17/09/14

Creepypasta dos Fãs: Silent Night

"O horror visível tem menos poder sobre alma do que o horror imaginado - Willam Shakespeare"

Ola, meu nome e Bryan, a historia que eu vou contar e real e aconteceu a três meses atras.
Sabe a maioria dos casamentos não duram muito e no meu caso não foi diferente, era a minha semana de ficar com a minha filha.

Então eu tive a ideia de irmos viajar para o área rural da cidade, isso pelo fato de meu pai morar em uma fazenda por lá, eu pensei que leva-la para ver o avó seria uma boa ideia, ela ainda não tinha aceitado a separação.

A área rural ficava muito longe então quando escureceu ainda faltava muito para chegar, minha filha já tinha apagado no banco de traz do carro e a estrada ficava cada vez mais enevoada, a nevoa não era assustadora, mais eu nunca gostei daquelas ruas do interior.

Depois de mais duas horas de viagem o maldito carro resolveu parar,minha pequena menina continuava a dormir suave mente, eu desci do carro para ver o que era e no mesmo momento que eu desci do carro a nevoa engrossar e o local com poucas arvores e o gigantesco campo de grama ficaram no silencio mais absoluto que eu já tinha ouvido.

Quando eu comecei a mexer no motor do carro eu comecei a ouvir barulhos e gritos vindo de trás, eu comecei a virar de acada minuto para ver o que era, mas sempre que eu virava não avia nada lá o medo tomou conta da minha alma, eu ficava tremendo enquanto mexia no motor do carro.

Depois de uns minutos os barulhos pararam, mas quando os barulhos pararam eu comecei a escutar uma respiração bem fraca, cada vez mais perto, e com se alguém ou alguma coisa estive-se
se aproximando eu tentei ignorar o som de respiração, mas quando você sente a respiração no seu pescoço você não consegue mais ignorar e vira.

Quando eu me viro não vejo nada, e com se alguém ou algo queria me torturar mentalmente antes de me matar, dessa vez eu demoro para voltar a mexer no motor, eu queria ter a certeza se era algo real ou alguma paranoia da minha cabeça, eu começo a gritar se tinha alguém ali mas eu não ouvia resposta alguma.

Voltei a mexer no motor e agora lua a estava bem no topo do céu, era uma cena bonita, ate eu sentir aquela respiração novamente, eu me virei mais rápido que eu podia e então eu o vejo, a criatura que me atormentava na quela noite, era um garoto de pele acinzentada com cabelos longos e negros usava roupas velhas e rasgadas e a suas duas características marcantes eram os buracos que brilhavam num verde intenso no lugar de seus olhos e o fato dele não ter boca.

Aquela coisa ficou me encarando como um animal curioso, eu tentava me afastar mas ele era muito rápido e sempre que ele chegava perto ele parava e ficava me olhando, isso se repetiu por no máximo um minuto até ele se afastar e apontar para o carro, quando ele apontou para o carro eu sabia que ele estava se referindo a minha filha, e quando ele percebeu que eu tinha notado ele fez uma expressão de contente, então ainda apontando ele com a outra mão passa o dedão no seu pescoço.

Quando ele fez isso eu corri em direção ao carro para pegar minha filha e fugir daquele lugar, mas quando eu abri a porta de trás do carro ela não estava lá, me virei e ele estava bem atras de mim com uma distancia de aproximadamente dois metros, segurando a minha filha ainda dormindo em seu colo ele com uma das mãos fez o sinal de silencio e no lugar onde eu pensei que não tinha boca começou a rasgar e uma grande sorriso ensanguentado no seu rosto é estampado ele começa a segurar a minha filha como um brinquedo e começa a rir enquanto observa a minha cara de medo.

E por algum motivo eu não me mexia eu achava que estava paralisado de medo mas eu comecei a prestar a atenção, no chão estava saindo esqueletos de cobras que estavam me prendendo me deixado totalmente imóvel.

A criatura jogou a minha menininha pro alto e depois pulou e arrancou a cabeça da minha pequena, eu fique quase louco depois daquilo, mas eu não podia fazer nada alem de gritar enquanto chorava, agora a criatura esta vido em minha direção quando ela chegou perto ela disse com uma voz fraca e roca as seguintes palavras "faça silencio a noite e um momento sagrado e bonito" depois que ele disse isso eu comecei a cair no sono, eu acordo no outro dia no meio das ruas da cidade vizinha, e quando eu voltei para a minha antiga cidade ninguém lembra de mim, nem meus amigos, minha ex, meus pais e como se eu nunca tivesse existido, ate hoje eu não sei o que era aquela coisa mas eu ainda ouso aquela frase que terminou de destruir a minha vida.

Escrito por.: Ω

10 comentários:

  1. Gostei, mas tem uns erros de português (o quê não é de costume desse blog). Alguém deve ter escrito ou revisado com pressa.

    ResponderExcluir
  2. Só eu que achei que fosse a hist do silent hill ?no inicio e perto do fim

    ResponderExcluir
  3. Gostei da história, mas os erros de português são muitos.
    Enfim, caguei.

    ResponderExcluir
  4. Na moral mesmo. Povo sem criatividade.
    Essa creepy foi puro plágio da "Carma"

    ResponderExcluir
  5. Que creepy bosta kkkkk

    ResponderExcluir
  6. Primeiro: A creepy foi clichê
    Segundo:Tinham muitos erros de português
    Terceiro:4/10

    ResponderExcluir