14/06/2018

O Propósito de Nick

Olá, vocês não devem me conhecer, mas tenho certeza que conhecerão em breve, logo meu nome será conhecido por todos, mas antes disso acontecer, eu preciso deixar minha história registrada, quero que todos saibam quem eu sou. E é assim que minha história começa.

Esse era mais um daqueles dias, droga, eu odiava ser um adolescente. Lá estava eu sentado na lama com todos meus livros espalhados no chão e com a raiva pulsando em meu cérebro, maldito Fred, ele não pode me deixar em paz um dia? Droga ele me atormenta até mesmo nos meus sonhos. Fred era um garoto do 3º ano do ensino médio, era alto, magro, sempre andava com um canivete na mão. e seu passatempo principal era bater em nerds, assim como eu.

Eu me chamo Nick, e estou no 9º ano do ensino fundamental. Eu sou aquele garoto que todos chamam de nerd, adoro star wars, jogar jogos de mesa, amo definitivamente jogos de computador. A parte mais legal de tudo é que eu não peguei a parte boa de ser nerd, minhas notas são bem ruins, são raras vezes que não fico de recuperação. Heeey não é minha culpa que ficar jogando plants vs zombies na hora da aula seja tão divertido.

-Nick, você realmente não sai da lama não é mesmo? Realmente está onde todos os nerds devem ficar hahahahah – Esse era Chuck, mais um dos bullys da minha escola, Chuck era baixinho e tinha um cabelo ruivo com franja até os olhos, mas apesar de baixinho ele era bem forte.

Me levantei da lama e sai correndo dali, não aguentava mais ficar naquele lugar horrível, pulei o muro da escola e corri até não aguentar mais. E sentei na calçada, chorei muito. Chorei a ponto de os carros que passarem na rua olharem pra mim, e já era noite, então os sons eram bem mais altos que o normal. Eu morava em Manaus, pra quem não sabe, é uma cidade no meio do Selva, e também é uma das maiores do Brasil.

As lágrimas não paravam de rolar, eu estava com a cabeça entre os braços, olhando para baixo e chorando muito. Então eu decidi que precisava parar com aquilo, eu não iria deixar minhas lágrimas rolarem por aqueles idiotas que não valiam a pena. Enxuguei as lágrimas e levantei a cabeça.

Na hora em que eu tirei os olhos do chão, havia um homem sentado ao meu lado, eu dei um pulo e fiquei de pé como um gato assustado. Ele mal se mexeu. Era um cara bem estranho era extremamente elegante, com um terno preto onde uma corrente saía do bolso do seu paletó e ia até o bolso da sua calça. Rapidamente fui perto dele pra pegar meus livros, eu estava nervoso e pronto pra dar o meu fora dali.

Quando abaixei pra pegar os livros. Naquele momento o homem olhou pra mim, e deu um sorriso. Seus olhos eram estranhos, pareciam que alternavam entre preto e azul, pareciam antigos, é como se existisse uma galáxia inteira dentro daqueles olhos. Seu sorriso era calmo e caloroso, naquele momento o meu medo havia passado. O homem disse:

-Olá” Oi. – Eu respondi.

- Desculpe assustar você desse jeito, eu vi um garoto jovem como você chorando alto, pensei que estivesse com dor ou algo assim, quando me aproximei, vi que estava bem, então só sentei ao lado, caso alguém quisesse roubar seus pertences. Disse o homem.

- Obrigado senhor, mas eu sei me cuidar bem. – Eu disse não tentando ser rude, mas ainda me impondo.

Entendam, quando você é um nerd como eu, todos querem zoar com você, então praticamente você vive na defensiva, tem que se impor e pelo menos tentar parecer durão a cada passo.

- Eu imagino que você saiba se cuidar, afinal nessa área da cidade a essa hora? Você deve ter muita coragem.

-Foi quando percebi onde eu estava, eu tinha corrido por mais ou menos 2 kilômetros da escola,e tinha parada em frente a antiga Santa Casa de misericórdia da cidade, que havia sido abandonada há muito tempo.

- Não precisa ser corajoso quando você tem alta graduação no muay thay.- Antes de qualquer coisa vocês precisam saber, eu nunca fiz muay thay na vida.

O homem riu e disse:

- Eu sou vigia desse lugar há muito tempo, e ele guarda seus segredos, nada que seja páreo para seu muay thay, mas ainda tem seus mistérios.

A única coisa que eu conseguia imaginar naquele momento era que aquele homem estava muito bem vestido para ser um vigia de um hospital abandonado.

- Vamos lá garoto, você pode contar pra mim por que estava chorando, afinal que diferença eu iria fazer na sua vida?

