03/07/14

Creepypasta dos Fãs: A Evocação da Morte

Ali estava eu, com um copo de uísque na mão, um charuto acesso sobre a mesa, virado tristemente para a parede com um fogo de lareira fraco sob minha frente e atrás de mim inúmeros símbolos mágicos de invocação gravados a sangue no chão, invocação de um ser poderoso a qual eu achei que não conseguiria invocar mesmo com tantos anos de estudo das artes negras, mas de repente o fogo pareceu diminuir a velocidade do crepitar até finalmente parar, como se tivesse congelado, o ambiente se esfriou abruptamente e eu ouvi o ultimo “tec” do relógio ao meu lado, o pendulo parar inclinado, não só pendulo, o tempo havia parado, então tétrica luz apareceu sob minhas costas e logo desapareceu, senti a presença de algo atrás de mim, algo antigo, poderoso e indiscutivelmente sábio, esforcei-me a fim de conter meus sentimentos, um misto de poder e medo e falei com minha voz baixa de ancião tentando manter a calma: “olá espectro, então você veio.... Não imaginaria que teria poder de invocar um de vocês, um espectro da morte, o ser mais poderosos de todos os mundos, fico feliz em saber que minhas habilidades de mago foram uteis ate este momento”

O espectro flutuou num movimento totalmente silencioso, saiu das minhas costas e foi se postar em minha frente, deste jeito eu poderia vê-lo, era alto, cerca de 2 metros, semitransparente, sua capa em farrapos não tocava o chão, e ele era apenas isto, uma capa, sem nada dentro a qual eu pudesse ver, dentro do capuz apenas a escuridão de um abismo infinito, e por onde ele se movia deixava sombras, uma sombra viva e sutil emanava dele e recobria todo o cômodo, tinha em sua posse uma ampulheta de ossos preenchida por uma areia negra que não cessava em cair que colocou na mesinha de centro, ao lado da garrafa e do cinzeiro, na outra mão, apoiada no ombro existia uma enorme foice, uma foice quase material, conseguia ver meu reflexo de velho decrepito nela, o espectro pegou a garrafa me fitou com o capuz vazio e perguntou na voz mais gélida e gutural que podia imaginar, parecia ser a voz da caverna mais profunda do inferno, mas a voz tinha um tom amigável, ela disse: “ bem, você irá entender minha língua, embora não seja o português que você esteja habituado, a língua da morte é entendida por todos os seres vivos, esta garrafa, posso beber???

Fui pego de surpresa, esperava tudo, menos isto, um espectro da morte, um ser tão antigo quanto o que há de mais antigo, estava ali me pedindo bebida calmamente, como um velho amigo sem qualquer formalidade ou superioridade, depois de me recompor olhei e assenti com a cabeça, o ser olhou para mim e pegou a garrafa, sentou-se ao meu lado numa poltrona feita pelas sombras que dele emanavam, derramou o liquido dentro da eterna noite do capuz e se virou para mim e novamente se ouviu o som de sua voz: “não, desculpe-me desaponta-lo, mas não, você fez muito em sua vida para conseguir o poder que tem hoje, mas você não tem noção de quem eu sou, ou melhor, do que eu sou, sua mente simples não conseguiria processar tamanha informação, você não conseguiu me invocar, nenhum humano tem tanto poder, isto é obvio criança.....

Meus nervos tremeram, eu tentei-me mexer, pegar o charuto, mas não consegui, a voz sussurrou bem próxima aos ouvidos: “oh, perdoe-me força do habito, muitos tenta fugir, e eu não gosto de bagunça, você não tentará correr não é minha criança? Claro que não... tente agora” estendi minha mão ao cinzeiro, para minha surpresa eu conseguiu, eu começava a entender a situação, sem tirar os olhos da brasa fria e congelada, do charuto agora inútil eu perguntei: “Bem, se eu não consegui lhe evocar, e você esta aqui ao meu lado, isto quer dizer que.......” não consegui terminar a frase, mas o que queria dizer era obvio, sentia-me realmente uma criança ao lado dele.

O espectro colocou a garrafa congelada no chão, se virou para mim, e depois inclinou-se para o fogo de chama parada incapaz de produzir calor e novamente ouvi a voz, impassível, calma, como se o meu desespero já não fosse percebível, a voz que uma aranha falaria com a mosca presa em sua teia “Sabe Wellington, magia é uma coisa que se usa energia vital para dar certo, e quando se usa, o uso constante de magia se envelhece rápido, e convenhamos, você foi um homem ousado, tudo era pouco para você, e este seu ultimo projeto, me evocar, sou maior que você pensa sabe, bem, você precisaria de trinta vezes mais energia vital que você dispunha, então de qualquer forma eu vim, fazer o que eu faço dês de que existe vida, se a pergunta que você me faz é se você morreu, a resposta é não, ainda não, isto sou eu quem decido, e estou disposto a responder algumas perguntas, as ultimas que você fará”

Aquele ser sabia da minha vida? Sabia meu nome? Eu realmente não previa isto, aquilo era poderoso demais, e se portava como se fosse a coisa mais normal que pudesse conceber, aquilo era medonho, constrangedor ate.... Não sabia o que fazer, então me resignei a fazer mais uma pergunta para aquele ser que escurecia e gelava cada vez mais o ambiente

“Como você sabe de minha vida? Quem lhe disse meu nome? Você está me seguindo desde quando espectro?

