30/09/13

Creepypasta dos Fãs: A cabana

O relincho do albino garanhão era gritante a cada relâmpago na noite chuvosa, era possível ver o seu cansaço após andar horas da noite sobre um terreno lamacento, chegando a cobrir quase até os jarretes e joelhos.

A tempestade piorava, estava ensopado o pobre Duque, queixava-se e amaldiçoava a horrível chuva e a si mesmo, pois se perdera da trilha da floresta, lembrando-se das palavras de seu irmão: “Cuidado com a floresta, andarás nela a noite, e não sabe os perigos que ela guarda. Siga sempre em frente, e jamais olhe para trás”.

O vento era cortante, seu corpo tremia escutando o barulho insuportável do bater dos dentes dentro de sua boca, mesmo com roupas e casacos grossos, sentia o peito gélido e levemente molhado, e com ânsia apertava contra o peito uma pequena bolsa de couro, rezando para que a única muda de roupa, que permanecia encoberta de um pequeno lençol, permanecessem enxutas.

-Deus! Por que fizestes isto comigo? O que fiz para provocar tal ira? Eu que sempre fui um fiel servo teu. Ajuda-me, por favor, não me abandonas!

E em suplicas cobertas pelo pranto ele voltou a seguir em frente, as lágrimas caiam esquentando seu rosto enquanto o corpo começava a adormecer, mexia-se pouco, as pernas estavam repletas de câimbras, e sentia o corpo encurvar para frente até encostar parte do abdômen no lombo do garanhão, enquanto olhava para baixo com os olhos já doloridos e pesados.

Lutava contra o frio, o sono e o suposto abandono. Já não aguentando mais o peso extra das roupas ensopadas, deitou-se sobre o dorso do animal, colocando uma das mãos entre a longa crina do cavalo com a triste esperança que aquilo lhe traria um pouco de calor.

E por um instante o garanhão parou, tentando suportar o próprio peso, o Duque levantou o corpo lentamente, abrindo os olhos já inchados pelas inúmeras lágrimas, e tossia, já sabendo que deveria ter contraído algum resfriado ou gripe.

-Céus, será que estou louco? – Disse o Duque descendo do cavalo e encostando a palma da mão na pequena porta de carvalho, sorriu por um instante à frente da singela cabana, olhou para os lados e colocou o garanhão em um local que parecia ser um pequeno estabulo, indo em direção à porta logo após amarrar as rédeas em um fino pilar.

Empurrou a porta suavemente, vendo-a abrir com um leve rangido. Com dificuldade, observou o interior simples em que iria passar a noite. A cabana era mobilhada apenas com uma cama e pequeno móvel e uma mesa redonda com algumas poucas cadeiras, era muito diferente de tudo que já viu e de todo o conforto a que era acostumado, mas na situação na qual estava ele agradeceu com um sorriso nos lábios e uma lágrima no rosto.

Procurou no móvel e acendeu sobre a mesa a única e pequena vela que achara, tirou as roupas molhadas que usava e colocou-as nas cadeiras com a esperança que secassem até a aurora. Seu corpo estava gélido e úmido, pegou a bolsa de couro e dela retirou o lençol que encobria as únicas roupas enxutas. Secou-se e vestiu-se com uma fina e simples roupa de linho branco, deitando-se na cama coberto pelo lençol e dormindo profundamente tomado pelo cansaço.

Por um instante, um imenso clarão encheu por completo a cabana, seguido pelos relinchos incessantes do cavalo fundidos aos trovões. Sentou-se ofegante, encostando-se à parede, sentiu o brilho daqueles olhos pesando sobre si e enfraqueceu como se sua alma estivesse sendo sugada de seu corpo.

-Quem és tu? Mostre-se, por favor, saia dessas sombras em que se esconde. – Lentamente saiu de onde estava, e o Duque olhou para ela maravilhado.

Calou-se então o mundo, nada mais importava. Um tímido raio de luz da Lua tocava suavemente o escuro interior da cabana, no centro da bela visão, entre delicados grãos de poeira que pairavam no ar, estava a bela jovem de longos e loiros cabelos que cintilavam como ouro, fundidos ao brilho pálido de sua pele e seus olhos, tão azuis e profundos quanto o mais belo mar de verão.

Passo a passo, lentamente a moça chegava cada vez mais perto, arrastando tão suavemente seus pés no chão, que o som mais se parecia com o farfalhar das folhas caídas de outono. Chegando à frente da cama, ajoelhou-se. Mantinha-se tão silenciosa quanto uma pluma caída ao chão, e seu belo olhar estava fixado nos olhos do Duque, que mais parecia estar encantado com tanta beleza.

-Quem és tu bela dama? Como veio parar aqui nesta noite tão chuvosa.

