31/10/13

Visita ao Cemitério

Em um sábado de manhã frio, uma mulher idosa pousava sua mão em cima de uma lápide.

"Henry Blackwood -1938- 2004."

Ela colocou flores sobre o tumulo e chorou, algo que não costumava fazer. Ela sempre fazia questão de trazer algo de Henry quando fazia sua visita anual ao seu túmulo, pois sua memória não era o que costumava ser, e seu cérebro precisava de ajuda para relembrar dos fatos. Ela trouxe algo que sempre odiou: os aparelhos auditivos de seu marido. Ela se lembrava melancolicamente de como ele nunca o havia usado, sempre insistindo que tinha uma audição perfeita apesar de manter o volume da televisão tão alto .
Agora, tudo o que ela queria era que ele voltasse e a acolhesse novamente. "Oh Henry", dizia enquanto caiu de joelhos e olhava para o céu: "Como eu gostaria que você voltasse para mim".

Lá em cima no céu e através de sua visão borrada com lágrimas, ela viu uma espécie de estrela vermelha. Era fraca, mas de repente, ela ouviu uma risada maligna e a estrela brilhou irregularmente. Em seguida, ela desapareceu no meio do sol.

A mulher enxugou suas lágrimas. Estranho. Seria somente um mero produto de sua imaginação? Ela se levantou e examinou a área, mas não viu nada. Parecia que o momento não passava de simples, velhas e comuns mudanças de humor femininas. Quando ela sorriu, uma pergunta surgiu juntamente com a ideia de uma realidade macabra: “Será que a bateria do aparelho auditivo ainda funciona?”. Ela o colocou em seu ouvido e o ligou. Podia ouvir as quedas de penas de corvos em uma árvore perto dali. Provavelmente ainda funcionava normalmente, devido à falta de uso de seu marido. E então, engolindo em seco, ela encostou a orelha no chão, em cima da sepultura.

Sua boca se abriu horrorizada quando ela ouviu batidas, arranhadas e uma voz bastante familiar gritando desesperadamente.



17 comentários:

  1. isso me lembra a creepy do pacto, cujo a mulher mencionada pensava com tanto odio e daria qualquer coisa para o namorado dela morrer, so que nesse caso ela desejou o marido de volta

    ResponderExcluir
  2. Só eu que lembrei daquele comercial que o cara falava "uau,eu consegui ouvir a agulha caindo do outro lado da sala!"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E você me lembrou um video do zangado que ele menciona esse comercial

      Excluir
  3. Só eu que lembrei daquele comercial que o cara falava "uau,eu consegui ouvir a agulha caindo do outro lado da sala!"

    ResponderExcluir
  4. Só eu que lembrei daquele comercial que o cara falava "uau,eu consegui ouvir a agulha caindo do outro lado da sala!"

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Se o cara tivesse sido enterrado com um celular no bolso, isso não teria acontecido.

    ResponderExcluir
  7. MANO, ESSA HISTÓRIA PARECE REAL: http://www.megacurioso.com.br/zumbis/39595-o-caso-do-haitiano-zumbi-que-voltou-para-casa-21-anos-depois-de-morto.htm

    ResponderExcluir