- Exatamente, pra que eu diria algo pra você? Eu nem mesmo sei seu nome.

- Nomes não são importantes- O dele era muito importante – o importante é que você pode me considerar um amigo, vamos lá jovem pode se abrir comigo. – E deu aquele sorriso caloroso de novo.

Pensei melhor e decidi falar pra aquele senhor a história de porque eu estava chorando, afinal que mal um velho daquele iria fazer? E eu realmente precisava desabafar com alguém. Após contar a história o senhor ficou pensativo, olhando para nenhum lugar especificamente. Do nada ele olhou pra mim e disse:

-Eu tenho uma solução pro seu problema, hoje você tem o coração carregado de coisas ruins, e talvez seja hora de você deixar isso pra lá. Você precisa achar um novo propósito pra viver, e eu acho que posso te ajudar com isso.

Eu achei sensacional a análise que ele tinha feito da minha vida, eu realmente não estava vivendo, estava apenas passando os dias. Logo perguntei como eu acharia um novo propósito. O homem deu novamente um riso e disse:

-Sabe o hospital está abandonado, mas ainda há muitos de nós funcionários trabalhando aqui, e acho que uma dessas pessoas pode ajudar você. Faça assim, entre por aquele portão e siga para a direita, não se preocupe, a noite lá dentro é bastante iluminado, na mesa da recepção haverá uma moça, peça pra falar com o cara que se intitula “ O portador do propósito”, é um apelido peculiar para uma pessoa peculiar, pode ir jovem não precisa ter medo, não há nada lá dentro, ah e leve essa chave, confie em mim, ela abre mais portas do que você pode imaginar.

Então ele me estendeu uma chave dourada, parecia bem antiga, eu cuidadosamente peguei a chave. Por mais estranho que pareça, eu me senti bem com a ideia de ir lá. E fui entrando no hospital vagarosamente. Tudo lá dentro estava um breu.

Era um lugar peculiar, cadeiras de rodas velhas pelo chão, parede e chão descascado, e tinha grandes escadarias. Estava muito escuro, mas o luar entrava pelos vidros quebrados o que me permitia ver uma coisa ou outra. Foi o luar que me permitiu ver o homem extremamente alto, também usando um terno preto e gravata vermelha, ele estava lá, só parado em pé na mesa da recepção.

Me dirigi até ele e disse, mas havia algo estranho, o homem era careca, e eu tinha uma constante impressão que os olhos dele sumiam e apareciam frequentemente. Enquanto me aproximava, ele só estava lá parado, olhando pra mim com um sorriso no rosto.

Então eu disse:

- Boa noite, eu estou procurando o portar do propósito.

O sorriso no rosto do homem se desfez, ficou sério, e apenas balançou a cabeça negativamente. Eu insisti mais uma vez e disse que queria ver o portador do propósito, então o rosto dele murchou como se ele tivesse ouvido a pior notícia do mundo. O homem virou de costas e começou a andar, eu entendi que era pra segui-lo.

Andamos um pouco e ele parou em frente a uma porta sem número, no final de um dos corredores. Nesse momento a chave no meu bolso começou a esquentar, e tive a impressão de ouvir murmúrios dentro da minha cabeça. O homem abriu a porta e estendeu a mão pra eu entrar. Os murmúrios em minha cabeça começaram a fazer sentido, e soava algo como, “não se mexa, não se vire, parar é sua defesa”. Eu ignorei e comecei a entrar na sala mais escura que eu já tinha visto na vida, ao passar pelo homem, senti um forte chute nas minhas costas que me empurrou ainda mais pra dentro da sala, foi então que a porta se fechou atrás de mim.

Eu tive vontade de virar pra trás e xingar aquele maldito até não ter mais ar nos pulmões, mas algo me dizia que eu não deveria virar, foi quando eu senti o homem encostando atrás de mim, pressionando o corpo dele contra o meu, até eu poder sentir as costelas dele nas minhas costas.

Em alto e bom som, numa voz arrastada ele disse:

-Eu conheço você.

Os murmúrios em minha mente ficaram mais altos, e falavam tantas coisas que eu mal conseguia entender, até que final mente entendi uma frase e logo repeti em voz alta:

- Por que eles estão com dor? – Até hoje, eu considero isso uma das maiores burrices da minha vida.

