23/06/2017

Creepypasta dos Fãs: O prédio

[Quer ver sua creepypasta aqui? Envie-a para o e-mail creepypastabrasil@hotmail.com!]

Moro no segundo andar em um sobrado e todos os dias eu olho pela janela do meu quarto. Não é uma vista tão bonita, mas daqui de cima consigo ver parte da cidade. Se olhar à esquerda se vê casas ao longe, prédios, uma antiga igreja, veículos seguindo seus caminhos... Eu gosto mesmo é de olhar o movimento da minha rua, principalmente quando está chovendo onde as pessoas se molham mesmo usando guarda-chuva, e observo a chuva caindo e correndo pelo chão, as árvores se hidratando, os pássaros se acolhendo...

No quarteirão onde moro não há muitas casas. Do outro lado da rua há uma empresa que está fechada no momento, e, se eu olhar mais para baixo, há outra firma que faz pães, por isso há sempre um cheiro agradável quando se passa por lá. Mais em cima há algumas casas que não fazem diferença a esta história, porque olhando diretamente para frente, provavelmente há uns cinco ou mais quarteirões, me dando a vista de um prédio. Ele é um prédio antigo que tem três cores diferentes – cinza na maior parte, marrom no centro e algumas partes em vermelho.

O prédio, que eu o chamo carinhosamente de o prédio maldito, é a primeira coisa que eu olho quando vou à janela. Fico hipnotizada não pela sua beleza, pois ele não é nem de longe bonito, e nem pelas suas características. Eu fico hipnotizada pela estranha sensação e arrepios que ele me causa. Ele me observa como um predador observa sua presa, parado, quieto, a espreita, olhando cada movimento meu, mesmo quando eu não o estou vendo.

Em uma noite de lua cheia, resolvi apreciá-la na sua fase mais resplandecente. Assim que abri a janela, já de madrugada, me deparei com o prédio maldito em chamas. Ele estava completamente tomado por chamas amarelas e alaranjadas. Minha primeira reação foi de susto: meu coração acelerou, meu cérebro travou e minhas pernas bambearam. Mas essa emoção não durou muito para dar lugar à segunda reação. A reação de dúvidas e incerteza, pois reparei que não havia fumaça. Nenhum sinal de fumaça. Me questionei se havia fogo mesmo, mas as labaredas estavam ali. Como poderia não haver fumaça? Onde há fumaça, há fogo, mas quando não há fumaça existe fogo? O encarei por longos minutos para observar o movimento. Não havia movimento algum, na verdade. Eu nunca, em todos esses anos, consegui ver alguém no prédio maldito. Talvez seja porque ele está longe o suficiente para não conseguir enxergar, mas me questiono se é possível ver nenhum movimento por tanto tempo.

Ele está bem cuidado demais – apesar de aparentar ser bem antigo– para não haver moradores. Depois de perder a noção do tempo ao observar o prédio maldito, constatei que não havia fogo. No dia seguinte, assim que acordei, a primeira coisa que fiz foi me certificar que o prédio ainda estaria lá inteiro e sem evidências de que um dia já pegara fogo.  E estava. Seria uma peça pregada pela minha própria mente ou o prédio maldito querendo me enganar?

Os dias se passaram e eu continuava a minha rotina de observar o prédio. Em um dia particular, avistei o que parecia ser uma pessoa na janela. Essa pessoa me olhava fixamente e eu tinha a impressão de que ela conseguia, ao contrário de mim, infelizmente, olhar dentro dos meus olhos, apreciando a cor amarronzada deles. O prédio estava desprovido de luz, menos naquela janela específica.

Em um piscar de olhos, eu testemunhei o que eu jamais esqueceria pelo resto dos meus dias: testemunhei aquela pessoa pulando do último andar do prédio. Fixei meus olhos àquela janela que agora já estava sem iluminação. Notei que não havia ambulância, não havia ninguém para socorrer o corpo provavelmente desfalecido e estraçalhado pela força da gravidade contra o chão. Imediatamente liguei para emergência e contei o que havia presenciado. Não demorou muito para eu escutar a sirene da ambulância passando pela minha rua e indo em direção ao prédio maldito. Desci as escadas de casa, abri o portão e corri o mais rápido que pude. Eu não queria ver o corpo, mas tinha curiosidade em saber se poderia ter sobrevivido. Cheguei alguns minutos depois do SAMU e, assim como eles, estava confusa.  Não havia nenhum corpo coberto por um lençol, não havia socorristas correndo para salvar aquela pessoa e não havia pessoa. Não havia ninguém além de mim e os paramédicos. Sem saber o que estava acontecendo, olhei o prédio de perto pela primeira vez. Ele parecia mais assustador do que antes. O ar gelado acompanhava o clima sombrio daquele lugar.

