Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Vox e Rei Beau: Nossa aventura continua/Como Beau se apaixonou pela Lua (PARTE 5)


Nossa aventura continua

Certo. Continuamos agora, eu acho.

Para recapitular tudo, eu comecei a ouvir e agora a ver coisas. Há silêncios estranhos em minha casa, e noite passada eu acho que vi um homem perto de minha cama e meu rádio decidiu convenientemente cometer suicídio. Minha mãe me lembrou que quando eu era criança, eu tinha um amigo imaginário assustador chamado Beau que me contou histórias estranhas e que causava silêncios como os que eu venho experienciando ultimamente. Sugiro que você leia tudo desde o começo, porque faz mais sentido que esse sumário.

Enfim, eu dormi por algumas horas no sofá noite passada, e a primeira coisa que fiz essa manhã foi ligar para minha universidade e marcar uma sessão com o terapeuta. Os serviços de saúde mental do meu campus são muito bons, e eles puderam me atender hoje de tarde, o que foi uma surpresa agradável.

A sessão foi desconfortável, e serviu principalmente para que ele obtivesse meu histórico e entendesse minhas reclamações. Tudo que eu disse foi que eu estava ouvindo vozes e que isso estava me preocupando. O terapeuta foi, na verdade, bastante acalmador. Ele disse que, comumente, as pessoas automaticamente pulam para a esquizofrenia quando se trata de ouvir vozes, mas que nem sempre é o caso. Amigos imaginários vêm das fronteiras turvas que uma criança tem entre realidade e imaginação, e eles surgem de uma necessidade de controle ou conforto. Se esse amigo imaginário voltou, pode ser um sinal de que estou tentando lidar com um trauma, algo que eu ou passei agora e não consigo notar (o que duvido) ou algo de minha infância que eventos recentes trouxeram de volta à tona. Ou isso ou eu poderia ter algo errado com meu cérebro, como um tumor ou lesões no tronco encefálico ou algo assustador do tipo. Nós começamos o processo para conseguir que meu plano de saúde aprove uma tomografia computadorizada.

A sugestão dele, por enquanto, é que eu tente dormir um pouco. Ele disse que é totalmente possível que eu esteja sofrendo de falta de sono, que isso combinado ao estresse do fim de meu relacionamento e de minha mudança pode ter causado isso. Ele também quer que eu pare de ficar tão assustada. Se eu estiver enlouquecendo, vamos lidar com isso de alguma maneira. Se há algo traumático no meu passado, uma escola de pensamento acha importante que se escute o que as vozes estão dizendo para determinar o que elas querem proteger. Talvez Beau tenha ressurgido porque ele pensa que é necessário. Qualquer que seja o caso, a voz não quer me machucar. Não está me dizendo para tacar fogo em mim mesma ou matar alguém. Eu não sou suicida nem estou deprimida, então ele disse que não havia problema em respeitar minha decisão de não tomar medicações por enquanto e de não ser trancafiada em uma cela acolchoada.

Então depois disso, eu liguei para minha mãe porque prefiro lidar com isso de frente.

Eu liguei para minha mãe para tentar obter qualquer informação ou histórias que ela pudesse me dar sobre Beau, qualquer coisa estranha que acontece enquanto eu brincava com ele, ou qualquer pista que ela pudesse me dar sobre o que pode ter acontecido para que ele viesse até mim. Eu não contei pra ela que estou ouvindo vozes e que estou agora na terapia porque não quero assustá-la, então eu só disse que eu estava escrevendo algo para um projeto de psicologia e queria a ajuda dela. Ela ficou relativamente assustada, mas aceitou me ajudar. Incidentalmente, se algum de vocês souber como dar esse tipo de notícia aos seus pais, me diga.

Aqui está meu plano: eu gostaria de contar a vocês algumas das histórias de Beau e algumas das coisas estranhas que aconteceram depois para ver se talvez vocês podem notar algo nelas que eu não posso. Eu sei que é pedir demais, mas vocês pareceram gostar das histórias ontem, e me ajudaria bastante.

