07/11/13

Guitarra de 5 cordas (Parte 1)

Olá pessoal, eu comecei a traduzir essa creepy há algum tempo, e como ela é "um pouco" grande, decidi dividi-la em algumas partes. Espero trazer a continuação o mais breve possível.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Já era tarde quando Elijah finalmente tinha terminado de colocar seus pertences em sua nova casa. Era sua última chance e ele precisava de um novo ambiente para se inspirar um pouco. "Eu já te dei muitas chances! Essa merda que você faz simplesmente não vende! Faça uma música boa o bastante para estourar no mercado ou você estará fora!" foi o que seu produtor gritou na última discussão que tiveram. Elijah odiava seu produtor, e sua falta de vontade de mudar seu estilo apenas para vender discos deveria ser repensada se quisesse morar debaixo de um teto. Elijah vinha de uma era onde grandes músicos precisavam apenas de talento para conseguir vender seus discos, mas os tempos mudaram, e ele estava sendo deixado de lado para que "essa porcaria genérica e feita em larga escala" tivesse mais espaço. Frequentemente ele ligava o rádio para tentar conseguir inspiração, mas isso servia apenas para perder sua fé na música ao ver o que é que as pessoas realmente gostavam de ouvir.

"Eu não posso fazer esse lixo! Eu me recuso!" ele disse para si mesmo, mas depois de se estabelecer na nova casa e pensar a respeito, ele ligou o rádio novamente, sem muito ânimo. Elijah havia entrado no ramo da música com a esperança de que sua criatividade e expressão pudessem brilhar, mas depois de anos em turnês com uma banda e após a mesma ser dissolvida devido à falta de retorno, ele agora se via forçado a escrever músicas para as novas bandas adolescentes. Elijah desprezava a "nova geração" porque eles sofriam de uma incrível falta de criatividade e musicalidade, as mesmas qualidades que outra hora levaram tantos à fama. Ter alguém escrevendo uma música para você era motivo de vergonha em seus tempos, mas agora parecia até ser uma regra. O mercado musical era uma besta nojenta, ele pensou, mas ele já estava na indústria e não poderia parar agora.

Depois de horas de trabalho duro, Elijah se jogou no sofá, cansado e desmotivado. Cada músculo de seu corpo doía e pulsava com qualquer movimento que fizesse. Depois de alguns minutos de pensamentos vazios, Elijah se levantou para explorar sua nova casa. Sua agenda apertada o impediu de investigar a casa antes de sua compra, mas o produtor garantiu que a casa era perfeita e que o dono anterior era, assim como ele, um compositor. A casa até tinha um estúdio.

As paredes eram forradas de vermelho. Marcas de poeira estavam pela parede. Elijah pensou que eram ali que estavam os quadros e pôsters do antigo dono. Ainda haviam pregos ali. Estava bem claro que tudo que pertencia ao antigo dono foi removido rapidamente para que o novo dono pudesse se instalar. A casa era consideravelmente maior do que ele pensava (considerando quanto havia sido pago nela), e parecia ser maior no interior do que no exterior. Após andar pelos corredores, ele chegou em um grande e impressionante salão, com uma escada em espiral direcionada ao porão. Elijah chegou à conclusão de que o estúdio deveria estar ali. Ansioso para ver o local em que ele passaria a maior parte do tempo, ele correu em direção das escadas. Quando chegou ao destino, deixou escapar um gemido angustiado. As escadas pareciam ir a um lugar muito mais fundo do que ele pensava. "O estúdio deve estar no subsolo, não é possível!" ele presumiu.

Elijah começou a pensar o que teria feito o dono anterior ter desistido daquele lugar. Era simplesmente a casa mais incrível que ele já tinha visto, e ele não podia imaginar o que faria alguém sair. O produtor disse que o antigo dono tinha simplesmente "desaparecido". De acordo com a polícia, não havia qualquer sinal de arrombamento, então eles concluíram que o homem simplesmente foi embora e deixou tudo para trás. Por que ele teria feito isso, Elijah não podia nem mesmo desconfiar, mas não era como se ele quisesse contestar essa decisão. Cautelosamente ele desceu as escadas, agarrando o corrimão. O aço da escada era robusto e bem conservado, não emitia estalos ou vibrações quando se pisava nos degraus.

