18/11/15

Crianças Estranhas - Final

Leia o começo da história aqui: Parte I


Minha mente adolescente estava cheia mais uma vez com imagens do pesadelo, mas eu fiz o meu melhor para ficar focado na realidade. Ela era a última pessoa que teria ido para o outro lado do riacho, e se as crianças estranhas já tivessem se aventurado para fora da floresta, certamente as pessoas da cidade falariam sobre eles, certo?

Armado com estas racionalizações eu decidi ir a nossa clareira favorita e esperar por ela. Ela não estava lá quando eu cheguei - parte de mim esperava que ela estivesse esperando na grama, pronta para rir na minha cara quando soubesse como eu tinha andado para cima e para baixo o caminho mais de duas vezes antes de pensar em verificar o nosso local - e com uma hora passada lentamente, comecei a me perguntar se algo de ruim realmente tinha acontecido com ela. Mas, se alguma coisa tinha acontecido, o que eu ia fazer sobre isso? Eu não tinha ideia de onde ela morava, e ela era a única criança que eu conhecia na área.

Quase inconscientemente, comecei a ir à direção do riacho. Eu só tinha prometido que não iria atravessá-lo, depois de tudo, e se ela estava tão preocupada com o meu paradeiro ela deveria ter me deixado saber onde ela estava. Além disso, se ela tinha sido capaz de superar as crianças estranhas quando elas estavam ao lado dela, eu seria capaz de fugir muito antes que elas chegassem perto.

Minhas pernas estavam cheias de uma energia nervosa e vertiginosa enquanto eu continuava andando, às vezes em um ritmo rápido e outras apenas pondo um pé na frente do outro. Assim que o próprio riacho estava à vista, comecei a passar de uma árvore para outra, usando-as como uma capa contra o que quer que pudesse se esconder do outro lado do riacho. Aproximei-me mais, cauteloso para não perturbar nem mesmo um único galho na minha abordagem.

Finalmente eu tinha apenas alguns metros até a margem do riacho. Eu me agachei e silenciosamente coloquei minhas mãos nos joelhos, me aproximando do último trecho e mantendo um estreito contato visual com as árvores à minha frente. Eu falei o nome de Jessie em voz baixa, forçando meus ouvidos para a floresta para pegar qualquer coisa de interessante, mas nada aconteceu. Era apenas mais um dia comum e eu era apenas um garotinho estranho sussurrando na floresta.

Eu estava prestes a me virar quando um lampejo de movimento chamou minha atenção. Eu não tinha notado isso antes porque eu estava examinando o chão, mas virando os olhos para cima, vi uma silhueta de algo que eu não conseguia entender. Ele balançou suavemente na brisa como se estivesse suspenso a partir dos ramos. As folhas romperam a forma distante, que deveria estar a vários metros de distância, e eu imediatamente esqueci minha promessa à Jessie; eu tinha que saber o que essa coisa era. Assim como eu estava prestes a balançar as pernas para baixo da margem do riacho, uma voz sobressaltou aos meus pés em um instante.

"O que você está fazendo?" Jessie estava de pé atrás de mim, se agarrando em uma árvore como se ela pudesse cair sem o seu apoio. Embora seu tom fosse de raiva, seu rosto estava branco-fantasma. Ela fez um sinal, claramente não disposta a ir mais perto do riacho do que ela estava. Virei meu corpo, levantando o braço para apontar para a coisa que eu tinha visto na copa das árvores, mas eu não consegui relocalizar.

“Eu... eu vi alguma coisa.” Eu disse, procurando nas folhas pela forma balançante.

“E com alguma sorte aquilo não viu você.” Ela sussurrou, batendo o pé no chão. Eu balancei minha cabeça, minha curiosidade de menino superando seu medo óbvio.

“Não seja um gatinho assustado”, eu disse, me agachando para ver se eu conseguia localizar a figura nos ramos. Em resumo, eu imaginava se tinha se movido, mas parecia impossível. O que quer que fosse, não era animado. “Eu vou atravessar.”

"Não!" Jessie gritou, se lançando para mim. Eu já estava assustado com seu grito, e ela colidiu em mim com força total, fazendo com que nós dois caíssemos da borda para o riacho. Nós gritávamos e nos debatíamos enquanto caíamos, nós dois aterrissando nas minhas costas. A água barrenta balbuciava sobre nós e eu me afastei, me puxando para a margem do riacho. Jessie me seguiu, mais por um desejo de sair da água do que qualquer coisa.

