17/02/2017

Reabilitação

Me chamo Austin, tenho 26 anos e quando era criança assistia meu pai surrar a minha mãe sempre que chegava bêbado em casa, ela nunca tentou revidar, mas quando ele saía para trabalhar chutava os móveis e depois me batia como se eu fosse um saco da pancadas. Nunca tive raiva, sabia que era a forma torta dela de afogar as magoas. Tudo o que eu não precisava era que minha mãe também começasse a beber igual meu pai, o tempo passou; porém guardo raiva do meu pai até hoje.  

Se minha mãe estivesse viva ficaria orgulhosa por eu estar nesse lugar, mas ela já se foi a algum tempo, meu pai a matou e depois deu um tiro em sua própria cabeça. Essa foi a cena que vi quando tinha 19 anos e cheguei em casa depois da faculdade. Com o tempo também passei a ter o meu próprio vício e foi assim que vim parar aqui. 

Gosto de observar os outros pacientes da clínica, olhares vazios, andar vagaroso quase que se arrastando, suas roupas brancas em meio a grama do jardim; são como zumbis de uniforme. É deprimente viver nesse lugar quando você não tem nada para fazer além de jogar baralho, assistir TV somente durante o dia e ainda ter que se encher de remédios que derrubariam até um urso.   

Todas as tardes é servido um lanche: pão integral, geleia de uva e um copo de achocolatado. O único prazer que temos é o prazer de comer, é esse prazer que torna tudo aqui menos tedioso, o som crocante do pão sendo mastigado e o achocolatado descendo por suas gargantas traz um pouco de barulho a esse lugar que é quase sempre silencioso. Não sei se isso faz diferença para os outros pacientes, a maioria deles parece ter se acostumado a viver aqui, nem fazem tanta questão das visitas de seus parentes e amigos.

Durante a noite mais remédios são entregues a nós, quem toma só acorda no dia seguinte e mesmo assim sente os efeitos durante todo o dia. Tem algum tempo que parei de tomar; pois consigo dormir bem então não vejo necessidade. Durante o dia finjo que estou sonolento para não desconfiarem, até que finjo bem, ninguém nunca percebeu.

Aos sábados um inspetor vem até a clínica checar o tratamento e saber como estamos reagindo aos remédios; ele é bem gente boa, mas aquele sorriso amarelo e falso me irrita. Minha mãe me deixou uma boa herança e acabei me internando aqui por conta própria, precisava muito fugir dos antigos problemas, o lado bom é que posso sair daqui quando eu quiser.

Quando me libertar, pretendo conhecer tantos lugares, talvez me casar ou apenas namorar uma garota que tenha coisas em comum comigo, mas a verdade é que essa clinica me ajuda muito, o isolamento deixa minha mente mais tranquila e sem a vontade de praticar o vício. 

Mas quando sair e recomeçar a minha vida em meio ao caos da cidade grande sei que o meu vício vai voltar, talvez eu jamais perca a vontade de matar, mas para todos os efeitos eu sou apenas um dependente químico em busca de tratamento.

Acabei de me dar conta que tomei o remédio para dormir, e a enfermeira está em frente à minha cama me olhando como se estivesse esperando o remédio fazer efeito.

Minha visão está embaçando e minhas pálpebras estão pesando a cada piscar de olhos que dou. Eu devo estar tendo alucinações, mas posso jurar que essa enfermeira é a mesma mulher que tentei matar anos atrás. 

Ela está sorrindo agora e se aproximando de mim; o barulho dos sapatos ecoa pelo quarto enquanto o relógio na parede faz tic-tac, é como o som da morte se aproximando, mas a morte dessa vez usa um jaleco branco e segura um bisturi na mão esquerda. 

(Autor: Andrey D. Menezes) 
Espero que tenham gostado, final do mês vai ter a creepy dos fãs que já deixei programada. 


33 comentários:

  1. Quem que ele tentou matar? Não falaram dessa mulher em lugar nenhum da creepy!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É pra ficar meio oculto mesmo. . Se fosse falado sobre ela logo de início ficaria meio óbvio o final e o leitor ia sacar q se tratava de uma vingança.

      Excluir
  2. Gostei da creepy, final imprevisível

    ResponderExcluir
  3. Andrey vc tá escrevendo mt bem agora, tá foda mlk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa creepy foi uma paulada na nuca!
      Talvez seja a unica vítima viva do psicopata, e dá até um arrepio de pensar...
      Como ele está dopado, vai ser morte rapida ou lenta?! Ela vai furar a traqueia ou sangrar a jugular dele?! Mil alternativas!
      Vida longa ao Andrey! Vida longa ao CPBR!!

      P.S: quero ver vc fazer uma creepy diário que me surpreenda Andrey!

