Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Ballet (Part:6 O Sótão Aberto)

PART1
PART2
PART3
PART4
PART5

O som do carro ligando chama sua atenção, imediatamente corre até o andar de baixo e então vê o carro de sua mãe se afastando da casa. A sua bicicleta está quebrada, então sem pensar duas vezes corre o mais rápido possível entre as árvores para não ser visto. Seus batimentos cardíacos são rápidos como os de um bebê, o suor começa a escorrer em sua testa. 

Alicia para o carro perto da ponte Red Crystal que atravessa um enorme lago. Os ventos leves sopram as folhas das árvores tornando a paisagem um verdadeiro cartão postal, mas com um silêncio sombrio e angustiante; Molly está feliz por sair de casa, mas pensativa sobre o que está por vir. Derick observa sua mãe sair do carro e retirar Molly do banco de trás, a passos curtos elas se aproximam da beira da ponte, Alicia está olhando para o horizonte enquanto se aproxima mais e mais da beirada. 

-Não é lindo aqui minha querida?  
-Muito. Eu estou começando a sentir dores, será que podemos ir agora?
-Você nunca mais vai sentir essas dores.. 
-E por que não?
-Porquê você vai ter o seu descanso, e ele vai ser eterno. 

Molly é empurrada da ponte e caí no lago enquanto Alicia observa cada movimento seu de desespero e agonia, a água entrando em sua boca e abafando seus gritos. Derick pula na água e nada para socorrê-la, sua mãe liga o carro saindo em alta velocidade, deixando marcas de pneu no asfalto. 

Já quase sem energias Molly consegue ser resgatada. Derick a traz para a margem e então começa a lutar para salva-la; cada pressão exercida sobre o peito de Molly parece inútil, seus sinais vitais já não aparecem mais. Num ato de impulso Derick desfere um soco em seu peito fazendo com que ela cuspa toda a água de uma vez; aos poucos sua consciência vai voltando e a primeira visão de seus olhos é o rosto cansado de seu salvador, a única pessoa que a fez conhecer o sentimento tão distante e ao mesmo tempo tão próximo ali chamado amor. 

-Eu tenho que tirar você daqui, nós vamos até sua casa por uma roupa seca e depois vamos até a policia, minha mãe está completamente louca. Tenta ser forte, por mim. 
-Estou sendo forte a muito tempo. 

Derick está exausto, mas ainda tem forças para carregar Molly nos braços, cada passo se torna mais pesado e a fadiga só aumenta, mas seu sentimento é maior que qualquer limitação física, é nítido e admirável seu esforço. Alguns metros depois eles chegam até a casa de Molly e novamente o carro de Alicia está lá, mas o que ela pretende ali? É a pergunta que ambos se fazem. 

Ao entrarem na casa notam que tudo está revirado e mais desorganizado que o normal, Molly é colocada novamente em cima de sua velha poltrona e Derick sobe as escadas, com um aperto no peito a cada degrau subido. O que sua mãe poderia estar fazendo ali depois de tudo o que tinha feito na ponte? 

A luz no fim do corredor está acesa e a porta do sótão aberta. O cadeado jogado no chão ao lado dos sapatos verdes de Alicia, nada daquilo faz sentido, não teria como ela abrir sem o alicate que ainda está no mesmo lugar em que ele havia deixado, a não ser que ela tivesse a chave. 

‘’- Se a minha mãe abriu a porta é porque tem a chave, mas por qual motivo?’’ – ‘’O que tem naquela merda de sótão?.’’

Seus passos úmidos seguem em direção ao fim do corredor, a curiosidade já não é tão presente como antes e agora o medo começa a chegar. Um medo que só aumenta com o passar dos segundos. Derick sempre foi corajoso, era o homem da casa, porém em sua mente não era possível acreditar que a sua própria mãe seria um terror em sua vida. Seu pai morreu quando ele ainda era criança, caiu da escada depois de ter uma queda de pressão e naquele dia Alicia disse que ele seria o novo homem da casa. A responsabilidade colocada em cima dele era enorme, mesmo não tendo irmãos ele queria ser o exemplo de alguém e sempre fazia questão de demonstrar força em momentos tristes para que sua mãe não ficasse tão ruim. 

(Continua..) 

Autor: Andrey D. Menezes. (Senhor Youtuber não esqueça de creditar na descrição.<3) 

(Espero que estejam gostando, estou me dedicando tanto a essa creepy, vocês não tem noção! É a segunda maior creepy que faço eu acho e estou fazendo tudo com muita calma.. Espero que estejam gostando, falta pouco pro fim :) 

( Já estou pensando na próxima creepy kk e em 2018 quero compartilhar com vocês um projeto que está sendo feito :)