"Muito bem", eu disse sarcasticamente. A água estava realmente refrescante no calor do verão, mas nós sabíamos que em pouco tempo nós estaríamos nos afogando em umidade, nossas roupas molhadas sufocando nossos corpos. Eu me arrastei para cima do lado oposto do riacho, levantando mais uma vez os meus olhos para os galhos para encontrar o que eu tinha visto.

"Por favor, por favor, podemos ir?" Jessie estava ao meu lado, segurando meu braço, apesar do fato de que eu era bem uns quinze centímetros mais baixo que ela. "Nós realmente precisamos ir, por favor!"

"Vai, apenas um pouco mais!" Maravilha e emoção tinham ultrapassado todas as outras emoções em minha mente. Antes, quando o riacho era apenas uma memória, era fácil imaginar um mundo de monstros à espreita do outro lado do caminho. Agora que eu estava aqui, à luz do dia, senti-me fortalecido. Eu podia ver que não eram monstros, então, obviamente, eu estava seguro.

Tenho sorte de estar vivo.

Puxando Jessie para frente, eu caminhei para o ponto onde eu tinha visto a coisa pendurada nas árvores, mas agora ela estava longe de ser encontrada. De onde eu estava eu ainda podia ver o riacho, e eu tentei me imaginar agachando do outro lado, olhando para os galhos. O vento soprou preguiçosamente através das folhas, balançando-as, mas não havia nada anormal pendurado do dossel.

"Eu vi alguma coisa aqui", eu disse em voz alta, justificando a minha persistência para Jessie. Eu me sentia mal por arrastá-la a um lugar em que obviamente ela não queria estar, e eu pensei que se eu tivesse algo para mostrar para ela, talvez ela teria entendido. Em vez disso, lá estava eu, olhando para as árvores como um idiota com uma garota apavorada agarrando-se a meu lado. Seus olhos corriam para trás e para frente através da linha das árvores, como se à espera de alguma coisa para aparecer e nos atacar de repente.

Recusando-me a sair de mãos vazias, eu nos movi lentamente para frente. À medida que prosseguíamos, as árvores a nossa volta pareciam ficar mais quietas, como se estivéssemos entrando em uma espécie de zona morta na floresta, um lugar onde até mesmo os pássaros e bichos se recusavam a ir. As unhas de Jessie cavavam em meu braço, mas ela ficou ao meu lado, sem fazer qualquer barulho, exceto um pequeno gemido com cada exalação.

Depois de mais cinco ou dez minutos de caminhada, nos deparamos com um afloramento rochoso que se projetava para fora da terra, e um pequeno buraco que levava para baixo. Intrigado como eu estava com a promessa de mais aventura, algo mais chamou nossa atenção: uma estranha boneca encostada na boca da caverna, de frente para nós. Sua testa alongada pendia um pouco sobre o seu rosto, fazendo o lado superior direito da sua cabeça côncava. Seus olhos eram pequenos, pretos e lustrosos, brilhando ao sol do meio-dia, e tufos de cabelo tinham sido colocados em seu couro cabeludo de forma desorganizada. Ela estava vestida apenas com um pequeno macacão de sarja que cobria a suja pele de pano. Antes que eu pudesse respirar para comentar sobre isso, Jessie foi ferozmente me puxando para longe.

"É isso aí! É um deles" Ela estava praticamente gritando, um terror cru vindo através de sua voz, mas sua reação foi me assustar mais do que o próprio objeto – aquilo era uma criança estranha? Uma boneca de grandes dimensões?

"Acalme-se!", Eu disse, puxando-a de volta. "Não pode ser! Olhe para ela, ela não está respirando! É apenas uma boneca!" Puxando meu braço para fora de seu aperto, Jessie caiu de cara no chão, mas estava de pé um segundo depois. Ouvi-a começando a correr e virei para dizer a ela que ela não precisava chegar mais perto se ela estava com medo, que eu iria examiná-lo sozinho.

Assim que eu olhei em sua direção, no entanto, minha voz ficou presa na minha garganta. Onde Jessie e eu estávamos a menos de vinte segundos atrás estava outra boneca, só que desta vez foi diferente. Ele estava limpa e mais benfeita, como se quem tivesse feito a da caverna tivesse aprendido com seus erros. Esta boneca estava de pé ao lado de uma árvore, observando-nos com aqueles mesmos olhos negros, cabelo castanho curto emaranhado com sujeira e aglutinado na cabeça a esmo. Um vestido vermelho esfarrapado agarrado desesperadamente em seu ombro direito, e abaixo dela a pele de pano parecia muito mais limpa do que a outra, muito mais... real.