Eu não sei o que estamos procurando. Eu realmente não sei. Como eu disse no último tópico, eu não sou o tipo de pessoa que acredita em coisas paranormais, ou que pensa que esse tipo de coisa acontece o tempo todo. Eu não tenho interesse em mágica, eu nunca vi um UFO, e eu sou a primeira pessoa a desmascarar tudo nesses programas de caça aos fantasmas. Ainda assim, pela primeira vez eu quero admitir que talvez tenha algo acontecendo aqui que eu não sei explicar. Talvez seja uma Tulpa ou talvez algo está mexendo com a minha mente. E se não é o caso e eu estou louca, talvez possamos descobrir o que essas histórias bizarras devem significar.

Antes de começar, deixem-me clarificar algumas coias que vi no último tópico antes de ele ter sumido. Esse background pode trazer alguma luz para algumas coisas.


  • Eu tive Beau de quando eu tinha 4 anos até os 7 ou 8.
  • Quando eu era criança eu não lidei com histórias de terror, filmes violentos nem nada do tipo. Algumas das imagens nessas histórias que eu vou contar são perturbadoras, e eu não sei como elas surgiram do meu pequeno eu de 4 anos. Eu não sou uma pessoa que gosta das trevas e eu não gosto de gore nem merda nenhuma do tipo.
  • Até onde eu sei e minha mãe se lembra, nada de ruim aconteceu quando eu era criança. Mas é claro, pode ser algo que não sabemos.
  • O motivo pelo qual, real ou não, Beau me assusta, é porque ele é um monstro comedor de vozes, e quando nós “brincávamos juntos” eu cheguei a dizer a minha mãe que ele ameaçava se irritar e comer a minha voz. Minha mãe descrevia como eu tomando conta de um tigre de estimação. Eu estava me divertindo, mas até mesmo a pequena eu parecia notar um perigo existente.
  • Ao mesmo tempo, ele nunca me machucou. Até agora, a voz não me machucou também. Ela me ajudou a pegar meu namorado me traindo no flagra e me assustou meramente por existir. Isso é tudo.
  • Você não tem que acreditar em uma palavra do que eu digo. Isso é totalmente OK, e como eu disse, não estou escrevendo para ter fama ou atenção. Fora desses tópicos, minha trip-code* não existe. Eu só quero corrigir tudo isso e ter minha vida normal e chata de volta. Se isso diverte vocês também, então ótimo.
  • Por favor não reescrevam essas histórias como se fossem suas, porque, sabe, elas vieram de mim mesmo que sejam estranhas. Mas sintam-se livres para desenhá-las. Eu não sei por que vocês pediram permissão para desenhar, mas tudo bem.

Muito bem, agora, as histórias. Eu vou contá-las como eu as lembro e com o que minha mãe colaborou, então se elas parecem estilizadas é porque estou tentando traduzir tudo em um único pensamento. E desculpem-me de novo se elas são estúpidas. Lembrem-se, eu tinha 4 anos.

Primeira história: Como Beau se apaixonou pela Lua.

*Trip-code é um recurso de imageboards, como o 4chan, que serve como uma espécie de registro.

Como Beau se apaixonou pela Lua

Um dia, perguntei a Beau se podia desenhá-lo. Rei Beau era, até onde pude notar, muito convencido, e adorava qualquer coisa que tivesse a ver com ele. Isso incluía contar histórias sobre si mesmo, brincadeiras em que ele era o herói, e, é claro, retratos. Eu contei isso a minha mãe quando ela me perguntou por que haviam tantos desenhos da mesma criatura em meu quarto na hora de brincar.

Enquanto eu desenhava as figuras sombrias do Lugar Quieto e ouvia as descrições do castelo de
"Como ayer otra vez", por aelur (não consegui encontrar o link do post original)
Beau, me ocorreu perguntar a ele por que ele tinha aquela aparência. Até então, os detalhes da aparência de Beau são muito vagos para mim (assumindo que nós não estamos contando o que eu vi noite passada), mas eu vou tentar dizer o que me lembro.