O homem começou a gritar:

- EU IREI MANTER VOCÊ AQUI POR TODA A EXISTÊNCIA, E TODAS AS NOITES EU IREI TE MUTILAR, TE ESTUPRAR E MATAR VOCÊ. Eu mal havia processado aquelas palavras, quando senti uma lâmina entrar fundo no meu abdômen e sair do outro lado. Naquele momento a dor inundou meu corpo, mas em minha mente as vozes gritavam: NÃO SE MEXA, NÃO FALE E NÃO GRITE. A homem continuou a gritar:

- EU IREI ASSASSINAR TUDO QUE VOCÊ AMA, E IREI FAZER COM QUE VEJAM O SEU ROSTO ENQUANTO EU ARRANCO AS SUAS TRIPAS. EU IREI ARRUINAR TUDO O QUE VOCÊ ACHA BELO. EU IREI TORCER SUA MENTE ATÉ VOCÊ SER GROTESCO E PERVERTIDO COMO O RESTO DE NÓS.

Aquelas palavras pareciam durar pra sempre, e a dor no meu abdômen era interminável, eu mal conseguia respirar, e não conseguia sentir mais meu coração, mas uma coisa eu sabia que deveria fazer, eu deveria continuar perfeitamente parado. Foi aí que tudo piorou. Eu senti outras milhares de lâminas perfurando meu corpo, em luares que eu nem podia imaginar, pareciam milhares de lâminas. Cada vez que piscava, pareciam que surgiam mais trinta lâminas dentro de mim. Então tudo ficou em silêncio, mas a dor não parou.

Como num sussurro, o homem disse:

-Toda sua existência é agora e pra sempre tocada por essa agonia. Naquele momento uma frase pulou em minha mente, como se eu soubesse exatamente o que dizer. Com muita dor eu disse:

-A agonia preenche todos nós, até que eles parem de nos machucar.

Naquele momento tudo parou. Os sons sumiram, a dor desapareceu por completo, o homem desapareceu completamente, mas eu ainda conseguia sentir algo atrás de mim. Me virei rapidamente e vi uma bolsa de couro em cima de um banco, rapidamente peguei aquilo e abri.

Naquele momento uma luz intensa preencheu a sala, me cegando completamente. Senti a bolsa desaparecer da minha mão. E de repente a luz se apagou, não havia mais nada ali, mas minha mente ainda estava em estado de choque.

Sai correndo daquele lugar até sair por completo, parei em frente ao hospital e fiquei olhando pra dentro. O homem que estava lá fora havia sumido, eu estava só. Foi então que senti uma dor forte no meu pulso esquerdo e na barriga acima do umbigo, parecia que estavam queimando minha pele com ferro. Levantei rapidamente a camisa e me assustei com o que vi.

A bolsa que havia pego na mão, agora estava tatuada em minha barriga, o desenho era perfeito, parecia ter sido desenhada pelo melhor tatuador do mundo, no meio do desenho era possível ver um numero, era claramente 65. Eu não sabia o que estava acontecendo. Ao olhar pro meu pulso fiquei confuso, não tinha ideia do que aquilo significava. No meu braço, tão vivido como a tatuagem em minha barriga, estava escrito: 1 de 538.

Continua....

Autor: Bruno Lima


29 comentários:

  1. Li portador e já soube que ia dar merda.

    ResponderExcluir
  2. Essa creepy realmente tem continuação?

    ResponderExcluir
  3. Assim não tem como te ajudar migo, uma creepy mais difícil de ler do que a outra. Ja tentou ler antes de postar? Histórias bem forçadas e fraquinhas.

    Dica: Revisão gramatical.

    ResponderExcluir
  4. MANO CONTINUA TA MTO BOA CARA SE VC PARAR EU JURO QUE PARO DE LER NO CREEPYPASTA BRASIL

    ResponderExcluir
  5. Não estava iluminado nem tinha moça nenhuma .____.

    ResponderExcluir
  6. Não estava iluminado nem tinha moça nenhuma .____.

    ResponderExcluir
  7. SériO, Fred, Nick e Chuck como nomes em Manaus? Atenção aos detalhes amigo.

    ResponderExcluir
  8. Tá mal escrita demais, mas ainda da pra melhorar. Procure ler mais livros prestando atenção na estrutura do texto, como falas são encaixadas. Melhore a concordância também e atenção aos nomes dado que o lugar e Manaus.

    ResponderExcluir
  9. Só pelo primeiro paragrafo da pra saber q n é boa. Estao precisando revisar direito as creepys q mandam.