Assim que chegou ao fim das escadas, as luzes do salão acima de sua cabeça ficaram cada vez mais fracas até que ele não pudesse mais ver aonde estava. Depois de alguns segundos andando desorientadamente no escuro, ele chegou a um interruptor, e acendeu a luz. Era um pequeno e isolado quarto, com uma única porta vermelha bem à sua frente. Um arrepio percorreu a espinha de Elijah, mas ele logo se acalmou e se moveu em direção à maçaneta. A porta parecia chamá-lo para dentro do quarto, e depois de pensar a respeito disso por algum tempo, ele começou a ouvir notas fracas vindo de dentro daquele quarto. Notas bonitas, que ecoavam por algum tempo. Notas que pareciam ser de um instrumento de corda. "Alguém deve ter deixado um rádio ligado", ele pensou, mas então lembrou-se que nada tão bonito tocava no rádio há pelo menos uma década. Coberto de curiosidade, ele se moveu cautelosamente na direção da porta. Segurou a maçaneta dourada, e então se deu conta de algo: alguém poderia estar dentro do estúdio tocando o instrumento. Ele entrou, tomado pela fúria. Assim que viu o estúdio, no entanto, ficou mais calmo.

Era o mais belo e completo estúdio que ele já tinha visto. Microfones da mais alta qualidade, mesas de som e computadores enchiam o local. Os caras da empresa de mudanças provavelmente não sabiam da existência daquele quarto: era a única explicação para que tal equipamento ainda estivesse ali. Elijah fez um cálculo rápido e viu que ali deveriam haver várias dezenas de milhares de dólares em equipamento.

Depois de alguns instantes, ele se lembrou qual era a razão para ele ter entrado ali, e ficou espantado ao ver que a música tinha parado. O estúdio estava completamente vazio. "Cara, devo estar ficando louco", murmurou, e foi em direção à mesa de som. Para sua surpresa, o estúdio ainda estava gravando, como se o dono anterior tivesse ido embora antes mesmo que ele tivesse parado a gravação. Com a cautela que os vários anos de experiência haviam lhe dado, permitindo que ele conhecesse cada um dos botões e chaves, Elijah examinou o equipamento e parou a gravação. Decidiu que voltaria mais tarde para examinar melhor o estúdio para tentar descobrir alguma coisa, mas viu algo que chamou sua atenção.

Uma guitarra branca, bastante reluzente, e ainda conectada a um amplificador, largada no chão, perto de um banco caído. Elijah moveu-se rapidamente em direção a ela. A qualidade do instrumento era soberba, e mesmo parecendo ser um modelo de 50 anos antes, os trastes estavam completamente novos e as cordas não pareciam ser muito antigas, eram quase novas. Enquanto ele examinava cautelosamente o instrumento, percebeu algo de errado. Ele tinha ficado tão atraído pela beleza da guitarra, que demorou para notar que ela estava com uma corda a menos! Apenas 5 cordas, terminando na B. Ainda mais interessante, ela  havia sido feita para ser uma guitarra de 6 cordas, afinal, havia um sexto espaço vazio no braço da guitarra. "Por que alguém teria tanto cuidado em fazer uma guitarra tão bonita para no fim deixar de colocar uma das cordas?" Ele se perguntava por que o antigo dono estaria tocando uma guitarra incompleta. E a parte mais estranha de tudo: era evidente que a guitarra havia sido derrubada, mas não apresentava arranhões ou coisa do tipo.

Elijah, cheio de dúvidas, decidiu pegar a guitarra. Quando sua mão estava bem próxima do braço, a guitarra pareceu reluzir ainda mais, como se estivesse implorando para ser usada. De repente, antes mesmo que ele fizesse contato com a guitarra, seu bolso vibrou. Ele puxou o celular do bolso.

"Ótimo, esse filho da puta de novo", murmurou, e atendeu o telefone. O sinal era péssimo ali, então ele  subiu as escadas novamente.

