13/01/2018

Vox e Rei Beau: Tudo ficou estranho (PARTE 8)



Tudo ficou estranho. Eu não consigo pensar em outro meio de dizer isso. Eu vou tentar descrever o que vem acontecendo da melhor maneira possível, e então vou contar mais histórias. Eu não sei mais se essas histórias são memórias que estou recuperando ou outra coisa. Toda vez que tento me lembrar, mais histórias aparecem. E, bem, podem haver muitas delas, porque nós estamos falando de uns 4 anos da minha vida, mas eu não sei mais dizer.

Enfim, acho que estou me adiantando. Deixe-me explicar o que aconteceu noite passada.

Meu amigo Chris veio pra cá depois de sua paralisia do sono. Eu contei tudo pra ele. As vozes, minhas idas ao terapeuta, o rádio, ver alguém em minha casa, tudo. A resposta dele, sendo o maconheiro que ele é, foi fumar um. Ele pensou que me ajudaria a relaxar, talvez dormir um pouco. Isso é embaraçoso de admitir, mas por ter sido criada por uma boa mãe cristã que reforçou a importância de nunca usar drogas, eu só fumei maconha umas duas vezes. Mas esses últimos dias têm sido tão complicados, e meu trabalho não faz testes para drogas mesmo, então eu pensei, por que não? Não é como se eu pudesse me machucar com isso.

Então é, eu ia terminar a história mas então eu fiquei chapada.

Nós ficamos sem fazer nada por algum tempo, então assistimos a um filme, comemos sanduíches, e provavelmente ambos acabamos dormindo. A próxima coisa de que me lembro é de acordar em minha sala. A TV estava ligada mas apenas mostrava estática, provavelmente porque nós estávamos mexendo no DVD. Chris estava dormindo na poltrona, então eu decidi levantar do sofá e ir direto para meu quarto. Eu desabei na cama e dormi novamente. Digo, aquela maconha era bem forte, mas eu acho que isso tinha mais a ver com o fato de que eu estava exausta. Depois disso, eu tive uma espécie de sonho.

Nesse sonho eu acordei porque eu senti alguém pegar minha mão. No começo eu não abri os olhos porque eu achei que era só o Chris sendo estúpido, mas lentamente eu percebi que os dedos eram gelados e ossudos e simplesmente… errados. Eu não sei como explicar. Era como se quem estivesse pegando minha mão nunca tivesse segurado uma mão antes e seus dedos estivessem segurando-a totalmente errado. Eu abri os olhos (no sonho) e lá estava ele.

Era o mesmo homem que eu tinha visto na beira da minha cama. Ele se ergueu sobre mim. Ele tinha a mesma pele albina, olhos leitosos, e cabelo branco. Ele sorriu para mim e seus lábios foram puxados para trás, mostrando linhas de dentes pontiagudos. Era como olhar para um crocodilo abrindo sua boca e simplesmente exibindo sua mandíbula. Agora eu me dou conta de por que eu não sabia se ele estava usando roupas ou armaduras. Suas vestes eram de cor preta, azul e cinza, mas feitas de estranhos troféus e prêmios completamente misturados em algo intricado e acho que quase nobre.

Eu estava assustada. Não posso mentir e dizer que não. Mas talvez a maconha ou apenas o meu estado sonolento fossem o que estava me impedindo de perder o controle. Digo, lá estava ele em toda sua glória horrível, assim como eu me lembrava. Eu nem mesmo removi minha mão da mão dele. Pensando bem, talvez parte de mim tenha se dado conta de que não importaria. Ele me possuía. Eu me lembrei, no entanto, de tudo que vocês vêm me dizendo. Eu perguntei, “Como eu posso saber que você é realmente Beau?”

Ele se curvou, embora o movimento não tenha sido humano de forma alguma. Era muito gracioso e havia uma curvatura muito suave. Ele colocou seu rosto perto do meu, olhando diretamente para mim com seus olhos leitosos, e eu juro que por um momento eu achei que ele fosse me cortar em vários pedaços ali mesmo. Mas ele se moveu para meu lado e pressionou sua cabeça contra minha têmpora direita, como um grande cachorro. Não era um movimento confortante no sentido tradicional, mas era quase afetuoso.

Ele disse, “Pequena Jeep.” Então ele emitiu mais um daqueles suspiros feitos de doze vozes diferentes.

Vocês talvez não saibam, mas os jipes SUV são nomeados por causa de um personagem do desenho do Popeye. Eugênio o Jeep Mágico era uma criatura mágica que tinha um “cérebro quadrimensional.” Ele podia atravessar paredes, teletransportar, todo tipo de coisa e ele sempre tinha que dizer a verdade. Ele também só comia orquídeas.

Aqui tem um link da Wikipédia sobre ele:
 https://pt.wikipedia.org/wiki/Eugênio_o_Jeep_Mágico

Quando eu era uma criança e visitava meus avós, eu assistia esses antigos desenhos do Popeye. Eugênio era meu personagem favorito de longe. Eu achava ele adorável, e eu amava todas suas habilidades especiais. Eu até mesmo corria pela casa dizendo “Jeep!” como ele fazia. Beau achava isso bizarro, mas ele tolerava e até mesmo me chamava de Pequena Jeep. Ninguém mais sabe que ele fazia isso. Até eu mesma havia me esquecido até que ele disse isso. Eu não sei se isso é suficiente para passar o teste de mais alguém, mas na hora foi bom o bastante para mim.