E ele me chamava.

Ouvi a voz dele dentro da minha cabeça gritando meu nome. Em transe, passei pelo portão, evitei o elevador e subi as escadas, fui até o último andar. O apartamento onde havia visto um corpo caindo da janela estava com a porta aberta, a luz acessa e a janela do quarto escancarada. Não pensei em nada naquele momento, pois meu corpo foi conduzido por aquela voz e pulei do último andar do prédio maldito. 

Autor: Tayna Stampini

Revisão: Gabriela Prado





23 comentários:

  1. Devo dizer que é interessante. Porém meio corrido o final.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela dica, nas próximas histórias pretendo melhorar! :)

      Excluir
  2. Ele podia explicar melhor o que aconteceu no final, por exemplo, o que aconteceu com a mulher. Uma história com potencial enorme, mas que teve o final meio abrupto. Mas fora isso, bem legal a história, parabéns Tayna.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ideia era deixar no ar algumas informações mesmo, mas sobre o final eu irei melhorar nas próximas histórias. :)

      Excluir
  3. otima historia mas o final ficou meio confuzo,msm assim n deicha de ser uma boa historia

    ResponderExcluir
  4. Cara, eu quero fazer um quadrinho e tava pensando em fazer uma história justo sobre um prédio de terror :v

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. Aaah, fico muito feliz que tenha curtido. :D

      Excluir
  6. Caramba, mesmo curta, foi ótima. Fico imaginando se surgiu de algum prédio na janela da autora :v

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade foi inspirado sim em um prédio que vejo da minha janela.
      Fico feliz que tenha gostado :)

      Excluir
  7. Gostei bastante. Primeira ideia que me veio foi de que era o Edifício Joelma.

    ResponderExcluir
  8. Uma loucura, mas uma loucura muito boa essa Creepy. Amei, claro rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu amei que você tenha amado. Obrigada :)

      Excluir
  9. Como foi já foi citado nos comentários,achei o final um pouco corrido. Eu imaginei o final como um looping, sabe? Do personagem se olhar, ver o próprio suicídio (ou fazer outra vítima {acho que faz mais sentindo} será que ia ficar bom? Mas é uma boa creepy com um forte potencial, parabéns.

    ResponderExcluir
  10. Uma Creepypasta minha,

    Nós somos os últimos

    Eu acordei assustado , com uma enorme dor na nuca, eu os vi correndo, soldados, armados, em direções aleatórias , come se suas vidas​ dependecen de proteger portas, portas enormes com barricadas feitas de última hora

    Levantei e corri por toda a estrutura, algo parecido como uma caverna, não parei para pensar no que avia acontecido , só queria um lugar seguro.

    Esbarrei com um ser humanoid , ele me ajudou a levantar e me pediu para seguilo, pedi explicações, então ele parou.


    "Senhor , sei que é difícil compreender, mas você está em uma das últimos abrigos das muralhas"

    Eu o interrompi e comecei a gritar em desespero perguntando por amigos e familiares.

    "Se acalme, siga o procedimento 00034."

    "Você é um dos últimos sucessores de oscanius, apenas me diga, e ficará em segurança"

    Escutei explosões a alguns metros enquanto eu corria , seguindo aquele humanoide.


    Entramos em uma sala escura e cilenciosa, logo, me vi em pensamentos profundos, onde estou? Não. o QUE exatamente aconteceu.

    "Senhor , vou explicar detalhadamente.
    A alguns anos , o cientista oscanius, em 2094, descobriu que é possível manter um cérebro vivo a base de células de uma espécie de água viva, em meio dessas pesquisas, o mundo estava em conflito, a humanidade entrou em colapso por interesses básicos, causados por uma mutação no cromossomo 24. Oscanius criou seres humanos com sua experiência, você é um deles, governos roubaram a fórmula,. Usaram para fins lucrativos, criando máquinas , para ser mais exato, wanzers, então, devido ao desatento a vírus classificados como impotentes, criaram uma espécie de mente coletiva, o que causou a infeção é um vírus robóticos nos wanzers, e que agora estão casando os assessores de oscanius, e outros seres que estou proibido de citar. Você é uma das chaves para quebrar esse vírus, por favor corra para a plataforma 0045."


    Não tive escolha, nem sequer pensei em editar a seguir a quela oren, apenas avisei os demais ”chaves" diga-me , nós somos os últimos

    ResponderExcluir
  11. Perdão por alguns erros que podem causar desentendimento na história (;_;) em breve vou estar em outros comentários tentando melhorar, mas a ideia foi boa né? :)

    ResponderExcluir