"Então, o que eu disse, cara? Eu estou certo ou estou certo? Eu sei que o estúdio é pequeno, mas deve servir!" o produtor gritou. Ele parecia gritar o tempo todo, como se sequer tivesse consciência do volume de sua voz. Elijah não entendeu o que Bob quis dizer com "pequeno", já que aquele estúdio era maior que seu antigo, mas fingiu não perceber o erro. "É maravilhoso... É... É incrível, na verdade. Você estava certo, como sempre" ele admitiu, relutante, deixando escapar um suspiro.

"Estou esperando que você faça músicas ótimas, E. Não me desaponte!"

"Não se preocupe. Logo farei algumas músicas".

"Ok, cara... Sabe... Eu sei como se sente" ele disse, mas era óbvio que sua empatia era falsa. "Apesar disso, você tem que entender, os tempos mudaram, e se você não pular no trem, o trem parte e deixa você para trás!"

"Ele tem a cara de pau de me pedir para 'seguir os novos tempos' mas fica usando essas frases arcaicas do século passado", pensou. "É, Bob, eu sei. Olha, eu ainda não terminei de desempacotar minha mudança, então eu falo com você depois, tudo bem?"
"Claro, E, tudo bem. Até mais".

Elijah guardou o telefone. Suas costas começaram a doer e ele precisava deitar. "Ótimo", ele pensou, "vou ter que deixar a guitarra esperando". Ele ainda não tinha montado a cama, então decidiu dormir no sofá aquela noite.

37 comentários:

  1. Muito bem escrita, por esse comecinho já espero uma masterpiece ♥ se o CPBR se dá ao trabalho de traduzir uma creepy enorme é porque deve valer à pena. Esperando ansiosamente pelas próximas partes :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Agnes. Deve ser uma fuckingpasta...

      Excluir
    2. Concordo, Agnes. Deve ser uma fuckingpasta...

      Excluir
    3. parece ser show mesmo agnes, só queria poder ler o resto...
      essa agonia tá me matando :P muito show essa creepy

      Excluir
  2. De boa, achei um studio de gravação no porão da minha casa, o gravador ainda estava gravando (avá), achei uma guitarra de seis cordas que possuia apenas cinco, e eu nem imagino que vai acontecer alguma merda

    ResponderExcluir
  3. Uma guitarra de cinco cordas é um baixo '-' Brinks -q Adorei essa creppypasta envolvendo instrumentos musicais, tanto que precisei comentar aqui. Queria muita as próximas partes, e gostaria de elogiar vocês pelo trabalho das traduções. O que começou para mim como um blog para encher meus finais de semana, se tornou uma obsessão que eu confiro diariamente, as vezes duas vezes ao dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu confiro umas 10 (a cada meia hora XD)

      Excluir
    2. Nossa Agnes, mais viciada que eu -q Se bem que eu to ficando assim também, final de semana quase nao saio do blog, se não tem novos, leio os antigos

      Excluir
    3. Bem assim, agora mesmo estou fazendo isso. Fiquei um dia sem internet e o CPBR ficou 1 dia sem postar, eu esperando uma pancada de posts e aqui sem nada. Abstinência tá foda aquê...

      Excluir
    4. Se é das minhas o/ Eles devam postar mais, é chato ter que ficar esperando... Se eu não fosse tão viciado, leria só uma vez por semana pra deixar acumular

      Excluir
    5. Guitarra de cinco cordas é um baixo > pensei a mesma coisa haha

      Excluir
    6. Agnes e Rogerio, sei como se sentem, eu, que trabalho, fico na expectativa de ter varias creepys pra ler e passar o tempo as vezes.... mas, geralmente so tem uma ou duas :/
      acho que ja li a historia do BEN Drowned umas 3 vezes, ainda sim, esse é o melhor blog que eu ja vi, nao me arrependo de continuar lendo ^^ Continuem assim pessoal ^^

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Tadinho do Helijah, nao aguenta mais os lelele, baragada e tchetchereretchetche da vida..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele ta deprimido no Arrocha. Tadim.

