04/08/13

Creepypasta dos Fãs: Bailarina e o espelho

  Sou Bianchi , tenho  17 anos e moro em uma pequena cidade no Canadá.

Nesse pouco tempo fiquei realmente em dúvida de contar o que  presenciei.

  Sou como qualquer outra menina, tenho amigos, vou bem nos estudos, gosto de musica, danço.
  Como disse eu danço balé todas as terças , adoro dançar e isso é minha vida, adoro minhas amigas que dançam comigo. Porém aconteceu uma coisa muito horrível no lugar em que pratico balé.

  Estava chovendo, era um dia frio e chuvoso. Antes de começar as aulas, minha professora chegou com uma menina, pálida, magra, de olhos azuis, cabelos loiros e um sorriso envergonhado na cara se escondendo atrás de minha professora, era Emily, havia acabado de se mudar e queria começar a dançar. Feito a apresentação da garota ela veio lentamente até meu lado, e me disse um “oi” apertado de vergonha.  Do outro lado estava Madyson. Ela era a menina que tinha mais dinheiro, sempre com seu carro luxuoso e seu perfume adocicado que chegava a dar enjoo, ela era arrogante com todas nós, até mesmo com nossa professora.

 Como de costume Madyson começou a atormentar a menina por ser uma veterana, falando  a história do espelho que sempre contava as mais novas: O espelho era fosco, tinha uma aparência velha e era mais escuro que os outros, mas eu não me importava, era só um espelho. Mas Madyson sempre insistia na velha história: Uma menina havia sumido em frente a ele, por conta de ter uma alma de um espírito aprisionado  lá dentro , sempre que via alguém dançar a alma sentia inveja e puxava a pessoa para dentro do espelho. Madyson foi tão insistente com a garota, que ela se afastou e veio mais perto de mim, e como percebi falei a ela que era costume de Madyson fazer isso, para não se preocupar com isso.

   Quando se completaram três semanas com a vinda de Emily estava indo tudo bem, até acontecer aquilo... Tinha chegado atrasada na dança, foi quando abri a porta e vi Emily no chão e Madyson zombando dela, gritando que era medrosa, por causa da história, porque não queria dançar na frente do espelho, eu cheguei perto de Emily e a abracei  e a levantei falando que estava tudo bem, e falei pra Madyson ficar longe dela, que tinha que respeitar os outros, após o conflito, voltamos a dançar porém com aquele ar tenso que todos sentiam por causa da “briga”. Acabado a dança sobrou apenas eu e Emily, ela ia todos os dias junto com minha professora para casa, porque eram vizinhas, eu tinha ficado de “castigo” por ter chegado muito atrasada. Minha professora me pediu para descer para ajuda-la a pegar o figurino para a apresentação de amanhã e disse a Emily que ficasse no salão para tomar conta das coisas, que voltaríamos em cinco minutos, coisa rápida. Olhei para Emily e falei para não se preocupar  com o espelho, para não ter medo, era só uma história boba que Madyson conta para todas as meninas mais novas da dança.

  Passado uns dez minutos quando voltamos Emily não estava lá, achamos que ela cansou de esperar e foi embora sozinha. Minha professora disse que ao chegar em sua casa ela ia ver se Emily tinha chegado em casa. Então fui embora.

  Era tarde da noite, estava indo para casa, quando senti  um ar gelado e esquisito em minha nuca.   

Chegando em casa minha mãe me disse que minha professora tinha ligado desesperada, que Emily não estava em casa e que seus pais estavam muito preocupados, se ela não havia me ligado ou tentado falar comigo, na hora fiquei paralisada e falei que não, na mesma hora sai correndo procurar Emily.

