02/07/2013

A,B,C,D...

Fui até a porta do porão e a abri, olhando para baixo no abismo negro com o qual já estava familiarizada. Afasto meu cabelo loiro dos olhos assim posso ver cuidadosamente onde piso, tomando cuidado para não tropeçar.

“Você acredita que já faz três anos desde o dia em que te conheci? Parece que foi a tanto tempo não é Patrick?” Chego ao fim dos degraus e estico as mãos para cima procurando a corrente que ligaria a luz. Minhas mãos vagueiam no ar por alguns segundos antes de sentir o metal frio da corrente tocando meus dedos. Agarro-a e puxo. Logo a luz preenche o local, vinda das lâmpadas fosforescentes penduradas no teto.

Meu porão não era mobiliado. Era um lugar simples onde acumulávamos os objetos que não queríamos mais. Como era um lugar grande, já acumulava lixo de uns vinte anos atrás. Tínhamos vivido aqui por muito tempo e o porão poderia contar toda a nossa história de vida. Olhei para minhas bonecas quebradas e brinquedos caídos pela escada, coisas da minha infância. Muito danificados para brincar agora, porém, muito queridos para serem jogados fora. Passei sobre a pilha de bonecas sem cabeça e afastei para o lado o cavalo de balanço cuja cabeça estava quebrada pela metade e coberta com uma mancha marrom que contrastava com o resto do seu corpo branco.

“Eu costumava cavalgar esse cavalo como se não houvesse amanhã! Você viu a minha foto com ele de quando eu era bebê? Vou mostrar pra você depois.” Passei pelas estantes dos ursinhos de pelúcia e segui para as pilhas de roupas.

“Como você pode ter notado minha mãe era uma colecionadora. Acho que ela nunca jogou fora alguma coisa que eu já tenha usado. Ela guardou todos os brinquedos, todos os sapatos, todas as roupas... estou surpresa que não tenha encontrado uma montanha de lenços de papel usados.” Vasculhei entre a pilha de roupas pretas e vermelhas da minha infância. Apenas pretas e vermelhas. Nunca usei outras cores. Elas não ficavam bem em mim como o vermelho e o preto. Mas vermelho era a minha favorita. Quase todas as minhas bonecas costumavam usar vestidos vermelhos. Os ursos de pelúcia usavam fitas vermelhas. E eu usava roupas vermelhas para combinar. Eu era como uma cor forte e intoxicante. Parei em frente dos cabides que guardavam meus uniformes escolares. Empurrei alguns para o lado até encontrar a roupa que estava procurando. Era um vestido vermelho sem mangas com vários pontos pretos. No meio tinha uma fita preta que amarrava nas coisas. Puxei do cabide e o estiquei no ar.

”Você lembra desse? Eu estava usando ele quando te conheci a três anos atrás. Você provavelmente não se lembraria, vocês meninos são tão esquecidos. Hmmm... será que ainda cabe? “Desprendi os botões de trás e o deslizei lentamente pela minha cabeça. “Um pouco apertado, mas ainda poderia usa-lo. Apenas pra você.” Recolhi os cabides e avancei pelo porão desviando das torres de caixas.

“Lembra do dia em que nos conhecemos? Foi a três anos atrás, o primeiro dia de aula. Meu primeiro dia na escola pública. Eu não conhecia uma única alma. E então eu vi você. Você estava usando uma camisa azul abotoada e calça caqui. Você estava tão bonito. “Parei na caixa marcada com um “P” vermelho. Retirei-a do meio das outras caixas marcadas com 18 outras letras vermelhas. Segurei-a e segui mais um pouco pelo porão.

“Eu não conseguia tirar os olhos de você. Você estava tão lindo. Seu cabelo loiro estava penteado para o lado, seus olhos verdes e brilhantes cheios de excitação quando viu seus amigos. Você estava tão cheio de vida, tão cheio de alegria! Eu tinha que falar com você. Eu tinha que ser sua amiga. Eu sabia que você me trataria diferente dos outros.” Agora eu estava encarando uma parede de tijolos empoeirada, coberta de lama seca. O fim do porão. Eu não poderia mais avançar. “Oh! Não há para onde ir…a não ser para baixo.”

Peguei a pá que estava encostada na parede. Eu a tinha deixado ali quando tinha apenas cinco anos, apenas no caso de precisar dela. E eu sempre precisei dela, em certos dias. Pus a caixa no chão e virei para a direção que vim. Encostei minhas costas na parede e comecei a avançar, pisando calmamente, contando cada passo com uma letra como eu sempre fazia.

“A. B. C. D. E. F. G. H. I. J. K. L. M. N. O…P!” Desenhei um “x” com a sola do meu sapato no chão sujo. Dei um passo para trás e cravei a pá no local marcado.

“Todas as garotas da classe achavam você lindo. Era um menino tão bonito, Perfeito Patrick era como te chamavam. Falavam que se você usasse um vestido se passaria facilmente por uma garota. Não. Você era muito lindo para ser uma garota.” A terra embaixo dos meus pés ficava cada vez mais úmida enquanto eu cavava mais a fundo. O solo endurecido logo se tornou lama, deixando mais fácil para cavar. Bem mais fácil pra chegar ao que eu queria.

