31/05/2018

Sentimentos Indescritíveis

26 de novembro de 2015, 18:00h, mais um assassinato realizado em Stelford, um lugar grande, com muitos habitantes. Maior parte pobre, menoria ricos e mendigos. Izaya, um jovem de 14 anos, vive por lá numa condição financeira razoável.

Um jovem cujo no amor não acredita, não tem amigos, adora matar e ver o desespero e sofrimento no rosto das pessoas. Ninguém nunca entendeu do porquê dele ser assim, apenas o temem para que não sejam sua próxima vítima. Em 2012, Izaya sempre foi uma ótima pessoa, simpático, amoroso e amigável.

Sempre andava feliz e amava uma certa garota com a aparência bem peculiar. Até que, algo terrível acontece: todos os seus colegas, principalmente a garota que tanto amava, o humilhava com palavras que nem sequer podem ser descritas por serem tão ruins.

Aquilo abalou o coração de Izaya, todo o seu amor, a sua simpatia, os seus amigos, foram embora. Até que, ao chegar em casa, percebe o desprezo de sua família para com ele. Izaya era visto como uma pessoa morta e infeliz aos olhos de sua família.

Após esse dia, ele fez um juramento com sangue dizendo que, jamais amará outra pessoa, que dedicará sua vida vendo outras pessoas sofrerem e vendo o quão ruim é este mundo.

- Vou matar todos eles, um por um. A humanidade não presta, bando de inúteis desgraçados e falsos fadados à morte, terei o sangue de cada um em minhas mãos. – Dizia Izaya com um sorriso psicótico.

As pessoas pensavam que Izaya tinha apenas uma mágoa efêmera dentro de si, já outras, pensavam que tudo aquilo era apenas ele querendo atenção. O olhar dele começou a ser diferente depois do ocorrido com seus colegas e em casa.

Diversas teorias sobre o sentimento de Izaya foram criadas após isso, mas no fim, foi considerado como um "Sentimento Indescritível".

Próximo dia se passa. Izaya acorda do mesmo jeito de sempre, com uma vontade imensa de matar alguém.

- Filho, seu café da manhã está pronto, venha comer! – Gritava a mãe de Izaya na cozinha.

- Já estou indo. – Diz com uma voz fria.

(Morra, maldita.)

Izaya desce, vai até a cozinha e se depara com sua família na mesa tendo um agradável café da manhã e ignorando-o. Daí de repente surge uma vontade imensa de querer o sangue de alguém:

(Preciso matar, eu quero matar. Devo matar toda a minha família aqui e agora? Devo realmente matá-los? Eu posso, eu tenho a vontade e a força, vou matá-los! hahahahah!) – Pensa Izaya desesperadamente.

Izaya se levanta da mesa.

- O que? Já acabou filho?

- Vou apenas pegar uma coisa alí na gaveta.

Izaya vai até a gaveta da cozinha e pega duas facas bem grandes que sua mãe costuma usar para cortar peixes e galinhas. Depois de pegar a faca, ele dá um sorriso malicioso e vai até a sua família que estavam comendo juntos na mesa.

- Morram!

Izaya começa pelo seu pai. Enfia a faca na sua nuca e depois remove-a rapidamente. Após isso, avança na sua irmã. Pega as duas facas e encaixam nos olhos dela. Depois, ele avança para a sua mãe cortando o seu pescoço e limpando o sangue de sua mãe no seu rosto. Seu irmão vendo isso, corre desesperadamente da cozinha, até que Izaya o percebe:

- Você não vai fugir, hahahaha! – Diz Izaya dando uma risada psicótica.

Izaya joga uma das facas em seu irmão que por sorte, pega certinho em sua canela. O irmão de Izaya, o único vivo dentre todos, cai no chão com a faca encravada na perna. Tentando andar um pouco para fugir do irmão, ele continua se arrastando até que Izaya chega perto dele e pisa fortemente na faca fazendo com que ela penetre mais sua canela.

- Isso não é horrível, irmãozinho? Essa dor desgraçada... Não é horrível pra você? Fique tranquilo! Farei você ter uma morte rápida seu desgraçado! hahahahahahahah!

Izaya vira o seu irmão de frente à ele. Pega a outra faca que estava na mão dele e começa a penetrar rapidamente em seu peito fazendo com que crie muitos buracos em sua barriga.

Toda a família de Izaya morreu, a cozinha estava coberta de sangue, um dos vizinhos viu tudo desesperadamente e ligou para polícia. Izaya conseguiu fugir rapidamente e hoje, vive num orfanato.