      Excluir
    2. Ele tem saudades dos tempos do conga la conga

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. aaaah, vou fazer q nem a colina, vou esperar saírem mais capítulos pra ler, Pq se não fico mto "ancioso". foda a creepy e a tradução, Awdur!

    ResponderExcluir
  8. Acha ruim uma guitarra de 5 cordas? Imagine ele com um baixo… o cara ia ficar bugadão achando que era uma guitarra,lol.
    Se fr levar a sério,concordo com o Elijah,os tempos mudaram pra orégano de pizza caseira(ou seja,Gustavo Lima e Você)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cara ta certo. Eu não sei se só fazem musica ruim atualmente ou se as coisas boas não tão sendo aprovadas por algum motivo filho da puta. Se alguem souber uma banda nova boa me passa o nome.

      Excluir
    2. Depende do estilo que tu gosta. Tem Haim, Halestorm, Hello Mexico, Lykke Li, Imagine Dragons, Arctic Monkeys, Strokes, enfim... Tipo, MPB, tem uma pá de coisa boa só que a mídia não divulga, a mídia só divulga bostinhas genéricos. Por isso não escuto rádio nem assisto TV, eu prefiro preparar uma playlist foda que vai desde os anos 50 até os anos 10 :D

      Excluir
    3. Entendo bem Agnes.
      No meu caso muita gente fala q eu deviq ter nascido na Inglaterra nos anos 60 e viver os 70 e 80 e.e pq tipo,eu so ouço musica dessas geraçoes,as mais atuais q ouço são algumas do Coldplay do período anterior ao Mylo Xyloto '-' a nova geração ta uma boshhta.

      Excluir
  9. Poxa, o produtor tem que ser tão melancólico e negro assim?? Sempre assim... Eta generalização depressiva... LOL Mas tá da hora, ansioso para ler a continuação!!

    ResponderExcluir
  10. Vou falar sério dessa vez. A estrutura do texto me incomodou muito, tudo está junto e carregado, a estética não ajuda na leitura do texto.

    O personagem principal parece meu irmão (adolescente e roqueiro) que só sabe reclamar. A música atual é ruim sim, mas já que você não concorda porque não muda de profissão?
    Sem contar que a história de "casa barata e grande" é um grande clichê.

    Minha primeira impressão foi ruim, tomara que o resto seja bom...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você. Não gostei muito não, o personagem me irritou reclamando da vida. Não gosta do trabalho cala a boca e arranja outro!

      Excluir
  11. Alguém sabe o nome dessa creepy em inglês? ansioso!!

    ResponderExcluir
  12. Daqui a pouco ele vai chegar pras pessoas falando "eu ouço pessoas mortas a noite"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 01000101 01110101 00100000 01100001 01100100 01101111 01110010 01100101 01101001 00100000 01110011 01100101 01110101 00100000 01100010 01101100 01101111 01100111 00101100 00100000 01110011 11101001 01110010 01101001 01101111 00101100 00100000 01100101 01110101 00100000 01000001 01001101 01000101 01001001 00100001 00100001 00100001

      Excluir
    2. Tradução: Eu adorei o seu blog, sério, eu AMEI!
      PS: Morte Súbita

      Excluir
    3. O.O E OLHA QUE EU QUASE NAO USO ELE KLKK'

      Excluir
  13. Eu começaria a desconfiar na parte em que o produtor diz que o estúdio é menor que o anterior... Enfim, creepy muito boa, estou esperando as próximas partes.

    ResponderExcluir
  14. Isso me lembrou um episódio de Alem da Imaginação, onde um cara tocava mal pra caramba e compra uma guitarra que o faz ser um gênio do rock. Só que ela o "possui" matando todos os que se aproximam dele e, posteriormente, ele. Mas creio que a historia dessa creepypasta seja diferente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tmb me lembrei desse episodio xD o nome é A Maldição da Guitarra

      Excluir
  15. Isso me lembrou um episódio de Alem da Imaginação, onde um cara tocava mal pra caramba e compra uma guitarra que o faz ser um gênio do rock. Só que ela o "possui" matando todos os que se aproximam dele e, posteriormente, ele. Mas creio que a historia dessa creepypasta seja diferente.

    ResponderExcluir