28/08/14

Creepypasta dos Fãs: Assovios


Sempre fui a única menina no meio de vários garotos, a maioria mais velho que eu, desde os 11 anos foi assim, mas isso nunca me afetou, pois eu sempre tive experiências frustrantes com amigas. Minha mãe nunca se importou, quem mais me incomodava era meu pai e minha avó, mas isso também não era de muita importância, até porque eu morei só com a minha mãe desde os 9 anos, quando meus pais se separaram. Há três anos e meio atrás me mudei para São Paulo, onde nasci e vivi a infância, que foi normal como muitos descreveriam. Meio ano depois de me mudar meu (atual) ex namorado veio morar comigo e com a minha mãe. Meu pai que o convidou após conhecê-lo, pois antes disso não era a favor da filha única de 15 anos namorar. Atualmente tenho 18 e o que aconteceu ainda me dá arrepios. O primeiro semestre morando com o namorado e com a mãe pareceu normal, tudo nos conformes. Ele, dois anos mais velho que eu, estudando e eu, idem. Nas férias de julho ele teve que voltar para a cidade natal onde eu morei por 6 anos para se alistar no exército. Pois, naquele ano, completava 18. Escrevendo agora, os minutos passam rápido, como se eu não percebesse meus dedos tocando as teclas desembestados a enfatizar meus antigos pesadelos. O alistamento dele se arrastou por três meses entre idas e vindas São Paulo/Caxias do Sul. Ele finalmente foi liberado, mas foi quando voltou definitivamente que meus sonhos começaram a se tornar intensos e eu sempre acordava com os pés suando frio e o estômago doendo por conta da gastrite forte.


Minha mãe é espírita e me conta histórias de quando era criança, cresceu em uma cidade menor que o meu bairro com um vasto repertório sombrio. Ela tinha medo de saci e sempre que tinha oportunidade, checava os cavalos do meu avô em busca de alguma trança na crina. Na segunda semana com o Victor (atual ex namorado) de volta, meus sonhos começaram a se tornar devaneios infantis da minha progenitora. Comecei a sonhar com sacis fazendo tranças em meus cabelos e uma risada profunda tocava meus tímpanos o mais fundo que podiam, eu podia até sentir o hálito de podridão que entrava pelas minhas narinas fazendo meu cérebro congelar. No começo pareceu inocente, nunca acreditei em sacis, aliás, sempre fui cética quanto à qualquer folclore, lenda ou conto pré escrito de internet.

Depois de muito tempo sem ter nenhum pesadelo ou sonho esquisito dormindo perfeitamente tranquila, eu estava certa de que eles não voltariam mais. Não mencionei anteriormente, mas Victor sempre foi ciumento e piegas, tanto que não podia chamá-lo pelo nome, qualquer apelido carinhoso, por mais irritante e grudento que fosse, estava bom pra ele. Naquela madrugada, minha insônia me pegou desprevenida. Fui deitar cedo, pois tinha ajudado meu pai na revisão do carro naquela tarde. O relógio já marcava mais de duas e meia da madrugada e eu me revirava de um lado pro outro da cama tentando achar uma posição que me deixasse confortável levando em conta o fato de que Victor tinha um sono profundo e não acordava com menos que três despertadores. Deitei a cabeça no peito dele e foi ouvindo o som das batidas de seu coração que eu adormeci... Mas não completamente. Pude ouvir junto de seus batimentos, passos vindo até mim. Não passos. Passo. Um sujeito com uma perna só que perseguia minha mãe (e agora eu) em seus medos estava vindo em minha direção. Tentei me mover lentamente e quando eu vi que estava na mesma posição, me desesperei e tentei um movimento brusco, foi quando meu corpo todo formigou e eu não pude gritar nem fazer nada além de respirar. Apertei os as pálpebras o mais forte que pude e pensei “se eu vir algo, ou se alguma coisa me tocar, eu enlouqueço”. Quando consegui soltar um único gemido agudo e quase indistinguível, me livrei do transe e dei um pulo na cama.