  Fui perto do prédio onde  fazíamos balé, e naquela região procurei procurei e procurei Emily. Porém não achei nada, nada mesmo, foi quando olhei para cima e vi um laço rosa caindo levemente como se tivesse caído do prédio, foi quando notei que era o mesmo laço que Emily usava para prender o cabelo. Sem pensar, corri até a escadaria e subi até o salão. Estava exausta, sem fôlego, quando cheguei percebi que a porta do salão estava aberta, foi então que senti  aquele mesmo ar gelado bater na minha nuca, minhas pernas ficaram imóveis, senti o medo, mais não era um medo comum  é como se estivesse me avisando algo, algo horrível . Então levemente empurrei a porta... Estava muito escuro, não conseguia ver nada, eu ia tateando a parede e de repente pisei em algo molhado, como se tivessem derrubado água ali. Foi quando achei o interruptor e liguei a luz. Eu nunca gritei tanto na minha vida, aquilo era sangue saindo do espelho escuro e sombrio. Em frente a ele estava a sapatilha de Emily, entrei em pânico na mesma hora e corri o mais rápido que pude.  Até hoje me arrependo de ter deixado Emily lá, pobre Emily, ela não tinha feito nada a ninguém, todas as noites vejo sempre a mesma imagem em minha cabeça, não aguento mais, mesmo indo no psicólogo mesmo com tratamentos, aquela imagem não sai da minha cabeça, estou escrevendo esse texto e logo atrás de mim tem uma corda que fiz com as gravatas do meu pai , eu não aguento mais, não aguento mais, não não não.

Escrito/Enviado por: Lucas K Matsui


12 comentários:

  1. Pense em mim, chore por miiim, liga pra mim, não não liga pra eeeele...

    ResponderExcluir
  2. Achei a história boa, apesar de meio forçada. Entretanto tinha mais potencial. O texto tem várias repetições seguidas, como quando ela fala que gosta de dançar ou quando fala do laço, e isso baixou um pouco a qualidade, mas ainda assim é boa...

    ResponderExcluir
  3. Eu não sei se quem envia as creepypastas dos fãs realmente as escreve, então, limito-me a dizer parábens ao autor.
    Essa é uma creepy moderadamente boa, mas de todo modo digno de um 10.
    Como pontos fortes temos o fato da história ter sido bem contada e mostrada, pois consegui imaginar-me perfeitamente como uma bailarina. Ou seja, deu pra viver os parágrafos, viver a história e sentir sua essência.
    O que quero dizer, caso ainda não tenha sido claro, é que gostei muito do modo que o autor(a) desenrolou a história e soube pôr um ponto final nela. Parabéns novamente.
    E, como pontos fracos, temos alguns erros ortográficos, algumas repetições desnecessárias e a falta de alguns termos mais adequados. Tipo, aquele "foi quando" dito duas vezes na mesma setença. Senti o fator suspense presente no decorrer da creepy, mas o fator susto não houvera.
    Não que creepys sejam feitas unicamente de sustos, mas creio que esse tenha sido o objetivo desta, e porém ela não conseguiu acertar.
    Novamente, parabéns.
    E essa é minha resenha. ^-^"

    ResponderExcluir
  4. A ideia é ótima, balé é uma dança obscura e espelhos são pretexto para tudo, porém eu não consegui entrar na historia. Fiquei somente olhando estas repetições e dizendo "eu sei, você já disse isso antes!".

    Se for reescrita fica muito melhor.


    ResponderExcluir
  5. gostei mt. parabens pro autor. mais acho que seria melhor ser reescrita com me.as repeticoes. e quando disse que era o laco da menina na minha opniao tirou o suspense. fora isso foi d+ me prendeu ate o fim.

    ResponderExcluir
  6. Sem dúvida há várias repetições, o suspense ao longo da história foi ótimo, mas o final meio previsível. Mas eu gostei, adoro histórias que envolvam espelhos e o fator da dança junto a isso foi bem criativo.

    ResponderExcluir
  7. Eu adorei a historia!parabens ao autor...so tem um problema




    Eu sou uma bailarina D:kkkkkkk

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Eu adorei a historia!parabens ao autor...so tem um problema




    Eu sou uma bailarina D:kkkkkkk

    ResponderExcluir