Beau era a pessoa mais alta que eu já tinha visto, o que significa que ele parecia com um homem adulto. Ele vestia roupas escuras, e a esse ponto eu não sei se eram armaduras ou uma espécie de manto. Seu sorriso era muito mais largo que o de um humano e cheio de dentes afiados que ele gostava de exibir. O que era mais interessante, no entanto, era que sua pele era completamente pálida. Assim como seus olhos e cabelo. Tudo sobre ele era livre de cor.

Eu perguntei: “Rei, se o Lugar Quieto é tão escuro, por que você é tão branco?” E ele me contou essa história:

Uma vez, a Escuridão decidiu roubar a Lua. A Escuridão estava cansada da Lua cortando suas sombras e correndo para pegar o sol toda manhã, então um dia a Escuridão subiu e pegou a Lua do céu.

Isso foi muito antes de Beau se tornar Rei, e o Lugar Quieto ainda era muito triste e escuro. O Rei Mau não ligava para os problemas da escuridão, porque a luz da Lua nunca brilhava longe o bastante para preocupá-lo. Tampouco brilhava a luz do Sol. Mas se havia algo que ele queria, era ter o que todo mundo queria ter. Se a Escuridão estava tão preocupada em ter a Lua, isso significava que o Rei Mau queria a Lua duas vezes mais. Então ele chamou seu caçador mais forte e rápido e ordenou que ele trouxesse a Lua de volta. Obviamente, esse caçador era Beau.

Beau saiu tão rápido quanto podia correr, direto para a escuridão. Mesmo então ele não tinha medo, mas ele definitivamente não queria ser devorado caso falhasse.

Essa noite era muito escura porque a Lua não estava mais lá. Muitas pessoas choravam, e os caçadores do Rei estavam ocupados roubando vozes e brinquedos e pessoas perdidas porque ninguém podia ver nada. Isso ajudou Beau a invadir o reino da Escuridão. Ninguém se preocuparia com um caçador caçando, e ele era muito inteligente e jamais seria capturado.

A Escuridão prendeu a Lua no meio de seu coração. Era quase impossível passar pelo reino da Escuridão, e haviam armadilhas e truques que Beau teve que dar um jeito de escapar. Em um momento, ele foi capturado por velhas bruxas. Algumas eram corcundas e enrugadas com cabelos pontudos e dentes podres. Outras eram bonitas, mas tinha apenas vazios onde seus olhos deveriam estar e línguas bifurcadas como cobras. Elas disseram, “Pequeno caçador, nós sabemos por que você veio. Nós poderíamos dizer à Escuridão agora, e ela lhe engoliria inteiro.”

Ele respondeu, “Eu posso lhe dar algo em troca. Algo pelo seu silêncio. Então você não teria que dizer e eu poderia continuar meu caminho.”

“Há apenas uma coisa que queremos”, elas disseram. “Mas se você se importa tanto assim com sua caçada, nós a pegaremos.”

As garras ossudas e as palavras mágicas das bruxas cortaram-no. A dor era terrível, mas pela caçada, Beau deu sua Rapidez. Ele continuou, mas agora era mais devagar e complicado.

Em outra situação, Beau foi caçado por um enxame de besouros com garras afiadas. Ele sabia que eles não parariam enquanto não o devorassem até que nada sobrasse, e sem sua Rapidez, ele não tinha como ser mais rápido. Ao invés disso, ele parou e virou-se para encará-los porque ele não tinha medo. Os besouros cobriram-no. Eles escavaram seu corpo e correram sob sua carne. Eles cobriram seus olhos e tentaram forçar a entrada em sua boca. Os besouros manchavam tudo com sua nuvem escura e o ruído de suas asas era tão enlouquecedor que ele achou que fosse desmaiar. Quando ele falou com os besouros, eles tentaram, novamente, entrar em sua boca e devorá-lo por dentro.

Ele disse, “Eu posso lhe dar algo melhor que meu corpo.”

Eles pararam e perguntaram em uníssono, “O que você tem que nós podemos querer?”

Ele disse, “Eu sou o mais forte dos caçadores do Rei. Vocês podem ter minha Força. Com isso vocês podem pegar milhares de corpos, e não apenas o meu.”