“Victor!”, gritei. Ele acordou assustado perguntando o que tinha acontecido e eu não pude responder. O fato de eu ter andado com meninos a minha vida toda, sempre me tornou durona e eu não me atreveria a desfazer a concepção que Victor tinha sobre mim contando que estava tendo pesadelos sobre saci. Então apenas sussurrei “nada, só pensei ter escutado alguma coisa”. Logo depois de cair sua ficha, ele voltou a dormir com a cara fechada por eu tê-lo chamado pelo nome.

Aquilo me irritou mais do que costumava, nunca fui de chamar de “amor” e afins, mas estava acostumada, só que dessa vez foi diferente, fui dormir com uma sensação de que eu tinha alguém do meu lado que não pensava nem vagamente em me proteger, me senti frágil e insegura. Voltei a dormir e acordei na manhã seguinte com a minha mãe dizendo que meu celular não parava de tocar. Fui até a tomada do outro lado do quarto onde meu celular estava carregando e vi cinco ligações perdidas, todas de números diferentes que não estavam salvos na minha lista. Tentei ligar para cada um deles várias vezes, mas a mensagem “esse número não existe” e a voz daquela mulher que na quinta tentativa eu já estava xingando de desgraçada pra baixo, não me deixaram muito satisfeita. Após a décima tentativa eu desisti, mas permaneci com o celular por perto o resto do dia. Nada aconteceu, ninguém ligou, nenhuma mensagem.

Decidi continuar meu dia normalmente, sem esperar que alguém me ligasse ou que alguma coisa fora do normal acontecesse, mas a curiosidade não era pouca, eu ainda queria saber quem era o autor daquelas ligações. Dei-me por vencida no final do dia e quando saí do banho, Victor estava sentado na minha cama com cara de poucos amigos me olhando desconfiado e eu sabia o que estava por vir antes dele ele abrir a boca e perguntar quem tinha me ligado tanto de tantos números diferentes e porque eu tentei retornar tão desesperadamente. Tinha experiência em contorná-lo, então só disse que eu também gostaria de saber, se ele quisesse vasculhar o resto do histórico pra ver se achava mais alguma ligação dos números, para ficar à vontade. Depois que ele procurou em todos os cantos do meu celular, entregou-o de volta pra mim e falou que ia se deitar. Foi ao banheiro escovar os dentes, voltou e se deitou direto. Ele nunca tinha me tratado com tanta frieza, mas eu não liguei e me deitei também. Acordei no meio da madrugada com os pés suando frio de novo, não pude me lembrar claramente do sonho dessa vez, mas eu sei que senti alguma coisa tocar meus cabelos. A cabeceira da minha cama fica embaixo da janela e, pela primeira vez, tive a sensação de estar sendo observada, mesmo morando no sétimo andar de um prédio.

Acordei no dia seguinte para ir à aula, desci para tomar café e minha mãe que estava concentrada demais na cafeteira não respondeu ao meu “bom dia”, só perguntou como eu tinha dormido e porque estava com olheiras. Disse que não consegui dormir porque estava com dor de estômago, ela me deu um remédio e depois que eu terminei de comer, coloquei meu prato na pia dei um beijo nela. Quando me virei para ir embora ela proferiu assustada “nossa, filha, não sabia que você sabia fazer tranças tão bem”. Senti um arrepio por toda minha coluna até o fim da nuca, passei a mão pelo meu cabelo e uma trança fina e apertada escorria até as pontas do cabelo. Disse um “obrigada” meio trêmula e gaguejando e nem me dei ao trabalho de dar tchau ao Victor.