Antes que eu pudesse dizer uma palavra, Jessie quebrou o silêncio. Eu esperava que ela gritasse, mas em vez disso o que saiu de sua boca era quase um sussurro.

"Emma?"

A boneca deu um passo adiante, e meus níveis de terror foram até seus limites. Olhei para trás para ver que a outra boneca estava puxando-se aos seus pés, sem jeito cambaleando para nós. Qualquer dúvida que eu tinha sobre a história de Jessie evaporou-se em um instante. As crianças estranhas eram reais, e estavam bem na minha frente. Sem nenhum momento de hesitação, agarrei o pulso de Jessie, de repente, me tornando a pessoa desesperada para nos tirar de lá.

"Vamos! Vamos, anda logo!", Eu gritei para ela, mas ela nem sequer parecia me ouvir. Ela, em vez disso, começou a caminhar em direção a boneca, em direção a... Emma, eu imaginei, embora eu não pudesse ver como é que poderia ter sido a amiga de Jessie. Eu ficava puxando-a pelo braço até quando a coisa atrás dela se aproximou. Jessie estava focada exclusivamente na a outra menina, bloqueando todo o resto do mundo. A boneca estendeu a mão para Jessie, e ela ergueu a própria mão também.

"Jes-!" Comecei a dizer, mas fui interrompido por um objeto pesado caindo diretamente sobre minha melhor amiga, enchendo-a de sujeira. Em cima dela estava uma pequena figura semelhante à humana, com a cabeça e as mãos proporcionalmente muito menores do que deveria ser. Finalmente observando um de perto, percebi que sua pele não era apenas pano sujo; era podre, carne manchada.

Eu me mexi para trás enquanto a pequena criatura agarrava Jessie pelos cabelos, puxando sua cabeça para cima dolorosamente. Jessie gritou e arranhou o chão, tentando empurrar a coisa fora dela, mas a criatura que ela tinha chamado de Emma caiu de joelhos, fechou a mão sobre sua boca e em seguida virou a cabeça para olhar para mim.

Uma energia subiu para minhas pernas e disparei. Eu estava em pânico completo, operando em um instinto primitivo de fugir, mas apenas quando eu comecei a correr, eu colidi com uma força sólida que me bateu de volta para o chão. Outra daquelas coisas estava diante de mim, com a cabeça debatendo desajeitadamente à esquerda assim como Jessie tinha demonstrado. O que eu tinha visto na caverna entrou em meu campo de visão, segurando uma pedra grande em suas mãos. Antes que eu pudesse rolar para fora do caminho o peso caiu sobre a minha cabeça, enviando uma dor através do meu crânio. Minha visão ficou branca e um zumbido ensurdecedor encheu meus ouvidos, mas eu fiquei completamente consciente.

Eu podia sentir as coisas levemente me arrastando, me puxando pelo chão enquanto eu lutava apenas para recuperar meus sentidos. O branco ofuscante lentamente deu lugar a um negro impenetrável, e o zumbido entorpecido a um baralhar sem forma e gorjeios esquisitos das crianças estranhas ecoando nas paredes da caverna. Eu fiz o meu melhor para ficar mole enquanto era arrastado pelas pedras brutas, rasgando minha camisa e cortando minha carne. Tenho certeza de que gemia de dor, mas as crianças estranhas não reagiam, me puxando mais para o seu covil.

Finalmente, o movimento chegou ao fim. Eu estava apoiado contra uma parede de pedra bruta, e até mesmo na escuridão eu poderia dizer que um deles estava bem na frente do meu rosto, calmamente resmungando para si mesmo naqueles estranhos ruídos arrítmicos. Seus dedos grossos seguraram minhas mãos e começaram a esticar um tecido forte e fino em torno de meus pulsos, juntando-os. Me enrolou pelo que pareceram anos, até que finalmente pareceu satisfeito que minhas mãos não iriam a lugar nenhum, em seguida, mudou para os meus tornozelos para fazer o mesmo.

Assim que estava feita a amarração, o ruído de seus movimentos foi ficando gradualmente mais fraco, antes de desaparecer completamente. Significava poder respirar um suspiro de alívio, eu em vez disso deixei escapar um soluço engasgado, finalmente deixando-me expressar o terror que eu senti por todo o calvário. Eu não tenho vergonha de admitir que eu estava sentado naquela caverna e chorando, certo de que nunca mais veria meus pais ou avós novamente.

