30/06/13

Creepypasta dos Fãs: Mentes Perigosas


Oi gente, tudo bem?

 Eu ia avisar antes, mas eu acabei esquecendo, haha. As Creepypastas dos fãs estão voltando graças ao Vinicius, nosso novo editor! Ele arruma erros de português e seleciona as creepys. Sim, tem algumas que não vem para o blog por serem sem nexo, sem um enredo decente, ou parecidas com alguma que já foi postada. Se a sua ainda não foi postada, fica tranquilo que não quer dizer que foi excluída, e sim estamos até com umas de 2012 atrasadas (porque antes postávamos uma por semana, mas agora serão três). Então, chega de mimimi, e vamos ler! (:

~Divina
________________________________________________________________________

Sai de casa cedo hoje, fui andando devagar até a escola, no caminho avisto vários de meus colegas. Oi, tudo bem? É o que eu sempre pergunto, quando a pessoa responde sorrio e vou embora. Não é como se eu realmente me importasse, mas eu gosto de manter as aparências.
Chego ao meu destino, subo direto para sala, está vazia ainda, exceto por uma garota, uma estranha e solitária, nunca a vi fazer uma amizade em todo tempo que estudamos juntas, ela age como se não desse importância, mas sempre que passo e lhe comprimento ela apenas sorri e acena, eu esperaria olhos vazios de alguém tão indiferente, mas não, se você for um bom observador você pode ver um pequeno brilho em seus olhos.
Minha mãe é a psicóloga da escola, me lembro de ter visto a garota sair de lá algumas vezes, fiquei me perguntando o que se passava com ela, talvez ela seja depressiva, talvez porque ela seja como eu, sem nem um amigo de verdade para contar, desesperadas com a solidão, mas ainda sim covardes demais para nos relacionarmos com o mundo, tenho que me lembrar de perguntar tudo a minha mãe depois.
Minha mãe me disse que viria hoje à tarde para a escola para atender alguns alunos e que se eu quisesse uma carona para casa eu podia espera-lá, ela disse que era para passar na sua sala as 5 horas. A preguiça falava mais alto então decidi matar o tempo sentada na biblioteca. 5 horas em ponto fui atrás dela. Chego a porta, vejo a tal garota saindo do de lá, eu sorri pra ela, ela me sorriu de volta, tem um olhar esquisito em seu olhos mas eu ignoro.
- Mãããe! - Grito bem alto quando entro no escritório, adoro fazer isso, ela sempre leva um susto, ela se vira, ela suspira de alivio vendo que está tudo bem, mas ainda sim parece que algo a perturba.
- Oh querida é apenas você, você me assustou - eu rio - Espere aqui um estante filha, vou levar alguns documentos para diretoria ok? Eu já volto. - Ela larga os papeis que estão em suas mãos e pega algumas pastas em cima da mesa, e então sai fechando a porta atrás de si. Sei que ela vai demorar, ela nunca diz já volto e volta logo.
Espero alguns segundos até olhar o bloco que ela largou em cima da mesa, provavelmente é a ficha da tal garota, assim nem precisarei perguntar nada a minha mãe, sempre que pergunto algo sobre seus pacientes ela desconversa falando algo sobre sigilo profissional. Pego a ficha na mesa e bingo! É a ficha da garota.
A primeira coisa que me chama atenção é uma anotação logo no inicio da folha com a letra da minha mãe:

Diagnóstico: Sofre de psicopatia.

Surpreendi-me nesse momento, mas continuei a ler, minha curiosidade sempre foi um ponto fraco, nas páginas seguintes havia anotações de suas sessões. Nelas ela dizia que embora sua natureza fosse perigosa, era uma garota calma que não gostava muito de conversar, e não aparentava ter muitos problemas além de sua dificuldade para se relacionar e que no momento ela não apresentava nenhuma ameaça à sociedade. Depois de folhear suas anotações, pulei para sua anotação feita na seção de hoje:
"Hoje a paciente disse algo que me deixou um pouco perturbada. Ela chegou como sempre e se sentou; eu lhe perguntei como as coisas haviam ido desde a nossa ultima sessão na semana passada, ela me contou como de costume, então lhe perguntei se tinha algo mais, como sempre. Ela ficou quieta por um instante enquanto olhava para a foto de minha filha em cima da minha mesa, ela se virou subitamente para mim e disse o seguinte: "As pessoas sempre passam por mim e perguntam se estou bem, acho isso tão repulsivo, porque perguntar se você realmente não se importa com a resposta? Isso só os faz parecerem mais superficiais, quando alguém me diz isso eu simplesmente sorrio, eles devem pensar que estou apenas sendo educada, mas na verdade estou pensando em como eu o mataria sem deixar pistas!". Então ela simplesmente fechou a boca e me olhou como se não houvesse dito nada, isso me assombra, estou começando a pensar se ela realmente não é uma ameaça para sociedade, e se ela realmente é apenas uma psicopata e não uma futura Serial Killer".
c. Mas quando vi, não era minha mãe, era uma garota, a garota da ficha em minhas mãos. Ela sorriu para mim como sempre sorria, com os mesmo brilho em seus olhos. Não demorei muito para perceber o canivete prateado em sua mão direita. Ela se aproximou e disse:
- Oi Lin, tudo bem? - E assim como eu sempre fazia, eu sei que ela não dava a mínima para a resposta desta pergunta, afinal eu nunca poderia respondê-la.

Observações: Boa creepy. Apesar dos erros ortográficos grosseiros, foi uma creepy que me prendeu do início ao fim, e o fim me deixou apreensivo e curioso. Morreu? Não morreu? Fugiu? Vale a pena ser publicada.

Escrita/Enviada por: Karen
Editada por: Vinicius Pinheiro


11 comentários:

  1. bom...mas não intendi direito o final,a menina se transformou na mãe da garota?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puts, jura que vc leu isso?
      Para mim está claro, mesmo com um pedacinho faltando...

      Excluir
  2. O final está confuso, mas deu pra pegar a pegada da creepy. -q
    Legalzinha.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Eu já li essa creepy em uma page do face, vocês cortaram uma parte ali no final, devi ter bugado na hora de colar ou coisa do tipo, enfim deem uma olhada ai ^^

    ResponderExcluir
  5. ...SerialKiller".
    Estava começando a ficar tão assustada quando terminei de ler que quase não percebi o barulho na porta, me virei já planejando uma desculpa para minha mãe por estar lendo a ficha de um de seus pacientes sem permissão. Mas quando vi, não era minha mãe, era uma garota, a garota da ficha em minhas mãos... (Ta ai o pedaço que falta)

    ResponderExcluir
  6. Pessoalmente adr creepypasta de psicopata :D

    ResponderExcluir
  7. como posso mandar uma creepypasta? tenho uma que vi, ou alguem me contou e gostava de a partilhar!!

    ResponderExcluir