“Ate o final do dia eu ainda não tinha dito nada a você. Nenhuma palavra. Isso era inaceitável se quer saber. Então quando vi você caminhando pela mesma direção da minha casa, decidi andar com você. Oh nos éramos perfeitos! Éramos como duas ervilhas em uma vagem. Você gostava de azul e eu de vermelho. Eu gostava de gatos, mas você era alérgico. Sua comida favorita era pizza, mas eu era intolerante a lactose. Nos daríamos muito bem!”

THUD. A pá tinha atingido alguma coisa. Parei e joguei a pá para fora do buraco que tinha cavado ao redor de mim. Me ajoelhei e comecei a retirar a terra que estava me impedindo de ver o que queria.

“Quando chegamos a minha casa convidei você para entrar e brincar. E você entrou, então lhe mostrei o meu quarto. Mas quando você viu minhas bonecas, minhas lindas bonecas sem cabeça... você me chamou de louca. Uma louca! Como todos os outros! Você não era legal e gentil como todos falavam. Você era feio! Você era feio e ameaçador! Como todos os outros! O mundo não precisava de pessoas como você. Você tentou fugir. Tentou escapar… como os outros. Mas você… você tropeçou. Isso mesmo você tropeçou e caiu em cima do meu cavalo de balanço. Você caiu quatro vezes. Não tinha nada que eu poderia fazer.” Finalmente alcancei a caixa de madeira. Sai do buraco e peguei a caixa com o “P” vermelho. Abri e retirei uma série de jornais sobre um garoto de doze anos desaparecido. Então desci outra vez no buraco para abrir a caixa de madeira. Olhei para a imagem do garoto de cabelo loiro e olhos verdes na foto do jornal e então para o conteúdo da caixa de madeira. A maior parte do cabelo já tinha desaparecido agora. Os olhos tinham sido comidos pelos vermes. A pele que ainda não tinha apodrecido estava murcha, quase expondo os ossos. Eu sorri.

“Não está tão bonito agora não é?” Fiquei em pé junto da caixa, olhando para os jornais em minha mão e de volta para os restos na caixa. Fechei a caixa de madeira, pus os jornais de volta na caixa com o “P” e enchi o buraco outra vez. Quando acabei, pus a pá em seu lugar na parede e fiz meu caminho de volta para o outro lado do porão. Pus a caixa de volta na estante, entre a caixinha com um “O” e a outra com um “Q”. Fui para os cabides e retirei o vestido, pondo-o de volta no lugar entre as outras roupas vermelhas. Pulei sobre a pilha de brinquedos velhos e voltei para a escada. Segurei a corrente que tinha usado para ligar as luzes a apenas uma hora atrás. Desliguei as luzes e subi as escadas.

“Boa noite Patrick. Vejo você no próximo ano.”

27 comentários:

  1. No comeco n entendi nads mas o final foi foda... nao esperava isso.... ameeei

    ResponderExcluir
  2. Legal, mas as bonecas sem cabeça eram bonecas mesmo ou eram humanos?? Sim, so meio lerda.

    ResponderExcluir
  3. Sou Muito Fan De Creppys De Psicopatas!! Muito Boa!! *--*

    ResponderExcluir
  4. então... todo ano ela matava um garoto chamado patrick? ou ela sempre abria o tumulo dele todos os anos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que todo ano ela abria o túmulo dele, e as outras letras significam as íniciais de quem ela matou :T

      Excluir
  5. A creepy é muito boa, mas o começo quase me entediou T.T

    ResponderExcluir
  6. " Afasto meu cabelo loiro dos olhos assim posso ver cuidadosamente onde piso, tomando cuidado para não tropeçar"
    TA GATA

    ResponderExcluir
  7. Gostei,bem psicotica.Eu gelei um pouco porque Patrick é um amigo meu.

    ResponderExcluir
  8. Gostei,bem psicotica.Eu gelei um pouco porque Patrick é um amigo meu.

    ResponderExcluir
  9. Eu imaginava um fantasma ou algo assim,essa creepy realmente me surpreendeu \o/

    ResponderExcluir
  10. Muito fraca, previsível do início ao fim.

    ResponderExcluir
  11. creepys com psicopatas são mais,sinistras do que com fantasmas,afinal,fantasmas são algo surreal,ao contrario psicopatas...

    ResponderExcluir
  12. Respostas
    1. uahsuahsuahshahsushua Yuno Gasai curtiu isso

      Excluir
  13. Respostas
    1. Concordo plenamente - não me ataquem novamente, por favor; dessa vez não sou o único a usar o cérebro aqui.
      Enfim, já estava mais do que claro desde o início que a menina matou o cara, porque na boa, em momento algum ele interage...

      Excluir
    2. Concordo. Essa foi bastante previsível, mesmo.

      Excluir
  14. Previsível demais e entediante ._. no me gusta.

    ResponderExcluir
  15. Não achei previsível não! Até demorei uns segundos pra realmente sacar o final! Muito bem estruturada, capta a atenção. (Aliás, o fato de que o cara com ela 'fala' não interagir não garante obviamente que ela o tenha assassinado, logo assim de cara u_u poderíamos fazer várias hipóteses e é a graça da história é justamente isso)

    ResponderExcluir
  16. Cara se for como eu to pensando...ela vai fazer um abecedario de garotos,?? É isso mesmo produçao? Kkkkk

    ResponderExcluir
  17. Gasai Yuno, Lucy e Kotonoha curtiram isso.
    Adorei a Creepy. Eu formei algumas hipóteses (a da morte estava inclusa) e adorei o final. E que abecedário, hein? O que é que essa garota vai fazer quando chegar no "z"? xD

    ResponderExcluir