Só quando ouvi mais movimento vindo em minha direção eu fiz qualquer esforço para me acalmar. Eu fiz o meu melhor para controlar minha respiração, aspirando em sopros através de suspiros trêmulos e expirando lentamente pelo nariz. Tentei imaginar o que os ruídos eram; lentamente, eu presumi que alguém estava sendo arrastado para baixo pelo mesmo caminho áspero eu tinha sido.

Eles estavam trazendo Jessie também.

Por um curto momento eu senti esperança. Tão egoísta quanto é de admitir, ao menos eu senti conforto em saber que eu não teria que sofrer sozinho. Parte de mim até se divertia com a noção de que talvez em conjunto Jessie e eu pudéssemos escapar desta caverna e nunca, nunca voltar a esta floresta terrível novamente.

Claro, a realidade deste plano tinha muitos obstáculos. A gruta estava totalmente escura, algo que não parecia afetar as crianças estranhas nem um pouco. Tudo que eu sabia era que havia alguém sentado na sala comigo, em silêncio, observando e esperando que eu fizesse um movimento para que ele pudesse me atacar novamente e terminar o trabalho. Além disso, eles facilmente nos colocavam em desvantagem numérica. As probabilidades estavam contra nós em todos os sentidos possíveis.

Jessie entrou ruidosamente na sala em que eu era mantido, e seus gritos abafados me deram uma sensação das dimensões da sala. Ele parecia menor do que eu esperava, provavelmente só um pouco maior do que o meu próprio quarto. Ainda assim, era muito grande para armazenar os dois de nós.

Bem quando eu estava me perguntando se eles iriam deixar Jessie e eu sozinhos juntos, a sala foi preenchuda com uma luminescência azul suave. Uma das crianças estranhas - Eu não poderia dizer qual com as costas viradas para mim - estava esfregando os dedos contra um estranho tipo de musgo na parede oposta, e a agitação provocou uma reação em cadeia em toda a planta. Filamentos de luz azul formaram um arco por cima do muro em um padrão brilhante, a iluminação ramificando-se como um floco de neve antes de finalmente preencher, cobrindo a parede da caverna na tela mais linda que eu já tinha visto.

E ali, na frente do musgo brilhante, estava Jessie. Ela havia sido colocada em uma plataforma de terra, obviamente, feita a mão, e seus esforços acalmados enquanto lufadas de esporos do musgo brilhante caiam sobre ela. A criança estranha estava sobre ela, observando por um momento, antes de dobrar para a frente sobre ela.

Na minha vida eu nunca tinha ouvido o som de carne rasgar, mas pela primeira vez era inconfundível. Eu empurrei com o barulho, como se tivesse sido a minha própria pele, e meu coração batia tão rápido que eu temia que ele fosse me matar. Eu mantinha meus olhos fechados e só ouvia como a criança estranha fazia Deus-sabe-o-que com minha amiga desamparada a apenas alguns metros do meu rosto. Reunindo a coragem que eu podia, eu comecei a passar os laços em torno de meus pulsos contra uma rocha irregular, esfregando apenas lento o suficiente para não fazer muito barulho.

O barulho de algo rasgando logo deu lugar à gorgolejos e esguichos molhados, mas eu não me permitia imaginar. Em vez disso eu pensei sobre meus avós, sobre ver seus sorrisos mais uma vez. Eu pensei sobre o avião que me levaria para fora do Mississippi, e eu pensei em todas as desculpas que eu usaria pelo o resto da minha vida para não pegar outro avião de volta. Eu tinha que sobreviver a isso. Eu precisava.

Enfim, as cordas se soltaram com bastante esforço. Uma vez que elas estavam fracas o suficiente, consegui separá-las com a força bruta, as fibras rasgando longe uma da outra com um som suave, algo que foi quase agradável contrastou contra os ruídos perturbadores vindos de toda a sala.

