quarto de Belle, mas nunca dei atenção a isso.

Naquele mesmo dia, procurei um psicólogo. Ele me pediu para ver a Belle e consulta-la semanalmente. E assim foi por um ano. Desde então, Belle não voltara a falar sobre o misterioso Júlio e eu também não tive coragem de perguntar. Suas atitudes voltaram a ser de uma garotinha, mas alguma coisa me dizia que não seria assim por muito tempo.

Na fase entre os cinco anos de idade, nós, mães, percebemos que nossos filhos estão crescendo, pois chega a hora de eles frequentarem a escola. Essa foi a fase mais difícil tanto para mim, quanto para Isabelle. Ela se recusava incansavelmente a se vestir, chorava o caminho todo e quando chegava lá, na maioria das vezes eu tinha que trazê-la de volta por perceber a sua alta temperatura corporal.

Depois dos dias se arrastarem lentamente desse jeito, tomei atitude para ir ao psicólogo e contar o que eu estava passando com o recuso de Belle em ir à escola. Ele me acalmou dizendo que era normal, pois ela ainda não estava preparada para se afastar de quem ela mais amava, no caso, eu. Aproveitei o ensejo e perguntei ao doutor se Belle, em alguma de suas sessões, havia mencionado o nome Júlio, ou se tinha falado alguma coisa diferente. Ele me surpreendeu dizendo que ela nunca sequer pareceu com uma garota diferente das demais. Será que eu estava errada todos esses anos achando que Belle era uma criança diferente? Será que eu coloquei tanto isso na minha cabeça que acabei prejudicando minha própria filha? Mas neste mesmo dia, uma coisa muito estranha aconteceu.

Depois de passar no psicólogo da Belle, fui ao supermercado comprar um pote de sorvete de flocos para alegrar minha filha quando ela chegasse da casa da minha mãe. Estava abalada psicologicamente, então, desmarquei a minha hora no salão. Cheguei em casa no final da tarde, a casa estava silenciosa e resolvi relaxar lendo um bom livro. Cinco ou dez minutos depois, escutei um barulho que vinha da sala de estar. Eram vozes e fiquei tentando lembrar se tinha deixado a televisão ligada antes de sair. Levantei e fui em direção à sala e identifiquei uma silhueta de um garoto sentado em frente a TV. Não era um garoto normal. Ele usava uma camiseta vermelha que, logo percebi, estava ensanguentada. Os seus olhos eram totalmente pretos, seu nariz parecia quebrado e sua boca cortada formava um sorriso torto e demoníaco. Ele estava inquieto, porém, estava parado bem a minha frente, sem se mexer nem um centímetro. Eu quis gritar, mas eu não conseguia parar de olhar os olhos enormes daquele garoto ou o que quer que ele seja. Na minha cabeça passava perguntas que precisavam ser respondidas, então, quando finalmente abri minha boca para perguntar quem diabos era ele, ele já não estava mais ali. Ele desapareceu como num passe de mágicas, deixando apenas um rastro de sangue e uma brisa gélida.

Peguei minha chave do carro e sai em disparada para a garagem. Queria chegar logo na casa da minha mãe e abraçar a minha filha. Dirigi por longos vinte minutos pela estrada molhada de uma chuva serena que teve mais cedo. Chegando em casa, bati a porta atrás de mim e me deparei com o silêncio incômodo, muito diferente do que eu estava acostumada na casa da mamãe. Estava frio e todas as janelas estavam abertas. Passei da sala para a cozinha, subi as escadas sem me livrar do pensamento de que algo estava errado naquela casa e, realmente, meus piores pensamentos se materializaram bem a minha frente quando o mesmo garoto que eu havia visto a meia hora atrás na minha casa apareceu. Meu corpo travou, minhas mãos gelaram e o garoto me olhava não mais com inquietação, mas ele parecia tranquilo e o branco dos seus olhos voltou, apesar de nada tirar aquele sorriso sombrio de seus lábios. Dessa vez, ele estava se mexendo. Não de uma forma normal. Ele girava primeiro a cabeça, depois o corpo e por fim, os pés. Ele gritava o nome de Belle, a chamando, talvez, e meu rosto corou de raiva por aquele monstro querer a minha filhinha. Gritei as primeiras palavras que vieram na minha cabeça o fazendo parar de chamar por Belle e de rodopiar. Quando eu finalmente achei que ele iria responder as minhas perguntas, aquela coisa sumiu novamente. Voltei a mim depois de um tempo que não sei distinguir se foi um minuto ou uma hora e entrei no quarto de mamãe. Lá estava minha mãe, deitada, dormindo como um anjinho. Cheguei ao seu lado, encostei a mão nela com o intuito de acordá-la e contar o que havia acontecendo e perguntar se eu tinha ficado louca. Seu corpo estava com um gélido tom não humano. Meu coração voltou a disparar imediatamente e um medo me cercou. Chamei mamãe por mais algum tempo até reparar que eu estava pisando em uma enorme possa de sangue. Um grito longo e tremido saiu da minha garganta. Vi uma faca ensanguentada ao lado do corpo sem vida de mamãe, porém não havia nenhum corte, aparentemente. Naquela altura do campeonato, quis correr para longe daquele pesadelo mas fui obrigada a me conter pelo bem de Belle. Sai do quarto de mamãe tentando não pensar no que havia acabado de presenciar e mantive o foco em Belle. O quarto de hóspedes ficava no fim do corredor e imaginei que Belle poderia estar lá. O corredor tinha só alguns metros, mas para mim, pareciam quilômetros... Enfim minha mão estava na maçaneta onde Belle deveria estar. Deveria pois ela não estava em sua cama. Era um pesadelo. Sim, um simples pesadelo que logo vai acabar.