Com isso, os besouros devoraram Beau até que toda sua Força tivesse sido consumida. Novamente Beau continuou, mas agora era ainda mais difícil. Ele não podia viajar muito rápido ou por muito tempo, e ele tinha que ter cuidado redobrado. Se fosse pego, ele não teria como lutar. A Escuridão o consumiria, e então não haveria nada para sempre.

Beau passou pelo reino da Escuridão, procurando por seu coração, por muito tempo. A terra era fria e solitária. Não era silenciosa como o Lugar Quieto. Haviam longos gritos e sombras se movendo por todo o lado. As árvores não tinham folhas nem flores. As únicas luzes vinham de cogumelos venenosos que cheiravam como lixo podre, e a única diferença de terra plana eram as ruínas dos castelos que as sombras haviam conquistado e deixaram ali para se decompor.

O coração da Escuridão não estava onde Beau achou que estaria, mas embora ele tivesse perdido sua Rapidez e sua Força, ele ainda tinha seus sentidos. Na única colina das planícies sem fim, havia uma torre. Era velha e podre, coberta por fungos e pronta para cair a qualquer momento. Perto da torre havia um jardim cercado, e foi aí que ele ouviu o choro dela.

A Lua estava sentada em um grande cogumelo, de costas para ele. Ela chorava, e ela queimava as sombras tanto que eles a acorrentaram. Ela era muito bonita, e ele nunca tinha visto tal luz antes.

Ele disse “Lua, eu vim para lhe buscar.”

Ela se virou para encará-lo, e foi aí que ele sentiu a mudança. Ele quase não podia olhar para ela, sua face era tão perfeita. Ele sentiu que estava derretendo por dentro, e não tinha nenhum Força para parar isso.

“Você vai me salvar?” ela perguntou.

“Não”, ele disse. Ele estava muito triste. “Eu queria que eu pudesse. Não tenho mais Rapidez nem tenho mais Força. Agora, acho que você tomou meus Pensamento também. Eu não tenho qualquer uso agora. Estou vazio.”

Ela sorriu para ele, o que o fez feliz, e ele soube então que não precisava de uma idéia porque a Lua tinha uma. Eles se abraçaram, e quando eles o fizeram ele sentiu que ela habitou seu coração. Ele pegou a Força, a Rapidez e os Pensamentos dela, que eram ainda maiores que os que ele jamais tivera. Em seu coração, ela o mudou.

Com esse novo poder, foi fácil fugir das criaturas e sombras na Escuridão. Elas os caçaram até o Lugar Quieto, mas os outros caçadores e o Rei baniram as criaturas rapidamente. O Rei estava muito animado e fez uma grande festa para honrar Beau. No entanto, quando chegou a hora do prato principal, que seria a Lua, Beau tinha um problema. Agora que ela estava em seu coração, ele jamais poderia deixar que ela fosse devorada pelo Rei Mau.

“Rei”, ele disse. “Se você comer a Lua, a Escuridão não vai mais querer ela.” "Por que não?" o Rei perguntou, incomodado. “Porque ela ainda estará desaparecida. É isso que a escuridão quer. Como ela some não importa. Mas se você a libertar, você terá sua liberdade. Isso é o que a Escuridão quer mais que qualquer coisa”, ele explicou.

O Rei ficou furioso, mas sabia que Beau estava certo. Ter a Lua não era importante, e isso a faria ter um gosto terrível. Então ele fez com que Beau a devolvesse aos céus. A Lua, tendo estado no coração de Beau, não queria partir. Ela chorou e chorou, e isso fez com que Beau ficasse triste. Então Beau manteve um pedaço da Lua em seu coração. Isso o fez rápido e forte e esperto, e fez com que seu interior brilhasse, como era o caso com ela. E ela pegou uma parte da escuridão dele. Assim, eles sempre estariam juntos.

E é por isso que Beau era pálido e tão poderoso. Mas também é por que Beau começou a odiar o Rei Mau.

A próxima história é “O que minha mãe pensa ter visto e por que eu posso ter começado a chorar naqueles dias”, o que é um péssimo título, mas eu não sou muito original. Essa última história foi emotiva porque eu queria mostra que Beau talvez não fosse totalmente mau. Essa próxima, no entanto, me assusta.