Eu tateei no quase-escuro, meus dedos se movendo de pedra em pedra até que eu encontrei algo solto o suficiente - e grande o suficiente - que me senti confortável com ele. Eu agora olhei diretamente para a criança estranha, suas costas ainda viradas enquanto ele realizava o seu ritual macabro em minha amiga. Serrando a pedra através das cordas em torno de meus tornozelos, eu me preparava psicologicamente para o que eu ia ter que fazer a seguir. Armado com uma pedra, eu estava indo atacar a criança estranha, derrubando-a com um bom golpe. É justo, eu pensei comigo mesmo. Em seguida eu iria pegar Jessie e jogar por cima do meu ombro - ela era mais alta que eu, com certeza, mas eu não era um garoto fraco. Depois disso, nós fugiríamos da caverna de alguma forma, em seguida, correríamos de volta para a casa dos meus avós e estaríamos seguros.

As cordas em torno de meus tornozelos caíram, e eu lentamente estiquei as pernas para fora. A criança estranha ainda estava alheia a mim, e parte de mim odiava isso. Lá estava eu, prestes a bater em seu crânio com uma pedra, e ele nem sequer me considerava uma ameaça suficiente para virar e me verificar.

"Hey," eu sussurrei, a rocha apertada no meu punho enquanto eu a estendia para o lado por trás da minha cabeça. A criança estranha finalmente girou e eu olhei nos seus olhos negros sem alma uma última vez antes de o atravessar com minha arma.

A sensação não era como eu esperava. Em vez de um golpe sólido e um “crack” ressoante, minha mão atravessou sua pele suja com pouca resistência. Fiquei ali, atordoado e olhando para o seu olho restante enquanto seu rosto pendia frouxamente em torno de meu pulso. Arranhões suaves fizeram o seu caminho em toda a minha mão e eu empurrei-o de volta, a força do meu punho puxando para fora de sua cabeça rasgando outro pedaço da pele-que-não-era-pele.

Olhando para o meu lado, eu vi a coisa mais horrível que eu já vi na minha vida. Em vez de cérebros, sangue e coágulos cobrindo minha mão, havia insetos. Centopeias, aranhas, formigas e mais, muito números para contar, invadiram minha pele. O saco de carne diante de mim caiu de joelhos afundando, os seus ocupantes saindo do buraco em seu pescoço.

Eu perdi. Eu gritei no topo dos meus pulmões e bati meu braço contra a parede da caverna, esparramando os vermes nas folhas. Em meio ao caos eu chamei o nome de Jessie, esquecendo-me no momento que eu já esperava que ela estivesse inconsciente na melhor das hipóteses. Com a cabeça inclinada para o lado ela se ergueu sobre os cotovelos, olhando para mim. Meu coração se encheu, pensando por um momento que pelo menos nós sairíamos dessa vivos.

Quando o brilho azul do musgo refletiu os olhos muito pretos de Jessie, eu corri.

Através da escuridão eu corria, sem me importar com o ranger de dentes frenético que ecoava na caverna a minha volta. Corri por cada curva e entrei naqueles túneis apertados, ainda lutando para raspar todos os insetos do meu braço. A cada momento que passava eu esperava sentir as mãos das crianças estranhas se enrolando em torno de minhas pernas, me arrastando de volta àquela sala, e fazendo comigo o que eles tinham feito a Jessie. Me transformar em um deles.

Finalmente eu vi um feixe fino de luz no fim da escuridão. Eu me arrastei para fora da caverna e para a floresta aberta, a lua cheia me dando muita iluminação para encontrar meu caminho. Através de toda a corrida eu rasgava a carne do meu braço com minhas unhas, raspando os restos da criança estranha enquanto eles se contorciam e se arrastavam em mim.

A corrida inteira é na maior parte um borrão agora. Eu não parei nem uma vez, nem sequer espreitei atrás de mim por medo de ver as coisas mais uma vez. Quando eu cheguei na casa de meus avós, os dois estavam acordados, sentados na sala de estar esperando por mim. Devo ter dito um conto com um único olhar, porque suas expressões severas derreteram ao ver meus olhos e eles ficaram comigo o resto da noite. Sentado no sofá e enrolado em um cobertor, eu só olhava pela janela para a estrada poeirenta que levava à casa, rezando para que eu não visse Jessie andando ali.

No dia seguinte, depois que eu tinha dormido e comido, meus avós tentaram persuadir-me a contar o que aconteceu. Eu não sabia o que dizer a eles. Finalmente, eu lhes disse que acabei dormindo na floresta e tive um pesadelo, me assustei e corri para casa chorando. Eles me abraçaram e riram suavemente, e meu avô disse que eu deveria avisar da próxima vez para não deixá-los preocupados. Eu sorri e o rosto de Jessie apareceu em minha mente.