-Sou apenas uma serva, alteza, mandada pelo meu senhor para servi-lo.

Dito isto, a jovem e bela dama subia lentamente a cama, tocando delicadamente as pernas do Duque com a ponta dos dedos, enquanto ambos fixavam o olhar um no outro tão intensamente quanto dois raios que iam em direção ao chão. “Céus, como ela está quente”, pensava o Duque enquanto sedia a única sanidade que lhe restava, entregando-se àquele desejo ardente.

Naquela noite, entre incessantes relâmpagos e trovões, eram os sons dos beijos, tapas, gemidos e sussurros que predominavam na cabana, combinadas com as palavras imundas de ambos e a fervente libido que escorria no suor fundido dos dois corpos unidos por um encontro inesperado.

Ao fim, a jovem dama sentou-se na beirada da cama. O Duque, que permanecia deitado mais próximo à parede, ria, respirava ofegante como estivesse ainda sendo consumido pela libido, extasiado pela mistura de prazer e cansaço.

-Deus! – Gritou ele – Obrigado por pores esta cabana em meu caminho!

Novamente, a cabana encheu-se com a claridade de um raio, o garanhão, após incessantes relinchos de pavor e medo, soltou-se de suas rédeas e fugiu, desaparecendo entre as densas árvores da floresta. O Duque irado, gritou, rogou inúmeras pragas e por um instante silenciou.

-Deus? – Disse a dama – Não foi ele quem pôs esta cabana em teu caminho.

Ele sentou-se, apoiou um dos braços na perna, que estava dobrada à sua frente, e esfregou o rosto com a mão. Parou, fixou o olhar nela, e sem precisar pensar muito, logo perguntou:

-Então me diga quem pôs isto em meu caminho?

Levantou-se, e permanecendo de costas, riu um riso macabro, enchendo qualquer alma viva com o pavor. Mais um clarão encheu a cabana e ele viu as marcas e o negro sangue que escorria de suas costas.

Gritou, ordenou que ela o respondesse e perguntou inúmeras vezes, já com voz tremula e a alma repleta de pavor, quem ela era, e o que queria com ele. Cada palavra lhe causava mais e mais risos.

E tudo parou, a floresta e o céu se calaram fazendo um silêncio tão profundo e cortante, que parecia que o tempo havia se congelado. O medo crescia, e o suspense tomava de conta o seu interior. O pobre Duque, tomado pelo o horror, tentava controlar seu corpo que se tremia, e tentando resgatar a coragem e a lucidez, ele tentava voltar a falar.

-Sua bruxa! Responda-me agora criatura maldita, quem tu és? E quem colocou esta cabana em meu caminho?

Ela se virou. Os longos cabelos haviam se transformado em pó, a pele caíra, restando apenas músculos necrosados banhados por larvas que caiam com simples movimentos, e os olhos enegreceram e afundaram, como se não existissem mais. E com um sorriso seco, olhou para ele dizendo:

-O Diabo.

Escrito/Enviado por: Larissa M.


16 comentários:

  1. Acho que é pq eu tenho uma imaginação fértil.........
    Mas que creepy foda cara.......eu vi as cenas como se fosse realmente aki.....como seu eu fosse uma expectadora assistindo um filme.......

    Simplesmente Ótima

    ResponderExcluir
  2. Meu deus moça,escreve bem demais <3

    ResponderExcluir
  3. Tava massa mas esse "o diabo" no fim destrui tudo

    ResponderExcluir
  4. Tava massa mas esse "o diabo" no fim destrui tudo

    ResponderExcluir
  5. Moça, você escreve muito bem, a sutileza que usa as palavras. Imaginei as cenas, muito bom, Parabéns

    ResponderExcluir
  6. É o livro “A Cabana” só que invertido.

    ResponderExcluir
  7. creepypasta bem escrita e Nsfw XD brincadeira. Amei de mais essa creepy.

    ResponderExcluir
  8. UAU!!!!!! Parabéns para a Larissa!
    Adorei! Ótima creepy, até mesmo linda!
    Xonei na Larissa :3

    ResponderExcluir
  9. e minha creepy ngm posta né?mas a propósito,parabens para qm criou essa

    ResponderExcluir
  10. Cara essa menina escreve super bem... me senti lendo uma obra de um dramaturco renomado! Mais infelizmente o final foi cliché... porém essa creepy foi tão bem escrita que superou qualquer "erro" nela contida! Cara... foi ótima mesmo! Meus parabéns a quem escreveu!!!

    ResponderExcluir
  11. Wow, so beautiful so wonderful.

    Que habilidade com a arte da palavra, Larissa. Continue assim.

    ResponderExcluir