“Desde quando eu lhe sigo? Desde o seu nascimento lhe sou uma sombra, o seu e de todos aqueles que conheceu, conheço e sigo todos que vivem ou viveram, neste mundo e nos outros, acompanho você desde antes de sua concepção, sou o frio na espinha que você aprendeu a ignorar, eu sou aquele que cria e tira a vida, aquele que todo ser vivente este fadado a encontrar”

O medo já tomava conta de minha alma, pois era claro que a cada segundo o espectro parecia maior e mais poderoso, suas sombras já enchiam o quarto e sua aura me causava um medo alucinógeno que eu fazia um esforço insano para permanecer justamente com minha sanidade, fiz por instinto uma pergunta que esperava uma resposta negativa:

“Ohh, por mil demônios, quem é você? Você é deus?”

E para minha intensa surpresa em resposta ouvi uma risada baixa e fria como o gelo sair daquela criatura que olhou para cima e para o lado e se calou, mas depois novamente voltei a ouvir a maldita voz que respondeu:

“Sim, sou deus, pelo menos o único deus que te escutou durante esta sua breve existência e também o único que te respondeu”.

Agora olhei pelo cômodo, a janela estava quase perdida entre as sombras, mas lá estava ela, eu conseguiria correr e saltar sobre ela, estava velho mas aguentaria faze-lo, é isto, fugirei da morte e usarei minha magia para deixa-la longe de mim, e foi o que eu fiz, e o espectro ficou indiferente, sequer tentou me impedir mas quando saltei pela janela eu cai dentro do mesmo cômodo, eu via o mundo todo do outro lado, mas quando pulava por ele caia novamente no cômodo onde eu estava e no outro lado estava a liberdade, sempre do outro lado da janela, o espectro olhava impassível, me lembrei da porta, me arrastei em direção a ela e a abri, quando olhei por ela, dava novamente para o cômodo logo atrás de mim, eu estava preso dentro do cômodo, não iria conseguir sair, o desespero tomava conta de meu rosto, que agora escorriam lágrimas cruéis de medo profundo.

Caí prostrado no chão, a voz me perguntou impassível:

“Acabou o show? Achou mesmo que seria tão fácil fugir de mim? Fugir da morte.... não é o primeiro que tenta, sabe? E se tratando de você, esperaria técnicas mais eficientes do que pular uma janela”

Virei para aquele ser flutuante, agora a dois passos de mim, e gritei em fúria, meus olhos saltados, boca espumante, meu coração doía, uma dor que nunca sentira antes, enquanto minha sanidade se esvaia como fumaça, virei e gritei:

“Você não é deus algum, é o demônio, o próprio inferno”

Senti aquele ser me fitando com uma odiosa indiferença, como um adolescente que olha seu brinquedo de criança, o ser falou novamente:

“Acertou novamente, sou o demônio, sou deus, sou a vida, sou a morte, o sim e o não, sou o paraíso e o inferno também, mas lembra-se daquela ampulheta, o que você acha de olhar para ela?”

Eu nem sequer me lembrava da maldita ampulheta, mas quando a morte falou dela, meu pescoço se virou contra minha vontade para a direção da mesma, e lá estava ela com um ultimo grão caindo..... e a dor no coração não parava, era isto! Eu morreria de parada cardíaca!

Olhei para o espectro gigantesco agora, e com um poder imensurável, olhei para ele e fiz uma ultima pergunta:

“E agora, para onde vou?”

E então ouvi novamente o barulho do crepitar das chamas, do relógio, de uma garrafa se quebrando o tempo continuara seu ritmo e enquanto o ser que tentei evocar a fim de ser meu escravo descia a foice que acabaria com minha gloriosa vida de feiticeiro, disse-me a ultima resposta que ouviria na vida:

“Para lugar algum, você está morto criança, e assim ficará para todo o sempre”.


Autor: Tarso Ciolete

18 comentários:

  1. '-'...fdc morte, sou mago krl, vou voltar a viver fazendo alguma macumba. Kkkkkkk
    Então...foi até legalzinha e tals, ainda nao tinha lido (as vzs não tenho tempo pra ler) mas ai até que foi bem feitinha.
    Mns a parte que ele pula da janela, fdc krm, o cara é mago o minimo. Que ele poderia fazer era lançar hadouken....'-' afs

    ResponderExcluir
  2. Sou a vida e a morte, sou o sim e o não... ...Sou teu céu, teu inferno tua calma... Entidade apaixonada o.o

    ResponderExcluir
  3. Se ele tivesse ido a igreja da vózinha nada disso teria acontecido.

    ResponderExcluir
  4. Eita... que daora. A melhor creeoy dos fãs até agora, acho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nos enganaram , bino. Essa é uma creepy que tem na Wiki ;-; procura la , o cara pegou essa creepy ;-; safado

      Excluir
    2. Sabia que já tinha visto em algum lugar XD

      Excluir
    3. Que safado >_>.
      Mas não deixa de ser boa a creepy.
      Oquê é bino ? ><'

      Excluir
  5. Esses fas sao pilantras...pegando creepys da Wiki e dizendo que é deles '-' Fdps

    ResponderExcluir
  6. boa creepy..dá pra criar um HQ...
    quem apoia?

    ResponderExcluir
  7. Se o mago tivesse avisado a policia... Nada disso aconteçeria

    ResponderExcluir
  8. Tantos erros de português que a Alemanha fez outro gol.

    ResponderExcluir