Desfiz aquela trança com raiva e angústia no meu caminho pra escola e as cinco horas e meia pareceram rápidas, como se quisessem me tirar dali. Voltei pra casa, o dia foi normal, tudo como eu esperava que fosse até eu me deitar. Assim que meu corpo todo repousou sobre a cama, eu senti um vento frio como se fosse um sopro atrás da orelha, foi quando eu ouvi baixinho, fininho, quase inaudível... Um assovio. Assim, vindo do nada e cada vez mais alto e mais perto, percebi que o objetivo era não me deixar dormir. Virei para o lado na esperança de tampar os ouvidos, mas o barulho continuava, mais agudo, mais perto. Me pus sentada e, com todas as forças que eu consegui reunir, olhei pela janela. Nem sinal de coisas estranhas. Pensei que fosse só minha imaginação e decidi acender um cigarro. Um segundo depois de riscar o isqueiro, a chama se moveu rapidamente e apagou, como se alguém tivesse soprado, tentei mais uma vez e a mesma coisa aconteceu. Ouvi de longe um barulho familiar, se aproximando cada vez mais e percebi que os assovios já tinham cessado e, de repente, eu ouço uma risada pouco longe se tornar uma gargalhada alta e estridente. Me bateu a consciência e eu voltei para baixo dos cobertores. Nem sinal de Victor acordar. Eu me sentia observada, me sentia vigiada e já tinha desistido de acender meu cigarro quando eu senti um cheiro forte de fumaça. Não era do meu cigarro e nem do cigarro da minha mãe, Victor não fumava. Vinha da janela, uma fumaça escura, mal cheirosa, grossa, reuni o que restava das minhas forças novamente e olhei trêmula pela janela. Uma criatura preta se moveu rápido pelo quintal e eu não pude discernir se era um animal ou o que eu temia.

Decidi ir ao banheiro lavar o rosto e tentar me convencer de que tudo não passava de imaginação. Quando voltei, olhei o parapeito da janela e pegadas de um só pé com terra iam da janela e andavam em círculos pelo chão inteiro do meu quarto. Eu não sabia o que fazer, não pude correr nem gritar então, estática, senti alguém passar por mim numa velocidade tão grande que só pude sentir o vento dele passando, várias e várias vezes e a risada cada vez mais alta, o barulho dele pulando, o cheiro de fumaça, tudo aquilo estava me deixando louca e com vontade de chorar. É claro que eu sabia que era só roubar sua touca que ele ficava sob seu comando. Mas não tinha forças e o medo me consumiu até meu último nervo. Abri os braços na esperança dele esbarrar sem querer, pude sentir alguma coisa duas vezes, mas ele era mais rápido, passei a mão em meus cabelos e encontrei uma trança única, grossa e bem amarrada. Nessa altura eu só consegui rir e esperar que ele me deixasse em paz até meu riso virar choro. Ouvi minha mãe me chamar uma vez, mas não consegui responder, antes que ela pudesse me chamar pela segunda vez, eu ouvi passos no corredor e a próxima coisa que vi foi minha mãe me levantando do chão, eu aos prantos sem saber se ela acreditaria em mim. Mesmo sem saber como usar as palavras e em que ordem colocá-las, eu contei, desajeitada e envergonhada. Ela vasculhou a gaveta do criado-mudo e achou uma garrafa com duas tranças feitas de palha, colocou na minha janela, fez questão de enfatizar que acreditava piamente em mim e disse que aquela garrafa a manteve salva até seus 20 anos e que aconteceria o mesmo comigo. Essa noite eu dormi com ela.


Autor: tarikec


13 comentários:

  1. Gostei de como o autor mesclou o folclore brasileiro com a realidade atual. Um dos melhores contos que ja li. 10/10

    ResponderExcluir
  2. Primeiro diz que ela morava no sétimo andar de um apartamento, depois diz que o saci tava andando pelo quintal (wtf) 1/10

    ResponderExcluir
  3. arraaaaaaaaazou no folclore
    queria ver mais creepys desse tipo

    ResponderExcluir
  4. Estranho dia do folclore foi um dia desse *_*gostei 10/10

    ResponderExcluir
  5. Concordo com a Senhora dos absurdos arrazou com essa creepy!

    ResponderExcluir
  6. Legal, queria ver mais creepys assim

    ResponderExcluir
  7. Ela disse que mora no 7º andar, depois disse que o saci passou pelo quintal. Não entendi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela olhou PELA janela, não PRA janela. Quer dizer que ela foi até a janela e olhou para a rua.
      Sem erros aqui kkkkk'

      Excluir
  8. Acho que com quintal ela tava se referindo a sacada do AP.
    10/10

    ResponderExcluir
  9. Aaaaaaaaaaaiiiiiii arrazo migaaaaa (eu sei fico muito gay :/)

    ResponderExcluir
  10. Caracaaaaaa que afudeeee!!
    Usar o folclore brasileiro deixou a creepy sensacional.
    Demais (y)

    ResponderExcluir