13/03/14

Explorando a Ilha do Tesouro (Parte 2)

Post #1

--------------------------------------------------------------------------------

Post #2

Essa ilha esconde alguma coisa. Algo GRANDE. Não consigo pensar em uma explicação lógica para o que presenciei hoje. Me sinto, impuro. Essa é a única palavra que me vem na mente quando tento descrever como me sinto. Algo profano deve ter ocorrido nessa ilha, e sinto que é meu dever descobrir. Ok, antes vou contar o que aconteceu, devo atualizar vocês com algo novo que descobri. Lembram do meu primeiro post quando pedi que me chamassem de Delmar? Vocês pensaram que esse era um nome qualquer, e eu sinceramente também pensei. Lembram o nome do misterioso sinal wi-fi que recebi? Era “Radio Nick”.

Esses dois nomes estão conectados. Cavei um pouco mais na história da ilha e descobri que o proprietário original da ilha era um homem chamado Delmar Nicholson. Seu apelido era “Radio Nick”. Não pude encontrar entrevistas com ele, mas consegui algumas informações através da população local. Eles dizem que o cara era do tipo recluso. Era antissocial e não falava com ninguém. Até ouvi alguns dizendo que ele era, vejam só, um satanista. Um doido satanista. Uma ótima coisa para pensar enquanto anda por uma ilha abandonada. Mas também ouvi outros dizendo que ele era Wicca. Outros disseram que ele era uma combinação dos dois; ou como alguns descrevem, um Wicca que acredita nos poderes de Satan. Pensem nisso enquanto estiverem lendo o que aconteceu comigo.

Digamos que eu estava um pouco apreensivo, armado com a minha nova “descoberta”. Eu ainda sentia o mesmo temor que senti na primeira ida de barco ate a ilha. Só que dessa vez eu me sentia bem mais triste. Mesmo assim entrei no parque determinado a encontrar algo sobre esse tal de “Radio Nick”. Eu já tinha planejado toda a minha rota na noite passada. Minha primeira parada seria no “Explorers Outpost”. Julgando pelo nome, era algum tipo de área dos empregados. Eu poderia não encontrar informações por lá, mas eu tentaria arriscar. Atravessei a doca e segui pela esquerda. Havia uma construção com teto de palha que já estava bastante bagunçado pelas tempestades, e paredes construídas com varas, a maioria já partidas ao meio. Um pequeno letreiro na frente indicava; “Explorers Outpost”. Era o lugar certo.

Antes de entrar, chequei e gravei a posição do sol. Atravessei o que restou da porta principal e entrei em um tipo de sala tropical. Tinha um balcão de informações, e alguns bancos. A maioria dos cabos usados para alinhar a construção estavam caídos, e a porta que levava para a sala atrás do balcão estava completamente destruída, assim como a maior parte do lugar. Era como se algo tivesse forçado a entrada por ali. Prossegui com cautela entrando na sala dos fundos. Era uma sala com vários armários. Muitos estavam abertos, e outros caídos.

Um canto em particular estava muito escuro, uma escuridão quase sobrenatural. Enquanto eu observava, algo quase fez o meu coração parar. Tinha alguma coisa me observando com olhos brilhantes no meio da escuridão. Os olhos começaram a se aproximar de mim, e logo a coisa alcançou a área iluminada; era um abutre. Ele parou bem perto de mim, e ao invés de me atacar ele começou a bater as asas como se estivesse me espantando dali. Comecei a me afastar, mas logo o abutre voou para perto de um armário e começou a bicar a porta e olhar para mim. Meu coração estava acelerado, de algum modo eu sentia que o abutre queria que eu abrisse aquele armário. O abutre continuava a bicar a porta do armário e olha para mim.

Reuni coragem o suficiente para me aproximar do abutre e abrir o armário. Lá dentro havia umas cinco pastas. Peguei-as e o abutre voltou a bater as asas. Certo, ele queria chamar a minha atenção. Me aproximei dele e ele começou a bicar a porta de outro armário. Lá dentro encontrei os arquivos dos funcionários. Também os peguei. Me virei para o abutre esperando mais algum sinal e para minha surpresa ele já não estava mas lá. Eu não diria que saí “voando” daquela ilha, eu simplesmente andei em um ritmo mais acelerado, sentei na doca e esperei que meu amigo viesse me pegar. Quando ele chegou eu pude me sentir realmente aliviado. Mas assim que entrei no barco, todo aquele sentimento de temor e apreensão recaíram sobre mim, me deixando completamente tonto. Acabei desmaiando no barco e o meu amigo me levou imediatamente para o hotel. Ele é mesmo uma boa pessoa. Agora estou um pouco melhor, mas ainda me sinto apreensivo e triste por, sei lá, eu não sei o que deu em mim. Sinto um peso por alguma razão, como se algo pairasse sobre mim, algo que eu não pudesse controlar. Bom, apesar da minha condição, ainda continuo pesquisando o passado daquela ilha. Devo provavelmente começar a procurar algo nessas pastas e arquivos. Falo com vocês em breve!



continua...

8 comentários:

  1. Disney porca com seus parques abandonados ;-; </3
    A história está tomando um rumo interessante...Espero que haja um final fodástico que nem naquela outra que também é sobre um parque da Disney (traumatizei com aquela poarr)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Abandonado pela Disney?Uma das melhores creepys que eu já li!

      Excluir
    2. eu já ia comentar dessa creepy também

      Excluir
  2. unica coisa ruim é que as partes são muito curtas :/

    ResponderExcluir
  3. essa serie esta sensacional parabéns Alexandre

    ResponderExcluir
  4. O:
    Que de mais! Essa série está sendo muito boa mesmo, sensacional, muito legal mesmo!! E eu não esperava a 2ª parte hoje! Valeu mesmo Alexandre, se tornou meu favorito :3

    ResponderExcluir