23/08/15

O Fantasma da Guerra

Há algum tempo, um comandante aposentado que lutara na guerra do Vietnã foi encontrado morto em sua própria casa. Ele estava na cozinha, e parecia ter cometido suicídio com seu próprio revólver. A cozinha estava tão cheia de terra e pegadas que parecia que mais de 100 pessoas passaram por lá no momento em que ele se matou. Todas as pegadas eram estranhamente similares às botas que o exército tinha na época em que ele havia lutado. As autoridades locais concluíram que se tratava de um caso de trauma de guerra. Alguns acreditam que essa não é a completa verdade. A principal evidência para crerem que as autoridades estão erradas é um bilhete que o veterano segurava, que aparentemente havia sido escrito com um velho datilógrafo. O papel continha:

"Os nomes e os rostos que estão agora perdidos estão voltando para assombrar você. Seu destino estava nas tuas mãos e você falhou. Eles perderam todos os seus presentes mais preciosos por causa de um objetivo fútil. A missão que lhe foi dada não foi cumprida.

O Fantasma da Guerra voltou. Ele traz consigo seu exército formado por todos os soldados caídos. Ele traz consigo o som das bombas. O áspero cantar das balas que cortam o ar. O calor da batalha, a terra e o cheiro de morte.

Você não é o primeiro e não será o último. Você é o próximo. O Fantasma da Guerra não tem rosto. Ele está esperando. Ele sempre andará ao teu lado. Ele usará o momento quando menor for sua atenção. E não vai ser um bom dia, comandante.

Ele te estende a mão, ele te levanta do chão. Ele te dá sua arma, a arma dos militares nobres. Você a aponta para sua própria testa. Espera para chegar perto de seus amigos que caíram em batalha. Procura paz em seu tiro final. Aperta o gatilho. O Fantasma da Guerra voltou. Hoje à noite, ele volta mais uma vez. Ele volta para ver você."


6 comentários:

  1. Não participei de nenhuma guerra, estou são e salvo.

    ResponderExcluir
  2. Provavelmente não era um fantasma em si, e sim o próprio sentimento de culpa do comandante que o fez se matar. A culpa sobre a guerra virou um indivíduo, propriamente dito...

    ResponderExcluir