17/07/14

RIP, Fusion

Eu criei o meu gato, Fusion, desde quando ele era apenas um filhote. Ele foi o primeiro e único animal de estimação que tive, e era o tipo de gato que se esfrega em suas pernas quando você chega em casa, e brinca de agarrar com você, e até abre portas. Geralmente, ele era um gato caseiro, mas algumas vezes ele dava umas voltas lá fora.

Agora, contarei o que aconteceu em uma noite...

Minha mãe voltou depois de fazer compras e quando ela abriu a porta, Fusion correu para fora. Ela não se importou muito, já que Fusion sempre retornava depois de alguns minutos, era no que ela acreditava no momento.

Horas depois, percebemos que ele ainda estava fora. Procuramos pela casa, e pelo quintal, mas não o encontramos. Eu até estava irritado com a minha mãe – na verdade, estou irritado até hoje — mas não é culpa dela. Ela não poderia prever o que aconteceria. Estou apenas... tentando lidar com o que aconteceu, eu acho.

De qualquer forma, minha irmã saiu para dormir na casa de uma amiga. Ela não queria ir enquanto o Fusion estivesse desaparecido, mas falamos com ela que estava tudo bem, que ele logo voltaria miando para a porta assim que estivéssemos prestes a cair no sono, então ela resolveu sair. Era perceptível que ela continuava preocupada com o Fusion, e na verdade, eu também estava.

Então saí para uma caminhada noturna, apenas para ver se ele estava em algum lugar por perto. Lá fora estava realmente escuro naquela noite, e tudo perfeitamente calmo. A minha rua era muito pequena, então decidi checar a rua ao lado, e o caminho para chegar lá era uma passagem bem estreita entre várias árvores.

Essa passagem sempre me assustou, e à noite, era bem pior. As árvores bloqueavam qualquer luz, então eu não conseguiria enxergar muito bem, e havia uma vala de escoamento bem no meio do caminho, logo em uma curva onde era difícil enxergar de longe.

E havia um cheiro estranho naquela noite. Não era como um esgoto... era pior. Havia uma sensação estranha naquele lugar. Todas as sombras tinham uma forma e todos os sons pareciam passos... mas talvez Fusion estivesse por ali em algum lugar. Resolvi continuar atravessando a passagem. Enquanto andava, pensei ter ouvido um gorgolejar dentro da vala, e talvez um miado abafado, mas não dei importância. Eu... pensei que estivesse enganado.

Fusion não estava na outra rua, não pelo que pude ver. E já estava ficando bem tarde, então decidi voltar para casa. Falei para mim mesmo, que quando chegasse lá, Fusion já estaria me esperando na porta da frente, entraríamos e tudo ficaria bem. Então segui de volta para a minha rua.

Na volta, a passagem estava bastante silenciosa. Não havia absolutamente nenhum som, e o fedor de esgoto estava pior. A passagem é bastante escura, então você não consegue enxergar nada até que termine de atravessar. A única coisa que você pode fazer é entrar e continuar andando, tomando cuidado para não cair na vala e tentando não olhar muito para trás.

Então eu fiz isso. Mas enquanto passava pela vala—a vala que eu nem conseguia enxergar, mas sabia que estava lá—senti um calafrio, tipo, um pavor repentino. Havia algo ali. Eu não sabia o que era, ou onde estava, mas sabia que alguma coisa me observava. Talvez estivesse nas árvores, ou no chão, não sei, mas definitivamente havia algo por ali.

Tentei me controlar, dizendo que era apenas paranoia e tentei forçar um riso. Logo comecei a acelerar os passos.

Mas antes de sair daquela passagem, ouvi o gorgolejar outra vez. Agora estava mais alto, e não pude ignora-lo. Era um gorgolejar misturado com um som de sucção e água escorrendo, e estava vindo de trás de mim. Virei para trás, e não pude enxergar nada na escuridão, mas a vala e a área ao redor dela... parecia ter um tom um pouco mais escuro.

Então algo me atingiu no rosto. Não machucou, mas me fez pular de susto. Peguei o objeto, sem ideias do que poderia ser, e fiquei furioso e assustado, então gritei algo como, “Ei, seja quem for, para com isso.” Foi então que percebi o que era o objeto que estava segurando.

Era uma cabeça de gato. A cabeça do Fusion. Eu o reconhecia, mesmo no escuro, mesmo com metade dos pelos faltando e completamente ressecado. Congelei, não sei por quanto tempo, antes de ouvir o som de água escorrendo outra vez.

O fedor de esgoto estava tão forte que engasguei. Vi algo perto da vala, a área de tom mais escuro... estava se movendo, escorrendo pelo chão como uma poça, mas começou a ficar bem maior que uma poça. Aquilo começou a se levantar, não sei como, e então começou a escorrer em minha direção.

