20/06/2020

Visões de um crime

Comecei a perder a visão logo no início da adolescência por conta de uma doença, que passou de gerações a gerações a algumas pessoas da nossa família. Demorou muito tempo, até que finalmente, após alguns anos, recebi a notícia de que iria fazer a tão esperada cirurgia de córnea. Fiquei muito feliz porque iria enxergar as coisas perfeitamente, pois já não conseguia distinguir o rosto da minha mãe, do meu pai, do meu irmão mais novo... Nem o rosto da minha namorada sei como está. Mesmo com problemas de visão, ela sempre estava comigo, ajudando-me e apoiando de todas as formas possíveis.

No hospital, alguns minutos antes de começar a cirurgia, o médico falou que o homem que vai doar seus olhos tem quase a mesma idade. O doutor não falou nada além disso, então foi realizado o ato cirúrgico. Acordei depois de um pesadelo — um sonho estranho no qual vi um homem sendo espancado brutalmente. Chamei a minha namorada e esta me abraçou. Depois algumas horas, o médico tirou as ataduras do meu rosto: pude ver, mesmo que de forma embaçada, algumas coisas ao meu redor. Logo depois de algumas semanas, minha visão estava perfeita.

Comecei a estudar e trabalhar para me sentir independente. A união com a minha namorada foi ficando mais sério ao ponto de eu querer me juntar a ela. Mas tinha algo estranho acontecendo... era um tipo de visão. Não eram sonhos; eram visões de um homem e uma mulher. Às vezes, tenho a mesma visão dele, sendo agredido e morto... acordo nessas horas e meus olhos começam a queimar. 

Quando isso acontece, dói como se houvesse duas facas enfiadas em meu rosto.

Depois de alguns meses, com a minha nova vida, não parava de pesquisar para tentar saber quem era a pessoa que me trouxe a visão de volta. Pelo tempo que estava enxergando, logo aprendi a mexer na Internet e consegui identificar o homem do qual eu tinha recebido o transplante. De acordo com as informações da Internet, nos dados de doadores da cidade, o doador mora a alguns quilômetros de minha casa. Queria muito visitar sua casa... saí com o carro, o veículo da minha namorada. Fazia algum tempo que ela não dirigia, desde aquela noite em que chegou tarde à casa da mamãe. Sei que tinha uma tempestade muito forte nesse dia; a minha namorada não disse o que aconteceu, mas sei que foi algo grave, tão grave que esta passou a rejeitar o próprio automóvel.

Cheguei até a casa. Pensei em bater à porta para falar com alguém, mas fiquei apenas observando, pois faltou coragem. Quando estava saindo, uma velha olhou para mim e olhei de volta para ela. A vovó disse que reconheceu meu olhar... ela perguntou se eu queria alguma coisa, mas respondi que não, que apenas estava de passagem. Esta continua falando sobre os meus olhos. Eu disse que tinha feito uma cirurgia de transplante e queria dar um "oi" para um dos familiares do rapaz, de quem tinha recebido meus olhos. A velha mulher deu um sorriso e disse que se tratava de seu neto, o qual ela criava como um filho e que fora assassinado.

Eu não queria incomodar nem reviver feridas passadas da velha, mas ela parecia querer conversar, então fiquei escutando. A vovó disse que antes de morrer, seu neto era apaixonado por uma garota e planejavam casar-se, mas numa noite, esta foi vítima de um acidente, deixando seu namorado louco, sem conseguir trabalhar nem continuar vivendo em paz sem a amada. Segundo suas palavras, o pior foi que a pessoa que atropelou a namorada de seu neto não prestou socorro e ela morreu afogada numa poça de água, que se formara naquela noite horrível de tempestade. A velha ainda disse que seu neto passou a viver em bares, arrumando brigas — e numa dessas brigas, acabou sendo espancado até a morte.

