05/09/15

Tente esquecer


Você já tentou se lembrar de algo, e não importa o quanto tentasse você não conseguia?

Se eu fosse você, desistiria. Existe um motivo para isso. E é para a sua própria segurança.

Há quase uma década, houve um experimento. Começou pequeno, apenas alguns amigos cientistas trabalhando juntos para tentar desvendar os mistérios do cérebro humano. E a coisa que os fascinava, era a memória humana. Por que algumas coisas eram tão fáceis de serem lembradas? Enquanto outras eram trancadas tão fundo no cérebro, que não importava o quanto a pessoa tentasse, nunca conseguiria lembrar?

Bom, após alguns meses de meticulosas pesquisas, eles encontraram algumas respostas. Seus estudos, felizmente, nunca vazaram ao público. Eles descobriram uma maneira de remover completamente as memórias de uma pessoa. A ideia era a de que se você removesse todo o “excesso” de memórias, você poderia chegar às memórias que você queria lembrar, já que nenhuma outra memória estaria interferindo. As memórias “removidas” seriam armazenas em dados para serem reinseridas em sua mente mais tarde.

Após meses de preparos, procura por um voluntário disposto, e aperfeiçoamento das operações, o experimento estava pronto para ser posto à prova. O voluntário era um homem, mas não pude obter nenhuma outra informação. Uma memória foi marcada, algo que o homem sabia que tinha ocorrido, mas não conseguia se lembrar com clareza.

Amarrando-o em um maquinário complexo, os cientistas removeram todas as suas memórias, exceto pela memória marcada.

Tudo estava indo bem até aquele momento. O homem retornou silencioso, olhando ao redor confuso. Apesar de estar um pouco perdido, ele parecia bem normal.

Após quinze minutos ele começou a gritar.

Ele se jogou sobre os instrumentos que estavam atrás dele, assustando os cientistas. Ele começou a gritar “eu me lembro deles! Eu me lembro!” Ele caiu de joelhos, arranhando o rosto até sangrar, ainda gritando coisas incompreensíveis. Logo, os cientistas o sedaram.

Eles o colocaram outra vez no maquinário, em uma tentativa de descobrir o que tinha acontecido. Talvez eles tivessem danificado o seu cérebro? Eles analisaram suas ondas cerebrais para determinar se realmente havia algum dano. O que viram realmente os pegou de surpresa.

Nada. Suas ondas cerebrais estavam mortas. Estava absolutamente sem atividade, embora o homem ainda estivesse respirando e murmurando enquanto dormia. Eles verificaram seus batimentos cardíacos. Nada. Sem batimentos.

 Eles verificaram o maquinário, mas não encontraram falhas.

Um pouco assustados, eles decidiram parar onde estavam e retornarem no dia seguinte. Eles deixaram algumas câmeras gravando todos os movimentos dentro do laboratório.

Em um registro encontrado no laboratório, dias depois, um dos cientistas tinha escrito o seguinte:

“Não posso dormir. Não sei exatamente o porquê, mas sinto um grande distúrbio. Talvez pelos eventos de hoje? Alguma coisa sobre o jeito que aquele homem gritou mostrava algo mais que loucura, mais que um delírio trazido por drogas ou qualquer outra coisa. Era real, um genuíno medo do mais profundo e instintivo. Algo está errado, algo está profundamente errado com o que aconteceu, acredito que seja do tipo de acontecimento que não possa ser explicado.”

No dia seguinte os cientistas retornaram para ver como o homem estava.

Ele tinha sumido. Desaparecido, não estava em lugar algum. Os cientistas verificaram as câmeras, mas após três horas de gravação com o homem dormindo, o vídeo interrompia. Retornando a gravação e diminuindo a velocidade, eles puderam perceber um leve tremor no homem. Uma sombra parecia passar pela parede logo antes da interrupção. Eles decidiram abrir a câmara onde o homem estava alojado e investigar o local.

Após entrarem, vários cientistas desmaiaram imediatamente. Alguns vomitaram e entraram em convulsão. Os outros simplesmente ficaram de pé, incapazes de compreender o que estava na frente deles.

Sangue. Uma grande quantidade de sangue cobria cada superfície do local e a quantidade no chão, quase cobria completamente os pés dos cientistas. Era uma quantidade que não poderia estar contida em um corpo humano, ou mesmo em uma dúzia. O terrível fedor de carne podre foi exalado para fora do local, fazendo os cientistas ficarem enjoados. Aqui e ali pedaços de carne, órgãos e um globo ocular flutuavam no sangue. A única parte do local deixada limpa era um pequeno pedaço da parede do fundo, onde o sangue deixara espaços em branco formando as palavras “Não Lembre. Tente Esquecer.”

O projeto foi interrompido imediatamente. O sangue e pedaços humanos foram drenados por ralos espalhados pelo chão do local. Os cientistas venderam a área e partiram. Eles mudaram seus nomes ou deixaram o país, fazendo de tudo para nunca serem encontrados. Muitos cometeram suicídio semanas depois do evento.

Quase um mês depois de terem abandonado o complexo, um corpo foi encontrado. Durante a construção de um novo prédio na área, o chão do estacionamento foi destruído, revelando um corpo por baixo. O corpo estava seco e irreconhecível. Porém, o mais estranho é que a cabeça estava separada do corpo. Ela foi encontrada enterrada próxima a uma árvore, não muito distante do local. A cabeça estava completamente ilesa. Desde então, ninguém sabe o que ocorreu, e muitos se recusam em acreditar que algo assim realmente ocorreu. Tudo o que se sabe, é que por alguma razão, tais memórias que não podemos lembra estão bloqueadas para nos proteger. Do que, e por qual motivo, acredito que deve permanecer desconhecido.

13 comentários:

  1. … .-.
    Agora, vou esquecer daquela memória que tentava lembrar…

    ResponderExcluir
  2. Algumas coisas devem permanecer na escuridão..

    ResponderExcluir
  3. simplesmente incrível, ótima creepy

    ResponderExcluir
  4. simplesmente incrível, ótima creepy

    ResponderExcluir
  5. Tentei te esquecer: não deu!
    Pensei que fosse mais forte que esse amor! Haushaus

    ResponderExcluir
  6. Não tem jeito, quero lembrar de tudo!! :/

    ResponderExcluir
  7. Eu lembro... Dessa solidão e espalhos coisas , sobre o chão de giz u.u

    ResponderExcluir
  8. Eu lembro... Dessa solidão e espalhos coisas , sobre o chão de giz u.u

    ResponderExcluir
  9. ;-; "Historia pra noi dormir"Eu relembro dos bagulho fácil

    ResponderExcluir
  10. ;-; "Historia pra noi dormir"Eu relembro dos bagulho fácil

    ResponderExcluir