      Excluir
    2. Obrigado gente <3 Izumi sua linda :) Jeder meu brother!

      Excluir
    3. Vou fazer com calma pra não errar muito kk vou pegar umas referencias só pra ter uma noção melhor. Aguardem :)

      Excluir
  4. Orra, incrível! Imaginei perfeitamente a cena!
    Andrey, tu ta mandando muito bem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado <3 Vc sempre sendo linda :)

      Excluir
  5. Ótima creeрy Andrey. Esрero muito que um dia você escreva um creeрy diario.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posso tentar haha, mas vou fazer com bastante calma :)

      Excluir
  6. Fico feliz de saber que no final do mes vai sair creeрy dos fans. Esрero que a minha creeрy(Cartas рor debaixo da рorta) seja uma dessas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que essa não tá programada, mas eu vou dar uma olhada e qualquer coisa te encaixo na programação de março :)

      Excluir
  7. Me surpreendi quando vi que foi vc que fez '-' Que Creepy sensacional O.O

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu esperava que vc melhorasse mas isso.... Foi...
      Eu mais que amei <3

      Excluir
    2. Então, eu também... eu olhei assim: Andrey...
      Quando eu raciocinei:
      O ANDREY FEZ ISSO?

      Excluir
    3. Exatamente! Até agora eu tô ainda meio assim meio sem acreditar que foi ele que fez! O Andrey.... Tipo, o Andrey!

      Excluir
  8. achei essa creepy meio nada a ver...
    mas tu melhorou bastante, tá mt bom hein

    ResponderExcluir
  9. Melhorou, tua escrita ta bem mais madura, legal curti

    ResponderExcluir
  10. Parabéns Andrey, sua melhor Creepy até o momento. 5/10

    ResponderExcluir
  11. Ficou INCRÍVEL! 10/10
    Parabéns!! (≧▽≦)♡〜

    ResponderExcluir
  12. É isso ai Andrey, continue assim \o/

    ResponderExcluir
  13. Incrível, de início tu pensa que é só um viciado qualquer mas o jogo vira e tu fica meio: "Puff, como assim?!" kkk

    ResponderExcluir
  14. Olá ! A Creepy é muito boa!

    Vou deixar só alguns comentários que talvez te ajudem a melhorar ainda mais.

    Acho que uma coisa muito boa que você pode adicionar à suas creepypastas é o suspense. Não faz mal deixar elas um pouco mais longas, colocando um pouco mais na história e colocando mais detalhes em cada fato. Por exemplo, a infância do personagem poderia ser descrita com mais detalhes. Alguns momentos tudo acontece muito rápido e isso pode confundir um pouco o leitor e deixar o clímax menos intenso (se várias coisas intensas acontecem muito rápido, o clímax, mais intenso ainda, para o qual você quer chamar atenção, não vai ficar tão evidenciado).

    Pense na creepy pasta como um filme de terror jumpscare, por exemplo: o filme começa se desenrolando de forma lenta, contando a história dos personagens numa boa. Nos momentos de terror propriamente dito, o filme fica mais lento ainda: a música parece parar e os personagens se movem muito devagar (por exemplo, personagem que tem que verificar algo atrás de uma porta, ele faz isso muito lentamente para aumentar o suspense) até que em um momento algo muito intenso acontece (o personagem que ia abrir a porta o faz e isso é acompanhado de música intensa, assustadora, e algum monstro nos assusta, por ex.). Isso é ótimo e permite que a gente vá cada vez mais se envolvendo com o filme, ''torcendo'' pelos personagens, e imergindo na história que está sendo contada, muitas vezes acreditando piamente no narrador - o que faz com que reviravoltas sejam ainda mais chocantes.

    Você pode aplicar isso às creepy pastas, dando um ritmo mais lendo no começo, cativando o leitor, e assim você pode dar dicas sutis do que realmente acontece mas eles não perceberão pois estão muito entretidos com a narrativa - e essas dicas são úteis porque no ponto climático da trama isso que os leitores viram como algo ''simples'' na verdade é mais um ponto do história perversa que eles foram levados a acreditar.

    E aí, com um ritmo mais lento e cativante, a história inclusive se torna mais orgânica, mais fluida - pense, por ex., se você realmente fosse o homem que escreveu essa creepy, provavelmente ele teria um tempo muito longo para escrever, e poderia se demorar mais nos detalhes. Isso dá mais realidade pra creepy! E aí quando você chega no clímax é muuuito chocante.

    Enfim, creepy muito boa, cada vez vc está melhor! Parabéns!

    ResponderExcluir
  15. Mano... Plágio é crime. Só avisando.

    ResponderExcluir
  16. Parabéns Andrey, ótima creepy. Você escreve cada vez melhor. Uau!

    ResponderExcluir