Fiquei chocado com as palavras, pois tinha muitas visões de uma pessoa sendo agredida. Acho que se tratava do jovem do qual recebi o transplante de córnea. Perguntei se os responsáveis foram presos; a velha disse que não, pois eram afiliados de gangsters da região, um grupo de cinco jovens com pais perigosos. Ninguém se metia a enfrentá-los, nem mesmo a polícia. Saí do lugar, pálido e angustiado. Um olhar de choque se fez em meu rosto, pois eram informações demais em um só dia... e uma tragédia enorme, envolvendo alguém que fora responsável pela minha visão.

Estou voltando do trabalho; é sábado, dia 29 de dezembro. Logo o ano vai acabar e vou poder assistir aos fogos de artifício, explodindo para um ano feliz a mim e à minha família. Parei o carro em um posto de gasolina para abastecer. Estava distraído, esperando o tanque ficar completo, quando vejo alguns rapazes passando com garrafas, vestidos como arruaceiros — grupos de gangues. Nesse momento, meus braços começaram a tremer e eu já não conseguia mais mexer o meu corpo. Comecei a ficar com frio e meus olhos foram ardendo, doendo o suficiente para que os fechasse... tive uma visão: vi aqueles garotos espancando um outro alguém até a morte. Era o alguém com quem ficara sonhando algumas noites atrás. Nesse momento, tive consciência de que os meus pesadelos se tornaram reais.

Os meus olhos não param de doer. Depois que o tanque do carro finalmente encheu, encostei-me em uma garagem pública, com a cabeça no banco do carro, e apaguei...

Desperto com o meu corpo doendo em várias partes e a mente girando como uma labirintite. Uma vontade de vomitar fica rodando na minha barriga e estou sentado ao chão, banhado de sangue. Aos poucos, minha visão vai deixando de ficar embaçada e noto corpos brutalmente assassinados: são aqueles rapazes. Pelo visto, eles foram espancados e esfaqueados. Há uma faca próxima aos meus pés. Saio do local e consigo entrar em meu carro; mesmo banhado de sangue, ninguém me notou. Volto para minha casa e algumas horas depois recebo notícias de que um grupo de jovens da região foi aniquilado em uma carnificina. Até o momento, a polícia trata tudo como uma briga de grupos rivais.

Após essas mortes, passaram alguns meses e casei com a minha namorada, que disse que estava pronta para nós temos filhos. Nós estávamos muito felizes. Em um momento no qual estávamos conversando e falando sobre nossas vidas, ela disse que queria contar-me um segredo. Um segredo que guardou de mim... então, começou a falar que em uma certa noite estava chovendo muito. Ela queria muito chegar em casa. Num momento de distração, porém, atropelou uma mulher que atravessou a pista e o namorado desta foi morto meses depois, vítima de espancamento.

Quando eu escuto essas palavras, os meus braços começam a tremer. Comecei a suar, minha visão foi escurecendo e os meus olhos não paravam de arder. Até que tudo ficou escuro...

Autor: Sinistro

9 comentários:

  1. essa creepy foi meio fraca e previsível mas muito boa sim:)

    ResponderExcluir
  2. creepy beeemmm fraquinha e bastante previsível, Era bom ter alguem pra traduzir as creepys gringas ( tipo a Divina) porque sinseramente essas criadas ultimamente são uma vergonha alheia ( raramente uma se salva)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O povo ainda fica pagando pau para os escritores estrangeiro? Se não estiver gostando basta apenas cair fora e deixar de ficar falando dessa garota.

      Excluir
    2. é por isso que a nossa cultura é desvalorizada, br fica puxando saco de gringo. Pensei que o nome do site fosse CREEPYPASTA BRASIL, se quer ler coisa de gringo vai pro reddit, mlk chato do caralho

      Excluir
    3. É só não ler mais, imbecil!
      Para de falar em Divina, ô psicopata!

      Excluir
  3. Parem de criticar,a creepy foi boa,vcs esperam que final?que ele matava os outros?a pf

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desde quebentrei aqui, nos últimos dias, as pessoas ficam babando ovo! Não parece muito certo desprezarnos contribuintes do Brasil e fica mamando os estrangeiros.

      Excluir
  4. DarkQueen, Tai, e muitas do Sinistro (mesmo que nem todas dele agrade) Considero bons autores, não acho legal ficar babando gringo.

    ResponderExcluir