Eu olhei para ele e disse, “Mas você não é real. Você é apenas minha imaginação.”

Ele se ergueu novamente e continuou com seu sorriso maluco. Eu achei que ele fosse dizer algo, mas subitamente seu rosto mudou. Seus dentes continuavam à mostra, mas seus lábios se torceram em um esgar. Seus olhos viraram para trás e sua cabeça logo seguiu o mesmo caminho, com o queixo erguido como se ele estivesse olhando para o céu. Seu pescoço relaxou para o lado e seus olhos encararam a janela para nada que eu pudesse ver. O que eu vi foi o que saiu de sua boca.

Era uma espécie de alcatrão preto vazando por entre seus dentes. Não posso sequer descrever o fedor. Eu nunca senti um cheiro como aquele. Era como pura podridão e sangue velho e alface podre, mas isso nem mesmo começa a descrever. A pior parte foi quando eu percebi que estava engatinhando. A gosma começou a se separar em vermes gordos e gosmentos conforme se movia por seu queixo.

Eu disse algo estúpido, como “Quê?” ou “Beau?” porque nesse ponto eu não tinha idéia do que fazer o do que estava acontecendo. Além de nunca mais fumar maconha de novo, tudo que eu sabia era que eu estava completamente perdendo minha sanidade. Ele lentamente se virou para me encarar, e seus olhos, já arregalados, se abriram ainda mais, como se ele estivesse forçando para me ver.

“Vox.”

Quando ele falou seus lábios e boca não se moveram, mas os músculos em sua garganta ficaram tensos e a voz veio claramente dele – não de dentro da minha mente ou algo assim. Ele ia dizer algo mais, mas seu peito se contraiu em um espasmo e ele começou a vomitar os grossos vermes de alcatrão com forte, dolorosa náusea. Antes que aquela sopa pudesse tocar o chão, os vermes incharam e suas pernas cresceram. Demorei um minuto para perceber que eu estava encarando uma massa de besouros pretos. Eles zumbiam tão alto que eu pensei que meus ouvidos fossem sangrar. Eu podia ouvir meus dentes vibrando em meu crânio. Eu achei que meu cérebro fosse começar a pulsar e havia uma pressão em minha cabeça que se forçava contra meus olhos. Os besouros engatinharam por cima de Beau, mas eu comecei a ver estrelas. Eu não conseguia respirar e meu coração parecia que estava forçando com tudo para mandar sangue para meu cérebro. Não lembro de mais nada depois disso. Eu realmente apaguei.

Acordei com a pior boca seca que tive em toda minha vida e uma dor de cabeça pior que qualquer ressaca. Eu estava na cama, mas não havia nenhum poça de alcatrão ou evidência de que qualquer coisa tivesse acontecido. Meu amigo já tinha ido trabalhar. Quando eu tomei um pouco de Tylenol e me senti bem o bastante para funcionar como uma pessoa, eu liguei para ele e perguntei se ele notou algo estranho noite passada. Ele disse que não, que eu apenas fui para meu quarto e depois de algum tempo ele se deitou no sofá.

Depois disso meu terapeuta me ligou para dizer que meu plano havia aprovado minha tomografia e que ela está marcada para próxima quarta feira. Eu disse que isso é ótimo porque eu estou perdendo minha sanidade. Eu contei para ele sobre o sonho. Ele disse para eu não me preocupar. Essas coisas acontecem, especialmente se você for burro o bastante para usar drogas. Que isso sirva de lição para vocês. Então, é aí que estamos.

Há mais. Isso é tudo que aconteceu hoje até onde nós estamos agora. Desculpem-me, eu estou tentado dar qualquer informação relevante que eu possa ter na chance remota de que possa ser útil. Eu estou um pouco perdida agora. Esse pesadelo realmente mexeu comigo. Eu costumo ter sonhos vívidos, mas isso foi além do normal por muito.

(A propósito, no sonho Beau não disse “Vox.” Ele disse meu nome. Apenas lembrem de agora em diante que se o nome Vox for usado, é só um substituto para meu nome real.)


7 comentários:

  1. Cada vez melhor essa creepy. Ansioso pela próxima parte.
    Vc poderia passar a fonte dela ou é uma creepy sua?

    ResponderExcluir
  2. Eu simplesmente estou amando essa creepypasta, estou muito ansiosa para a próxima parte!

    ResponderExcluir
  3. PUTA MERDA COMO EU QUERIA SABER QUEM É ESSA F U C K I N G PESSOA AUTORA DESSA F U C K I N G CREEPY..

    ResponderExcluir
  4. Wow... Fantástica, como sempre :D

    ResponderExcluir
  5. ❤-❤
    Atualmente, é minha série favorita.
    Continuem o ótimo trabalho!

    ResponderExcluir
  6. Só achei forçado substituir o nome dela justo por "Vox"... Vai ficar confuso saber se o Rei Beau esta falando a respeito do Vox ou a respeito dela se isso começar a se repetir...

    ResponderExcluir
  7. Estou amando, mas comecei a ler um pouco depois que foi postada. Deveria ser como as outra que coloca no início o link das partes postadas.

    ResponderExcluir