Cadê minha filha?

Eu gritava por ela e várias lágrimas escorreram no meu rosto. Quando me virei para sair daquele quarto ouvi a voz de Belle me chamando vindo de dentro do guarda-roupa. Eu o abri com minhas mãos trêmulas e, digo para vocês, nunca fiquei tão aliviada na minha vida abraçando a Isabelle. Dei uma rápida olhada para a Belle e notei seu vestido que estava manchado de sangue e seus olhos que antes eram azul bebê, agora estavam negros como uma noite sem luar. Ignorando esses detalhes, peguei a mãozinha dela e a conduzi, rapidamente, para fora. Estávamos perto de sair da última porta da casa Belle parou inesperadamente. Apesar de tudo agitado dentro de mim, me abaixei para olhar em seus olhos e falei:

“Filha, querida, vamos embora, vamos para casa, meu amor. A vovó não está bem e...”.

Ela me interrompeu:

“Mamãe, a vovó está morta, o Júlio disse que ela era má e eu acredito nele. Ele não quer que eu vá embora, mamãe”.

“O quê? O que você disse Belle?”

Lágrimas escorriam dos meus olhos desesperados.

“Mãe, não fique assim, está tudo bem, está chovendo, é um dia bom”.

Realmente estava chovendo e naquela situação eu nem tinha reparado. Depois de tanto tempo com essa dúvida, achei que era uma boa oportunidade em perguntar à Belle o porquê de ela gostar tanto da chuva.

“É em dias de chuva que o Júlio aparece para brincar, mãe”.

Sim, era por isso! Tinha chovido aquele dia...

O garoto apareceu pela terceira vez interrompendo meus pensamentos e agora parecia com raiva e ansioso. Belle sorriu e perguntou a mim se poderia brincar com ele hoje. Isso já estava me cansando a tal ponto que poderia fazer qualquer coisa para essa coisa sair de nossas vidas. Eu disse a Belle que nunca mais veria o Júlio novamente e, em contrapartida, ele gritou de volta dizendo que Isabelle era dele e ninguém poderia ficar no caminho, nem mesmo eu – o jeito como ele disse aquelas palavras doeu profundamente na minha alma e o meu instinto de mãe me dominou, me fazendo ignorar o monstro, pegar Belle no colo e sair correndo para o meu carro que estava estacionado do outro lado da rua ao lado de duas enormes árvores que eu costumava subir quando era da idade de Belle. A coloquei na cadeirinha no banco de trás, liguei o motor e acelerei o máximo que pude. Naquele momento, não sabia exatamente para onde eu iria mas queria sair dali, talvez ir para o interior tirar umas férias, ou quem sabe, até nos mudar de país. Mas esse pensamento saiu rapidamente da minha cabeça quando eu olhei para o banco de trás e lá estava aquele monstro de novo sentado ao lado e sorrindo para a minha filha.

Minha filha!

Na adrenalina, acelerei ao invés de frear na curva perigosa, fazendo o meu carro bater no poste e capotar duas vezes até o carro parar do outro lado da estrada. Três dias depois acordei em um hospital com a visão um tanto turva, escutando um barulho horrível e com a consciência falha, reuni forças para perguntar onde estava Belle e se ela estava bem. A enfermeira que estava comigo no quarto me olhou com estranheza e me disse que não sabia quem era Belle e que não havia mais ninguém no carro quando me encontraram.

Nunca mais vi minha filha Isabelle. Reza a lenda que Júlio está por ai em dias chuvosos procurando garotinhas para “brincar”.

Autora: Táyna Stampini


10 comentários:

  1. O-O por isso que eu não gosto de crianças

    ResponderExcluir
  2. O maus bizarro é uma menina de 1 ano de idade já caminhando e com 4 anos fazendo café hahaha

    ResponderExcluir
  3. Cadê o "Acho que meu marido fez alguma coisa com um dos gêmeos"? Não é todo sábado?

    ResponderExcluir
  4. Poxa mãe, que historia é essa de ficar contando pra todo mundo como foi a minha infância. '-'

    ResponderExcluir
  5. These children of today... (tesc, tesc, tesc)

    ResponderExcluir
  6. These children of today... (tesc, tesc, tesc)

    ResponderExcluir
  7. O Júlio devia roubar crianças pro Kinsey.
    Entendores entenderam.

    ResponderExcluir

  8. Giovanna,Poxa q ofensa eu sou uma criança.E estou lendo essa creepy.

    ResponderExcluir
  9. Eu só consegui pensar no Júlio como Lost Silver ;-;-;-;- sói baka

    ResponderExcluir