Corri. Todo o caminho de volta para a minha rua, para a minha casa, e entrei, batendo a porta, soluçando e gritando por meus pais.

Eles vieram, e quando viram o que tinha acontecido com o Fusion, começaram a chorar também. Queríamos segura-lo, abraça-lo uma última vez, mas não conseguimos, meus pais até vomitaram. Por fim, colocamos a cabeça em um saco, e finalmente meus pais perguntaram sobre o que havia acontecido.

Contei para eles. Bom, tentei contar. Quando falei sobre a passagem e o que vi por lá, comecei a tremer incontrolavelmente, então minha mãe me trouxe uma xícara de chá e esperou que eu recomeçasse. Quando acabei de contar tudo, meu pai abriu o saco para olhar o Fusion.

Ele disse que o pelo de Fusion havia caído, assim como eu disse, mas não foi por ter sido agredido. Na verdade, não havia lacerações em nenhuma parte da cabeça. O que aconteceu com ele... meu pai disse que foi uma queimadura de ácido. Uma grande queimadura de ácido por toda cabecinha do coitado. Tinha feito metade dos pelos caírem, queimando os olhos e orelhas, e passando pelo pescoço.

Meus pais ficaram acordados comigo por horas até que eu me acalmasse. E precisávamos pensar no que dizer para a minha irmã. Ela é apenas uma criança, e não queríamos traumatiza-la com o ocorrido, ela realmente amava aquele gato.

Também não poderíamos contar para ninguém. Quem acreditaria em mim? E pensariam que foi obra de algum maníaco torturador de animais. E de qualquer forma, nada poderia trazer o Fusion de volta, e nada poderia encontrar a coisa que o matou... o que quer que fosse. O que a minha irmã sabe, é que o Fusion simplesmente desapareceu. Ela ficou triste com isso, é claro, mas a minha mãe lhe disse que talvez o Fusion tivesse encontrado outra família, e ela se sentiu um pouco melhor assim.

Porém, sempre que ela tenta falar comigo sobre o Fusion, eu tento mudar de assunto. Não consigo mentir para ela, não quando lembro que fui o primeiro a encontrar a cabeça do Fusion, eu que vi a coisa que o matou, mesmo que eu não saiba o que foi.


Fusion cat
A última foto que tiramos dele.



Alex Ross

22 comentários:

  1. Sei lá, não consegui levar a sério pelo fato do gato se chamar "fusion"

    ResponderExcluir
  2. Ele é igual o gato daqui de casa '-'

    ResponderExcluir
  3. Nossa já tive varios gatos que desapareceram, sorte que nunca sai na noite pra procurar eles.

    ResponderExcluir
  4. Eu queria saber o que era a tal "coisa".

    ResponderExcluir
  5. Parece com meu gato... Só que o meu se chama Mingau.

    ResponderExcluir
  6. Meus vizinhos matavam gatos. Matavam...
    Agora um morreu e o outro está numa cadeira de rodas U.U

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só por curiosidade, do que esse um morreu?

      Excluir
    2. Se me lembro bem, foi ataque cardíaco '-'

      Excluir
    3. Os gatos mataram ele e aleijaram o outro, essa é verdade os gatos vão dominar o mundo.

      Excluir
    4. http://grandesmisteriosdouniverso.blogspot.com.br/2013/08/gatos-arruaceiros.html

      hehe

      Excluir
  7. Gatos, Gatos, Gatos, Gatos, Gatos, Gatos :B
    uasjasuhaj

    ResponderExcluir
  8. Acho q n foi o monstro e sim meus vizinhos, eles criam e comem gatos e coelhos domesticos.

    ResponderExcluir
  9. Uma das melhores creepys que eu já li...não é forçada,é bem escrita e tem um toque de realidade...amei!

    ResponderExcluir
  10. Não sei não...eu me assustei mais com o comentario acima doq com a creppy '-'
    Fusion....realmente Fusion não fica legal....
    ;-; coitado do gato cara...ele não merecia issu....

    ResponderExcluir
  11. Quando os gatos da avó do meu pai tinham baby gatos, ela botava os gatinhos recém nascidos em um saco, amarrava e jogava em um galão de leite cheio d'água e.e

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu li esse procedimento em um livro.
      Chamava "Como ir para o inferno em dez passos simples" :)

      Excluir
  12. MINHA DEDUÇÃO:
    Entao o gato do mlk fugui foi fuçar o lixo na vala morreu no acido e a alguma coisa q ele viu foi um cachorro q tbm foi la fuçar o lixo
    Mas isso n explica o fato de terem jogado a cabeça do gato no mlk
    Creepy mto boa postem mais assim vlw flw\o

    ResponderExcluir