Eu não me deixei ficar sozinho pelo resto das férias. Isso significava ficar dentro de casa a maior parte do tempo, algo que estava mais do que bom pra mim. Quando disseram que Jessie não estava em casa há alguns dias e as pessoas começaram a procurar, meus avós me perguntaram se eu sabia alguma coisa sobre isso. Eu queria dizer-lhes sobre as crianças estranhas - Eu deveria ter dito alguma coisa, eu sei disso agora. Mas, como a criança medrosa que eu era, eu apenas disse que não e eles deixaram por isso mesmo. Três semanas depois, eu peguei um avião e fui para casa, e, pela primeira vez desde a caverna eu senti que eu poderia respirar novamente. Eu não tinha mais a ameaça das crianças estranhas pairando sobre mim, aguardando pelo lapso de um momento em prontidão para que eles pudessem atacar.

Eu gostaria de dizer que eu não sei o que aconteceu com Jessie, que seu destino permanece um mistério, mas isso seria um caminho covarde. Jessie morreu por minha causa. Por causa da minha arrogância, minha curiosidade e minha estúpida sede por aventura Jessie perdeu a vida. Isso é algo que eu penso todos os dias, até mesmo uns trinta anos depois, e isso dói tanto quanto a primeira vez que eu pensei.

Milhares de quilômetros e algumas décadas estavam entre mim e o pior verão de minha vida, mas não é essa perspectiva que me levou a finalmente escrever o meu conto. Minha filha Maggie foi ficando animada sobre colecionar insetos, e por mais desconfortável que isso possa me deixar, eu não sou do tipo que irá detê-la. O que realmente me perturba sobre isso é como seus insetos agem; cada vez que ela me traz um dos seus pequenos frascos, os insetos de dentro... me olham . Eu sei como isso soa louco, eu sei que insetos não "olham" como você e eu, mas... é como se eles quisessem me fazer saber que eles sabem que eu estou lá.

Eu entrei no quarto de minha filha alguns dias atrás, quando ela estava na escola, e peguei sua fazenda de formigas para ver o que iria acontecer. Eu esperava que elas congelassem, para virar e olhar para mim, mas em vez disso elas entraram em um frenesi. Até a última formiga invadiu o lado do recipiente, rastejando umas sobre as outras e escalando contra o plástico que os separava da minha mão direita. A mão em que os insetos estiveram por alguns minutos enquanto eu tropeçava cegamente através daquela caverna, freneticamente sacudindo-os para fora. Eu assisti, horrorizado, como as formigas literalmente rasgavam umas as outras para ser a mais próxima de minha mão.

O que as crianças estranhas fizeram comigo?


18 comentários:

  1. Top, tem uma história que conta o início disso tudo? Mesmo que seja em Inglês, adoraria entender algumas coisas que ficaram pairando...

    ResponderExcluir
  2. Top, tem uma história que conta o início disso tudo? Mesmo que seja em Inglês, adoraria entender algumas coisas que ficaram pairando...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você leu a parte 1?
      Tem o link ali no comecinho...
      Se estiver falando de algo anterior, daí não tem mesmo.

      Excluir
  3. Os insetos te amam, cara. Que nojo.

    Uma pena que não explique o que exatamente era aquele musgo e o porquê dos insetos, mas achei bem legal C:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o musgo não tem explicação mesmo, acho que é só pra justificar que ele conseguia enxergar dentro da caverna.
      Que bom que gostou!

      Excluir
  4. Que maneiro! Qual é o título em inglês? Eu adoraria sair caçando mais alguma coisa sobre isso.

    ResponderExcluir
  5. wow historia massa parabens ficou show! bom poderia dizer pq os insetos gostaram dele? fico meio sem sentido pelo menos pra mim se puderem me falar agradeço ^~^

    ResponderExcluir
  6. Amei a história. O ritmo que ela segue. E amo esses finais onde o protagonista afirma que relata o que aconteceu, pois o ocorrido não acabou completamente e que está junto consigo até hoje. Muito foda, Parabéns. ;D

    ResponderExcluir
  7. Wowww, me surpreendeu esse final foi muito bom!!! São quase 5 da manhã, eu deveria estar dormindo, mas não iria conseguir dormir sem ler esse final depois de ler a parte 1.
    Gosto muito de ler creepys à noite no celular porque consigo me imaginar no lugar da pessoa e sentir aquele frio na barriga também hehe!!!
    A tradução ficou ótima e a forma como a história é narrada também é muito legal, realmente está de parabéns Flávia!

    ResponderExcluir