    ResponderExcluir
  10. Novamente te digo a msm coisa avalie as creppys antes de postar pq n é qualquer coisa q agrada os leitores achei fraca principalmente sem nexo e sem porquê ter continuação 0/10 mas te desejo boa sorte nas futuras postagens

    ResponderExcluir
  11. Não sou moderador do site nem nada, mais esse uiuiui que eu vejo aqui vez ou outra me irrita galera. Estou acompanhando o Creepypasta Brasil a ANOS e nunca disse que amo todas as creepys, afinal, isso seria uma mentira das grandes, pois ninguém agrada a todos. Não é sua creepy favorita, não gosta do estilo do texto, tem um erro aqui e ali... guarda pra você. Não é um poe, tá longe de um lovecraft, mais agrada alguém, ou é um fã que depositou toda sua esperança de que alguém vai entender seu tipo de creepys quando ela vem a público. Gosto de creepys de serial killers, entidades tangíveis, contos com menos complexidade; numa linguagem culta e normativa, contos rasos mais largos (tipo o da menina que a mãe chama na escada), mas também leio contos de assombração e creepys diário, essas últimas com um desdém que é meu, pois a maioria das vezes o material é bem aceito por quem gosta. Quer perfeição escreva suas próprias creepys e leia. Já vi DOIS autores abandonarem o CP por causa desse lengalenga. AMO ESSE SITE DÊS DE QUANDO ERA UM BLOG!!!

    para a galera do CPBR, como eu disse em um comentário num conto do Andrey, pode escrever de tudo e do jeito que vier, se tiver um view, pode saber que é meu. Somente mais uma coisa eh tenho a dizer a vocês, e isso quem me ensinou foi exatamente vocês:

    KEEP CREEPYNG!

    ResponderExcluir
  12. A creep têm algums erros fúteis, mas eu gostei da história.Continue com sua creep e não se abale com as críticas

    ResponderExcluir
  13. A creep têm algums erros fúteis, mas eu gostei da história.Continue com sua creep e não se abale com as críticas

    ResponderExcluir
  14. A creep têm algums erros fúteis, mas eu gostei da história.Continue com sua creep e não se abale com as críticas

    ResponderExcluir
  15. Os erros da creepy sao simples, como repetição de palavras ou algumas vírgulas fora do lugar. Nada que o autor não identifique ao prestar um pouco mais de atenção. Parem de reclamar, a prática melhora todos.
    Aliás, eu fiquei deveras curiosa. Eu amo a série dos portadores e foi muito bom ver um pouco deles nesse capítulo. CONTINUE, PORFA!

    ResponderExcluir
  16. A série Portadores é excelente, essa aí ficou legal, pq mostrou de uma nova ótica, a de uma pessoa comum, que não tinha as instruções de como ir até o encontro de um Portador, mas baseado nas vozes que ouvia, acabou dando certo(ou não) o encontro. Acredito que não, pois ele ficou marcado, por um erro que ele cometeu ao perguntar o que não devia, "por que eles estão com dor?" e por isso, de certa forma, passou a ser um Portador. Parece que vai ficar muito boa, eu gostei, continue Bruno! 😉

    ResponderExcluir
  17. Povo chato do caralho só sabe criticar, continua pq tá muito bom

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Tá mal escrito, mas a história é Boa.

    ResponderExcluir
  20. Ksksksks série dos portadores
    Infelizmente eu fã posso dizer que esse não é o portador número 95 do propósito, esse é o portador da agonia se não me engano
    Mas ainda sim ficou legal

    ResponderExcluir
  21. Os erros gramaticais nunca nem vi, passou muito batido pra mim, fiquei bolada mesmo com os nomes de pessoas em Manaus (o Chuck terminou o serviço de deixar deslocado), mas deu pra ler porque É THE HOLDERS PORRA. O erro que REALMENTE me incomodou foi a discrepância com algum relato dos Portadores, não por ser uma numeração diferente, mas porque SEMPRE que algo não bater com as informações passadas, é porque vai dar merda - tipo, era pra estar tudo iluminado, arrumadinho e ter uma moça na recepção; só que tá tudo escuro e bagunçado, e tem um cara esquisito no lugar da mulher, então a reação não é seguir em frente, é correr e rezar pra não te pegarem. Mas ainda assim, eu gostei, deu um ponto diferente pra série (ponto que eu fico tentando imaginar, mas não consigo, sacoméné, vai que eu consigo fazer um filme disso), mostrando o lado de um Seeker, MANO DO CÉU, CADÊ A CONTINUAÇÃO??

    ResponderExcluir
  22. O pessoal só fala merda pqp,se o autor da Creepy ler esse comentário saiba que a ideia é muito boa, vc só precisa saber trabalhar ela, por exemplo:colocou nomes como Chuck e fred em Manaus o q n é coerente,o começo n foi legal, a ideia dos portadores foi boa, etc.
    Mas continue escrevendo, espero ver mais creepys sua aqui

    ResponderExcluir