Autor: Izaya


36 comentários:

  1. Aposto que o autor dessa creepy e um otaku que quer ser psicopata, mas tem medo de escuro. Não gosto de criticar, mas um psicopata de verdade não se parece com o Izaya, e nem escreveria uma história sem planejamento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo parcialmente.
      Jeff The Killer acabou se tornando uma grande "modinha" entre esse tipo de pessoa, e, na tentativa de escrever como um verdadeiro psocopata, eles acabam passando uma vergonha irremediável... Dá até uma certa peninha... Senão a galinha inteira...
      Espero que o autor procure melhorar daqui para a frente depois desse "meio-fracasso".

      Excluir
    2. A modinha do Jeff e do slenderman irritou demais

      Excluir
  2. Parece que uma criança de 10 anos nervosa escreveu isso HAHHAH

    ResponderExcluir
  3. Ok, eu esperava mais pelo título.
    Essa foi horrível... Muito mal planejada, com muitas "risadas psicóticas" (hahahahahahaha), e um """terror""" muito forçado, que mal chega à dar meros arrepios.
    2/10, não que minha nota ou minha "crítica" valham de alguma coisa, mas espero que o autor procure melhorar a narrativa e a construção de suas próximas histórias.

    ResponderExcluir
  4. do inicio pro meio tentou escrever de jeito complexo, e saiu completamente desordenado e sem nexo. Do meio pra final não dá nem pra descrever, mas chega a ser engraçado.

    ResponderExcluir
  5. Típica história de Jeff The Killer, tbm não gostei infelizmente

    ResponderExcluir
  6. A escrita não foi boa, vários furos e toda vez que ele falava em matar ou dava aquela risada (hahaha) revirava os olhos.
    Tente fazer outro e peça ajuda aos amigos para verem a coerência.

    ResponderExcluir
  7. Dica do dia: não use "cujo" se você não sabe usar "cujo".
    Bônus: não escreva se você for uma criança edgy.
    Até amanhã, pessoal.

    ResponderExcluir
  8. Uma dica, procure manter o tempo verbal de acordo entre os parágrafos, até mesmo na mesma frase. Por exemplo, no parágrafo 5 vc escreveu "após esse dia, ele fez um juramento com sangue (pretérito), dizendo que jamais amará (no futuro? Confuso)"
    Entendeu? O certo seria "amaria"

    ResponderExcluir
  9. Raramente comento algo aqui, mas acompanhando o blog desde 2016 posso dizer sem medo que foi a pior coisa que já li aqui kkkkkkkkkkk. A história de psicopata juvenil dá uma base legal para desenvolver uma creepy, porém o autor se perdeu em um "mar" de erros de concordância verbal, erros primários de ortografia e enredo confuso e mal desenvolvido.

    As risadinhas foram desnecessárias, os diálogos foram típicos de filmes de terror amadores da deep web ("Morra, desgraçada"), enfim... pra ficar ruim tem que melhorar muito.

    ResponderExcluir
  10. Mano...parece q uma criança pertubada q sofria bullying escreveu isso..
    Crítica construtiva:planeje antes de escrever e estude mais do gênero psicopata,pq senão fica engraçado e incoerente...

    ResponderExcluir
  11. Mais clichê e insípido que Jeff the Killer e Sexta Feira 13. "Odeio o mundo, vou matar todo mundo, fim".

    ResponderExcluir
  12. Grupo destinado à aqueles que gostam de terror, creepypastas ou coisas do gênero: https://chat.whatsapp.com/1csqhqZkMIMGZkp77Cn37D

    ResponderExcluir
  13. eu vou matar essa creepy hahahahahaha

    não, mas sério, tá ruinzin mesmo. bem mal desenvolvido/escrito ft. clichê adolescente revoltado 2012 fã de psicopata pois teve uma desilusão
    calm down ur shit, Izaya

    ResponderExcluir
  14. eu imaginei o Jukes como personagem principal na creepyKKKKKK
    por causa da risada dele
    btw a creepy foi bem fraca, muito gore excessivo e sem história alguma
    eu espero que o autor tente umas ideias novas no futuro, ele tem talento mas gastou na história errada.

    ResponderExcluir
  15. KKKKJJJJJJJJJJJJIJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ MAS QUE BELA BOSTA

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. engraçado demais agora se não se importantarem vou ali matar alguém hahaha!

    ResponderExcluir
  18. engraçado demais agora se não se importantarem vou ali matar alguém hahaha!

    ResponderExcluir
  19. O pior n foi escreverem isso, mas sim postarem mds

    ResponderExcluir
  20. Ah cada, desculpa mas eu não consegui passar da parte que ele mata o pai, sério, está péssimo.
    Contudo, não desista. Sua escrita é das piores que já vi, mas nada que não possa ser corrigido. Trabalhe isso se tiver o desejo de tornar-se escritor, pois com habilidades assim não há como ser devidamente reconhecido.

    ResponderExcluir
  21. Se o menino já queria virar um psico e sair matando todo mundo, imagina agora depois desses comentários de vocês. Uma coisa eu digo: o assassino está solto e pode estar na sua região. Boa noite!

    ResponderExcluir